A reinvenção dos museus em época de confinamento: O exemplo que vem do MNAC

Se o ano 2020 foi um tempo de sobressalto e de espanto perante uma ameaça inesperada e inédita, obrigando os museus a fechar portas e, depois, a abri-las em grande contingência, 2021 prolonga a crise que, em Portugal é agora ainda mais grave, com um número inédito de infetados e mortos por Covid-19, implicando um conjunto de medidas cada vez mais restritivas.

Durante o confinamento de 2020, os museus mantiveram-se ativos, assumindo a comunicação digital como uma forma válida de comunicação com os seus públicos, incluindo aqueles que nunca haviam entrado nos espaços físicos das suas exposições. Foi uma resposta imediata às circunstâncias, sem tempo para amadurecer projetos e estratégias, mas que se revelou eficaz dado o seu impacto nas redes sociais e na criação de novas audiências virtuais. Na altura, era possível antecipar uma transformação digital definitiva, mesmo se as ações se limitassem essencialmente à transposição do sistema analógico para o virtual.

Continuar a ler “A reinvenção dos museus em época de confinamento: O exemplo que vem do MNAC”

Lembrança do Holocausto, 75 anos depois da libertação do campo de Auschwitz

27 de janeiro, Dia Internacional da Lembrança do Holocausto.

O dia escolhido assinala a libertação dos campos de Auschwitz a 27 de janeiro de 1945.  Fazia nesse dia, precisamente 4 anos e 9 meses que Heinrich Himmler, o Reichsführer da SS, ordenada que os antigos alojamentos de artilharia aí existentes fossem transformados num campo de concentração. O campo de Auschwitz II – Birkenau, construído em finais de 1941 com o objetivo de descongestionar Auschwitz I, foi concebido como campo de extermínio, ou conforme a designação dada pelo próprio Himmler, a Solução Final dos judeus.

Campo de Auschwitz
Foto: Stanislaw Mucha, 1945-46

Continuar a ler “Lembrança do Holocausto, 75 anos depois da libertação do campo de Auschwitz”

Charlotte, descendente de africanos e rainha de Inglaterra

Na série Bridgerton, da Netflix, a rainha Charlotte (1744 – 1818), mulher do rei inglês George III (1738-1820), é interpretada por uma intérprete negra. Apesar de não haver consenso sobre a sua etnia, a ascendência africana é defendida por alguns investigadores e foi amplamente especulada na altura do casamento do príncipe Harry com a afro-americana Meghan Markle, rebatendo a ideia de que esta seria a primeira mestiça a entrar no núcleo da família real britânica.

Queen Charlotte Sophia
Allan Ramsay, c. 1784
Oxford, University of Oxford, St John’s College

Continuar a ler “Charlotte, descendente de africanos e rainha de Inglaterra”

Os museus, entre a crise e a transformação

No início da pandemia Covid-19, a UNESCO elaborou o relatório  Museums Around the World in the Face of COVID-19 (2020, maio). Já nessa altura, era nítida a crise que se instalava no setor, após uma década de vertiginoso crescimento, com um aumento de 60% no número de museus entre 2012 e 2020: 85.000 museus, isto é, quase 90% dos museus registados em todo o mundo, foram obrigados a encerrar. Era igualmente percetível que o impacto do encerramento dos museus era, não só económico, como também social e que a recuperação da crise seria demorada.

Aviso de encerramento do Mosteiro dos Jerónimos e Museu de Arqueologia devido ao Covid-19
Foto: Lusa, 2020

Continuar a ler “Os museus, entre a crise e a transformação”

Cutileiro, o Mestre

João Cutileiro (1937-2021)

A primeira imagem de João Cutileiro é (para mim) a estátua de D. Sebastião, inaugurado em 1973 em Lagos, por ocasião da comemoração do IV Centenário do Alvará da elevação de Lagos a cidade, concedido pelo rei que se tornou O Desejado.

D. Sebastião
João Cutileiro
1973
Escultura em mármores
Lagos, Praça Gil Eanes

Ainda que tenha sido uma encomenda oficial do município, esta obra marcou a rutura face ao academicismo da estatuária urbana do Estado Novo. Lembro o espanto, a surpresa indignada, a discussão a que se assistia nas excursões obrigatórias que nesses domingos de 1973 se tornavam obrigatórias para ir ver o “boneco de Lagos”. Lembro, também, o meu espanto maravilhado, a empatia de adolescente perante aquela figura, o gosto que se fixou pela obra de Cutileiro e por uma arte que adivinhava diferente.

Lago das Tágides
João Cutileiro
1998
Esculturas em mármore
Lisboa, Parque das Nações

Depois da passagem pelos ateliês de diversos e pela Escola de Belas Artes de Lisboa, Cutileiro diplomou-se na Slade School of Art, em Londres. No regresso a Portugal, pautou-se pelo experimentalismo e pela diferença, com intervenções no espaço público, com um vigoroso erotismo e com uma prodigiosa criatividade na reinterpretação das iconografias oficiais .

Em 2018, doou parte do espólio, num conjunto de mais de 700 obras. E a casa-atelier, em Évora, ao Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo, para albergar oficinas, residências artísticas e atividades de investigação. Ficou-nos, dele, a imensa obra, os desenhos de traço livre, mas tão preciso, os trabalhos em pedra que parecem inacabados e são imensamente expressivos. Assim a saibamos merecer.

O beijo
João Cutileiro
1981
Escultura em mármore
Évora, Jardim Diana

Bolo-rei

“N’este dia costuma-se fazer à mesa real o gracejo denominado: O bolo dos reis. Como é sabido, é um bolo, contendo uma fava, que se reparte pelos convivas, sendo proclamado rei e dando beija mão aquelle a quem cae a fava.”1

Um bolo que simboliza os Reis Magos e também os seus presentes: atributo real pela forma de coroa, com a côdea dourada pontuada pelo brilho das frutas cristalizadas; a côdea é o ouro, as frutas cristalizadas e as frutas secas da massa são a mirra, o aroma é o incenso.


Conta a lenda que, quando os Reis Magos viram a estrela de Belém, disputaram entre si a quem caberia a honra de ser o primeiro a adorar o Menino. Para resolver a contenda, um padeiro fez um bolo em cuja massa escondeu uma fava. Dividido o bolo em fatias, aquele a quem calhasse a fava seria o escolhido. Não nos relata a história qual terá sido, mas fixou-se o costume em introduzir uma fava e uma pequena prenda no interior do bolo: a quem coubesse a prenda era afortunado; aquele a quem calhasse a fava ficava com a obrigação de pagar o bolo-rei no ano seguinte. Era assim a tradição…

  1. In Diário de Notícias, 6 jan. 1870. segundo informação de Cristina Neiva Correia []

Feliz Ano Novo!

Nem tudo terá sido mau em 2020, mas que 2021 seja para melhorar.

Quando, há um ano, fazíamos votos de um bom e feliz ano novo, não imaginávamos o tempo transformador que se avizinhava: a doença, a angústia, o medo, a distância, o isolamento e a solidão.

Alguns (muitos!) não sobreviveram, outros (muitos mais!) sofrem as marcas da doença e da solidão. No entanto, nós sobrevivemos e chegamos a este dia, com a esperança numa luz que se adivinha ao fundo do túnel de trevas e sombras em que deambulámos nos últimos meses. Se, há um ano, não imaginávamos a pandemia que estava a chegar e alcançaria cada recanto deste mundo definitivamente global, ainda que muito pouco igualitário, também seria impensável, há apenas alguns meses, que a vacina chegaria por estes dias.

Encontramos, entre as obras de Wang Qingsong, uma profética ilustração destes tempos tão estranhos.

Temporary ward 
Wang Qingsong, 2008
Caixa de luz, a partir de uma instalação  ao vivo com 300 figurantes, incluindo doentes e pessoal de saúde 
Newcastle, Northern Stage theater

Se, em Temporary Ward (Enfermaria temporária), se abarca a memória destes dias de doença e sofrimento, o espanto perante o efémero, afinal, tão inevitável e infinito, fixemo-nos na festa de Happy New Year (Feliz ano novo), onde o humor se alia a um tom de irreverência, mas onde tudo parece leve e luminoso, entre aquilo que podemos deixar cair e os sonhos que se elevem, como balões coloridos “entre as mãos de uma criança”, como dizia o poeta a propósito da Pedra Filosofal.

Happy New Year
Wang Qingsong, 2012
Instalação
Pequim, Tang Contemporary

Que, em 2021, renasçamos mais humanos e conscientes na construção de um mundo novo. Que 2021 seja um ano bom para todos nós e que todos sejamos melhores.

E que, no espírito de a-muse-arte, a arte e os museus continuem a servir para nosso contentamento.

Prémios APOM 2020

A 25ª edição da Cerimónia dos Prémios APOM voltou a realizar-se no dia 10 de dezembro. Em tempo de pandemia, esta foi uma cerimónia diferente, em suporte virtual. Além dos premiados, também se felicita a Associação Portuguesa de Museologia (APOM) pelo esforço em manter e atualizar o reconhecimento das personalidades, das práticas museológicas e da investigação em museologia, premiando aqueles que, segundo o escrutínio de um júri, mais se distinguiram nas várias áreas.

Foram recebidas 208 candidaturas de Portugal Continental e Regiões Autónomas, mas distingue-se, este ano, uma abrangência de cariz internacional, dado que foram contemplados projetos de exposição e divulgação cultural de Portugal no estrangeiro e que a moçambicana Alda Costa foi reconhecida como Personalidade na Área da Museologia.

Os vencedores são:

Personalidade na Área da Museologia
Alda Costa
Cláudio Torres Continuar a ler “Prémios APOM 2020”

Eduardo Lourenço (1923-2020)

No dia em que se comemora a Restauração da Independência, chega a notícia da morte de Eduardo Lourenço. Queriamo-lo imortal, porque nos era essencial a voz lúcida que nos dava o sentido das coisas.

Não é possível escrever acerca do homem do pensamento e das palavras, porque tudo o que escrevessemos lhe ficaria aquém, desmerecendo a obra do mestre.

E, por isso, é através das suas palavras que, neste dia, assimilamos, à portugalidade, a lusofonia “não tanto o seu óbvio sentido linguístico, mas como espaço cultural, é um espaço se não explodido, pelo menos multipolar, intrinsecamente descentrado”(Lourenço, 2004 [1999], p. 188), salientando que “nós fomos os primeiros agentes, inconscientes embora, da descentração europeia, é a melhor maneira de cortar pela raiz o sonho de comunhão, de expansão de nós mesmos como cultura que se quer vincular à ideia-programa, agora ideológica, da lusofonia” (id., pp. 188-189). Por conseguinte, “aquilo que permitiria atribuir a verdadeira realidade e sentido à tão evocada lusofonia, não pode, nem sequer metaforicamente, ser pensado e imaginado como espaço de portugalidade” (id., 186).

E, desta forma, o dia da Restauração da Independência adquire um novo e límpido sentido.

Referência:
Lourenço, E. (2004 [1999]). A nau de Ícaro seguido de imagem e miragem da lusofonia. Lisboa: Gradiva.

Dia da Restauração da Independência

Comemora-se, a 1 de dezembro, a Restauração da Independência. Nesse dia, em 1640, o golpe de Estado perpetrado pelos Quarenta Conjurados pôs fim ao domínio espanhol em Portugal após sessenta anos de União Ibérica, aclamou D. João IV no trono restaurado e inaugurou a dinastia dos Bragança.

Actus Regius Iohannis Lusitaniae sev Portugalliae Regis
Johannes der Viertes, século XVIII
Royal Collection Trust

Continuar a ler “Dia da Restauração da Independência”

São Martinho, pão, castanhas e vinho

São Martinho de Tours nasceu na antiga cidade de Savaria, na província romana da Panónia, atual Hungria, em 316. Os dados da sua biografia são conhecidos a partir da Vita sancti Martini (Vida de São Martinho) escrita em 396-397 por Sulpício-Severo, um dos seus discípulos, a qual se tornou um arquétipo da hagiografia ocidental (Poulet, 1993, p. 21) onde os factos históricos se misturam com elementos lendários e mitificados1.

Caridade de São Martinho
Antoon van Dyck
Olpe, St.-Martinus-Kirche (igreja paroquial de São Martinho)

Continuar a ler “São Martinho, pão, castanhas e vinho”

  1. Sulpício anexou à obra biográfica de São Martinho, cartas evocativas da morte do santo e o livro Gallus, Dialogues sur les «vertus» de saint Martin, escrito em 404. Vd.: Sulpice Sévère. (2006). Gallus: Dialogues sur les «vertus» de saint Martin: Introduction, texte critique, traduction et notes de J. Fontaine. Paris: Éd. du Cerf. A informação relativa ao seu nascimento é igualmente registada na Histoire des Francs (ou Decem libros historiarum), de Grégoire de Tours: “Romanorum tricesimus quartus imperium obtinuit Constantinus, annis triginta regnans feliciter. Huius imperii anno undecimo, … beatissimus præsul Martinus apud Sabariam Pannoniæ civitatem” [Trad. livre: Constantino tornou-se o trigésimo quarto imperador dos romanos e governou alegremente por trinta anos. No décimo primeiro ano do seu reinado, o Beato Bispo São Martinho nasceu na Panónia] (livro 1, cap. 36). No entanto, Sulpício aponta, como data de nascimento, o ano 336, comummente rejeitada e que se poderá justificar pela intenção do autor de reduzir a duração da sua vida militar e diminuir a sua relevância face à vida religiosa. []

Eduardo Salavisa e o cadeirão que fica vazio

Eduardo Salavisa é o desenhador que documenta o quotidiano, as rotinas, os rostos, os gestos. Ainda ontem, o Público contava como, durante o verão, os amigos se haviam sentado (ou não) num cadeirão da sua sala, enquanto lhes fixava os rostos, os corpos, os gestos, as posições, os nomes e as histórias, sabendo que esse retrato era uma despedida: “As memórias destes momentos em que amigos meus me visitaram no momento terminal da minha vida foram registados por um desenho”. Desses desenhos se fez o livro Caderno de retratos: Memórias imperfeitas, editado pelas Edições Afrontamento, e a exposição ”Um cadeirão e 96 retratos”, no Museu Bordalo Pinheiro, em Lisboa. Esteve na exposição, novamente a desenhar quem quisesse ocupar o cadeirão.

Eduardo Salavisa na exposição ”Um cadeirão e 96 retratos”
Lisboa, Museu Bordalo Pinheiro
Foto: Câmara Municipal de Lisboa

Continuar a ler “Eduardo Salavisa e o cadeirão que fica vazio”

Algo vai mal no reino dos museus e do património

Something is rotten in the state of Denmark.
Shakespeare. Hamlet (1.4)

Em dois dias seguidos, a 22 e a 23 de setembro, a Secretária de Estado do Património, Ângela Ferreira, e o Diretor-Geral do Património Cultural (DGPC), Bernardo Alabaça, deram entrevistas publicadas no jornal Público, numa tentativa de propaganda que resulta óbvia, até pela diacronia e pela sintonia das afirmações, ao garantir que, apesar dos problemas que ameaçam o setor, tudo corre bem neste reino dos museus e do património.

A entrevista a Ângela Ferreira tem, como pretexto, os concursos para 18 cargos de diretor de museu. Mostra-se “muito contente” com o modelo do concurso que teve, como retorno, 146 candidaturas, em que se incluem as recandidaturas de 11 dos atuais diretores, 32 candidaturas de cidadãos de nacionalidade estrangeira, candidatos a vários museus e até 9 candidatos que se propuseram a concurso sem indicar a que museu concorriam: “[…] estamos muito contentes com os números, obviamente porque querem dizer que os nossos museus são desafiantes, mesmo os regionais” (Ferreira, cit. in Canelas, 2020). Um êxito, portanto.

Continuar a ler “Algo vai mal no reino dos museus e do património”