Público para o museu, ou museu para o público: uma leitura do relatório Culture Track 2017

A definição de turismo criativo tem subjacente o conceito de experiência imersiva no destino da viagem. Na International Conference on Creative Tourism, de 2006, em Santa Fé, Novo México, foi sublinhado que “it includes more access to culture or history (“less museums, more squares”), involves doing something experientially, and an authentic engagement in the real cultural life of the city” (UNESCO. Creative Cities Network, 2006, p. [1]). Passada mais de uma década, verifica-se que, ao contrário da expetativa de “less museums” as estratégias imersivas invadiram os museus, convertidos em “more squares”, os quais, por seu turno continuam a ser passagem obrigatória no decurso da viagem turística.

Exposição “Juan Muñoz: Uma retrospetiva”
Porto, Museu de Serralves, 1 nov. 2008 – 24 fev. 2009
Foto: MIR, 2009

Continuar a ler

Dias de Todos os Santos e de Finados

O dia de Todos os Santos (Festum Omnium Sanctorum), que a Igreja católica de rito latino celebra a 1 de novembro, tende a confundir-se com o dia de Finados ou dos Fiéis Defuntos, homenageados no dia seguinte. A ocorrência do feriado propicia a antecipação da ida ao cemitério, lembrando aqueles que já partiram.

Maestà (Virgem e o Menino com anjos e santos)
Duccio di Buoninsegna, 1308-11
Siena, Museo dell’Opera del Duomo

Continuar a ler

O visitante no museu face à obra de arte: fonte para estudos de público

Stefan Draschan é um fotógrafo autodidata de 38 anos, austríaco, atualmente a viver em Paris e que passa os dias em museus, à espera da oportunidade de criar a sua obra. O projeto “People Matching Artworks“, publicado na página Tumblr do fotógrafo pretende isso mesmo: relacionar, ou combinar, as pessoas e as obras de arte. O visitante é o objeto, aquele que é captado pela sua objetiva, em função da complementaridade visual, gráfica ou cromática, que estabelece com a obra exposta em museus de Paris, Berlim ou Viena.

Projeto “People matching artworks”
Stefan Draschan, 24 out. 2017
Paris, Centre George Pompidou

Continuar a ler

A reinvenção do museu e as metamorfoses do objeto

Numa sociedade em mudança, face aos novos paradigmas da comunicação e transmissão, ou divulgação, do conhecimento, o museu reavalia os seus próprios conceitos e funções.

The British Museum: the Egyptian Room, with visitors.
Wood e Credit: Wellcome Library, London.

Continuar a ler

A (in)definição de museu

Quando o assunto é a definição de museu, é frequente encontrar, em epígrafe, uma citação de Richard Grove:

“A hospital is a hospital. A library is a library. A rose is a rose. But a museum is Colonial Williamsburg, Mrs. Wilkerson’s Figure Bottle Museum, the Museum of Modern Art, the Sea Lion Caves, the American Museum of Natural History, the Barton Museum of Whiskey History, The Cloisters, and Noell’s Ark and Chimpanzee Farm and Gorilla Show.” (Grove, 1968, cit. in Alexander & Alexander, 2008, p. 1)

Um hospital é um hospital, uma biblioteca é uma biblioteca, uma rosa é uma rosa, mas um museu não é “um” museu: é “aquele” museu e não outro. Cada museu, com um espólio exclusivo, constituído por peças únicas, é uma realidade singular, definida através dessa mesma exclusividade. Devido a esta multiplicidade de circunstâncias individualizadas, o museu, enquanto conceito genérico, revela-se na sua complexidade, difícil de definir, ou de descrever sumariamente.

Apolo e as Musas no Monte Hélicon
Claude Lorrain, 1680.
Boston, Museum of Fine Arts

Continuar a ler

Ser ou não ser património, uma questão de valor(es)

Umas (poucas) bonecas, algumas cartas (do tempo em que se escreviam cartas), uma caixa com recordações da adolescência, ofertas obtidas ao longo dos anos, uns botões de rosa secos, umas quantas fotografias, uns quantos livros e discos, tudo isso é o meu património. O meu património íntimo e pessoal, um universo que me é exclusivo. Objetos que me ligam ao passado e o transportam ao presente: ao ver isto, recordo amizades e amores, momentos únicos, espaços de contemplação ou de exaltação. Apenas a mim, falam desta maneira e evocam esses momentos e espaços, porque apenas eu os vivi e guardei e, como tal, os valorizei. São também eles que definem a minha identidade, porque fui a mim que marcaram e fui eu que os escolhi. Eu “sou” nesses fragmentos colhidos ao longo da vida, documentando os meus gostos, interesses e escolhas.

Museu da Inocência
Omar Pamuk, 2012
Istambul, Çukurcuma Caddesi
Foto: Susanna Smith

Continuar a ler

Museus com máscaras de cera

Umberto Eco descreveu o diorama, uma estratégia de reconstrução de ambientes em contexto museológico como uma viagem na hiper-realidade, onde a representação da realidade (“the real thing”), através de um artifício ficcionado (“the absolute fake”) e, portanto, falso, se torna real e autêntico: “the diorama aims to estavlish itself as a substitute for reality, as something even more real” (Eco, 1986, p. 8). O facto é que todo o museu é, em si, uma ficção, mesmo se todos os objetos expostos forem autênticos; nunca serão totalmente autênticos, no sentido em que a função (a função-signo, diria Barthes, 1964, p. 106, II.1.4) e o contexto original que os justificava em ambiente real lhes foi truncado no museu, quando, em contrapartida, “everything looks real, and therefore it is real; in any case the fact that it seems real is real, and the thing is real” (Eco, 1986, p. 16). Umberto Eco não falava apenas de dioramas que assentam num método próprio, com técnicas exaustivamente descritas, para a reprodução de um momento específico, mas referia-se especificamente a museus de cera: “The contents of a European wax museum are well-known: ‘live’ speaking images, from Julius Caesar to Pope John XXIII, in various settings. As a rule, the environment is squalid, always, subdued, diffident.” (Eco, 1986, p. 8)

Museu de Cera: os três pastorinhos videntes Jacinta, Lúcia e Francisco
Fátima
Foto: MIR, 2017

Continuar a ler

História da arte digital e museologia

A tecnologia digital alterou os parâmetros da investigação (também) em humanidades: se, há poucas décadas, parte do trabalho do investigador era identificar as fontes e coletar os dados, numa incessante pesquisa em bibliotecas e arquivos, hoje, a profusão de dados a que se tem acesso imediato implica a centralidade do estudo na seleção e no processamento da informação e, sobretudo, na atualização do conhecimento em constante aceleração. Por um lado, a tecnologia digital permite novos métodos e novos campos de investigação, enquanto, por outro lado, o hipertexto, a sintaxe da web, altera a comunicação do conhecimento. Se, em 1997, Steven Johnson Johnson considerava que as inovações mais importantes propiciadas pela web se davam ao nível micro da sintaxe, mas não ao nível macro da narrativa (Johnson, 1997, p. 130), o ambiente colaborativo que entretanto se desenvolveu desencadeou novas formas narrativas (Lloret Romero, & Canet Centellas, 2008), inclusive em contexto académico.

André Malraux no processo de seleção de imagens para o livro Le musée imaginaire de la sculpture mondiale
Foto: Maurice Jarnoux/Paris Match via Getty

Continuar a ler

Museu parcialmente encerrado: um aviso

“[…] conquanto não pode haver desgosto
Onde esperança falta”
Luís de Camões

O Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) é isso mesmo: o museu da nossa identidade artística, um repositório da arte que se fez em Portugal, da que a influenciou ou por ela foi influenciada. É uma das nossas referências culturais, o lugar aonde nos habituámos a ir e é também o lugar aonde vai quem nos visita tornando-se uma das referências da viagem.

Há alguns anos que temos vindo a registar-se uma nova dinâmica: a reabertura do Piso 3, com um novo discurso e uma estratégia de comunicação também renovada; exposições temporárias que consolidam a aposta na internacionalização; algumas incursões noutros domínios, propondo conexões que vitalizam o espólio exposto; campanhas de dinamização com grande impacto junto do público. O MNAA parece renovar-se na crescente abertura aos públicos e na forma como os alicia e, também, na forma como comunica e informa.

Público no piso 3
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: MIR, 2016

Continuar a ler

São Pedro e as festas populares

São Pedro era um dos doze apóstolos. De seu nome Simão, tomou o nome de Pedro, ao ser chamado e eleito para se tornar a pedra angular da Igreja, segundo o relato de Mateus:

“E Jesus, respondendo, disse-lhe: Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque to não revelou a carne e o sangue, mas meu Pai, que está nos céus. Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela; E eu te darei as chaves do reino dos céus; e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus.” (Mt. 16, 17-19)

São Pedro
Vasco Fernandes (Grão Vasco)
1535-1542
Prov. Sé de Viseu
Viseu, Museu Grão Vasco

Por esse motivo, os atributos de São Pedro são as duas chaves.

Era pescador em Cafarnaum, na Galileia, no lago Generaset. Simão-Pedro e seu irmão André foram os primeiros discípulos a ser chamados. Continuar a ler

S. João Batista e as tradições das festas populares

João Batista, o Percursor de Cristo, foi filho tardio do sacerdote Zacarias e de Isabel, prima da Virgem, tendo ambas engravidado milagrosamente e quase ao mesmo tempo. Por isso, a iconografia da infância de Cristo o regista frequentemente em pueris brincadeiras com João menino que se faz acompanhar pelo cordeiro, prenunciando-lhe o sacrifício da paixão e morte ao designá-lo como “Agnus Dei” (cordeiro de Deus).

S. Joãozinho (S. João Batista menino) no deserto
Francesco Bartolozzi ( a partir de Guercino), 1764
In: [82 prints, engraved by F. Bartolozzi and from the original drawings of Guercino in the collection of His Majesty]. London: [s.n.]
Glasgow, University, Hunterian Museum & Art Gallery Collections

Continuar a ler

Santo António

Fernando Martins de Bulhões, de seu nome de batismo, nasceu em Lisboa, na última década do século XII. Em 1210, ingressou como noviço da Ordem dos Agostinhos no Convento de São Vicente de Fora e, depois, no Convento de Santa Cruz, em Coimbra, onde cursou Direito. Consta que, ao assistir à chegada das relíquias dos Mártires de Marrocos, se terá emocionado com o exemplo destes frades franciscanos, o que o levou a fazer-se frade na Ordem de São Francisco. A esta mudança de carisma alude uma caraterística específica da sua iconografia em Portugal ou em zonas de influência portuguesa, que o mostram com uma ponta do hábito franciscano levantado, deixando ver a bainha da túnica agostinha.

S. Antonio de Lisboa, espelho de Portugal
C. Duarte
Braga, 1960.
D. F. fecit.

Continuar a ler

O Convento de Cristo e o fogo do deslumbramento

As imagens falam por si: dezenas de botijas de gaz, árvores cortadas, tocos tapados com brita, floreiras sem flores, pedras danificadas e com arestas fraturadas, uma fogueira de 20 metros de altura no claustro. Foram vistas numa reportagem da jornalista Soraia Ramos, no programa “Sexta às 9” da RTP1, no passado dia 2 de Junho, acerca da utilização do Convento de Cristo, em Tomar, da rodagem do filme “O Homem que matou D. Quixote” do realizador Terry Gilliam e que terão envolvido a realização de uma fogueira de cerca de 20 metros de altura no espaço de um dos claustros. Na reportagem, são mostradas imagens da fogueira.

Imagens editadas a partir de fotogramas do vídeo do programa Sexta às Nove RTP 1, 2 jun. 2017

Continuar a ler

Museu dos Coches e de outros carros

O (novo) Museu Nacional dos Coches foi inaugurado inacabado, sem museografia, a pretexto da agenda política em vésperas de eleições legislativas (Vd. Roque, 2015). Fechou, depois, e agora, depois de um muito publicitado projeto museográfico de um milhão de euros, reabriu. Reabriu no dia 19 de maio, aproveitando, ainda, o ambiente festivo do dia dos museus. O milhão de euros era justificado pela iluminação e pela introdução das novas tecnologias, com tabelas interativas e projeções multimédia. Como a imprensa pode ser traiçoeira, mostrou-nos os técnicos a ajustar a iluminação a olho e as tabelas analógicas postas num suporte rente ao chão, enquanto a Diretora do Museu, sem entusiasmo aparente, se queixava da falta de pessoal, sobretudo, agora que a nova museografia convidava a parar junto às peças e se previa concentrações junto aos painéis informativos ou a ver as projeções.

VExpo 2017 no Museu dos Coches
Foto: Motor24

Continuar a ler