Santa Sofia: basílica, mesquita, museu, mesquita

24 de julho de 2020: dia em que a basílica de Santa Sofia (lat. Sancta Sophia, gr. Hagia Sophia, Divina Sabedoria), em Istambul, volta a ser mesquita.

Presidente Tayyip Erdogan (ao centro) durante a primeira oração na Grande Mesquita de Hagia Sophia
Istamnbul, 24 jul. 2020
Foto: Murat Cetinmuhurdar/PPO/Handout via Reuters

No passado dia 10 de junho, o presidente Recep Tayyip Erdogan assinou o decreto que devolve o edifício ao culto muçulmano, anulando o seu estatuto como monumento e museu que conservava desde 1934, por iniciativa de Mustafa Kemal Atatürk, fundador da Turquia moderna. No âmbito mais alargado da sua política de secularização do Estado, Atatürk fez da transformação de Santa Sofia em museu um emblema de uma Turquia laica.

Continuar a ler “Santa Sofia: basílica, mesquita, museu, mesquita”

Os princípios, os fins e os meios: da morte de George Floyd ao derrube da estátua de Colston

Um homem morreu, deitado no chão, com um joelho opressor sobre o pescoço, a clamar estar a morrer, durante nove minutos. A ser filmado, à vista de todos. Chamava-se George Floyd e era negro. Assistimos à sua morte e ouvimo-lo dizer enquanto morria: “Please, I can’t breathe. My stomach hurts, my neck hurts, everything hurts. They’re going to kill me…”

George Floyd a morrer sob o joelho do polícia
Minneapolis (MN), 25 de maio de 2020
Imagem: AFP

Ouvimo-lo falar de tudo o que lhe doía, do ar que lhe faltava, da morte que o abatia. Perante as imagens, não podíamos ficar indiferentes. Sabemos que há outros casos de tortura, em Minneapolis ou no aeroporto de Lisboa. Porém, o facto de ter sido filmado e de a visualização das imagens se ter tornado viral, conferiu-lhe uma força incomum. George Floyd tornou-se o símbolo de todas as vítimas de racismo e da violência policial. As palavras que lhe ouvimos tomaram a amplitude de um grito e tornaram-se na bandeira que se agita por todo o mundo. Essas palavras ecoam numa voz que grita em uníssono, num movimento solidário que se sobrepôs ao isolamento imposto pela pandemia e saiu para a rua. Por todo o mundo, as pessoas saíram à rua, numa manifestação que nos enche de esperança, porque ainda somos capazes de indignação e revolta. Contra o racismo, a xenofobia, contra o poder das supremacias que rejeitam os diferentes e oprimem os mais fracos, esta manifestações são por uma causa justa.

A história diz-nos que mesmo as causas justas podem ser exacerbadas e provocar danos; diz-nos que a evolução se processa à custa de movimentos contraditórios. Os equívocos, os exageros, os erros e, até, a instrumentalização que ocorreram nessas manifestações não lhe tiram a razão, nem lhe diminui a causa.

Continuar a ler “Os princípios, os fins e os meios: da morte de George Floyd ao derrube da estátua de Colston”

“… que perfil para um Diretor-Geral do Património Cultural?”

A Património.pt organizou, no passado dia 28 de maio, um debate intitulado “Em tempos de pandemia, que perfil para um Diretor-Geral do Património Cultural?”, moderado por Catarina Valença Gonçalves, com as participações de Nuno Vassalo e Silva e Maria Isabel Roque e dos próprios colunistas Andreia Dias, André de Soure Dores, Filipa Belo, Luís Pereira, Luís Raposo, Luiz Oosterbeek e Sofia Costa Macedo.

Se o perfil adequado ao cargo de Diretor-Geral do Património Cultural já suscita reflexão e debate para atender às particularidades do cargo e do campo de ação, o momento específico de crise, com mais ameaças do que oportunidades para a cultura, amplia a conveniência desta discussão.

Como ponto de partida para esta análise, importa observar o que está legislado na orgânica da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), através do Decreto-Lei n.º 115/2012, de 25 de maio, e que determinam as linhas essenciais de ação orientadas para o património: proteção, assegurando a sua preservação e divulgação; classificação; conservação, recuperação e valorização; gestão de museus e monumentos; investigação; inventariação; comunicação. Entre as competências que a lei atribui ao Diretor-Geral do Património Cultural, destacam-se as seguintes linhas programáticas:

a) Definir as linhas de orientação e o plano estratégico para a execução das políticas nacionais nas áreas do património cultural arquitetónico e arqueológico, bem como da museologia e da conservação e restauro;
[…]
m) Coordenar as ações educativas e de formação que incidam sobre a defesa, valorização e difusão do património cultural, nomeadamente de «Educação para o Património». (Decreto-Lei n.º 115/2012, artigo 4.º, ponto 1)

Continuar a ler ““… que perfil para um Diretor-Geral do Património Cultural?””

Museums from now on

Portuguese museums activities during the confinement

At the beginning of the pandemic crisis, the Portuguese Government decreed a state of emergency, which was very restrictive in terms of mobility, forcing all workers in activities considered non-essential to remain at home. For this reason, due to confinement, most museums and, in particular, the smaller ones, simply closed and did not maintain any type of communication activity with the public.  Others were limited to disseminating virtual visits or videos of the museum space.

On the other hand, some of the main museums tried to maintain an open communication channel, through social networks, more flexible than institutional websites. In general, these actions were carried out by the directors and the curatorial team.

Anísio Franco (with the camera) and Joaquim Caetano, respectively subdirector and director of the National Museum of Ancient Art, during the recording of the videos “Despite the distance, art is a bridge that unites us”
Photo: Daniel Rocha, 2020
Frame from “Despite the distance, art is a bridge that unites us”

Continuar a ler “Museums from now on”

Dia dos museus, sob o signo da igualdade, do direito à diferença e do dever de inclusão

18 de maio é, desde 1977, o dia em que se celebra os museus os museus e promover a sua relevância na sociedade, enquanto espaços de memória, onde se preserva, estuda, expõe, interpreta e divulga o património da Humanidade.

Cada ano, o Conselho Internacional de Museus (International Council of Museums – ICOM), organização internacional não governamental responsável pela definição da política museológica, propõe um tema com a intenção de reforçar os laços com a comunidade e de sensibilizar o grande público para o papel que desempenham na sociedade e no seu desenvolvimento. Segundo o ICOM, o objetivo do Dia Internacional dos Museus (IMD) é consciencializar para o facto de que “museums are an important means of cultural exchange, enrichment of cultures and development of mutual understanding, cooperation and peace among peoples” (ICOM, 2020).

Continuar a ler “Dia dos museus, sob o signo da igualdade, do direito à diferença e do dever de inclusão”

25 de abril e a arte saiu à rua

A Revolução de 25 de Abril, em 1974, levado a cabo pelo Movimento das Forças Armadas (MFA), depôs o regime ditatorial do Estado Novo, vigente desde 1933, e deu início à implementação de um regime democrático. Tal como o povo, também a arte saiu à rua. Os artistas que vinham a afirmar-se desde a década anterior, tanto os que regressavam, como os que não haviam chegado a sair do país, ansiavam por seguir as tendências vividas além Pirenéus e experimentar novas linguagens e exprimir livremente a sua criatividade. O ambiente revolucionário fomentou a renovação da participação cultural, num encontro fusional entre os artistas e o povo, onde eram recrutados os novos públicos da arte. A nova conjuntura estimulou o aparecimento da propaganda política em larga escala e a explosão da arte gráfica: a arte não só saiu à rua, como se lhe colou às paredes.

Mural alusivo ao 25 de abril
Foto: Henrique Matos, 1978

Continuar a ler “25 de abril e a arte saiu à rua”

Covid 19: ponto de viragem para o museu do futuro?

A crise fechou os museus e cancelou a agenda das exposições programadas para este ano, enquanto que outras, entretanto encerradas, mantêm as peças cedidas à espera de poder voltar aos locais de origem, num imbróglio de seguros1. Face a tudo isto, os museus encontraram na internet uma forma de se manter ativos e a comunicar com os seus públicos.

Se, até agora, apenas alguns museus investiam na comunicação virtual e a maioria se limitava à criação de um sítio eletrónico, com informação básica, e a uma presença mais ou menos regular nas redes sociais para divulgar eventos, e poucos arriscavam participações em projetos académicos experimentais e sem continuidade, a crise forçou a maior parte dos museus a repensar as tecnologias da informação e da comunicação como instrumento e estratégia fulcrais para a ação museológica.

Continuar a ler “Covid 19: ponto de viragem para o museu do futuro?”

  1. O Grande Museu Egípcio anunciou o adiamento da reabertura para o próximo ano. Também a grande exposição comemorativa dos 500 anos da morte de Rafael Sanzio, na Scuderie del Quirinale, em Roma, cuja compra antecipada de ingressos bateu todos os recordes, cancelou a abertura e está a reembolsar o valor dos bilhetes adquiridos, disponibilizando vídeos sobre o artista e a exposição, em italiano e inglês. Em contrapartida, a República Checa anuncia a abertura dos museus no próximo dia 25 de maio, sendo um dos primeiros espaços públicos a voltar à normalidade. []

E se um escriba egípcio nos entrasse em casa e olhasse nos olhos? Museus e exposições disponíveis na web

“Ficar em casa” (#ficaremcasa; #stayathome)

Estamos em casa e os museus estão fechados. Porém, estar fechado não significa que não seja possível lá entrar, deambular pela exposição, olhar e ver. Os museus estão fechados, mas deixam uma janela aberta sobre o universo das suas coleções.

Nunca como agora, em que todos estão privados do acesso aos museus, aos sítios patrimoniais e aos espaços de cultura, fez tanto sentido a digitalização no sentido mais amplo de transposição de suportes, edição e processamento da informação e disponibilização dos conteúdos em linha. Não será nunca a mesma coisa, visitar o espaço físico do museu, ver as obras reais e autênticas no sítio ocupam na exposição ou aceder a tudo isso no espaço virtual e, portanto, sem a materialidade que (também) lhe confere sentido.

Público junto à Mona Lisa, de Leonardo da Vinci
Paris, Museu do Louvre
Foto: Michaela Šimove, 2019

Continuar a ler “E se um escriba egípcio nos entrasse em casa e olhasse nos olhos? Museus e exposições disponíveis na web”

Museus na web: Outra forma de ver nestes dias tão estranhos

“Ficar em casa” (#ficaremcasa; #stayathome) tornou-se o lema destes estranhos dias. De repente, tomamos consciência de que o mundo é efetivamente global, enquanto que os nossos universos pessoais se tornam infinitamente mais pequenos e confinados.

Visitante de máscara na Galeria Tretyakov, em Moscovo, Rússia.
Foto: Artyom Geodakyan/Tass, 2020.

Continuar a ler “Museus na web: Outra forma de ver nestes dias tão estranhos”

Descolonizar não é (só) devolver

O Programa para a Descolonização da Cultura, apresentado pela (então ainda) deputada do Livre à Assembleia da República provocou a exaltação, sem ter suscitado um debate que, de resto, tem vindo a acontecer de forma incipiente e sempre agarrado a episódios de cariz imediatista.

O conteúdo do texto não traz propriamente nada de novo, nada que não tenha vindo a ser assumido como uma reflexão inevitável seguida de ações concertadas, ao defender que “à descolonização política e institucional dos territórios deve suceder agora, passadas décadas da sua independência, a descolonização do conhecimento e da cultura para uma efetiva descolonização das sociedades ocidentais”.

Continuar a ler “Descolonizar não é (só) devolver”

O urinol, a sanita, uma banana e fita-cola: a arte que se destrói a ela própria

Em 1917, Marcel Duchamp (ou Elsa von Freytag-Loringhoven1 expôs um urinol, em posição invertida e, portanto, destituído de função, assinado “R. MUTT” e datado “1917”.

Fonte
Marcel Duchamp, 1917
Foto: Alfred Stieglitz, 1917

Duchamp foi o pioneiro do Dadaísmo, cujo principal mérito terá sido o de forçar a questão acerca da definição de arte e o debate entre arte e conceito. Porém, o efeito contraditório é que o conceito tem vindo a sobrepor-se à arte, sem que se definam os campos próprios das artes plásticas, performativas e conceptuais, para lá das inevitáveis (e vantajosas) interconexões.

Continuar a ler “O urinol, a sanita, uma banana e fita-cola: a arte que se destrói a ela própria”

  1. Numa carta endereçada à irmã, Duchamp sugere ter sido uma amiga quem, sob o pseudónimo de Richard Mutt, a autora da obra Fonte, datada de 1917 e apresentada na Society of Independent Artists em Nova Iorque. Esta amiga seria Elsa von Freytag-Loringhoven (1874-1927), tal como é sugerido por Irene Gammel e Suzanne Zelazo (Freytag-Loringhoven, Gammel, & Zelazo, 2016). []

200 anos de Museu do Prado

O Museu do Prado, em Madrid, celebra hoje 200 anos. A 19 de novembro de 1819, o Real Museo de Pintura y Escultura abria ao público com uma coleção de 311 pinturas da coleção real, todas de autores espanhóis, num edifício desenhado pelo arquiteto Juan de Villanueva, em 1785, e mandado construir por Carlos III para aí instalar o Gabinete de Ciencias Naturales. Só mais tarde, Fernando VII, juntamente com a rainha sua mulher, a portuguesa Maria Isabel de Bragança, a principal impulsionadora desta obra, tomaram a decisão de aí instalar o Real Museo

María Isabel de Bragança em frente ao Museu do Prado
Bernardo López Piquer, 1829
Madrid, Museo del Prado

Continuar a ler “200 anos de Museu do Prado”

Sinais de perigo sobre as águas

Ficamos estupefactos enquanto, à frente dos olhos, correm as imagens da inundação de Veneza, a cidade Serenissima cada vez mais vulnerável. Edificada sobre um arquipélago de 118 pequenas ilhas, separadas entre si por 160 canais, ao longo de uma lagoa situada entre terra firme e mar aberto, Veneza está protegida do mar Adriático apenas por uma barreira de ilhas e línguas de areia.

Vista da Piazza San Marco inundada
Vincenzo Chilone, 1825
Col. privada

Continuar a ler “Sinais de perigo sobre as águas”

“Encontro no canto da memória”: visita ao atelier de Mário Rita

“O que fica?, perguntas-me. Um encontro no canto da memória.”
Nuno Júdice, Oferenda

A perceção da obra de arte é influenciada pelo sujeito que a vê e pelo contexto em que é vista. Num museu ou numa galeria, vemo-la depurada, depois de sujeita ao escrutínio curatorial. A ida a um atelier é, por isso, uma viagem ao âmago da criação, no seu contexto original, na nudez dos artifícios, concedendo-nos a entrada no universo pessoal e íntimo do criador-artista. É, também, o privilégio da observação não contaminada pela visão de outros, pelo discurso do curador ou pelas análises dos críticos.

Atelier de Mário Rita
Lisboa, julho de 2019
Foto: MIR, 2019

Continuar a ler ““Encontro no canto da memória”: visita ao atelier de Mário Rita”