Festa no museu

Se tivesse de eleger uma imagem que ilustrasse a festa que pode haver no museu, esta seria a minha escolha.
Se tivesse de escoher uma imagem que ilustrasse a maior conexão entre o museu, a obra e o público, esta seria também a minha escolha.

Visita à exposição “Graça Morais: Metamorfoses da Humanidade”
Lisboa, Museu do Chiado
Foto: MIR, 2019 (18 de maio)

Na visita à exposição “Graça Morais: Metamorfoses da Humanidade” – orientada pelas curadora/diretora do museu e pela artista, seguida por um grupo numeroso e eclético – o discurso na primeira pessoa abriu-nos a perspetiva da criação da obra (o momento, o lugar, a razão, o sentido) e da construção da exposição (as escolhas, a organização, o propósito, o sentido).

Continuar a ler

Dia Internacional dos Museus: o museu como centro cultural, ou o futuro da tradição

O Dia Internacional dos Museus, organizado pelo Conselho Internacional de Museus (ICOM) foi celebrado pela primeira vez em 1977. Desde então, cada vez mais museus em todo o mundo têm vindo a participar no evento, que ocorre a 18 de maio, em ações que, em 2018, mobilizaram mais de 37.000 museus em 158 países.

Pare este ano, o ICOM escolheu, como tema do Dia Internacional dos Museus, “Os Museus como centros culturais: o futuro da tradição” que é, igualmente, o tema da Conferência Geral ICOM Kyoto 2019 (1-7 de setembro).

Dia Internacional dos Museus 2019: cartaz
ICOM, 2019

Continuar a ler

Maio, maduro maio: tradições algarvias

Os romanos festejavam entre 30 de abri e 3 de maio as “floralias”, a festa dos cereais e das flores. O festival romano era dedicado a Flora, a deusa das frutas e flores, e celebrava a fertilidade do solo, dos animais e das pessoas. Na Grécia, o Protomagia assinalava o auge da floração e, por isso, faziam-se coroas de flores e ramos verdes. Na tradição celta, o festival Beltane celebrava-se na primeira noite do mês, com danças à volta da fogueira.

Mayas. […] em Roma se celebrava com ramos, hervas, e capellas de flores no mes de Mayo, por ser o tempo em que as plantas saõ mais viçosas […] Mayas ainda hoje se usaõ em Portugal nos Domingos e dias Santos do mês de Mayo, pondo se em algumas ruas humas mesas, cubertas com alcatifas, ou outros pannos, e se assenta em cada huma dellas huma menina, ou moça, bem vestida, que pede dinheiro às pessoas que passaõ. (Bluteau, 1716, p. 372)

Maia
Estômbar
Chapéu de empreita feita por Ema da Silva e cozido por Mariana Jacinto
Foto: MIR, 2013

Continuar a ler

Notre-Dame de Paris no rescaldo das chamas: da história à reconstrução

Notre-Dame, notre chère cathédrale, témoin de tant d’événements majeurs de notre pays, a été détruite par un incendie effrayant après avoir résisté si longtemps aux péripéties de son histoire. La France pleure et avec elle tous ses amis du monde entier. Elle est touchée au cœur car ses pierres sont le témoignage d’une espérance invincible qui, par le talent, le courage, le génie et la foi des bâtisseurs, a élevé cette dentelle lumineuse de pierres, de bois et de verre.
Michel Aupetit (Arcebispo de Paris), 2019, 16 abr.

Em Os pilares da terra, depois passado a série televisiva, Ken Follett descreve um incêndio na catedral de Kingsbridge. Agora, em entrevista a Le Figaro, conta que, para escrever essa cena, realizou algumas pesquisas para compreender como ocorreria um incêndio numa catedral, tendo percebido que, para atingir maiores proporções, deveria começar pelo telhado, cujo travejamento em madeira arderia mais facilmente do que o resto, fazendo derreter o chumbo do telhado o que, por sua vez faria colapsar a abóbada, causando a queda de toneladas pedra no interior da igreja, concluindo que: “Une grande église, c’est comme une toile d’araignée. Les éléments se soutiennent les uns les autres, normalement, quand l’un s’écroule, tout s’écroule” (Follett in Bastié, 2019, 15 abr.).

Incêndio na catedral de Notre-Dame
Paris, 15 de abril de 2019
Foto: Marin Dacos

Incêndio na catedral de Notre-Dame
Paris, 15 de abril de 2019
Foto: @samiaftah

Continuar a ler

Em torno da definição de museu

O museu é uma instituição permanente sem fins lucrativos, ao serviço da sociedade e do seu desenvolvimento, aberta ao público, que adquire, conserva, investiga, comunica e expõe o património material e imaterial da humanidade e do seu meio envolvente com fins de educação, estudo e deleite. (ICOM, 2007)1

Definir “o” museu parece redutor da pluralidade tipológica do museu. A função do artigo definido é a individualização do nome, de forma particular, precisa e objetiva. Neste caso, o artigo “o”, distingue o museu de outras instituições similares e subentende uma uniformização em função dos vários parâmetros incluídos na definição que constitui a sua marca identitária. Continuar a ler

  1. Versão portuguesa disponível em http://icom-portugal.org/2015/03/19/definicao-museu/ []

Descolonizar o museu

The complexity reveals the fact that in reality, one does not always have the ‘answer’ – and that is the answer itself.
(Kilomba, 2010, p. 143)

Os gregos da época Helenística faziam cópias de arte clássica, com que enriqueciam as coleções particulares; os Romanos apropriaram-se dessas cópias, juntamente com outros objetos sofisticados que convergiam para a capital do império, provenientes das vastas possessões territoriais na Europa, África e Ásia; por volta do século XVI, as embarcações vindas da Índia e do Brasil traziam para a Europa, objetos e materiais exóticos que despoletaram um novo impulso colecionista; as expedições napoleónicas no Egipto e em Itália trouxeram um enorme fluxo de objetos para o Louvre, abrindo o precedente do financiamento de expedições por parte dos grandes museus nacionais europeus nas áreas colonizadas do Médio Oriente e de África, da Índia, da Austrália e da América Central e do Sul, recebendo, em troca, os vestígios de grandes civilizações já desaparecidas ou que estavam a ser dizimadas pela força política de uma escravatura tão intensa quanto camuflada. Resumir, desta forma simplista, um fenómeno complexo e poliédrico, é incorreto e inadequado, mas poderá ajudar a compreender o contexto das narrativas coloniais dos museus ocidentais.

Chegada ao Louvre dos tesouros artísticos trazidos pela Grande Armée
Jacques-François-Joseph Swebach, Século XVIII
Paris, Museu do Louvre

Continuar a ler

Ao alcance do nosso olhar: Projeto “Portugal: Arte e património”

Estão mais de três mil (3384 itens) obras do património cultural português no Google Arts & Culture. No âmbito do projeto “Portugal: Arte e património”, realizado em colaboração com o Ministério da Cultura e com a Direção-Geral do Património Cultural, 22 instituições museológicas1 sob a tutela do Estado permitiram que as suas obras fossem digitalizadas, pelo Google, usando o sistema Art Camera com tecnologia de alta resolução.

Foram selecionadas as obras mais relevantes em cada coleção. Não se conhecem, porém, os critérios que presidiram a esta seleção, mas é percetível a ligação à coleção exposta e às suas valências patrimoniais, artísticas e documentais.

Continuar a ler

  1. As instituições que participam no projeto são: Casa-Museu Anastácio Gonçalves; Convento de Cristo; Mosteiro da Batalha; Mosteiro de Alcobaça: Mosteiro dos Jerónimos; Museu Monográfico de Conímbriga – Museu Nacional; Museu Nacional da Música; Museu Nacional de Arqueologia; Museu Nacional de Arte Antiga; Museu Nacional de Arte Contemporânea; Museu do Chiado; Museu Nacional de Etnologia & Museu de Arte Popular; Museu Nacional de Machado de Castro; Museu Nacional do Azulejo; Museu Nacional do Teatro e da Dança; Museu Nacional do Traje; Museu Nacional dos Coches; Museu Nacional Grão Vasco; Museu Nacional Soares dos Reis; Palácio Nacional da Ajuda; Palácio Nacional de Mafra; Panteão Nacional; Torre de Belém. []

Museu: real ou virtual?

O museu vive este dilema entre o real e o virtual. O museu é o local onde se expõe e comunica objetos reais, ainda que isto implique uma referência à sua intangibilidade; e mesmo se a definição de museu inclui o património intangível este é representado no museu através de objetos concretos.

Exposição “Fernando Pessoa: Plural como o universo”, 2012
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian

Continuar a ler

Viagem entre peregrinação e turismo

A prática da deslocação a centros sagrados está já documentada em tribos pré-históricas em todos os continentes, e constitui uma realidade associada a todas as grandes religiões. De facto, a ocorrência de centros sagrados, isto é, de lugares hierofânicos que constituem uma rutura no espaço homogéneo do quotidiano e que os fiéis desejam visitar por motivos espirituais e de renovação pessoal, é inerente ao fenómeno religioso (Eliade, 2004). Regista-se, aqui, nesta necessidade de deslocação ao lugar sagrado, a génese do turismo religioso.

Cavalgada dos Magos
Sassetta (Stefano di Giovanni), ca. 1433–35
Nova Iorque, Metropolitan Museum of Art

Peregrinação (do latim per agros, isto é, pelos campos) significa, literalmente, uma deslocação entre lugares, tomando, ao longo do tempo o sentido de jornada realizada por um devoto a um lugar sagrado.

Continuar a ler

Todos somos Museu Nacional

“Um dia todos os museus irão arder
E seremos felizes. Imagem por imagem
Esqueceremos quem somos, deitados sobre a cinza,
Livres da angústia da memória e sem remorsos.”
Rui Almeida (2018)

É inevitável este sentimento de luto perante a tragédia do fogo que consumiu o Museu Nacional do Rio de Janeiro. Requiem por este museu.

Museu Nacional
Rio de Janeiro
Foto: Zô Guimarães/Folhapress

Continuar a ler

O objeto no museu: verdade ou mentira?

São salas cheios de peças percorridas por multidões, são corredores que se atravessam num olhar distraído, são visitantes que passam seguindo um roteiro diletante onde pontuam as obras que a instrumentalização da cultura definiu como obrigatórias… Referia, aqui, que os grandes museus se tornaram pontos de consumo turístico, onde se perdeu o gosto da contemplação. Onde é difícil ver e descobrir para lá do lugar comum.

Banksy no British Museum
2005
Foto: Banksy website

Continuar a ler

O museu entre a vida e a morte

Os primeiros museus foram criados sob o explícito pretexto de disponibilizar a todos os bens patrimoniais que, até então, haviam estado na exclusiva posse de alguns privilegiados, mesmo que os objetivos políticos implícitos, no contexto das sociedades ocidentais oitocentistas, progressivamente assumindo a propaganda dos seus ideais nacionalistas e colonialistas. Criaram-se, assim, grandes museus universais, com coleções provenientes de culturas distantes, cronológica e geograficamente, e obras consagradas pela história da arte que lhes conferiam uma identidade e aumentavam o prestígio.

Projet d’aménagement de la Grande Galerie du Louvre
Hubert Robert, 1796
Paris, Musée du Louvre

Continuar a ler

Apeshit no Museu do Louvre

O clip Apeshit, que integra o álbum Everything is Love, da dupla-casal The Carters (Beyoncé e Jay-Z), foi gravado no Museu do Louvre, em Paris, sob a direção de Ricky Saiz. O vídeo, lançado no passado dia 16 de junho, atingiu mais de 50 milhões de visualizações em duas semanas e, naturalmente, gerou polémicas sobretudo em torno do discurso e suas leituras, mas também acerca da utilização do espaço do museu e das imagens de algumas obras excecionais da arte ocidental, em contraponto às referências explícitas feitas no texto a marcas de prestígio como as tradicionais Lamborghini, fabricante italiana de carros de desporto exclusivos, Phillippe Patek, empresa suíça que produz relógios e artigos de luxo, e a sua recente congénere Richard Mille, ou as contemporâneas Alexander Wang, criada pelo designer que lhe deu o nome, reconhecida sobretudo pelas malhas de cachemira num estilo depurado e urbano, ou Evisu, marca japonesa de artigos em ganga1. O museu do Louvre é o cenário, a marca de prestígio cultural, a par das restantes marcas de prestígio social, que sublinham o universo de luxo, riqueza e poder que os Carters pretendem transmitir, assumindo atributos de realeza. No entanto, é (ou aparenta ser) algo mais do que isso. Enquanto alguns se fixam nesta ostentação do poder e, em particular, do poder do dinheiro, outros vêem óbvias referências aos Illuminati2, uma sociedade secreta fundada em 1776, no contexto do Iluminismo, a que Jay-Z é suposto pertencer, e outros, ainda, encontram evidências da afirmação do poder negro num museu colonialista e cujas obras testemunham e sublinham o (pre)domínio da cultura ocidental e da hegemonia branca.

Beyoncé e Jay-Z frente à Mona Lisa, de Leonardo da Vinci, no museu do Louvre
Foto: Beyoncé e Jay-Z / YouTube, 2018

Continuar a ler

  1. A marca Evisu é mencionada em várias músicas rap, nomeadamente, nas “Show You How” et “Jigga That Nigga” de Jay-Z. []
  2. A ligação entre o Louvre e os Illuminati foi ficcionada por Dan Brown na obra O código da Vinci. []

Tomar a cópia pelo original

Uma cópia de idêntico tamanho e feita em cimento reforçado da esfinge monumental de Gizé foi publicitada em 2014, como uma das principais atrações num parque de diversões em Shijizhuang, na província de Hebei no norte da China, criado pelos Hebei Great Wall Film Studios e que inclui, entre outras, réplicas do Templo do Céu de Pequim, do Pártenon de Atenas, da Torre Eiffel de Paris e da Tower-Bridge de Londres. Ao cabo de dois anos de reclamações feitas pelas autoridades egípcias, com o apoio da UNESCO, sob o argumento de que se tratava de uma imitação de fraca qualidade e adulterava o original e ofendia o património e a cultura do Egipto antigo, a cabeça da esfinge foi demolida em abril de 2016. Entretanto, os responsáveis pelo parque noticiaram a sua reposição na réplica da esfinge, repondo a polémica e dando o mote para uma reflexão acerca da reprodução de monumentos e obras de arte.

Réplica da Esfinge de Gizé em Shijizhuang
Foto: SINA English, 2014

Continuar a ler

Hiperconetividade na era da hipermodernidade

“… é fácil confessar que muitíssimas coisas há na terra da Utopia que gostaria de ver implantadas nas nossas cidades, em toda a verdade e não apenas em expectativa”
Thomas More, Utopia

“Hiperconetividade” enquanto conceito subentende-se num artigo de Barry Wellman (2001) acerca das redes sociais e onde aborda aquilo que designa como “globalized connectivity” (Wellman, 2001, p. 230), mas surge efetivamente num estudo, elaborado pelo autor com Anabel Quan-Haase, acerca das múltiplas conexões estabelecidas através das tecnologias da informação e comunicação digital, no qual reconheciam o efeito positivo da tecnologia para fortalecer as relações interpessoais e contrariar as suas hierarquias, ainda que as conexões estabelecidas não se estabeleçam uniformemente – “all […] are connected, but some are more connected than others” (Quan-Haase, & Wellman, 2006, p. 322).

Utilização de recursos de Humanidades Museum of Modern Art (MoMA)
Foto: MIR, 2014.

O termo foi escolhido, pelo Conselho Internacional de Museus (ICOM), como tema para o Dia Internacional dos Museus 2018: “Museus hiperconectados: novas abordagens, novos públicos”.

Continuar a ler