O poder dos Museus

O Dia Internacional dos Museus 2022 tem, como tema, “O poder dos museus”.

O Conselho Internacional de Museus (ICOM) propõe uma reflexão acerca do potencial dos museus para criar uma transformação positiva da sociedade em três vertentes: o poder de contribuir para o desenvolvimento sustentável das suas comunidades; o poder de inovar na aplicação da tecnologia digital, tornando os museus mais acessíveis e envolventes; o poder de desenvolver a construção da comunidade através da educação, contribuindo para a formação de uma sociedade civil informada e empenhada.

Os museus foram, desde os seus primórdios, um instrumento do poder. Considerados como um espaço onde educação informal, transmitiam a visão das elites e, assim, eram utilizados para disciplinar a sociedade. Michael Foucault (1926-1984) denunciou este poder e a possibilidade de os museus criarem um modelo regulador do comportamento dos indivíduos, orientando-os para o que devia ser visto e apreendido nos espaços expositivos e, com isso, guiando-os na sua relação com o passado e com o mundo em que viviam (Foucault, 1975). No seu conjunto, os museus constituem “[…] a powerful community, indeed, but one whose latent power has been largely consumed by a preoccupation with education, entertainment and consumption” (Janes, & Sandell, 2019, p. 1). Para o exercício deste poder, o principal recurso dos museus era a coleção de objetos, vestígios materiais do passado que era necessário salvaguardar.

No contexto das mudanças sociais e culturais da pós-modernidade, surgiram as primeiras vozes a contestar o papel dos museus como meros locais de armazenamento para preservar o valor material e estético dos objetos, usando-os como veículo de um discurso monológico. Começou, então, a enfatizar-se a importância de os museus envolverem a participação das comunidades, utilizando os objetos para incentivar novas narrativas na elaboração de um discurso dialógico. Os objetos são reavaliados, tomando em consideração as informações e as significações neles incorporadas.

Porém, a mudança foi lenta e irregular, dada a diversidade de museus e da forma como definem a sua função na sociedade. “No single museum can respond to all social needs with equal effectiveness; for this reason alone we must have a variety of museums and museum styles, serving different purposes or tackling challenges from different approaches” (Karp, Kreamer, & Lavine, 1992, p. 159). Porém, tornou-se consensual que os museus não são espaços neutros e que os seus discursos são projetados para transmitir uma versão da verdade, com estratégias alicerçadas nas tendências do mercado e fundamentados na ideologia política que os rege (Janes, 2015).

O que se propõe, agora, é uma transferência de poderes e da autoridade do museu, enquanto único enunciador do discurso, para as suas comunidades e os seus públicos. Ou seja a mudança de um controlo autoritário para uma disposição democrática aberta à cocriação com a comunidade.

O poder do museu reside na sua capacidade de criar identidades e conexões, articulando a educação e a transformação digital e a sustentabilidade como ferramentas para o desenvolvimento da comunidade.
Na imagem proposta pelo ICOM para este dia, uma mão de onde parte  aquilo que sugere ser um cérebro com apontamentos naturais, folhas e flores, ambos estilizados e coloridos, sugerem que do pensamento (cérebro) à ação (mão), os museus têm o poder de mudar o mundo.

Referências:
Foucault, M. (1975). Surveiller et punir: Naissance de la prison. Paris: Éditions Gallimard.
Janes, R. R. (2015). The end of neutrality: A modest manifesto. Informal Learning Review, (135), 3–8.
Janes, R. R., & Sandell, R. (2019). Posterity has arrived: The necessary emergence of museum activism. In R. R. Janes & R. Sandell (Eds.), Museum activism (pp. 1-21). London; New York: Routledge.
Karp, I., Kreamer, C. M., & Lavine, S. D. (Eds.). (1992). Museums and communities: The politics of public culture. Washington; London: Smithsonian Institution Press.
Macdonald, G. (1992). Change and challenge: Museums in the information society. In I. Karp, C. M. Kreamer, and S. D. Lavine (Eds.). Museums and communities: The politics of public culture (pp. 158-181). Washington; London: Smithsonian Institution Press.

Museu do Neo-Realismo: desgovernos e desrespeito pela atividade museológica

Como nota prévia, devo confessar que, pese embora o enorme respeito e consideração pela sua investigação em história da arte e pelo trabalho que, ao longo de décadas, tem realizado no mundo dos museus em Portugal, a agressividade que senti nos momentos em que nos cruzámos, talvez por terem sido num contexto adverso, impediu que nutrisse grande simpatia pela Professora Raquel Henriques da Silva. Em relação a David Santos, de quem sou ‘amiga’ de Facebook sem o conhecer pessoalmente, lembro a polémica em torno da coleção SEC que levou à sua demissão do cargo de diretor do Museu Nacional de Arte Contemporânea. Enquanto curador da Coleção de Arte Contemporânea do Estado (CACE), tenho dúvidas em relação aos critérios adotados para a constituição que deixa de fora alguns artistas que lá deveriam estar e promove outros, mas relevo atendendo a que qualquer escolha implica subjetividade.

Tomando como referência os ecos que a substituição de Raquel Henriques da Silva por David Santos na direção do Museu do Neo-Realismo, em Vila Franca de Xira, tem tido na imprensa (Martins, 2022; Talixa, 2022), a situação afigura-se vergonhosa e ultrajante. É, também “indigna” (como a própria classifica) do trabalho que Raquel Henriques da Silva aí tem desenvolvido desde 2017, quando lhe foi atribuído o cargo de diretora científica do museu, convidada por Maria da Luz Rosinha, presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira (1998-2013) e pelo próprio David Santos, antigo diretor do museu (2007-2013). Segundo o seu testemunho, Raquel Henriques da Silva foi avisada por telefone que o seu gabinete já tinha sido ocupado por David Santos, nomeado diretor municipal de cultura de Vila Franca de Xira, sem lhe dar tempo de retirar os seus pertences, nomeadamente, livros e o computador que usava. David Santos remete-se ao silêncio mesmo perante a acusação de Raquel Henriques da Silva de “casca grossa” e de que “queria uma pessoa que o substituísse, enquanto ele andava a ocupar cargos, para depois voltar” (cit. in Martins, 2022).

Continuar a ler “Museu do Neo-Realismo: desgovernos e desrespeito pela atividade museológica”

A arte é uma arma: a ausência da Rússia e a presença da Ucrânia na Bienal de Veneza

La Biennale di Venezia, 2022
Foto: La Biennale

A 59.ª Bienal de Arte de Veneza, a primeira após a pandemia, abre a 23 de abril, retomando uma periodicidade quase constante desde 18951. Continuar a ler “A arte é uma arma: a ausência da Rússia e a presença da Ucrânia na Bienal de Veneza”

  1. Esta edição da Bienal teve de ser adiada por um ano, devido à pandemia o que apenas tinha acontecido durante a Primeira e a Segunda Guerras Mundiais []

Lamento por um museu destruído

O museu da aldeia de Ivankov, na região de Kyiv, foi destruído pelas forças russas, segundo o relato da investigadora Ustina Stefanchuk no Twitter.

O museu, considerado um dos mais representativos museus regionais da região, era inteiramente dedicada à história e cultura da cidade e à tragédia de Chernobyl, dado que Ivankov é próximo de Pripyat e, entre as coleções destruídas, estavam 25 pinturas únicas de Maria Prymachenko, uma conhecida artista ucraniana.

Obra de Maria Primachenko, na exposição “Maria Primachenko: Phantasmagoria”, no Museu Nacional de Arte Decorativa Folclórica Ucraniana, em 2019.

O valor da arte e do património não se sobrepõe ao das vidas humanas que se perdem numa guerra. Porém, a perda da arte e do património são valores vitais da nossa identidade e, por isso, é igualmente irreparável.

Um lamento imenso e profundo por este museu.

Em azul e amarelo, somos

Durante os últimos tempos, buscámos imagens que refletissem o isolamento e os receios provocados pela pandemia, mas também que trouxessem a esperança de que iríamos ultrapassar as provações.

Porém, quando a pandemia dá os primeiros sinais de abrandamento, somos engolidos pela tragédia da guerra. Como se fosse necessário desfazer a ingénua esperança de que iríamos renascer mais humanos, mais lúcidos e mais atentos às coisas simples. Como se fosse necessário lembrar-nos que é difícil conservar a memória e tirar lições do passado…

Concentrados nos dramas da pandemia, ignorámos os sinais de perigo, os indícios da loucura que se anunciava.

A guerra rebentou junto de nós – porque já não há lugares distantes – forçando-nos a deixar cair as máscaras da surpresa e da incredulidade, e atingiu-nos como um murro. Todos nós conhecemos alguém em perigo, todos nós somos ucranianos. São nossas as casas bombardeadas, ouvimos os mísseis a sobrevoar os nossos abrigos, são nossas aquelas lágrimas e os olhos abertos no estupor do medo.

Continuar a ler “Em azul e amarelo, somos”

Atas do Encontros de Museus de Países e Comunidades de Língua Portuguesa

O ICOM Portugal acaba de disponibilizar as atas dos Encontros de Museus de Países e Comunidades de Língua Portuguesa, em acesso livre e em formato digital pesquisável.

Entre 1988 e 2000, foram realizados cinco encontros. O primeiro, organizado pelas comissões nacionais portuguesa e espanhola do ICOM, aconteceu em Vila Viçosa em 1988, já com o objetivo de iniciar uma série de iniciar um ciclo encontros com frequência bienal em locais diferentes de ambos os países. Este propósito, no entanto, não veio a concretizar-se. Assim, em 1991, foi decidido dar continuidade à | Conferência Geral de Museus de Países de Língua Portuguesa, que se realizara em 1987 no Rio de Janeiro e que, apesar de ter tido um propósito idêntico de periodicidade bienal, também não tivera a continuidade prevista por Portugal ter falhado a organização do encontro previsto para 1989. Na altura, previa-se a criação de um “organismo aglutinador de Museus e instituições afins dos Países de Língua Portuguesa” (Programa do Encontro, 1991). Se este nunca chegou a efetivar-se e se, hoje, a sua criação pode parecer despropositada, o intento de refletir sobre os objetivos, meios e ações dos museus existentes nos países e comunidades de língua portuguesa, com realidades muito distintas entre si, e de proporcionar o conhecimento das suas coleções museológicas, não só foi oportuno, como ao longo de quatro edições, mostrou ser muito profícuo.

III Encontro em Bissau, 1991

Continuar a ler “Atas do Encontros de Museus de Países e Comunidades de Língua Portuguesa”

Nostalgia num lugar abandonado

(com o pensamento em Riegl)

Há lugares que nos agarram. Alguns, porque têm a aura da autenticidade, ou os valores comemorativos, históricos ou da idade1 que percecionamos como património, ou como a herança cultural que nos define. Outros, porque todos esses valores se adivinham entre ruínas.

Continuar a ler “Nostalgia num lugar abandonado”

  1. Valores definidos por Alois Riegl (2010): o valor comemorativo é intencional, atribuído ao monumento pelos seus produtores para manter viva a memória de um acontecimento ou de alguém; o valor histórico, que não é intencional, deriva da forma como o monumento foi considerado e interpretado ao longo do tempo, promovendo umas obras em detrimento de outras; o valor de idade é inerente, pois todos os monumentos históricos podem ser categorizados como tendo um valor de antiguidade é inerente ao monumento. []

Cheirar as frutas e as flores numa natureza-morta

Há muitos anos (1993?), numa exposição temporária no antigo Musée national des Arts et Traditions Populaires,  era recriada uma rua do século XIX, onde se ouviam os sons da vida doméstica e urbana, o barulho das ferraduras e do rodar das carruagens sobre a calçada e se sentia em cada uma das lojas por onde passávamos o “cheiro” do respetivo ofício: a flores, na florista; a feltro quente, na chapelaria, a perfumes, na perfumaria…

Catálogo da exposição “Artisans de l’élégance: Musée national des arts et traditions populaires”
Musée national des arts et traditions populaires, 17 nov. 1993 – 15 maio 1994

Continuar a ler “Cheirar as frutas e as flores numa natureza-morta”

Deambulações no Dia Internacional dos Museus: Museu de Arte Contemporânea e Museu Bordalo Pinheiro

O dia dos museus é pretexto para deambulações pelos museus, aproveitando o tom de festa e de celebração, a programação diferente, as exposições que são inauguradas. Calhando o dia 18 de maio num dia útil, torna-se necessário conciliar horários de trabalho – e, ontem, também, com uma queda que, tendo rasgado as calças, obrigou a uma troca de roupa e, também, a uma maior lentidão – e gerir a frustração face a tudo o que fica por ver e que irá ocupar a agenda dos próximos dias.

A escolha caiu no Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC) e no Museu Bordalo Pinheiro (MBP). As razões poderiam ter sido muitas, quer pelas diferenças entre ambos, como as tutelas, modelos de gestão, coleções, museografia, quer pelas afinidades possíveis de encontrar. Porém, a verdade é que a escolha teve a ver sobretudo com o gosto pessoal. E, assumindo o quanto somos influenciados pelas redes sociais, a forma como ambos os museus se mantiveram ativos e dinamizaram a interação com as suas audiências, determinou a escolha no universo de possibilidades dentro desse gosto pessoal. Ficou adiada a ida ao Museu de Arte Antiga (se não fosse a queda!), à sala Lalique do Museu Gulbenkian, às exposições do Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal, inauguradas à noite (fica a promessa, Joanna Latkta) …

Exposição “Meu Amigo: Obras e documentos da coleção Ernesto de Sousa (1921-1988)”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Contemporânea
Foto: MIR, 2021
Exposição “Pé d’orelha: Conversas entre Bordalo e Querubim”
Lisboa, Museu Bordalo Pinheiro
Foto: MIR, 2021

Em ambos os museus visitados, é comovente assistir ao regresso do público, ver os espaços animados de gente e constatar a vontade que todos sentíamos de voltar a ver “aquelas” obras com a emoção de um reencontro.

Continuar a ler “Deambulações no Dia Internacional dos Museus: Museu de Arte Contemporânea e Museu Bordalo Pinheiro”

Da recuperação à reimaginação: a lição do Museu de Arte Contemporânea em tempo de confinamento

O Museu Nacional de Arte Contemporânea manteve uma atividade exemplar em tempos de confinamento, com um conjunto de propostas inovadoras que ultrapassavam a mera transposição das atividades convencionais do museu para o suporte digital (vd. A reinvenção dos museus em época de confinamento: O exemplo que vem do MNAC) em duas vertentes essenciais: estratégias participativas que integravam a ação do público alargado a uma escala, literalmente, global; criação de conteúdos que passam a constituir fontes primárias para a historiografia da arte contemporânea.

Fotograma extraído dos vídeo “O Fungagá das Artes 16” no Youtube

O envolvimento do público passou, sobretudo, pelo “Fungagá das artes”, iniciativa conjunta do MNAC e da Fundação Millenium BCP, um curso de artes, pintura e desenho, dirigido maioritariamente pelo pintor Nelson Ferreira e transmitido regularmente aos fins de semana no canal Youtube. A par da intenção didática e lúdica, as sessões tinham uma componente muito interativa, dinamizando um contínuo diálogo entre o formador, o museu e os seus participantes, cujos comentários escritos apareciam em destaque sobre a imagem.

Exposição no MNAC dos desenhos com recriações da pintura O Grupo de Leão
Imagem: Facebook MNAC, 21 de abril 2021

Os participantes eram convidados a partilhar os seus desenhos nas redes sociais, utilizando as hashtags #mnacportugal e #ofungagádasartes, mas também a enviá-los pelo correio. Foi o caso da sessão 16, dedicada à pintura O Grupo de Leão, de Columbano Bordalo Pinheiro (1857-1929), a meio da qual o MNAC propôs “convidar os nossos amigos de todos os sítios do mundo para esta festa do Grupo do Leão”. Da observação e recriação da obra, passou à imersão no tema representado. Além disso, em contradição com a intangibilidade do encontro virtual, provocou a sua materialização através do envio dos desenhos. Os indivíduos que constituíam a audiência tornaram-se produtores de narrativas visuais e as suas obras ganharam o estatuto de objeto museal e, como tal, foram inseridos num espaço do percurso expositivo após a reabertura do museu.

Série “O processo criativo: Depoimentos de artistas” no Youtube
Fotogramas extraídos dos vídeos de Mário Rita, em cima, de The Lisbon wire Man (David Oliveira), ao meio, e de Joanna Latka, em baixo.

A criação de conteúdos inéditos é particularmente relevante na série de vídeos “O processo criativo: Depoimentos de artistas”, dando visibilidade a mais de uma centena de artistas contemporâneos, permitindo-lhes falar na primeira pessoa sobre os seus processos criativos.

Em vídeos de pequena duração, raramente excedendo os 5 minutos, os depoimentos são tão variados quanto as expressões plásticas. Se a maioria dos artistas não gosta de verbalizar sobre a sua obra, aqui são levados à construção de um discurso textual. Concisos ou eloquentes, objetivos ou subjetivos e introspetivos, racionais ou emotivos, descritivos ou interpretativos, estes depoimentos afastam-se dos discursos de eruditos e críticos. Aqui, a forma como cada um concebe o seu depoimento também se constitui como signo; os próprios silêncios, como os espaços em branco, têm um significado que contribui para elucidar a obra e para conhecer o seu criador. Com esta série, o MNAC um corpus documental de indiscutível importância para o estudo da arte contemporânea, ao mesmo tempo que disponibiliza o conhecimento dos artistas aos públicos coevos e futuros.

Ao mesmo tempo que recupera a sua missão através da conexão estabelecida com públicos e da criação e disponibilização do conhecimento, o museu reimagina a formalização das funções museológicas aplicando novos métodos de atuação e utilizando os instrumentos e técnicas disponíveis de forma criativa e sustentável. Dessa forma, cumpre os desígnios enunciados na epígrafe proposta pelo ICOM para o Dia Internacional dos Museus em 2021 e, com isso, sugere vias de atuação para que aqueles possam ser cumpridos.

Imagem de topo:  Hilda Frias, 2020.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Da recuperação à reimaginação: a lição do Museu de Arte Contemporânea em tempo de confinamento," in a.muse.arte , 2021/05/18, https://amusearte.hypotheses.org/7332.

O futuro dos museus, entre a recuperação e a inovação

Dia Internacional dos Museus 2021: “O futuro dos museus: recuperar e reimaginar”

Um tempo de inusitada crise pode ser interiorizado como uma oportunidade de transformação e, com isso, de melhoria. Ao longo do último ano, vivido entre confinamentos, os museus foram obrigados a encerrar e a procurar novos modelos de comunicação e interação com os públicos, enquanto lidavam (e continuam a lidar) com uma reabertura limitada por imposições sanitárias, com os efeitos decorrentes da quebra de receitas, com uma gestão de meios cada vez mais precários, com os problemas da planificação a médio e a longo prazo, com a imprevisibilidade e a insegurança. Por tudo isso, este é um momento crucial de mudança, mas também de recuperação dos valores identitários do museu.

Também, por isso, o ICOM propõe o tema “O futuro dos museus: recuperar e reimaginar” para o Dia Internacional dos Museus 2021, convidando os museus, os seus profissionais e as comunidades a criar (ou imaginar) e a partilhar novas práticas cocriativas, bem como novos modelos de negócio adaptados a instituições culturais e soluções inovadoras que respondam aos atuais desafios sociais, económicos e ambientais.

Continuar a ler “O futuro dos museus, entre a recuperação e a inovação”

Os museus não são neutros face à crise na Colômbia

A guerra civil que alastra na Colômbia desde a guerrilha camponesa influenciada pela revolução cubana da década de 1960, tornando-se um dos mais antigos conflitos da América Latina, e em que se envolvem atualmente, as máfias da droga, grupos paramilitares e guerrilheiros de esquerda, tem-se mantido como um conflito moderado. A ordem social era mantida pelas forças de segurança e pelos índices económicos relativamente estáveis capazes de camuflar as tensões sociais latentes. Porém, o projeto de reforma tributária apresentado pelo Governo, pondo a descoberto as fragilidades do modelo económico, desencadeou, desde 28 de abril, uma onda de protestos violentos que elevaram a intensidade da guerrilha a níveis inusitados desde há muito. Pela primeira vez em décadas, os camponeses, operários, estudantes e comunidades indígenas organizaram-se contra a reforma tributária, num movimento que rapidamente se tornou numa revolta social e política que se mantém ativa mesmo depois da suspensão do projeto e apesar da tentativa de repressão com cargas policiais de extrema violência, sobretudo, em Medellín, Bogotá e Cali.

Protesto em Bogota, Colômbia, 4 de maio de 2021
Foto: REUTERS/Nathalia Angarita

Continuar a ler “Os museus não são neutros face à crise na Colômbia”

De Julião Sarmento, é o traço…

É o traço, o poder conciso do traço inacabado, elementar como se fosse simples, o que de imediato me vem à memória na reconstrução da obra de Julião Sarmento. É o traço que rompe a tela e determina o resto.

Foi o traço que primeiro me marcou, foi pelo traço que sucessivamente o descobri e identifiquei.

Julião Sarmento junto à peça “Kiss Me”
Málaga, Museu de Arte Contemporânea, exposição restrospetiva do artista em 2010
Foto: EPA/JORGE ZAPATA, 2010

Continuar a ler “De Julião Sarmento, é o traço…”

Homenagem à museológa Teresa Scheiner

Teresa Scheiner, Mestre e Doutora em Comunicação pela Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), é museóloga de reconhecido mérito. O percurso profissional, a obra publicada, as intervenções públicas, firmaram-na como uma das vozes mais relevantes no âmbito de museologia. Entre os cargos que já ocupou, destaca-se a presidência do Comitê Internacional de Museologia (ICOFOM) entre 1998 e 2001. Mais recentemente. No Conselho Internacional de Museus (ICOM), foi membro do Conselho Executivo, entre 2004 e 2010, e vice-presidente, entre 2010 e 2016, durante os dois mandatos do alemão Hans-Martin Hinz. Foi editora do periódico Museum International.

Continuar a ler “Homenagem à museológa Teresa Scheiner”