Prémios, menções e nomeações a museus, ou o pé esquerdo da parada

A atribuição de um prémio depende da inevitável subjetividade de uma escolha. Os parâmetros de classificação podem ser objetivos, mas a apreciação da sua relação com a coisa a analisar permite a introdução de fatores individuais e fictícios. Os prémios atribuídos a museus não escapam a esta condição determinante.

Poder-se-ia contrapor que a museologia, enquanto ciência no domínio das Humanidades, fornece um corpus teórico e métodos de análise crítica que, a ser aplicados, seriam um respaldo contra a subjetividade da escolha.

Continuar a ler “Prémios, menções e nomeações a museus, ou o pé esquerdo da parada”

Carla Filipe, Prémio FLAD de Desenho 2023

Carla Filpe venceu o Prémio FLAD de Desenho 2023, tendo o júri1 considerado que a sua obra “pode considerar-se um marco contemporâneo do desenho em Portugal”, anunciou hoje o júri.

Carla Filipe (ao centro, entre Mónica Álvarez Careaga e Ângela Ferreira) junto à obra premiada
Lisboa, Drawing Room (SNBA)
Foto: Drawing Room website

Nas obras a concurso, as de Carla Filipe (e as Joanna Latka), eram provavelmente aquelas onde o desenho mais se tornava evidente e nuclear na sua essência.

Carla Filipe articula o processo criativo ancorado no desenho com uma multiplicidade de referências de que se apropria e manipula, conferindo-lhes outros sentidos na representação crítica da sociedade.

Destaco (de forma arbitária e meramente subjetiva) neste conjunto apresentado a concurso e que remete para a condição da mulher, tomando como alegoria a vida de clausura religiosa, a folha com a recriação ampliada de um livro de horas, onde uma figura feminina evoca a iconografia do evangelista S. João em alusão às cartas escritas por (ou atribuídas a) Mariana Alcoforado “como é feio (não te minto) o senhor c[om] que ontem à noite dançou”, numa obra aberta que desafia as leituras particulares de cada observador.

Carla Filipe, nascida em 1973, estudou na Escola de Belas Artes do Porto, foi bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian em Londres e fez residências artísticas na Bélgica, Estados Unidos e Áustria. O Museu de Serralves apresentou este ano (24 mar.-17 set. 2023) a exposição “In my own language I am independente”, retrospetiva dos trabalhos feitos desde 2000, com desenhos, pinturas, cartazes, colagens, esculturas e instalações, comprovando a sua mestria pluridisciplinar, mas também os atributos identitários da sua criação.
A exposição de Serralves e o prémio da FLAD tornam o ano de 2023 um marco para o (re)conhecimento da artista. Muito merecidamente.

Referência:
FLAD. (2023, 28 out.). Artista Carla Filipe vence Prémio FLAD de Desenho 2023. Disponível em https://www.flad.pt/vencedora-premio-flad-desenho-2023/

  1. Foram membros do júri a artista Ângela Ferreira, Mónica Álvarez Careaga, diretora do Drawing Room Lisboa e, em representação da FLAD, Filipa Rocha Nunes. []

“Objetos desaparecidos, roubados ou danificados” no Museu Britânico

No dia 16 de agosto, o Museu Britânico, em Londres, publicou uma nota de imprensa relativa a “missing, stolen and damaged items”, onde informava que “The majority of the items in question were small pieces kept in a storeroom belonging to one of the Museum’s collections. They include gold jewellery and gems of semiprecious stones and glass dating from the 15th century BC to the 19th century AD” (The British Museum, 2023), mas que eram usados sobretudo para fins de pesquisa académica e nenhum deles estivera sido exposto recentemente (id., ibid.).

Polícia junto à entrada do Museu Britânico
Foto: BBC, 2023

Continuar a ler ““Objetos desaparecidos, roubados ou danificados” no Museu Britânico”

Quantos lápis azuis aguenta a democracia?

George Orwell (1949), no mundo opressivo de 1984 , criou a personagem de Winston Smith, peão ao serviço do Partido Externo, cuja função, enquanto diligente funcionário do Ministério da Verdade, era corrigir documentos, sendo responsável pela propaganda e revisionismo histórico. Há umas décadas, a leitura desta obra constituía uma reflexão acerca dos métodos e efeitos de uma sociedade distópica que parecia distante e irreal em estados democráticos. Acreditávamos que, depois da lição das últimas ditaduras, do fascismo aos regimes totalitários que se implantaram na Europa e na América Latina, a censura estava definitivamente erradicada nas sociedades pós-ditatoriais, enquanto que, naquelas onde a democracia era baluarte essa questão nem se punha. Ingénua convicção, que a realidade tem vindo a desmentir!

Capa de 1984 (e-book), de Georges Orwell. Biblios, 2020.

Continuar a ler “Quantos lápis azuis aguenta a democracia?”

Natália Correia Guedes, a mestra

Natália Correia Guedes é homenageada no Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo, a pretexto do Dia da Mulher e em reconhecimento do seu papel pioneiro na proteção e divulgação do património.

Homenagem a Natália Correia Guedes
Évora, Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo

A Dr.a Natália – sempre lhe chamei assim, apesar das tentativas inglórias de a tratar por ‘Professora’ depois de ter concluído o primeiro doutoramento em Museologia em universidades portuguesas – foi a minha “mestra”. Continua a ser, porque, quando ser mestra tem um efeito transformador, nunca se deixa de o ser.

Continuar a ler “Natália Correia Guedes, a mestra”

Um jardim de brasões e alfaces

“O resultado ficou tão bonito”, disse Carlos Moedas (cit. in Filho, 2023, 15 fev.), presidente da Câmara de Lisboa, na (re)inauguração do jardim da Praça do Império (!) e a propósito dos 32 brasões que ‘ornamentam’ o passeio.
O projeto, assinado pela arquiteta paisagista Cristina Castel-Branco e desenvolvido pelo atelier ACB – Arquitetura Paisagista e foi assinado pela arquiteta paisagista Cristina Castel-Branco, foi selecionado através de um concurso de ideias por um júri independente em 2016.

Praça do Império
Lisboa
Foto: Filipe Amorim / Observador, 2013

Continuar a ler “Um jardim de brasões e alfaces”

Uma torpe homenagem aos “heróis da pandemia”

Foi inaugurada, no dia 10 de fevereiro, a obra monumental “Heróis da pandemia”, fruto de uma iniciativa conjunta da Ordem dos Médicos e da Câmara Municipal de Lisboa. No Twitter, o presidente Carlos Moedas esclarece o sentido da obra: “Foram super-heróis durante a pandemia de Covid-19 e são-no tosos os dias na sua missão de salvar vidas. Hoje os médicos foram homenageados pelo ‘reconhecimento e a admiração que merecem’” (2023, 10 fev.). Por seu turno, no discurso inaugural, Miguel Guimarães, bastonário da Ordem dos Médicos justificou a necessidade de reconhecer e homenagear aqueles que tiveram “um papel notável, uma capacidade de liderança, de resiliência, de humanismo, solidariedade, de trabalho de equipa” (cit. in “Após Covid 19…”, 2023).

Imagem retirada da publicidade ao evento
Fonte: FB Ordem dos Médicos

Continuar a ler “Uma torpe homenagem aos “heróis da pandemia””

Entrada no templo

O nascimento de Maria foi um acontecimento extraordinário. Joaquim e Ana, já de idade avançada, estavam já conformados com a impossibilidade de ter filhos, quando receberam uma mensagem divina anunciando-lhes o nascimento de Maria. Em agradecimento por esta graça sobrenatural, decidiram entregá-la no templo de Jerusalém logo que dispensasse os cuidados maternos, a fim de a consagrar a Deus.

A festa da Apresentação da Virgem no templo não se fundamenta no texto bíblico, mas no relato apócrifo do Protoevangelho de Tiago (Pr-Tg), retomado na versão posterior do Pseudo-evangelho de Mateus (Ps-Mt)1 :

E quando os três primeiros anos tinham passado e o tempo do aleitamento estava completo trouxeram a virgem ao templo do Senhor com ofertas. Havia à roda do templo, de acordo comos Salmos, quinze degraus a subir; isto porque, tendo o templo sido construído numa elevação, ao altar das oferendas, que ficava no exterior, não se podia aceder exceto por estes degraus. Num destes, então, os seus pais pousaram a rapariguinha, a santa virgem Maria. E quando trocavam as roupas que tinham trazido na viagem, como era habitual, por outras lavadas e melhores, a virgem do senhor subiu todos os degraus, um após o outro, sem qualquer ajuda, de tal modo que, pelo menos deste ponto de vista, dir-se-ia que já era crescida. (Ps-Mt 6)

Entrada no templo
Mário Rita, 2015
Coleção do artista

Mário Rita sintetizou este episódio na obra Entrada no templo, ou Apresentação da Virgem no templo2. A entrada no templo centra-se n a forma deliberada como, sozinha e pelo seu próprio pé, descalço e magnificado, sobe os degraus que a conduzem ao altar dos holocaustos à entrada do templo. A entrega corresponde ao abondono precoce da infância materializada no vestidinho infantil já incorpóreo, mas cujo peitilho sugere essa escadaria no topo de um caminho ascendente, a branco. Por seu turno, a expressão refletida da cabeça reclinada sobre o peito, separada da sua corporalidade, ou da materialidade do espaço exterior ao templo, é a marca da entrada no templo e da sua consagração, numa atitude excecional de maturidade e entrega à missão a que foi destinada.

  1. O Protoevangelho de Tiago, datado da 2.ª metade do século II, relata a natividade milagrosa e a infância da Virgem e o nascimento de Cristo. O Pseudo-evangelho de Mateus, mais tardio, datado do primeiro quartel do século VII, e muito semelhante ao texto de Tiago, é também conhecido como o Evangelho da Natividade de Maria, a partir do qual, ao longo da Idade Média, se desenvolveu o culto e a iconografia da Virgem (Roque, 2017, p. 105). []
  2. Esta obra encontra-se atualmente na exposição “Trono de Maria, lugar de Sabedoria”, na Galeria Fundação Amélia de Mello, no campus da Universidade Católica Portuguesa, em Lisboa. []

A (nova) definição de museu

A nova definição de museu foi aprovada na Assembleia Geral Extraordinária do ICOM – Conselho Internacional de Museus (Praga, 24 ago. 2022):

Um museu é uma instituição permanente, sem fins lucrativos e ao serviço da sociedade, que investiga, coleciona, conserva, interpreta e expõe o património material e imaterial. Os museus, abertos ao público, acessíveis e inclusivos, fomentam a diversidade e a sustentabilidade. Os museus funcionam e comunicam de forma ética e profissional e, com a participação das comunidades, proporcionam experiências variadas para a educação, a fruição, a reflexão e a partilha de conhecimento (Trad. livre do inglês1).

Continuar a ler “A (nova) definição de museu”

  1. A versão portuguesa, publicada logo após a votação, apresenta erros de sintaxe e pontuação, nomeadamente, ao referir que “Os museus funcionam e comunicam ética, profissionalmente e, com a participação das comunidades […]”, pelo que não a seguimos aqui. Uma vez que o texto da definição já era conhecido, teria sido conveniente preparar uma tradução mais refletida e correta, que não desse a ideia de ter sido feita de forma apressada no decurso da sessão e com recurso a ferramentas eletrónicas… Dado que o sítio eletrónico do ICOM Portugal (consulta a 25 ago. 2022) mantém a definição anterior, é expetável que a versão divulgada nas redes sociais seja corrigida antes de se tornar oficial. []

A censura e os seus subtis sinais

O pó parece que chove,
Paira em todos os sentidos,
Enche bocas e ouvidos,
Já ninguém fala nem ouve. […]
Falo, responde a Censura
Fernando Pessoa, Fado da Censura

Um museu é um lugar de preservação de memórias. Boas e más, porque o passado tem sempre zonas sombrias. A referência aos momentos mais nebulosos da história pode, para alguns, ser uma forma de evocação ou de propaganda, mas pode traduzir um objetivo bem mais positivo de divulgação histórica. Essa referência pode servir, precisamente, para despoletar uma reflexão e uma análise crítica que permita conceptualizar os fenómenos do presente. Mais perigosas e nefastas do que as atitudes saudosista – que não devem ser ignoradas e contraditadas – são as tentativas de obliterar e branquear o passado, apagando as memórias dos tempos, dos factos, das circunstâncias que ninguém quer ver repetidas. Falar do passado colonial, do holocausto, da escravatura, da censura, da opressão, da guerra, não implica a sua apologia, mas pode ser uma advertência para que se não repitam.

People’s justice
Taring Padi, 2003
Kassel, Documenta 15
Foto: DW German, 2022

Continuar a ler “A censura e os seus subtis sinais”

O poder dos Museus

O Dia Internacional dos Museus 2022 tem, como tema, “O poder dos museus”.

O Conselho Internacional de Museus (ICOM) propõe uma reflexão acerca do potencial dos museus para criar uma transformação positiva da sociedade em três vertentes: o poder de contribuir para o desenvolvimento sustentável das suas comunidades; o poder de inovar na aplicação da tecnologia digital, tornando os museus mais acessíveis e envolventes; o poder de desenvolver a construção da comunidade através da educação, contribuindo para a formação de uma sociedade civil informada e empenhada.

Os museus foram, desde os seus primórdios, um instrumento do poder. Considerados como um espaço onde educação informal, transmitiam a visão das elites e, assim, eram utilizados para disciplinar a sociedade. Michael Foucault (1926-1984) denunciou este poder e a possibilidade de os museus criarem um modelo regulador do comportamento dos indivíduos, orientando-os para o que devia ser visto e apreendido nos espaços expositivos e, com isso, guiando-os na sua relação com o passado e com o mundo em que viviam (Foucault, 1975). No seu conjunto, os museus constituem “[…] a powerful community, indeed, but one whose latent power has been largely consumed by a preoccupation with education, entertainment and consumption” (Janes, & Sandell, 2019, p. 1). Para o exercício deste poder, o principal recurso dos museus era a coleção de objetos, vestígios materiais do passado que era necessário salvaguardar.

No contexto das mudanças sociais e culturais da pós-modernidade, surgiram as primeiras vozes a contestar o papel dos museus como meros locais de armazenamento para preservar o valor material e estético dos objetos, usando-os como veículo de um discurso monológico. Começou, então, a enfatizar-se a importância de os museus envolverem a participação das comunidades, utilizando os objetos para incentivar novas narrativas na elaboração de um discurso dialógico. Os objetos são reavaliados, tomando em consideração as informações e as significações neles incorporadas.

Porém, a mudança foi lenta e irregular, dada a diversidade de museus e da forma como definem a sua função na sociedade. “No single museum can respond to all social needs with equal effectiveness; for this reason alone we must have a variety of museums and museum styles, serving different purposes or tackling challenges from different approaches” (Karp, Kreamer, & Lavine, 1992, p. 159). Porém, tornou-se consensual que os museus não são espaços neutros e que os seus discursos são projetados para transmitir uma versão da verdade, com estratégias alicerçadas nas tendências do mercado e fundamentados na ideologia política que os rege (Janes, 2015).

O que se propõe, agora, é uma transferência de poderes e da autoridade do museu, enquanto único enunciador do discurso, para as suas comunidades e os seus públicos. Ou seja a mudança de um controlo autoritário para uma disposição democrática aberta à cocriação com a comunidade.

O poder do museu reside na sua capacidade de criar identidades e conexões, articulando a educação e a transformação digital e a sustentabilidade como ferramentas para o desenvolvimento da comunidade.
Na imagem proposta pelo ICOM para este dia, uma mão de onde parte  aquilo que sugere ser um cérebro com apontamentos naturais, folhas e flores, ambos estilizados e coloridos, sugerem que do pensamento (cérebro) à ação (mão), os museus têm o poder de mudar o mundo.

Referências:
Foucault, M. (1975). Surveiller et punir: Naissance de la prison. Paris: Éditions Gallimard.
Janes, R. R. (2015). The end of neutrality: A modest manifesto. Informal Learning Review, (135), 3–8.
Janes, R. R., & Sandell, R. (2019). Posterity has arrived: The necessary emergence of museum activism. In R. R. Janes & R. Sandell (Eds.), Museum activism (pp. 1-21). London; New York: Routledge.
Karp, I., Kreamer, C. M., & Lavine, S. D. (Eds.). (1992). Museums and communities: The politics of public culture. Washington; London: Smithsonian Institution Press.
Macdonald, G. (1992). Change and challenge: Museums in the information society. In I. Karp, C. M. Kreamer, and S. D. Lavine (Eds.). Museums and communities: The politics of public culture (pp. 158-181). Washington; London: Smithsonian Institution Press.

Museu do Neo-Realismo: desgovernos e desrespeito pela atividade museológica

Como nota prévia, devo confessar que, pese embora o enorme respeito e consideração pela sua investigação em história da arte e pelo trabalho que, ao longo de décadas, tem realizado no mundo dos museus em Portugal, a agressividade que senti nos momentos em que nos cruzámos, talvez por terem sido num contexto adverso, impediu que nutrisse grande simpatia pela Professora Raquel Henriques da Silva. Em relação a David Santos, de quem sou ‘amiga’ de Facebook sem o conhecer pessoalmente, lembro a polémica em torno da coleção SEC que levou à sua demissão do cargo de diretor do Museu Nacional de Arte Contemporânea. Enquanto curador da Coleção de Arte Contemporânea do Estado (CACE), tenho dúvidas em relação aos critérios adotados para a constituição que deixa de fora alguns artistas que lá deveriam estar e promove outros, mas relevo atendendo a que qualquer escolha implica subjetividade.

Tomando como referência os ecos que a substituição de Raquel Henriques da Silva por David Santos na direção do Museu do Neo-Realismo, em Vila Franca de Xira, tem tido na imprensa (Martins, 2022; Talixa, 2022), a situação afigura-se vergonhosa e ultrajante. É, também “indigna” (como a própria classifica) do trabalho que Raquel Henriques da Silva aí tem desenvolvido desde 2017, quando lhe foi atribuído o cargo de diretora científica do museu, convidada por Maria da Luz Rosinha, presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira (1998-2013) e pelo próprio David Santos, antigo diretor do museu (2007-2013). Segundo o seu testemunho, Raquel Henriques da Silva foi avisada por telefone que o seu gabinete já tinha sido ocupado por David Santos, nomeado diretor municipal de cultura de Vila Franca de Xira, sem lhe dar tempo de retirar os seus pertences, nomeadamente, livros e o computador que usava. David Santos remete-se ao silêncio mesmo perante a acusação de Raquel Henriques da Silva de “casca grossa” e de que “queria uma pessoa que o substituísse, enquanto ele andava a ocupar cargos, para depois voltar” (cit. in Martins, 2022).

Continuar a ler “Museu do Neo-Realismo: desgovernos e desrespeito pela atividade museológica”

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search