Viagem entre peregrinação e turismo

A prática da deslocação a centros sagrados está já documentada em tribos pré-históricas em todos os continentes, e constitui uma realidade associada a todas as grandes religiões. De facto, a ocorrência de centros sagrados, isto é, de lugares hierofânicos que constituem uma rutura no espaço homogéneo do quotidiano e que os fiéis desejam visitar por motivos espirituais e de renovação pessoal, é inerente ao fenómeno religioso (Eliade, 2004). Regista-se, aqui, nesta necessidade de deslocação ao lugar sagrado, a génese do turismo religioso.

Cavalgada dos Magos
Sassetta (Stefano di Giovanni), ca. 1433–35
Nova Iorque, Metropolitan Museum of Art

Peregrinação (do latim per agros, isto é, pelos campos) significa, literalmente, uma deslocação entre lugares, tomando, ao longo do tempo o sentido de jornada realizada por um devoto a um lugar sagrado.

Continuar a ler

41.º Simpósio Anual do ICOFOM 2018: Museologia e sagrado

O 41.º Simpósio Anual do ICOFOM, tendo como tema “Museologia e o Sagrado, realizou-se em Teerão (Irão), entre 15 e 19 de outubro de 2018.

41.º Simpósio Anual do ICOFOM 2018: foto de grupo com as assinaturas dos participantes
Teerão, Museu Nacional de Arte Islâmica
Foto: Niloofar Yazdkhasti, 2018

Museus concebidos como templos ou que ocupam espaços que outrora foram igrejas; objetos apartados do culto e que são expostos em museus; rituais religiosos que se evocam no comportamento dos visitantes em espaços museológicos; museus que sacralizam objetos profanos, criando-lhes altares de exaltação; indivíduos que procuram o museu para manter a ligação a objetos que, para eles, continuam sagrados – tudo isto são fatores da relação entre o museu e o sagrado.

Continuar a ler

Todos somos Museu Nacional

“Um dia todos os museus irão arder
E seremos felizes. Imagem por imagem
Esqueceremos quem somos, deitados sobre a cinza,
Livres da angústia da memória e sem remorsos.”
Rui Almeida (2018)

É inevitável este sentimento de luto perante a tragédia do fogo que consumiu o Museu Nacional do Rio de Janeiro. Requiem por este museu.

Museu Nacional
Rio de Janeiro
Foto: Zô Guimarães/Folhapress

Continuar a ler

O objeto no museu: verdade ou mentira?

São salas cheios de peças percorridas por multidões, são corredores que se atravessam num olhar distraído, são visitantes que passam seguindo um roteiro diletante onde pontuam as obras que a instrumentalização da cultura definiu como obrigatórias… Referia, aqui, que os grandes museus se tornaram pontos de consumo turístico, onde se perdeu o gosto da contemplação. Onde é difícil ver e descobrir para lá do lugar comum.

Banksy no British Museum
2005
Foto: Banksy website

Continuar a ler

O museu entre a vida e a morte

Os primeiros museus foram criados sob o explícito pretexto de disponibilizar a todos os bens patrimoniais que, até então, haviam estado na exclusiva posse de alguns privilegiados, mesmo que os objetivos políticos implícitos, no contexto das sociedades ocidentais oitocentistas, progressivamente assumindo a propaganda dos seus ideais nacionalistas e colonialistas. Criaram-se, assim, grandes museus universais, com coleções provenientes de culturas distantes, cronológica e geograficamente, e obras consagradas pela história da arte que lhes conferiam uma identidade e aumentavam o prestígio.

Projet d’aménagement de la Grande Galerie du Louvre
Hubert Robert, 1796
Paris, Musée du Louvre

Continuar a ler

Tomar a cópia pelo original

Uma cópia de idêntico tamanho e feita em cimento reforçado da esfinge monumental de Gizé foi publicitada em 2014, como uma das principais atrações num parque de diversões em Shijizhuang, na província de Hebei no norte da China, criado pelos Hebei Great Wall Film Studios e que inclui, entre outras, réplicas do Templo do Céu de Pequim, do Pártenon de Atenas, da Torre Eiffel de Paris e da Tower-Bridge de Londres. Ao cabo de dois anos de reclamações feitas pelas autoridades egípcias, com o apoio da UNESCO, sob o argumento de que se tratava de uma imitação de fraca qualidade e adulterava o original e ofendia o património e a cultura do Egipto antigo, a cabeça da esfinge foi demolida em abril de 2016. Entretanto, os responsáveis pelo parque noticiaram a sua reposição na réplica da esfinge, repondo a polémica e dando o mote para uma reflexão acerca da reprodução de monumentos e obras de arte.

Réplica da Esfinge de Gizé em Shijizhuang
Foto: SINA English, 2014

Continuar a ler

Hiperconetividade na era da hipermodernidade

“… é fácil confessar que muitíssimas coisas há na terra da Utopia que gostaria de ver implantadas nas nossas cidades, em toda a verdade e não apenas em expectativa”
Thomas More, Utopia

“Hiperconetividade” enquanto conceito subentende-se num artigo de Barry Wellman (2001) acerca das redes sociais e onde aborda aquilo que designa como “globalized connectivity” (Wellman, 2001, p. 230), mas surge efetivamente num estudo, elaborado pelo autor com Anabel Quan-Haase, acerca das múltiplas conexões estabelecidas através das tecnologias da informação e comunicação digital, no qual reconheciam o efeito positivo da tecnologia para fortalecer as relações interpessoais e contrariar as suas hierarquias, ainda que as conexões estabelecidas não se estabeleçam uniformemente – “all […] are connected, but some are more connected than others” (Quan-Haase, & Wellman, 2006, p. 322).

Utilização de recursos de Humanidades Museum of Modern Art (MoMA)
Foto: MIR, 2014.

O termo foi escolhido, pelo Conselho Internacional de Museus (ICOM), como tema para o Dia Internacional dos Museus 2018: “Museus hiperconectados: novas abordagens, novos públicos”.

Continuar a ler

Museu que nasce torto

No programa eleitoral para a câmara de Lisboa, em 2017, Fernando Medina, eleito presidente do município, propunha a criação de um museu dedicado à expansão portuguesa, permitindo subentender-se uma estratégia de promoção e oferta turística enquadrada por esta euforia política que motiva ações tão díspares como a reposição da carreira do elétrico 24, ou a criação de canteiros de flores nos separadores das avenidas. A mediatização alcançada permite-nos concluir que o assunto está longe de ser consensual, a começar pela designação como Museu das Descobertas.

A questão não é nova, nem se limita a um debate no âmbito da museologia e do património. A maior parte dos museus europeus criados no século XIX têm um ineludível cunho colonialista, assente no conceito da supremacia do homem branco e das civilizações que o enquadram.

Saleiro
África, Benim, primeiro quartel do século XVI
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga

Continuar a ler

Cruz processional da Sé do Funchal: Diferentes modos de ver

… uma cruz grande dourada, que de prata pesa
oitenta e dois marcos, vinte onças e duas oitavas …

“Ordem régia a João de Barros, tesoureiro, para que entregue a Álvaro Lopes, cónego da Sé do Funchal, a prata destinada à mesma Sé”
Lisboa, Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Cabido da Sé do Funchal, mç. 10, n.º 17, PT/TT/CSF/017/M10/17.

Funchal tinha sido elevado à categoria de cidade em 1508, o bispado tinha sido criado em 1514 e a Sé do Funchal, a primeira do “resto do mundo” tinha sido consagrada em 1517, altura em que já estava concluído a capela-mor com o seu monumental retábulo (o único desta época que se conserva íntegro e in situ) quando rei D. Manuel ordenou mandou lavrar um conjunto de vinte alfaias de prata para engrandecer o tesouro catedralício, as quais chegaram à ilha em 1528, já depois da morte do rei. Depois de ultrapassar várias vicissitudes, como o saque dos corsários franceses em 1566, ou as alterações do gosto que no século XVIII ditaram o desaparecimento das antigas alfaias, desse espólio manuelino restam quatro peças: porta-paz (MASF62), caldeirinha (MASF436), maça de porteiro (MASF65) e cruz processional (MASF56).

Cruz processional (pormenor do verso)
Ourivesaria Portuguesa, Lisboa (?), c. 1527
Prata dourada, relevada e cinzelada
Alt. 127 cm x larg. 55 cm
Prov.: Sé do Funchal
Funchal, MASF56
Foto: Arquivo MASF

Continuar a ler

A mulher na arte: mais objeto que sujeito

Os estudos de género incluem linhas de investigação no âmbito da história e da crítica da arte no feminino. Linda Nicholin (1931-2017) escreveu, em 1971, o artigo seminal “Why have there been no great women artists?”1 onde expunha as barreiras impostas pela sociedade que, ao longo dos tempos, impediram as mulheres, não apenas de enveredar pelo caminho da arte, mas também de serem reconhecidas nesse domínio, ao mesmo tempo que acusa uma visão subjetiva da história da arte baseada numa perspetiva ocidental-ariana e masculina: “In the field of art history, the white Western male viewpoint, unconsciously accepted as the viewpoint of the art historian, may – and does – prove to be inadequate not merely on moral and ethical grounds, or because it is elitist, but on purely intellectual ones.” (2018, p. 146)

Continuar a ler

  1. O artigo foi publicado pela primeira vez, em 1971, na revista Art News (1971, jan, 69, 9: número especial dedicado a Women’s liberation: Women artists and art history, pp. 22-39, 67-71) e  na obra Woman in sexist society: Studies in power and powerlessness (eds. Vivian Gornick e Barbara Moran; New York: Basic, 1971, pp. 344-366); posteriormente foi publicado em Art and sexual politics (eds. Thomas B. Hess e Elizabeth C. Baker; New York: Collier Books, 1973, pp. 1-39). Entretanto, tem sido repetidamente republicado, nomeadamente, em 1989, na obra antológica de Nicholin, Women, art, and power and other essays (New York: Harper & Row; London: Thames and Hudson). []

Imoral censura: o que se pode, ou não pode ver no museu

Devagar, lentamente, começaram a surgir indícios. Esparsos e irrelevantes, não ligámos. Continuaram, tornaram-se mais frequentes e preocupantes, ficou impossível não lhes darmos importância.

Quando, em 2011, o Museum of Fine Arts, em Boston, realizou a exposição “Degas and the nude”, em colaboração com o Musée d’Orsay, o escândalo estalou, face às representações do nu académico lado a lado com os “brothel monotypes”, estimulando um pendor voyeurista, curioso do universo íntimo, algo decadente, das prostitutas e dançarinas que enchem as telas de Degas. Pensámos que seria algo circunscrito à sociedade americana, tradicionalista e conservadora, que aproveitava para trazer à tona as acusações de antissemitismo e as suspeições em relação à vida celibatária do pintor.

Exposição “Degas and the Nude”
9 out. 2011 – 5 fev. 2012
Boston, Museum of Fine Arts
Foto: Flickr Hive Mind, 2011

Continuar a ler

Questão de ética: há uma linha que separa?

Apesar de todas as evidências, a presunção de inocência até o indivíduo ser condenado em sentença proferida em trânsito em julgado é um princípio fundamental e um direito que nos assiste. Apesar de todas as evidências de culpa, é assim e ainda bem que é. Apesar de todas as evidências de culpa, ninguém deve ser condenado em praça pública e ser prejudicado no exercício das suas funções. É assim, ainda bem que é.

Continuar a ler

Portugal para inglês ver

Portugal foi eleito o Melhor Destino Turístico do Mundo na 24.ª cerimónia anual dos World Travel Awards (WTA), realizada em Phu Quoc, no Vietnam, no passado dia 10 de dezembro, cerca de três meses depois de ter sido reconhecido como o Melhor Destino Europeu, também pelos WTA. Além deste, vieram para Portugal os galardões de Melhor Citybreak do Mundo, para Lisboa, Melhor Destino Insular, para a Madeira, Melhor Exemplo de Recuperação de Património, para os Parques de Sintra-Monte da Lua, bem como de Melhores Campanhas de Promoção Turística e, pela quarta vez consecutiva, a Melhor Organização de Turismo do Mundo, para o Turismo de Portugal.

Lisboa, Praça do Comércio
Foto: Pxhere, 2017

Continuar a ler

Escher em vez de um museu

Tinha sido prometido um museu de arte popular há muito fechado, desejado e anunciado. A designação de “arte popular” obriga a repensar uma série de conceitos formulados durante o Estado Novo, sob a orientação de António Ferro, mas que são mais abrangentes do que a política propagandística do regime. Parece subsistir, aqui, um envergonhado preconceito contra a versão folclorista da identidade nacional a impedir uma reflexão alargada acerca da diversidade antropológica e etnográfica do país, das artes e das tradições que, lentamente, se vão perdendo sem que haja capacidade para se lhes fixar a memória.

Museu de Arte Popular, Lisboa, Portugal
Fotógrafo: Estúdio Horácio Novais, após 1948
Lisboa, Biblioteca de Arte, Fundação Calouste Gulbenkian

A questão não é exclusiva ao panorama nacional português. Para citar um exemplo extrínseco à realidade nacional, basta lembrar os debates em torno da criação do Musée de Quai Branly, ou do MUCEM e da respetiva designação, em substituição do Musée national des arts et traditions populaires, em Paris, criado por George-Henri Rivière (Vd., por exemplo: Auby, 1993, pp. 14 e seguintes; Grosjean, 2014). Lá, como cá, fica patente a questão: “comment prendre en charge l’ethnologie française [ou a portuguesa], dans ses dimensions historique et contemporaine?” (“Sous le MUCEM”, 2013, p. 3) Continuar a ler

Erros feitos e má memória: o jantar no Panteão

Os erros

A confusão a fraude os erros cometidos
A transparência perdida — o grito
Que não conseguiu atravessar o opaco
O limiar e o linear perdidos

Deverá tudo passar a ser passado
Como projecto falhado e abandonado
Como papel que se atira ao cesto
Como abismo fracasso não esperança
Ou poderemos enfrentar e superar
Recomeçar a partir da página em branco
Como escrita de poema obstinado?

Sophia de Mello Breyner Andresen, 1997

No encerramento da Web Summit, o grupo Founders Summit organizou um jantar no Panteão Nacional, no qual participaram investidores e empresários, selecionados pela organização do evento. Gerou polémica, muita controvérsia e pretensas justificações, a empurrar as culpas entre quem autorizou e quem permitiu.

Foto: DR

Continuar a ler