Cheirar as frutas e as flores numa natureza-morta

Há muitos anos (1993?), numa exposição temporária no antigo Musée national des Arts et Traditions Populaires,  era recriada uma rua do século XIX, onde se ouviam os sons da vida doméstica e urbana, o barulho das ferraduras e do rodar das carruagens sobre a calçada e se sentia em cada uma das lojas por onde passávamos o “cheiro” do respetivo ofício: a flores, na florista; a feltro quente, na chapelaria, a perfumes, na perfumaria…

Catálogo da exposição “Artisans de l’élégance: Musée national des arts et traditions populaires”
Musée national des arts et traditions populaires, 17 nov. 1993 – 15 maio 1994

Continuar a ler “Cheirar as frutas e as flores numa natureza-morta”

Deambulações no Dia Internacional dos Museus: Museu de Arte Contemporânea e Museu Bordalo Pinheiro

O dia dos museus é pretexto para deambulações pelos museus, aproveitando o tom de festa e de celebração, a programação diferente, as exposições que são inauguradas. Calhando o dia 18 de maio num dia útil, torna-se necessário conciliar horários de trabalho – e, ontem, também, com uma queda que, tendo rasgado as calças, obrigou a uma troca de roupa e, também, a uma maior lentidão – e gerir a frustração face a tudo o que fica por ver e que irá ocupar a agenda dos próximos dias.

A escolha caiu no Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC) e no Museu Bordalo Pinheiro (MBP). As razões poderiam ter sido muitas, quer pelas diferenças entre ambos, como as tutelas, modelos de gestão, coleções, museografia, quer pelas afinidades possíveis de encontrar. Porém, a verdade é que a escolha teve a ver sobretudo com o gosto pessoal. E, assumindo o quanto somos influenciados pelas redes sociais, a forma como ambos os museus se mantiveram ativos e dinamizaram a interação com as suas audiências, determinou a escolha no universo de possibilidades dentro desse gosto pessoal. Ficou adiada a ida ao Museu de Arte Antiga (se não fosse a queda!), à sala Lalique do Museu Gulbenkian, às exposições do Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal, inauguradas à noite (fica a promessa, Joanna Latkta) …

Exposição “Meu Amigo: Obras e documentos da coleção Ernesto de Sousa (1921-1988)”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Contemporânea
Foto: MIR, 2021
Exposição “Pé d’orelha: Conversas entre Bordalo e Querubim”
Lisboa, Museu Bordalo Pinheiro
Foto: MIR, 2021

Em ambos os museus visitados, é comovente assistir ao regresso do público, ver os espaços animados de gente e constatar a vontade que todos sentíamos de voltar a ver “aquelas” obras com a emoção de um reencontro.

Continuar a ler “Deambulações no Dia Internacional dos Museus: Museu de Arte Contemporânea e Museu Bordalo Pinheiro”

Da recuperação à reimaginação: a lição do Museu de Arte Contemporânea em tempo de confinamento

O Museu Nacional de Arte Contemporânea manteve uma atividade exemplar em tempos de confinamento, com um conjunto de propostas inovadoras que ultrapassavam a mera transposição das atividades convencionais do museu para o suporte digital (vd. A reinvenção dos museus em época de confinamento: O exemplo que vem do MNAC) em duas vertentes essenciais: estratégias participativas que integravam a ação do público alargado a uma escala, literalmente, global; criação de conteúdos que passam a constituir fontes primárias para a historiografia da arte contemporânea.

Fotograma extraído dos vídeo “O Fungagá das Artes 16” no Youtube

O envolvimento do público passou, sobretudo, pelo “Fungagá das artes”, iniciativa conjunta do MNAC e da Fundação Millenium BCP, um curso de artes, pintura e desenho, dirigido maioritariamente pelo pintor Nelson Ferreira e transmitido regularmente aos fins de semana no canal Youtube. A par da intenção didática e lúdica, as sessões tinham uma componente muito interativa, dinamizando um contínuo diálogo entre o formador, o museu e os seus participantes, cujos comentários escritos apareciam em destaque sobre a imagem.

Exposição no MNAC dos desenhos com recriações da pintura O Grupo de Leão
Imagem: Facebook MNAC, 21 de abril 2021

Os participantes eram convidados a partilhar os seus desenhos nas redes sociais, utilizando as hashtags #mnacportugal e #ofungagádasartes, mas também a enviá-los pelo correio. Foi o caso da sessão 16, dedicada à pintura O Grupo de Leão, de Columbano Bordalo Pinheiro (1857-1929), a meio da qual o MNAC propôs “convidar os nossos amigos de todos os sítios do mundo para esta festa do Grupo do Leão”. Da observação e recriação da obra, passou à imersão no tema representado. Além disso, em contradição com a intangibilidade do encontro virtual, provocou a sua materialização através do envio dos desenhos. Os indivíduos que constituíam a audiência tornaram-se produtores de narrativas visuais e as suas obras ganharam o estatuto de objeto museal e, como tal, foram inseridos num espaço do percurso expositivo após a reabertura do museu.

Série “O processo criativo: Depoimentos de artistas” no Youtube
Fotogramas extraídos dos vídeos de Mário Rita, em cima, de The Lisbon wire Man (David Oliveira), ao meio, e de Joanna Latka, em baixo.

A criação de conteúdos inéditos é particularmente relevante na série de vídeos “O processo criativo: Depoimentos de artistas”, dando visibilidade a mais de uma centena de artistas contemporâneos, permitindo-lhes falar na primeira pessoa sobre os seus processos criativos.

Em vídeos de pequena duração, raramente excedendo os 5 minutos, os depoimentos são tão variados quanto as expressões plásticas. Se a maioria dos artistas não gosta de verbalizar sobre a sua obra, aqui são levados à construção de um discurso textual. Concisos ou eloquentes, objetivos ou subjetivos e introspetivos, racionais ou emotivos, descritivos ou interpretativos, estes depoimentos afastam-se dos discursos de eruditos e críticos. Aqui, a forma como cada um concebe o seu depoimento também se constitui como signo; os próprios silêncios, como os espaços em branco, têm um significado que contribui para elucidar a obra e para conhecer o seu criador. Com esta série, o MNAC um corpus documental de indiscutível importância para o estudo da arte contemporânea, ao mesmo tempo que disponibiliza o conhecimento dos artistas aos públicos coevos e futuros.

Ao mesmo tempo que recupera a sua missão através da conexão estabelecida com públicos e da criação e disponibilização do conhecimento, o museu reimagina a formalização das funções museológicas aplicando novos métodos de atuação e utilizando os instrumentos e técnicas disponíveis de forma criativa e sustentável. Dessa forma, cumpre os desígnios enunciados na epígrafe proposta pelo ICOM para o Dia Internacional dos Museus em 2021 e, com isso, sugere vias de atuação para que aqueles possam ser cumpridos.

Imagem de topo:  Hilda Frias, 2020.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Da recuperação à reimaginação: a lição do Museu de Arte Contemporânea em tempo de confinamento," in a.muse.arte , 2021/05/18, https://amusearte.hypotheses.org/7332.

O futuro dos museus, entre a recuperação e a inovação

Dia Internacional dos Museus 2021: “O futuro dos museus: recuperar e reimaginar”

Um tempo de inusitada crise pode ser interiorizado como uma oportunidade de transformação e, com isso, de melhoria. Ao longo do último ano, vivido entre confinamentos, os museus foram obrigados a encerrar e a procurar novos modelos de comunicação e interação com os públicos, enquanto lidavam (e continuam a lidar) com uma reabertura limitada por imposições sanitárias, com os efeitos decorrentes da quebra de receitas, com uma gestão de meios cada vez mais precários, com os problemas da planificação a médio e a longo prazo, com a imprevisibilidade e a insegurança. Por tudo isso, este é um momento crucial de mudança, mas também de recuperação dos valores identitários do museu.

Também, por isso, o ICOM propõe o tema “O futuro dos museus: recuperar e reimaginar” para o Dia Internacional dos Museus 2021, convidando os museus, os seus profissionais e as comunidades a criar (ou imaginar) e a partilhar novas práticas cocriativas, bem como novos modelos de negócio adaptados a instituições culturais e soluções inovadoras que respondam aos atuais desafios sociais, económicos e ambientais.

Continuar a ler “O futuro dos museus, entre a recuperação e a inovação”

Os museus não são neutros face à crise na Colômbia

A guerra civil que alastra na Colômbia desde a guerrilha camponesa influenciada pela revolução cubana da década de 1960, tornando-se um dos mais antigos conflitos da América Latina, e em que se envolvem atualmente, as máfias da droga, grupos paramilitares e guerrilheiros de esquerda, tem-se mantido como um conflito moderado. A ordem social era mantida pelas forças de segurança e pelos índices económicos relativamente estáveis capazes de camuflar as tensões sociais latentes. Porém, o projeto de reforma tributária apresentado pelo Governo, pondo a descoberto as fragilidades do modelo económico, desencadeou, desde 28 de abril, uma onda de protestos violentos que elevaram a intensidade da guerrilha a níveis inusitados desde há muito. Pela primeira vez em décadas, os camponeses, operários, estudantes e comunidades indígenas organizaram-se contra a reforma tributária, num movimento que rapidamente se tornou numa revolta social e política que se mantém ativa mesmo depois da suspensão do projeto e apesar da tentativa de repressão com cargas policiais de extrema violência, sobretudo, em Medellín, Bogotá e Cali.

Protesto em Bogota, Colômbia, 4 de maio de 2021
Foto: REUTERS/Nathalia Angarita

Continuar a ler “Os museus não são neutros face à crise na Colômbia”

De Julião Sarmento, é o traço…

É o traço, o poder conciso do traço inacabado, elementar como se fosse simples, o que de imediato me vem à memória na reconstrução da obra de Julião Sarmento. É o traço que rompe a tela e determina o resto.

Foi o traço que primeiro me marcou, foi pelo traço que sucessivamente o descobri e identifiquei.

Julião Sarmento junto à peça “Kiss Me”
Málaga, Museu de Arte Contemporânea, exposição restrospetiva do artista em 2010
Foto: EPA/JORGE ZAPATA, 2010

Continuar a ler “De Julião Sarmento, é o traço…”

Homenagem à museológa Teresa Scheiner

Teresa Scheiner, Mestre e Doutora em Comunicação pela Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), é museóloga de reconhecido mérito. O percurso profissional, a obra publicada, as intervenções públicas, firmaram-na como uma das vozes mais relevantes no âmbito de museologia. Entre os cargos que já ocupou, destaca-se a presidência do Comitê Internacional de Museologia (ICOFOM) entre 1998 e 2001. Mais recentemente. No Conselho Internacional de Museus (ICOM), foi membro do Conselho Executivo, entre 2004 e 2010, e vice-presidente, entre 2010 e 2016, durante os dois mandatos do alemão Hans-Martin Hinz. Foi editora do periódico Museum International.

Continuar a ler “Homenagem à museológa Teresa Scheiner”

O tríduo da Páscoa, segundo Mário Rita

Regressamos a uma terra misteriosa
trazemos uma ferida
e o corpo ferido
imprevistamente nos volta
para margens mais remotas
[…]”
José Tolentino Mendonça1

Tríduo Pascal (em latim, Triduum Paschale) é a designação dada no Cristianismo às celebrações da Semana Santa em memória da Paixão, Morte e Ressurreição de Cristo. A missa de Quinta-feira Santa recorda a Última Ceia de Cristo, como preparação dos momentos da Paixão. Os sinos tocam durante a recitação do Glória e, após esse momento, ficam em silêncio. Segue-se o ritual da lavagem dos pés, evocando o ato de Cristo aos apóstolos, segundo o relato no Evangelho de João (13:1-17). Este é um gesto de humildade e despojamento que prepara para o mistério eucarístico da Última Ceia. As celebrações de Quinta-feira terminam com o desnudamento dos altares. A liturgia deste dia encerra a Quaresma e dá início ao chamado Tríduo Pascal, ao mesmo tempo que anuncia o sentido deste tempo de silêncio, despojamento e ascese.

Crucificação; Ressurreição
Mário Rita, 2015
Exposição “Les Voyeurs”, 2015
Lisboa, Miguel Justino Contemporary Art

Mário Rita consegue incorporar o espírito do Tríduo Pascal neste conjunto de pinturas que, no entanto, escapam à iconografia convencional dos episódios da Paixão, Morte e Ressurreição de Cristo. Além disso, sendo que a temática religiosa não é frequente na arte contemporânea, também Mário Rita não a usa com um propósito confessional. É, porém, uma expressão introspetiva e denuncia um imenso lirismo na representação do dramatismo e solidão que estas figuras evocam.

Continuar a ler “O tríduo da Páscoa, segundo Mário Rita”

  1. “O silêncio”, in: A noite abre meus olhos: Poesia reunida. Lisboa: Assírio & Alvim, 2014. []

Os museus face ao Covid: Uma ponte sobre águas revoltas

European Seminar 2021
Europe’s “Big Museums” and Covid: The biggest museums talk about the impact: Present and future1
ICOM Europe, 30 de março de 2021, 13h00 (GTM)

“Oh, when times get rough
[…]
Like a bridge over troubled water
I will lay me down”
Paul Simon

O ICOM Europe promoveu uma webinar com o propósito de discutir o presente e as perspetivas dos grandes museus europeus no atual contexto de pandemia de Covid-19. O impacto da crise é um fenómeno global que não deixa os museus incólumes. Em maior ou menor grau, todos os museus sofrem os efeitos do confinamento, da falta de visitantes e da consequente quebra abismal de receitas. No entanto, se todos são atingidos pela crise, são provavelmente os maiores museus, aqueles cuja política se fundamentava em torno do eixo do turismo internacional e das multidões que circulavam de forma desenfreada por circuitos superpovoados e cuja gestão contava com os rendimentos colhidos nas bilheteiras, mas também nos espaços de restauração e nas lojas a que acorriam visitantes ávidos de consumo e da aquisição de memorabilia, esses são aqueles que se veem mais feridos naquilo que se tornou a sua essência.

Continuar a ler “Os museus face ao Covid: Uma ponte sobre águas revoltas”

  1. A gravação da conferência está integralmente disponível em http://icom-europe.mini.icom.museum/activities/conferences/ []

“Acqua alle funi!” e a bênção dos Ramos junto ao obelisco do Vaticano

É junto ao obelisco da Praça de São Pedro, no Vaticano, que têm início as cerimónias do Domingo de Ramos, festa que comemora a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém (Mc 11:1, Mt 21:1-11, Lc 19:28-44 e Jo 12:12-19).

Reconstituição hipotética do Circo de Nero no Vaticano
Lauro Giacomo, 1613-1641
Diocese de Trento

Continuar a ler ““Acqua alle funi!” e a bênção dos Ramos junto ao obelisco do Vaticano”

“Recuperação” da Fonte dos Anjinhos no Rossio e a palavra “Lisboa” em forma de árvore azul

Havia no Rossio, a Fonte dos Anjinhos, um bebedouro público de origem francesa, produzida pela fundição Antoine Durenne, em Sommevoire, na 2.ª metade do século XIX, segundo o modelo das fontes Wallace1, a qual se tornou imagem integrante da paisagem urbana, memória dos lisboetas e de todos os que por ali passavam como uma marca da praça.

Fonte dos Anjinhos, na Praça D. Pedro V (Rossio), em Lisboa
Joshua Benoliel, 1908
Lisboa, Arquivo Municipal de Lisboa

Continuar a ler ““Recuperação” da Fonte dos Anjinhos no Rossio e a palavra “Lisboa” em forma de árvore azul”

  1. As fontes Wallace, cujo nome deriva do seu idealizador, o filantropo inglês Sir Richard Wallace que doou 100 exemplares da fonte à cidade de Paris em 1872, com o intuito de dispensar água potável aos desvalidos e a todos os que, na rua, tivessem sede. Posteriormente, estas fontes espalharam por outras cidades em todo o mundo, incluindo Lisboa. Wallace delineou algumas orientações para a sua construção: ser suficientemente altas para que pudessem ser vistas e identificadas à distância, sem destruir a harmonia da paisagem urbana envolvente; ter uma forma que fosse adequada ao uso e. simultaneamente, agradável à vista; ser de baixo custo para permitir a difusão em alta escala; usar materiais resistentes aos elementos, fáceis de moldar e simples de manter. O escultor Charles Lebourg concebeu um pedestal sobre o qual quatro cariátides de inspiração grega, representado as figuras alegóricas da Bondade, da Caridade, da Sobriedade e da Simplicidade que sustentam uma cúpula. []

Tapada das Necessidades, entre a incúria e a fúria

Conta Vilhena Barbosa que, durante o surto de peste bubónica que assolou Lisboa em 1599, um casal da freguesia dos Anjos refugiou-se na Ericeira onde se entregaram à devoção de Nossa Senhora da Saúde, cultuada numa ermida perto da povoação. Acabado o perigo de contágio, furtaram a imagem, regressando com ela a Lisboa. Passaram a recolher esmolas para lhe erguer uma capela e Ana Gouveia de Vasconcelos oferecer um terreno no alto de Alcântara para a sua edificação, em 1607, a qual teve o patrocínio dos marítimos, constituídos em irmandade, e que acorriam ao poder intercessor da imagem nas suas aflições. “D’aqui lhe veiu [sic] o nome de Nossa Senhora das Necessidades, pois que promptamente acudia ás de todos aquelles que imploravam a sua protecção.” (Barbosa, 1862, p. 137)

A ela acorreu também D. João V durante uma crise que o paralisou:

Em 1742, adoecendo gravemente D. João V, fez conduzir para a sua camara a imagem de Nossa Senhora das Necessidades.
Melhorando o rei, atribuiu a sua cura a Nossa Senhora, e em agradecimento, substituiu a capella por um templo rico e sumptuoso, no mesmo logar onde existia a capella e com a mesma invocação; dando-lhe a prerogativa de capella real. (Leal, v. 4, p. 130).

Palácio das Necessidades
Desenho de Nogueira da Silva,
In: Archivo pittoresco: semanário ilustrado, 5(18), 137.

Continuar a ler “Tapada das Necessidades, entre a incúria e a fúria”

Sem cultura, não há futuro: a falta de estratégia que ameaça o património e a reação de quem o defende

O património cultural não está imune à crise provocada pela pandemia Covid-19. Os monumentos e os museus continuam encerrados, ao cabo de um ano de funcionamento irregular e de um acentuado decréscimo de visitantes e, portanto, de uma fortíssima quebra de receitas. De resto, como já assumia o Grupo de Projeto Museus no Futuro (GPMF), no relatório publicado em novembro passado, “Os MPM [Museus, Palácios e Monumentos], fruto de circunstâncias várias e longas, entraram na fase pandémica provocada pela covid-19 numa situação de grande fragilidade que não se pode prolongar” (GPMF, 2020, p. 52). No entanto, a situação, ao longo destes meses, não só se prologou, como se agravou, tornando imperiosa uma política de apoio e uma visão estratégica que considere a conjuntura real do património.

Aviso de encerramento do Mosteiro dos Jerónimos e Museu de Arqueologia devido ao Covid-19
Foto: Lusa, 2020

Continuar a ler “Sem cultura, não há futuro: a falta de estratégia que ameaça o património e a reação de quem o defende”

Era uma vez… um jardim de infância

Há cerca de um mês, a Câmara Municipal de Lisboa (“Antiga creche”, 2021, 26 jan.) anunciava que a “antiga creche do jardim da Estrela” iria dar “lugar a biblioteca do ambiente” e que “as obras de requalificação” começariam no início de fevereiro. Notícia a todos os níveis louvável, porque iria ser recuperado – não é isso que se depreende de umas obras de requalificação? – o antigo “edifício icónico projetado em 1882 pelo Arq. José Luiz Monteiro” e porque esta estrutura de madeira, sustentável, integrada num dos mais emblemáticos jardins da capital, era uma escolha tão acertada para uma biblioteca dedicada ao ambiente, que se tornava simbólica, valendo por aquilo que representa em termos ecológicos e de sustentabilidade, reforçada pelo restauro e preservação que deixava supor.

Planta e alçado do chalet para a escola Froebel, mandado construir pela Câmara Municipal de Lisboa no jardim da Estela
In Froebel. Revista de instrução primária, (1), p. 5

Continuar a ler “Era uma vez… um jardim de infância”

A festa dos namorados: das Lupercalia ao dia de São Valentim

A origem da celebração do Dia dos Namorados poderá remontar às festas Lupercalia, antigo festival romano, realizado anualmente ante diem XV Kalendas Martias, isto é, a 15 de fevereiro. A designação lupercalia deriva da loba (do latim: lupa) que alimentou os gémeos Rómulo e Remo, fundadores de Roma, mas também Lupercus, o deus romano da fertilidade, posteriormente, referido como um epíteto de Fauno (Faunus lupercus, Fauno Luperco) e associado a Pã. Lupercal (do latim: lupercal, [pertencente a Lupercus) designava o santuário, uma cova ou gruta sagrada, que lhe era dedicado no sopé da colina do Palatino, em Roma, a mesma onde a lenda assinala o sítio onde Rómulo e Remo foram encontrados e junto à figueira sob a qual foram amamentados pela loba (Tennant, 1988; Wiseman, 1995).

Lupercalia
Andrea Camassei, ca. 1635
Madrid, Mueso del Prado

Continuar a ler “A festa dos namorados: das Lupercalia ao dia de São Valentim”