A liberdade (não) garantida: diálogos entre iconografia religiosa e representações da contemporaneidade

Exposição “Liberdade garantida”
Santarém, Museu Diocesano de Santarém (20 abr. – 30 dez. 2024)

Um museu diocesano é um museu eclesiástico e, como tal, assume a evangelização como missão e propósito (Roque, 2023). Criado há dez anos, com uma exposição de grande duração e sustentado por uma continuada investigação de reconhecido mérito, o Museu Diocesano de Santarém não cristalizou na intenção inicial de servir de veículo à mensagem religiosa. Enquanto amadurece os modelos de gestão, exposição, interpretação e mediação, o museu, ao longo desta década, tem procurado consolidar e inovar as suas estratégias de relação com os públicos presenciais ou potenciais.

Exposição “Liberdade garantida”
Santarém, Museu Diocesano
Foto: MIR, 2024

Continuar a ler “A liberdade (não) garantida: diálogos entre iconografia religiosa e representações da contemporaneidade”

João Abel Manta e as caricaturas de um tempo entre a ditadura e a liberdade

Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos (5 abr. – 20 dez. 2024)

João Abel Manta (n. 1928), sendo autor de uma obra plural e facetada no domínio das artes é conhecido, sobretudo, pela sua atividade como cartoonista.

Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos
Foto: MIR, 2024

Continuar a ler “João Abel Manta e as caricaturas de um tempo entre a ditadura e a liberdade”

Revolução de 1979 no Irão: a outra revolução sob o signo dos cravos no cano das espingardas

O cravo vermelho foi tomado como símbolo da Revolução de 25 de Abril em Portugal, depois de a D. Celeste, empregada num restaurante da capital que nesse dia ficou fechado, ao regressar a casa com um ramo de cravos destinado à decoração das mesas, ter tido a ideia, bonita e poética, de os distribuir pelos soldados que, por sua vez, os colocaram nos canos das espingardas. Porém, o cravo não é o símbolo exclusivo da revolução portuguesa.

Cravos no cano das espingardas na revolução de 1979
Teerão, Museu da Revolução Islâmica e da Sagrada Defesa
Foto: MIR, 2018

 

Continuar a ler “Revolução de 1979 no Irão: a outra revolução sob o signo dos cravos no cano das espingardas”

Em tempo de ditadura, a arte patrocinada e a arte censurada

A propaganda do regime, para lá das censuras que impunha às artes, assentava em imagens romantizadas de um povo rural e em apropriações de motivos populares. A lição de Salazar, uma série de sete cartazes ilustrados editada em 1938 e distribuída por todas as escolas, especulava as vantagens do regime autoritário que impunha a ordem assente nos três pilares “Deus, pátria e família”.

A lição de Salazar:
Deus, Pátria, Família…
Martins Barata, 1938
Lisboa: Bertrand Irmãos.

Continuar a ler “Em tempo de ditadura, a arte patrocinada e a arte censurada”

Um outro Algarve nos anos 60: o campo

Memórias do Algarve que não era praia

A seguir ao mar, era o campo. Portimão, sendo cidade, era uma terra provinciana. Íamos passear à rua das lojas, num deambular cruzado de cumprimentos e conversas. Íamos ver as montras e entrávamos nas lojas onde já nos conheciam os gostos. O Senhor Rui oferecia-me umas folhas de cartão com bonecos para recortar e vestir, enquanto atendia as senhoras, desdobrando rolos de tecidos sobre o balcão, conjugando cores, padrões e texturas. Batistas e cambraias para as camisinhas da menina, o cetim para a senhora, um galão para enfeitar, veludo ou bombazina para uma saia, este tecido de lã para um tailleur, que tal este crepe para um vestido de meia estação, ou a novidade desta camisa em teriylene para o marido? Havia lojas fixas: os linhos e algodões para a roupa de casa na D. Maria; os sapatos na sapataria Oriental ou, mais finos, na do Hélder; o pronto-a-vestir, só no Figurino; os chapéus na chapelaria Ideal, ou, se íamos a um casamento ou a uma festa de cerimónia, na loja da Madame Thérèse que nos atendia com um caniche ao colo e alugava “capelines”, “tambourins”, “cloches”, “bandeaux”, “bibis” e outras coisas maravilhosas e com nomes franceses; os cadernos e os lápis, na Papelaria Silva; os cafés acabados de moer e os bolos secos em pacotes de papel pardo, na Casa dos Cafés, cujo cheiro ficou na lembrança; as mercearias finas, os queijos, os fiambres e os patés, no supermercado Apolo… Os botões eram mandados forrar na Monte Carlo e as meias de vidro eram cerzidas por uma senhora com as mãos deformadas pela artrose e que cansava os olhos sobre uma lupa atrás da janela. A Casa Inglesa era um território de homens, sentados em lugares que se tornavam fixos, servidos por empregados que já não perguntavam o que queriam, mas as senhoras começavam a lá entrar, a escolher uma mesa, a pedir um café e a acender um cigarro, anunciando um mundo em mudança.

Continuar a ler “Um outro Algarve nos anos 60: o campo”

Questões de mau gosto e sentido moral como argumentos censórios

Em 1860, Camilo Castelo Branco e Ana Plácido foram detidos na Cadeia da Relação, no Porto, pronunciados pelo crime de adultério. Aí estiveram, ela no pavilhão das mulheres e ele no piso privilegiado destinado a ilustres e abastados, até serem declarados inocentes e libertados no ano seguinte. Enquanto esteve preso, Camilo Castelo Branco escreveu Amor de perdição, a novela que se tornou epítome do romantismo literário.

De alguma forma, a Cadeia da Relação e Camilo Castelo Branco tornaram-se indissociáveis através do romance inspirado num episódio da vida do tio-avô do escritor, Simão Botelho, que também aí estivera detido por um amor proibido. Por isso, em 2012, ano em que se comemoravam os 150 anos da obra de Camilo, Rui Rio, então Presidente da Câmara do Porto, aprovou mudança toponímica do Largo da Cadeia da Relação para Largo Amor de Perdição, onde foi instalada a estátua de bronze “Amores de Camilo”, doada pelo autor, o escultor Francisco Simões.

Amores de Camilo
Francisco Simões, 2012
Porto, Largo Amor de Perdição

Continuar a ler “Questões de mau gosto e sentido moral como argumentos censórios”

“Museus, Sustentabilidade e Bem-estar” no Dia Internacional dos Museus

O Dia Internacional dos Museus celebra-se1, em 2023, sob o tema “Museus, Sustentabilidade e Bem-estar”.

A escolha deste tema, por um lado, está em consonância com a nova definição de museu, aprovada em 2022 (vd. https://amusearte.hypotheses.org/8846), que inclui os conceitos matriciais da inclusão, sustentabilidade, acessibilidade e diversidade, e, por outro lado, tal como tem vindo a acontecer desde 2020, reflete Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030, nomeadamente:

    • 3 – Saúde de Qualidade, ou Saúde Global e Bem-Estar: assegurar vidas saudáveis e promover o bem-estar para todos em todas as idades, sobretudo, no que respeita à saúde mental e ao isolamento social;
    • 13 – Ação climática: agir urgentemente para combater as alterações climáticas e seus impactos, adotando as práticas de baixo carbono do Norte global e as estratégias de mitigação do Sul global;
    • 15 – Vida Terrestre: proteger, restaurar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, ampliando as vozes dos líderes indígenas e consciencializando acerca da biodiversidade
      (cf. https://icom.museum/en/news/international-museum-day-2023-theme/).

Nos últimos anos, o ICOM tem vindo a identificar a sustentabilidade como uma das suas áreas prioritárias, criando, em 2018, um grupo de trabalho com a missão de promover a integração dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, ajudando os museus a contribuir de forma construtiva para a sua defesa e implementação (ICOM, 2018). Nesse sentido, o ICOM tem concentrado, de forma progressiva e atuante, a sua ação e normativas em torno do papel que os museus podem desempenhar na resposta aos desafios globais e urgentes, tais como as mudanças climáticas, os fluxos migratórios de refugiados ou a descolonização.

Diretamente relacionado com a sustentabilidade, o bem-estar envolve a relação da humanidade com a cultura e com a natureza. Considerando que esta é entendida de forma diferente consoante os diversos grupos culturais e uma tendente valorização das ontologias ocidentais, o ICOM valoriza o potencial dos museus para reavaliar e desvalorizar o antropocentrismo ocidental (ou eurocêntrico) e as linhas de pensamento que o sustentam, propondo a valorização da relação entre património tangível e intangível, da memória coletiva, das cosmogonias tradicionais e da transmissão intergeracional do conhecimento na promoção (Brown, 2019). Ou seja, permitindo que os museus valorizem o seu património através de projetos liderados pela comunidade que lhes confere o sentido intangível, os significados e funções, e lhes valida a memória.

Referências:
Brown, K. (2019). Museums and local development: An introduction to museums, sustainability and well-being. Museum International, 71(3-4), 1-13. DOI: 10.1080/13500775.2019.1702257
ICOM. (2018). ICOM establishes the Working Group on Sustainability. Acedido em https://icom.museum/wp-content/uploads/2018/09/GB-WGS_Press-Release_final.pdf

  1. O Dia Internacional dos Museus, organizado pelo Conselho Internacional de Museus (ICOM) foi celebrado pela primeira vez em 1977 e, desde então, ocorre anualmente no dia 18 de maio. []

Cerimónia de entrega de prémios APOM: a festa dos museus

A cerimónia de entrega de prémios da Associação Portuguesa de Museologia (APOM) tornou-se um evento de referência no panorama museológico nacional.

Será, seguramente, relevante para os premiados que veem reconhecidos os seus trabalhos, empenho, criatividade e persistência e, também, porque lhes fornece um argumento às reivindicações junto das tutelas.

É, sobretudo, importante para os museólogos, os profissionais de museus e os investigadores nesta área, porque dá visibilidade à inovação e ao conjunto de estratégias atualizadas que se praticam no panorama museológico nacional. O relevo dado aos projetos fomenta a reflexão e a análise crítica sobre o que se faz, mas também a sua replicação, adequando-os a outros contextos, em projetos futuros.

Continuar a ler “Cerimónia de entrega de prémios APOM: a festa dos museus”

A autofagia que engoliu o Museu Romântico

O Museu Romântico era isso mesmo: um espaço romântico, evocativo do espírito nostálgico e introspetivo do século XIX. Numa altura em que se pretende suscitar experiências sensoriais e emotivas no museu, este, apesar da apresentação convencional, cumpria esses desígnios, numa atmosfera que nos remetia para as páginas literárias carregadas de alvoroço amoroso e sentimentalismos exacerbados.

Museu Romântico
Porto

Continuar a ler “A autofagia que engoliu o Museu Romântico”

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search