Dia da espiga

“Como era dia da espiga, pelas veredas que as terras demarcavam, os grupos da gente operária com exércitos de pequenada, iam entre as searas, serpenteando com fatos de domingo, para colher o ramilhete de papoilas e espigas, que no dizer da lenda lhes traria ao ninho, felicidades e paz.” (Almeida, 1882, p. 74).

O Dia da Espiga ou Quinta-feira da Espiga coincide com a festa da Ascensão. Na tradição cristã, esta festa móvel celebra a elevação de Cristo aos céus, quarenta dias após a Ressurreição e marcando o fim da sua presença junto aos homens. Conforme o dito popular: “da Páscoa à Ascensão, quarenta dias vão “. A contagem dos dias após o Domingo de Páscoa implica que a festa calhe sempre à quinta-feira e, geralmente, no mês de maio, na décima-quarta semana da Páscoa (cfr. Atos 1, 3). Esta é uma festa dita ecuménica, no sentido em que é comemorada por todas as igrejas de matriz cristã. Não havendo registos anteriores ao século V, a Festa da Ascensão é mencionada por João Crisóstomo, Gregório de Níssa e Santo Agostinho, que afirma a sua origem apostólica e uma prática generalizada desde os tempos da Igreja primitiva. 

O dia d’a espiga
A. Rey Colaço, c. 1920 (?)

Continuar a ler

APOM gratias!

Este blogue recebeu o Prémio APOM 2019, na categoria Comunicação Online.

Foi inesperado, apesar de a candidatura supor a hipótese de receber um prémio. Porém, tal como a criação do blogue se deve a uma insistência de amigos e, em particular, da Dália Guerreiro – quantas vezes terei ouvido: “Tens de começar um blogue!” –, foram também amigos que me incentivaram (ou, melhor, “obrigaram” 😊) a candidatá-lo a este prémio. Sem levar a candidatura muito a sério, confesso, tal como também não levo este blogue demasiado a sério. Por isso mesmo se designa a-muse-arte, brincando com “amuse(r)”, numa alusão a divertimento, e com “amuse(-bouche)”, um aperitivo ligeiro que se toma antes do alimento a sério.

Não considerei sequer a possibilidade de receber um prémio, ciente de que estes prémios se destinam a distinguir museus, pelo que também não preparei palavras de agradecimento para a eventualidade de o vir a receber. Como haveria de receber um prémio APOM, sem museu, nem coleção? Não considerei sequer essa possibilidade, nem mesmo depois de saber que tinha sido nomeado.

E, no entanto, o a-muse-arte ganhou um prémio!

Continuar a ler

Prémios APOM 2019

A Associação Portuguesa de Museologia (APOM) atribui, anualmente, prémios a instituições, agentes ou projetos, em 27 categorias que contemplam as várias áreas da ação museológica: incorporação, colecionismo, mecenato, restauro, investigação, projetos de museografia e de museologia, exposições temporárias e reservas visitáveis, inovação e criatividade, filme, multimédia, trabalho jornalístico, educação e mediação cultural, comunicação virtual, informação turística. Este ano, a cerimónia da entrega de prémios aconteceu a 24 de maio, no Teatro Miguel Franco, em Leiria.

Troféu APOM
Série Luminescent.Mouseion.Opus
Fernando Quintas
2017
Vidro float com incrustações
Foto: APOM, 2019

Além de premiar o trabalho feito e de reconhecer o esforço, tantas vezes incompreendido, de quem trabalha nos museus, o mérito de quem ultrapassa os constrangimentos de recursos financeiros muito abaixo do necessário e de equipas diminutas, os prémios APOM constituem um incentivo para quem luta diariamente para cumprir a missão patrimonial e social do museu. Acresce o valor, não despiciendo, de estes prémios serem atribuídos entre pares.

Continuar a ler

Maria José Moura (1937-2018)

Conheci-a há quase trinta anos.
A memória mais antiga e, também, a mais constante é a de uma amizade, tão generosa quanto protetora. Assumia as minhas lutas, lutando ela própria contra os moinhos de vento do meu destino, como se tivesse sido responsável por eles, defendendo-me de tudo aquilo que achava ser injusto e oferecendo-me, até ao fim, uma imensa e abnegada proteção e amizade.

Continuar a ler

Hidden meanings: Christian art exhibited at the museum

Mixing museums with the sacred seems to be a paradox, since the museum is the place where objects are exhibited, while the sacred is something to hide. Nevertheless, the concept of sacred crosses museum studies, since there are many objects related to religious rituals and worship exhibited in museums.

Exhibition “As Ilhas do Ouro Branco”
Lisboa, MNAA
Photo: Rui Marote e DR, 2017

Musealization always implies a decontextualization process, by moving an object from its original context to an artificial and representational place. Regarding the religious object, this musealization also involves a process of desacralization and, eventually, a re-sacralization. So, to understand this phenomenon, it is necessary to consider the concept of the sacred itself and their implications, such as separation, untouchability, reverence or contemplation.

Continuar a ler

Maria Helena Mendes Pinto (1923-2018)

Conheci Maria Helena Mendes Pinto, a querida “Senhora D. Helena”, no início da década de 1990. Primeiro, assistindo ao convívio entre conservadoras do Museu de Arte Antiga que me aceitavam como discípula; depois, em 1993, em longas tardes na biblioteca do museu, onde me orientava na pesquisa de objetos para uma exposição, elucidando a minha profunda ignorância, com a paciência de grande mestra, conversando acerca das suas hesitações – o que, nessa altura, nos intrigavam as madrepérolas da Terra Santa, frequentemente catalogadas como obras indo-portuguesas: “não me parece, não me parece que sejam!”; e não eram – expondo o conhecimento com uma familiaridade sem reservas, entusiasmando-se perante objetos que via pela primeira ou pela centésima vez, continuando a interrogá-los e a analisá-los, trazendo-me livros, sugerindo-me leituras, lendo-me os textos, como se nunca duvidasse de que isso valesse a pena e fazendo-me acreditar que talvez fosse assim. Lembro-me das últimas vezes em que a vi, cada vez mais enfraquecida, mas com uma vivacidade no olhar, como se estivesse contente por me ver, enquanto me perguntava sobre a minha vida, amigos comuns… Que privilégio conhecê-la!

Continuar a ler

Júlio Pomar (1926-2018)

Não morreu, Júlio Pomar.
Nasceu em 1926; partiu em 2018.

Pode dizer-se que frequentou a Escola de Artes Decorativas António Arroio e, depois, a Escola Superior de Belas Artes, em Lisboa e, depois, no Porto, mas nem isso é relevante para definir a envergadura daquele que terá sido um dos mais importantes vultos da arte portuguesa (mundial?) do século XX.

O almoço do trolha
Júlio Pomar, 1946-47
Foto: Paulo Spranger / Global Imagens

Continuar a ler

Pavilhão da Santa Sé: a minha Expo’98

Há 20 anos, este foi o primeiro dia dos muitos que se lhe seguiram.

Sem tempo para pensar na imensidão do que acontecia, havia uma ideia que, de vez em quando, me assaltava: chegará o dia em que me lembrarei disto, sendo capaz de relevar o cansaço e as preocupações, o ritmo desenfreado, as visitas guiadas, as filas que era preciso conter, as pressões, a pressa dos visitantes, a vigilância contínua.

Pavilhão da Santa Sé: entrada
Lisboa, Expo’98

Continuar a ler

As 10 publicações mais lidas em 2014

1 Imagens deturpadas 2726 WordPress
2 A arte ainda existe? 627 Hypotheses
3 “Aqui se começa”: notícia do achamento de fragmentos do Livro da montaria de João I de Portugal 485 Hypotheses
4 O revés do património ou a vã glória de um marquês benfiquista 451 WordPress
5 Metropolitan Museum of Art: a disponibilização do acervo em linha e outros desvios à norma 449 Hypotheses
6 Quando o falso se confunde com o verdadeiro 428 Hypotheses
7 Museu da Maré, museu de favela, museu de nós 411 Hypotheses
8 O resplendor e a glória da imagem do Senhor Santo Cristo dos Milagres 375 Hypotheses
9 O turismo, sob o desígnio da cultura 318 Hypotheses
10 Tanto esplendor e glória para tão pouco contar 316 Hypotheses

Um ano de a-muse-arte

No final de 2014, o blogue a-muse-arte cumpre o primeiro ano.

Iniciar um blogue sobre temas de museologia foi um propósito de ano novo. O nome escolhido não era óbvio, remete para pouca seriedade, surgiu por acaso, depois de um sem número de tentativas não aceites, mas aglutina museu e arte e são estes os temas dominantes dos escritos que aqui surgem.

Em finais de maio, aceitando o convite para integrar uma plataforma específica para blogues académicos na área das Humanidades, o blogue transitou para a plataforma Hypotheses, da Open Edition.

Ao longo do ano, foram publicados 100 posts (este é o 100.º), os quais obtiveram um total de mais de 31 mil acessos.

WordPress

Hypotheses

TOTAL

Visitas

 ___

9.183

___

Páginas acedidas

10.538

20.569

31.107

Na plataforma WordPress, a maior parte dos visitantes acede a partir de Portugal (72%) e do Brasil (25%).

Na plataforma Hypotheses, os visitantes de Portugal têm baixa representatividade (8%), enquanto os do Brasil são residuais. Em contrapartida, o maior número de acessos provem dos Estados Unidos (40%) e regista-se uma inesperada percentagem proveniente da China (9%).

Distribuição dos acessos às plataformas por países

Distribuição dos acessos às plataformas por países

Atendendo aos resultados, é percetível a diferença de audiências entre ambas as plataformas, pelo que vamos passar a publicar em ambas em simultâneo.

No balanço deste ano, importa sobretudo agradecer a todos os que nos seguem pelo apoio, pelo incentivo, pelas mensagens que têm enviado, pelas partilhas que têm feito dos textos que aqui publicamos e, em particular, à Dália Guerreiro que, sistematicamente, republica em várias páginas e grupos. Destacamos, também, a discussão e as afinidades com a Paula Simões, a Maria Vlachou e a Inês Fialho Brandão, a propósito da disponibilização e da comunicação do património. A todos, muito obrigada.

Espero que, no próximo ano, continuemos a encontrarmo-nos por aqui. Um bom ano para todos. Sejam felizes.
16pompidou_06_2015