Um desafio do J. Paul Getty Museum em época de quarentena

O isolmento social presdispõe à procura de atividades criativas para entreter os dias e de divertimentos caseiros que compensem a ansiedade do confinamento e a angústia perante o avolumar das notícias acerca de uma tragédia que atinge toda a humanidade.

Enquanto, por todo o mundo, os museus inevitavelmente encerrados se concentram em estratégias de comunicação com os seus públicos ausentes, disponibilizando visitas virtuais, novos discursos sobre as coleções expostas ou em reservas, descobrindo outras perspetivas e detalhes, o J. Paul Getty Museum lançou, no passado dia 25 de março, um desafio através da Twitter @GettyMuseum: “We challenge you to recreate a work of art with objects (and people) in your home.”

Tempos desafiantes tornam-se estimulantes e, em poucos dias, as redes sociais ficaram inundadas de obras de arte e respetivas recriações. As respostas variam entre do mais comovente intimismo ao mais irónico e hilariante e as obras escolhidas incluem os clássicos mais conhecidos, mas também obras contemporâneas e outras quase ignoradas. Umas fazem citações quase literais, outras são mais subtis, oscilando entre a ironia e a metáfora.

Parece fútil e inútil e, efetivamente, talvez seja. Mas, mesmo nestes tempos em que nos centramos no essencial, são benfazejos os momentos de fuga e de alheamento.

Talvez seja fútil e inútil, mas visto para lá da fina superfície do divertimento, a iniciativa do Paul Getty Museum é mais do que aquilo que aparenta. Cumpre o propósito de envolver um público alargado e que ultrapassa o grupo dos habituais frequentadores do espaço do museu ou o dos estudiosos da arte. Desperta-lhes a curiosidade e obriga-os a olhar e a reparar nos detalhes, quando “ver” é um passo primordial (e crucial) para o conhecimento empírico. Tal como, despertará a curiosidade de alguns para obras que não conheciam e trará alguns para o universo da arte, o que, considerando o vasto público das redes sociais, não será despiciendo.

A reconstrução da obra de arte através de objetos do quotidiano doméstico implica a desconstrução dos seus elementos compositivos, da procura de esquemas cromáticos, formas e texturas que se lhes assemelhem e da sua recomposição. Há, ao longo de todo o processo, uma forte dose de inspiração e criatividade, desde a seleção da obra à concretização da réplica, revelando-se uma enorme ambiguidade entre a recreação e a recriação.

A força universal da imagem

A figura do Papa que sobe sozinho numa imensa praça vazia, a luz molhada do crepúsculo, o cenário despido, a sobriedade de tudo o que o rodeia, tornam esta imagem uma magnífica metáfora dos dias que correm. Uma imagem poderosa de solidão e resiliência, face às trevas que cobrem os nossos dias:

Há semanas, parece que a tarde caiu. Densas trevas cobriram as nossas praças, ruas e cidades; apoderaram-se das nossas vidas, enchendo tudo de um silêncio ensurdecedor e de um vazio desolador…. Vimo-nos amedrontados e perdidos. (Tradução livre da homilia do Papa Francisco, 2020, 28 mar.)

Coronavirus: il Papa, già si sente la fame, conseguenza della ...
Foto: ANSA, 2020

Continuar a ler “A força universal da imagem”

“Vestida de branco”: uma exposição em torno de uma imagem

Exposição “Vestida de Branco: A imagem de Nossa Senhora do Rosário de Fátima”
Fátima, Convivium de Santo Agostinho, Basílica da Santíssima Trindade, 30 nov. 2019 – 15 out. 2020

O Museu do Santuário de Fátima continua a série de exposições comemorativas de centenários relacionados com as aparições. A exposição “Vestida de branco” é comissariada por Marco Daniel Duarte, com museografia dos arquitetos Humberto Dias e Pedro Gândara e design de Inês do Carmo.

Esta é uma exposição comemorativa do centenário da primeira escultura de Nossa Senhora de Fátima.  Porém, o objeto nuclear da exposição, isto é, a imagem da Senhora de Fátima venerada na Capelinha, mantém-se afastado do espaço expositivo, embora se anuncie a sua presença, por um dia, no próximo dia 13 de junho, assinalando o centenário da sua chegada ao santuário.

 

Figuras recortadas a convergir para a entrada da exposição
Convivium de Santo Agostinho
Foto: MIR, 2019

Continuar a ler ““Vestida de branco”: uma exposição em torno de uma imagem”

De cavalo para ctt

A sigla CTT remonta a 1911, quando, após a instauração da República, a instituição responsável pelo correio passou a designar-se Administração-Geral dos Correios, Telégrafos e Telefones, ao mesmo tempo que adquiria autonomia financeira; posteriormente, em 1969, transformaram-se em empresa pública, com a designação de Correios e Telecomunicações de Portugal, E.P., mantendo a mesma sigla. Os serviços de telecomunicações das áreas metropolitanas de Lisboa e Porto foram entregues à empresa TLP – Telefones de Lisboa e Porto, criada em 1968.

CTT: Imagem visual
Design: José Brandão, 1993

Continuar a ler “De cavalo para ctt”

O património e as duas cajadadas no mesmo coelho

Duas cajadadas atingiram o nosso património na mesma semana.

A primeira, o despacho da Secretária de Estado da Cultura que previa a cedência de obras de arte da coleção Rainer Daehnhardt ao grupo hoteleiro Vila Galé, à exceção daquelas pelas quais a Companhia das Lezírias terá igualmente mostrado interesse. Foi tornado público quando, na passada quinta-feira, dia 13, o PCP pediu a audição da ministra da Cultura, Graça Fonseca, para se pronunciar sobre o assunto, justificando que “Aparentemente, o Governo pretende entregar para decoração de um hotel privado coleções incorporadas num museu nacional [Museu Nacional dos Coches] que foram compradas pelo Estado, na sequência da extinção da Fundação de Alter, em Alter do Chão” (cit in PCP…, 2020, 13 fev.).

Continuar a ler “O património e as duas cajadadas no mesmo coelho”

Re-imaginar

Há cerca de um ano, a designer Rebecca Saladin começou a publicar, no Instagram,  a série Royalty Now, uma obra gráfica baseada em “re-imaginação”, isto é, a apropriação de imagens históricas, em regra, facilmente reconhecíveis e identificáveis, recriadas como personagens contemporâneas.

A criação de uma meta-obra de sentido imediato, é uma abordagem simples, mas não simplista, que inclui informação sobre a figura histórica, sintética e breve, eventualmente anedótica, mas que sustenta a imagem e estabelece uma conexão mais duradoura com o utilizador do Instagram.

Continuar a ler “Re-imaginar”

Um meme nos museus

No passado dia 21 de janeiro, Dolly Parton fez uma publicação no Instagram onde conjugava conjuga quatro imagens suas em diferentes registos. A composição é um mosaico com quatro possíveis fotografias de perfil para as redes sociais Linkedin, Facebook, Instagram e Tinder, com a mensagem “Get you a woman who can do it all”: para o Linkedin, uma imagem profissional (vestida com um casaco abotoado e camisa branca, tendo ao fundo um quadro preto); para o Facebook, uma imagem familiar (vestida com uma camisola de Natal); para o Instagram, uma imagem estética (uma fotografia a preto e branco); para o Tinder, uma imagem sugestiva de relacionamentos (a capa da revista Playboy para a qual posou em 1978). No espaço de 3 dias a imagem ganhou quase um milhão de gosto e o Instagram comentou: “we ❤️ a trendsetter in every one of her looks”.

Continuar a ler “Um meme nos museus”

Olhar para 2020

31 de dezembro de 2019

No último dia do ano e no final da primeira década deste século, são inevitáveis as reflexões sobre o que se passou, em jeito de balanço. Torna-se imperioso o olhar meditativo, introspectivo, sobre o que fizemos, o que conseguimos, mas também sobre o que não realizamos e aquilo que perdemos. Nesta reflexão, em que se misturam conquistas e fracassos, ganhos e perdas, surgem as resoluções para o próximo ano, os nossos votos e desejos, quando, no fundo do nosso olhar, há apenas uma certeza: a vontade de ser feliz. 

É apenas esse o voto que formulamos a todos os que passam por aqui: que, em 2020, vivam tempos muito felizes.

Série Les Voyeurs (033)
Mário Rita, 2014
Técnica mista sobre papel.

Nota: Se os desenhos de Mário Rita ilustraram o Natal, porque não voltar a este outro desenho como epígrafe para o novo ano? Sobretudo, porque a obra de Mário Rita nos inspira e é merecedora do nosso olhar.

Natal de um Menino envolto em panos

“Hoje, na cidade de David, nasceu-vos um Salvador, que é o Messias, Senhor. Isto vos servirá de sinal para o identificardes: Encontrareis um Menino envolto em panos e deitado numa manjedoira” (Lc 2: 11-12)

Há, nas obras de Mário Rita, uma nostalgia que nos determina a memória de um tempo que já não é, de uma crença que desapareceu mas deixou uma cicatriz, ou um indício. Há, nas obras de Mário Rita, uma subtileza mística que nos convoca a uma peregrinação íntima ao mais profundo, talvez ao mais esquecido, daquilo que somos, daquilo que fomos.

Continuar a ler “Natal de um Menino envolto em panos”

O primeiro cartão de Boas-Festas: inglês… ou português?

Henri Cole terá sido o criador do primeiro cartão de Boas-Festas?

Segundo o sítio eletrónico do Victoria & Albert Museum, de que Henri Cole foi o diretor fundador, sim. Henry Cole foi um destacado funcionário público, patrono das artes, educador e inventor que, na década de 1840, teve um papel cruciak na reforma do sistema postal britânico, ajudando a criar o Uniform Penny Post, incentivando o envio de cumprimentos sazonais em papéis timbrados e cartões de visita decorados.

Cartão de Boas-Festas
John Callcott Horsley, 1843
Londres, Victoria and Albert Museum, n. MSL.3293-1987.

Em 1843, os correios lançaram um selo de 1 penny (centavo de libra esterlina), embaratecendo o envio da tradicional correspondência de Natal. Cole tinha uma enorme rede de amigos e conhecidos a quem cumpria enviar os votos natalícios e, na época vitoriana, seria uma imperdoável falta de etiqueta não o fazer. Revelando um espírito prático, Cole inventou uma estratégia que lhe permitia ganhar tempo e esforço: um cartão ilustrado com um tríptico, cujo desenho encomendou ao artista John Callcott Horsley, seu amigo pessoal. Horsley representou, ao centro, uma cena cercada por uma treliça decorativa, com a representação de três gerações da família Cole a brindar durante a ceia natalícia, enquanto, nas laterais, se representam atos de doação. A mensagem sintetizava o duplo sentido de Natal, entre a celebração e a caridade. Na entrada do diário de 17 de dezembro de 1843, Cole registou: “In the Evg Horsley came & brought his design for Christmas Cards”. Foram impressas mil cópias, personalizadas depois por uma saudação manuscrita.

O cartão foi posto à venda, mas o preço elevado não lhe permitiu o sucesso que só veio a alcançar posteriormente. No entanto, permitiu que Cole seja referido como o inventor do cartão de Natal.

Fernando Coburgo, 1839 Ass. e dat.: “Fernando Coburgo fecit, 1839” Sintra, Palácio Nacional da Pena, , inv. 3355/1 Foto: PSML /Ana Cristina Machado

No entanto, em Portugal, alguns anos antes, já o rei D. Fernando II, assinava e datava um cartão de Boas Festas: “Fernando Coburgo fecit, 1839”. Afinal, o primeiro cartão de Boas-Festas terá sido criado em Portugal.

Árvore de Natal, árvore da vida e do renascimento

Desde o antigo império persa, o cipreste é a árvore da vida, símbolo da eternidade e da imortalidade, devido à qualidade da madeira, durável e indestrutível, e da folhagem perene1, cujos óleos eram usados no combate à peste (Farahmand, 2020). A importância do cipreste na cultura persa está registada na representação dos desfiles processionais gravados nos palácios de Persépolis, ou jardins desenhados nas miniaturas persas (Dehkordi, 2017).

Jardim persa com cipreste
Miniatura em: Bayasanghori Shâhnâmeh (Livro dos reis), de Ferdowsi Tousi, 1430.
Fonte: Wikimedia Commons

Adding the rows of cypress trees adorning the walls of Persepolis, depicted under the guard of Persian soldiers, to the cypress trees remaining from the Islamic period, one better realizes the eternality of the cypress tree in Iranian culture, and becomes even more eager to discover the secret of this eternality. (Yazdkhasti, 2019, 20 Dec.)

Na antiga mitologia iraniana, o cipreste é uma das árvores que permite alcançar a eterna juventude: no texto primacial do zoroastrismo, Avesta, Zoroastro aponta para o cipreste, apelidando-o de árvore celestial e, numa descrição próxima do paraíso terrestre no Génesis bíblico, afirma que as suas folhas conferem o conhecimento, enquanto quem comer dos seus frutos se torna eterno. A palavra “paraíso” deriva do termo persa “pardis”, para designar um jardim fechado, normalmente cercado por ciprestes.

O cipreste está, também, associado ao culto solar: “Zoroastrian religion cypress is special tree of sun and birth and it is ever green and fresh tree stable against coldness and darkness. So there was a symbol of sunshine and life giving and sign of eternality and liberty and stability against dreadful forces” (Hadadi, Adelzadeh, & Jabari, 2012, p. 475). Por isso, numa tradição que remonta à era arsácida, em meados do século III a.C., a “Yalda”, a noite mais escura e mais longa do ano era celebrada junto a ciprestes decorados e iluminados, à volta dos quais eram deixados presentes (Hadadi et al., 2012). “Yalda” é uma palavra sírica importada para a língua persa, que significa nascimento, e na religião mitraísta Yalda designa o nascimento de Mitra. O culto solar propagou-se pela Ásia Menor, Médio Oriente e norte de África, atingindo as zonas mediterrânicas sob a influência das culturas grega e romana.

Celebração da noite Yalda
Miniatura in: Layla Majnun (cópia mogol), 1557-58
Londres, Bristish Library

O povo iraniano celebra a noite de Yalda a 21 de dezembro (Yazdkhasti, 2019, 20 Dec.). Reúnem-se em família ou em grupos de amigos, e festejam comendo nozes, melancia e romãs, frutas que restavam do último verão e cuja cor vermelha evoca as tonalidades do sol nascente e, por conseguinte, o renascimento. Ficam acordados para enfrentar as forças do mal, dominantes nessa noite, enquanto aguardam o dia seguinte em que Mitra domina.

Se a festa do nascimento de Cristo, no mundo ocidental, é uma persistência do culto solar a Mitra no solstício de inverno, o cipreste enfeitado de romãs é a imagem que inspira a árvore de Natal, uma árvore verde decorada com bolas vermelhas.

Referências bibliográficas:
Dehkordi, S. A. Studying the role and symbolic meanings of cypress tree in miniatures of “Shahnameh Tahmasbi”. Bagh-e Nazar, 13(45), 112-103.
Farahmand, H. (2020). The genus Cupressus L.: Mythology to biotechnology with emphasis on Mediterranean cypress (Cupressus sempervirens L.). Horticultural reviews, 47, 213-288. doi: 10.1002/9781119625407.ch5 
Hadidi, K., Adelzadeh, P., & Jabari, A. (2012). Survey on the status of cypress in Iran myths. Journal of Applied Environmental and Biological Sciences, 2(9), pp.475-479.
Roque, M. I. (2014, 24 dez.). A festa do Natal. A-muse-arte (blog). Acedido em https://amusearte.hypotheses.org/801
Roque, M. I. (2016, 27 dez.). Tradições de Natal. A-muse-arte. Acedido em https://amusearte.hypotheses.org/1659
Yazdkhasti, N. (2019, 20 Dec.).  The origin of the Christmas tree. Encountering with heritage (blog). Acedido em https://museumatter.blogspot.com/2019/12/for-iranians-cypress-persian-sarv-is.html

  1. Sendo uma árvore sempre-viva, tornou-se um símbolo de longevidade e de eternidade, o que a justifica nos cemitérios como sinal de crença na vida após a morte. []

Museus não precisam de ser neutros, mas devem ser independentes… e rigorosos

Nas aulas de Museologia, há três décadas, ainda ouvíamos a defesa da neutralidade do museu como o mais relevante e central objetivo do discurso museológico. Lembro-me de alguns de nós nos questionarmos acerca da (im)possibilidade de construir um discurso neutro, de nos libertarmos da subjetividade e do contexto. Discutíamos, também, se seríamos capazes de identificar e anular os preconceitos (ou pré-conceitos) que nos amarram. E, alguns de nós, defendíamos a possibilidade de enunciar uma perspetiva, a nossa perspetiva, se a fundamentássemos, isto é, se a assumíssemos como hipótese de partida, construindo o discurso museológico com o rigor da pesquisa científica na sua validação. Cada vez mais se consolidou esta ideia, ainda que alguns aspetos fossem sendo alterados e corrigidos.

Hoje, o ICOM assume uma posição idêntica. Suay Aksoy, Presidente do ICOM, no encontro anual do CIMAM “The 21st Century Art Museum: Is Context Everything?” (15-17 nov., Sydney, Museum of Contemporary Art Australia), assumiu que:

Museums have two dimensions that make them of extreme relevance regarding the profound social changes the world is currently undergoing. On one hand, they play a scientific role in regards to cultural heritage. […] Meanwhile, on another hand, museums are not neutral. They never have, and never will. They are not separate from their social and historical context. (Aksoy, 2019)

Suay Aksoy no CIMAM 2019
Sydney, Museum of Contemporary Art Australia

Continuar a ler “Museus não precisam de ser neutros, mas devem ser independentes… e rigorosos”

Natal dos ausentes

No passado dia 9 de dezembro, Bansky revelou, na página do Instagram, uma obra alusiva à época de Natal, pintada no bairro de joalheiros em Birmingham, através de um vídeo acompanhado pela seguinte legenda:

“God bless Birmingham.
In the 20 minutes we filmed Ryan on this bench passers-by gave him a hot drink, two chocolate bars and a lighter – without him ever asking for anything.”

Continuar a ler “Natal dos ausentes”

O Museu do Prado e as alterações climáticas

O Museu do Pardo uniu-se à organização World Wide Fund for Nature (WWF)1, numa campanha de alerta contra as alterações climáticas, a pretexto da Cimeira do Clima (COP25 – 25.ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas), organizada pela Nações Unidas e a decorrer até 13 de dezembro em Madrid.

Continuar a ler “O Museu do Prado e as alterações climáticas”

  1. O “Fundo Mundial para a Natureza” é uma organização não governamental (ONG) internacional para a defesa do meio ambiente que atua nas áreas da conservação, investigação e recuperação ambiental. []

Portugal é o melhor destino

Portugal ganha o prémio World’s Leading Destination 2019 (melhor destino do mundo) pelo terceiro ano consecutivo.

Na 25.ª anual cerimónia dos World Travel Awards (WTA), que decorreu esta quinta-feira em Muscat, capital de Omã, Portugal conquistou 13 prémios: o Turismo de Portugal é, também pelo terceiro ano consecutivo, o melhor organismo oficial de turismo; Lisboa, o melhor destino ‘city break’ do mundo; a Madeira, o melhor destino insular; os passadiços do Paiva (Arouca UNESCO Global Geopark), a melhor atração turística do mundo no segmento de aventura; os Parques de Sintra, o melhor organismo de conservação da natureza. Todos já haviam recebido antes as mesmas distinções o ano passado.

Rua Augusta, em Lisboa
Foto: Diana Quintela/GI, 2017

Continuar a ler “Portugal é o melhor destino”