Cutileiro, o Mestre

João Cutileiro (1937-2021)

A primeira imagem de João Cutileiro é (para mim) a estátua de D. Sebastião, inaugurado em 1973 em Lagos, por ocasião da comemoração do IV Centenário do Alvará da elevação de Lagos a cidade, concedido pelo rei que se tornou O Desejado.

D. Sebastião
João Cutileiro
1973
Escultura em mármores
Lagos, Praça Gil Eanes

Ainda que tenha sido uma encomenda oficial do município, esta obra marcou a rutura face ao academicismo da estatuária urbana do Estado Novo. Lembro o espanto, a surpresa indignada, a discussão a que se assistia nas excursões obrigatórias que nesses domingos de 1973 se tornavam obrigatórias para ir ver o “boneco de Lagos”. Lembro, também, o meu espanto maravilhado, a empatia de adolescente perante aquela figura, o gosto que se fixou pela obra de Cutileiro e por uma arte que adivinhava diferente.

Lago das Tágides
João Cutileiro
1998
Esculturas em mármore
Lisboa, Parque das Nações

Depois da passagem pelos ateliês de diversos e pela Escola de Belas Artes de Lisboa, Cutileiro diplomou-se na Slade School of Art, em Londres. No regresso a Portugal, pautou-se pelo experimentalismo e pela diferença, com intervenções no espaço público, com um vigoroso erotismo e com uma prodigiosa criatividade na reinterpretação das iconografias oficiais .

Em 2018, doou parte do espólio, num conjunto de mais de 700 obras. E a casa-atelier, em Évora, ao Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo, para albergar oficinas, residências artísticas e atividades de investigação. Ficou-nos, dele, a imensa obra, os desenhos de traço livre, mas tão preciso, os trabalhos em pedra que parecem inacabados e são imensamente expressivos. Assim a saibamos merecer.

O beijo
João Cutileiro
1981
Escultura em mármore
Évora, Jardim Diana

Bolo-rei

“N’este dia costuma-se fazer à mesa real o gracejo denominado: O bolo dos reis. Como é sabido, é um bolo, contendo uma fava, que se reparte pelos convivas, sendo proclamado rei e dando beija mão aquelle a quem cae a fava.”1

Um bolo que simboliza os Reis Magos e também os seus presentes: atributo real pela forma de coroa, com a côdea dourada pontuada pelo brilho das frutas cristalizadas; a côdea é o ouro, as frutas cristalizadas e as frutas secas da massa são a mirra, o aroma é o incenso.


Conta a lenda que, quando os Reis Magos viram a estrela de Belém, disputaram entre si a quem caberia a honra de ser o primeiro a adorar o Menino. Para resolver a contenda, um padeiro fez um bolo em cuja massa escondeu uma fava. Dividido o bolo em fatias, aquele a quem calhasse a fava seria o escolhido. Não nos relata a história qual terá sido, mas fixou-se o costume em introduzir uma fava e uma pequena prenda no interior do bolo: a quem coubesse a prenda era afortunado; aquele a quem calhasse a fava ficava com a obrigação de pagar o bolo-rei no ano seguinte. Era assim a tradição…

  1. In Diário de Notícias, 6 jan. 1870. segundo informação de Cristina Neiva Correia []

Feliz Ano Novo!

Nem tudo terá sido mau em 2020, mas que 2021 seja para melhorar.

Quando, há um ano, fazíamos votos de um bom e feliz ano novo, não imaginávamos o tempo transformador que se avizinhava: a doença, a angústia, o medo, a distância, o isolamento e a solidão.

Alguns (muitos!) não sobreviveram, outros (muitos mais!) sofrem as marcas da doença e da solidão. No entanto, nós sobrevivemos e chegamos a este dia, com a esperança numa luz que se adivinha ao fundo do túnel de trevas e sombras em que deambulámos nos últimos meses. Se, há um ano, não imaginávamos a pandemia que estava a chegar e alcançaria cada recanto deste mundo definitivamente global, ainda que muito pouco igualitário, também seria impensável, há apenas alguns meses, que a vacina chegaria por estes dias.

Encontramos, entre as obras de Wang Qingsong, uma profética ilustração destes tempos tão estranhos.

Temporary ward 
Wang Qingsong, 2008
Caixa de luz, a partir de uma instalação  ao vivo com 300 figurantes, incluindo doentes e pessoal de saúde 
Newcastle, Northern Stage theater

Se, em Temporary Ward (Enfermaria temporária), se abarca a memória destes dias de doença e sofrimento, o espanto perante o efémero, afinal, tão inevitável e infinito, fixemo-nos na festa de Happy New Year (Feliz ano novo), onde o humor se alia a um tom de irreverência, mas onde tudo parece leve e luminoso, entre aquilo que podemos deixar cair e os sonhos que se elevem, como balões coloridos “entre as mãos de uma criança”, como dizia o poeta a propósito da Pedra Filosofal.

Happy New Year
Wang Qingsong, 2012
Instalação
Pequim, Tang Contemporary

Que, em 2021, renasçamos mais humanos e conscientes na construção de um mundo novo. Que 2021 seja um ano bom para todos nós e que todos sejamos melhores.

E que, no espírito de a-muse-arte, a arte e os museus continuem a servir para nosso contentamento.

Prémios APOM 2020

A 25ª edição da Cerimónia dos Prémios APOM voltou a realizar-se no dia 10 de dezembro. Em tempo de pandemia, esta foi uma cerimónia diferente, em suporte virtual. Além dos premiados, também se felicita a Associação Portuguesa de Museologia (APOM) pelo esforço em manter e atualizar o reconhecimento das personalidades, das práticas museológicas e da investigação em museologia, premiando aqueles que, segundo o escrutínio de um júri, mais se distinguiram nas várias áreas.

Foram recebidas 208 candidaturas de Portugal Continental e Regiões Autónomas, mas distingue-se, este ano, uma abrangência de cariz internacional, dado que foram contemplados projetos de exposição e divulgação cultural de Portugal no estrangeiro e que a moçambicana Alda Costa foi reconhecida como Personalidade na Área da Museologia.

Os vencedores são:

Personalidade na Área da Museologia
Alda Costa
Cláudio Torres Continuar a ler “Prémios APOM 2020”

Eduardo Lourenço (1923-2020)

No dia em que se comemora a Restauração da Independência, chega a notícia da morte de Eduardo Lourenço. Queriamo-lo imortal, porque nos era essencial a voz lúcida que nos dava o sentido das coisas.

Não é possível escrever acerca do homem do pensamento e das palavras, porque tudo o que escrevessemos lhe ficaria aquém, desmerecendo a obra do mestre.

E, por isso, é através das suas palavras que, neste dia, assimilamos, à portugalidade, a lusofonia “não tanto o seu óbvio sentido linguístico, mas como espaço cultural, é um espaço se não explodido, pelo menos multipolar, intrinsecamente descentrado”(Lourenço, 2004 [1999], p. 188), salientando que “nós fomos os primeiros agentes, inconscientes embora, da descentração europeia, é a melhor maneira de cortar pela raiz o sonho de comunhão, de expansão de nós mesmos como cultura que se quer vincular à ideia-programa, agora ideológica, da lusofonia” (id., pp. 188-189). Por conseguinte, “aquilo que permitiria atribuir a verdadeira realidade e sentido à tão evocada lusofonia, não pode, nem sequer metaforicamente, ser pensado e imaginado como espaço de portugalidade” (id., 186).

E, desta forma, o dia da Restauração da Independência adquire um novo e límpido sentido.

Referência:
Lourenço, E. (2004 [1999]). A nau de Ícaro seguido de imagem e miragem da lusofonia. Lisboa: Gradiva.

Dia da Restauração da Independência

Comemora-se, a 1 de dezembro, a Restauração da Independência. Nesse dia, em 1640, o golpe de Estado perpetrado pelos Quarenta Conjurados pôs fim ao domínio espanhol em Portugal após sessenta anos de União Ibérica, aclamou D. João IV no trono restaurado e inaugurou a dinastia dos Bragança.

Actus Regius Iohannis Lusitaniae sev Portugalliae Regis
Johannes der Viertes, século XVIII
Royal Collection Trust

Continuar a ler “Dia da Restauração da Independência”

São Martinho, pão, castanhas e vinho

São Martinho de Tours nasceu na antiga cidade de Savaria, na província romana da Panónia, atual Hungria, em 316. Os dados da sua biografia são conhecidos a partir da Vita sancti Martini (Vida de São Martinho) escrita em 396-397 por Sulpício-Severo, um dos seus discípulos, a qual se tornou um arquétipo da hagiografia ocidental (Poulet, 1993, p. 21) onde os factos históricos se misturam com elementos lendários e mitificados1.

Caridade de São Martinho
Antoon van Dyck
Olpe, St.-Martinus-Kirche (igreja paroquial de São Martinho)

Continuar a ler “São Martinho, pão, castanhas e vinho”

  1. Sulpício anexou à obra biográfica de São Martinho, cartas evocativas da morte do santo e o livro Gallus, Dialogues sur les «vertus» de saint Martin, escrito em 404. Vd.: Sulpice Sévère. (2006). Gallus: Dialogues sur les «vertus» de saint Martin: Introduction, texte critique, traduction et notes de J. Fontaine. Paris: Éd. du Cerf. A informação relativa ao seu nascimento é igualmente registada na Histoire des Francs (ou Decem libros historiarum), de Grégoire de Tours: “Romanorum tricesimus quartus imperium obtinuit Constantinus, annis triginta regnans feliciter. Huius imperii anno undecimo, … beatissimus præsul Martinus apud Sabariam Pannoniæ civitatem” [Trad. livre: Constantino tornou-se o trigésimo quarto imperador dos romanos e governou alegremente por trinta anos. No décimo primeiro ano do seu reinado, o Beato Bispo São Martinho nasceu na Panónia] (livro 1, cap. 36). No entanto, Sulpício aponta, como data de nascimento, o ano 336, comummente rejeitada e que se poderá justificar pela intenção do autor de reduzir a duração da sua vida militar e diminuir a sua relevância face à vida religiosa. []

Eduardo Salavisa e o cadeirão que fica vazio

Eduardo Salavisa é o desenhador que documenta o quotidiano, as rotinas, os rostos, os gestos. Ainda ontem, o Público contava como, durante o verão, os amigos se haviam sentado (ou não) num cadeirão da sua sala, enquanto lhes fixava os rostos, os corpos, os gestos, as posições, os nomes e as histórias, sabendo que esse retrato era uma despedida: “As memórias destes momentos em que amigos meus me visitaram no momento terminal da minha vida foram registados por um desenho”. Desses desenhos se fez o livro Caderno de retratos: Memórias imperfeitas, editado pelas Edições Afrontamento, e a exposição ”Um cadeirão e 96 retratos”, no Museu Bordalo Pinheiro, em Lisboa. Esteve na exposição, novamente a desenhar quem quisesse ocupar o cadeirão.

Eduardo Salavisa na exposição ”Um cadeirão e 96 retratos”
Lisboa, Museu Bordalo Pinheiro
Foto: Câmara Municipal de Lisboa

Continuar a ler “Eduardo Salavisa e o cadeirão que fica vazio”

Algo vai mal no reino dos museus e do património

Something is rotten in the state of Denmark.
Shakespeare. Hamlet (1.4)

Em dois dias seguidos, a 22 e a 23 de setembro, a Secretária de Estado do Património, Ângela Ferreira, e o Diretor-Geral do Património Cultural (DGPC), Bernardo Alabaça, deram entrevistas publicadas no jornal Público, numa tentativa de propaganda que resulta óbvia, até pela diacronia e pela sintonia das afirmações, ao garantir que, apesar dos problemas que ameaçam o setor, tudo corre bem neste reino dos museus e do património.

A entrevista a Ângela Ferreira tem, como pretexto, os concursos para 18 cargos de diretor de museu. Mostra-se “muito contente” com o modelo do concurso que teve, como retorno, 146 candidaturas, em que se incluem as recandidaturas de 11 dos atuais diretores, 32 candidaturas de cidadãos de nacionalidade estrangeira, candidatos a vários museus e até 9 candidatos que se propuseram a concurso sem indicar a que museu concorriam: “[…] estamos muito contentes com os números, obviamente porque querem dizer que os nossos museus são desafiantes, mesmo os regionais” (Ferreira, cit. in Canelas, 2020). Um êxito, portanto.

Continuar a ler “Algo vai mal no reino dos museus e do património”

Francisco de Holanda e a malícia do tempo

Francisco d’Ollanda (1517-1584), ou de Holanda, é um nome quase desconhecido para lá de algumas referências toponímicas e de alguns círculos restritos. E, no entanto, ele foi um dos nomes maiores do Humanismo e um dos mais relevantes tratadistas no Renascimento Europeu.

Nascido em Lisboa, era filho de António de Holanda, com créditos reconhecidos no âmbito da pintura e da iluminura e que o iniciou no mundo da arte. Aos vinte anos, partiu para Roma no âmbito da política cultural de D. João III que favorecia a circulação de bolseiros portugueses pelos principais centros da cultura europeia à época. Em Roma, conheceu algumas das figuras mais relevantes do Renascimento, frequentou o círculo de Vitória Colonna, onde conheceu Miguel Ângelo, de quem se afirmava discípulo e que o inspirou para os Diálogos em Roma.

Nossa Senhora de Belém
Francisco de Holanda, 1550-1553
Pintura a óleo sobre madeira
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga, 1181 Pint

Continuar a ler “Francisco de Holanda e a malícia do tempo”

Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo: sinais de risco

O Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo, em Évora, é o único museu nacional a sul do Tejo. Em 2019, o Decreto-Lei n.º 78/2019, de 5 de junho, determinava a mudança de nome do, até então, Museu de Évora, evocando a figura de D. Frei Manuel do Cenáculo, arcebispo de Évora (1802-1814), cuja coleção lhe está na génese. Pelo mesmo decreto, o museu, depois de ter estado sob a dependência da Direção Regional de Cultura do Alentejo (DRC Alentejo), voltou à tutela da Direção Geral do Património Cultural (DGPC), passando os funcionários a integrar o respetivo mapa de pessoal.

Busto de D. Frei Manuel do Cenáculo
António Augusto da Costa Mota, 1904
Évora, Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo
Fotos: MIR, 2020

Continuar a ler “Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo: sinais de risco”

Estátua de Zeca Afonso em Belmonte

No dia em que faria 91 anos, Zeca Afonso foi homenageado, com a inauguração de uma estátua em Belmonte, terra onde viveu durante algum tempo da juventude. O presidente da Câmara de Belmonte, António Dias Rocha, responsável pela iniciativa, justificou-a como “um tributo ao seu ideal humanista, à sua excelência musical, à sua grandeza social, à sua fraternidade, à sua generosidade, à sua simbologia política, à sua dimensão universal, à democracia” (cit. in “Belmonte…”, 2020). A Ministra da Cultura, Graça Fonseca, esteve presente na cerimónia, onde referiu a classificação da obra fonográfica como “conjunto de bens móveis de interesse nacional” com o principal objetivo de “recolher, investigar e apurar” todo a informação e património sonoro deixado pelo músico.

Tudo estaria bem, não fora… a própria escultura.

Continuar a ler “Estátua de Zeca Afonso em Belmonte”

Joaquim Veríssimo Serrão: in memoriam

Joaquim Veríssimo Serrão (Santarém, Tremês, 8 de julho de 1925 – Santarém, 31 de julho de 2020)

Nesta evocação do Prof. Veríssimo Serrão, não resisto a partilhar uma memória muito marginal ao que um memorial deveria ser. Há muitos anos, passava uns dias no campo quando, numa manhã em que acordei mais cedo e resolvi dar uma volta, passei pela casa dos quinteiros e encontrei a D. Gracinda sentada no poial a ler, o indicador a seguir as linhas, um livro. Era um livro grosso, com um texto denso, que se diria improvável nas mãos e, sobretudo, no gosto da D. Gracinda. Contou-me que tinha encontrado o livro, já não me lembro onde, e que aproveitava as madrugadas, antes do aperto dos trabalhos, para o ler, surpreendida com as coisas que aquele senhor sabia, mas também pelo gosto que ela, leitora muito rudimentar, retirava daquelas letras, seguidas a custo, as palavras soletradas, e das madrugadas ocupadas na descoberta daquelas “ai, que histórias tão bonitas” de que a História é feita. Não sei quanto tempo terá levado a ler aquele volume da História de Portugal, de Veríssimo Serrão, mas lembro que todos os dias a encontrava no mesmo sítio, umas páginas adiante, e que ficava ali um bocado, enquanto ela me contava o que tinha lido. A erudição do Professor Veríssimo Serrão chegava-me através das leituras de uma mulher do campo.

Continuar a ler “Joaquim Veríssimo Serrão: in memoriam”