Falcão, de herói a vilão

Em carta aberta ao diretor do Diário do Alentejo, assinada por Francisco Costa, faz-se o elogio de José António Falcão. Dele se diz, em síntese biográfica, que “recém-licenciado, foi especializar-se no estrangeiro, com uma das prestigiadas bolsas da Fundação Gulbenkian (difíceis de obter e, por isso, alvo de intenso escrutínio” que, regressado ao país, “a sua paixão pelo Alentejo […] viria a materializar-se numa série de iniciativas muito interessantes e que bastante contribuíram para modificar a perceção sobre a arte, a história e a identidade da região” (Costa, 2020, p. 3). Dele diz-se, ainda, que foi escolhido “para dirigir benevolamente, um organismo [Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja, DPHA] que, partindo do nada, recuperou mais de uma centena de edifícios e inúmeras obras de arte, documentos, livros, etc., sem que a diocese gastasse nisso mundos e fundos” (id., ibid.). Numa altura em que a diocese celebra os 250 anos da sua refundação, José António Falcão e os outros membros do departamento são referidos como “os grandes ausentes”. A carta faz eco dos encómios, prémios e distinções que o DPHA e o próprio José António Falcão recolheram até 2017, altura em que o DPHA foi extinto, causando alguma agitação entre aqueles que se diziam surpresos e os que insinuavam justificações sombrias – e, a este respeito vale a pena consultar ambas as entradas na Wikipédia, relativas ao Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja e a José António Falcão, o “depositário de notável cursos studiorum” que se tornou “o ‘Homem do Património’ no Sul de Portugal”, fazendo uma leitura atenta e crítica, das linhas às entrelinhas, naquilo que diz e naquilo que ignora.

Afinal, talvez não tenha sido exatamente assim.

Continuar a ler “Falcão, de herói a vilão”

De boas intenções estão muitos “restauros” cheios

Segundo as notícias, um colecionador de arte particular em Valência terá encomendado a limpeza de uma pintura da Imaculada Conceição a um restaurador de móveis pela quantia de 1.200€.

Imagem da cópia da Inmaculadas de Murillo pertencente ao colecionista valenciano antes (esquerda) e depois do restauro (direita)  Imagem processada a partir de EUROPA PRESS / ACRE

Continuar a ler “De boas intenções estão muitos “restauros” cheios”

Petição pela demolição da Torre de Belém

Há uma petição1 em curso pela “Demolição da Torre De Belem e Monumento aos Descobrimentos”, evocando como argumento que “É inconcebivel que em pleno seculo XXVI and se mantenham simbolos alusivos ao racismo colonial. Exigimos a Demolição do Monumento aos Descobrimentos e Torre De Belem, como torre de vigia da entrada do mercado de escravos” – a citação é literal, mantendo os erros de português (que não têm a ver com o Acordo Ortográfico).

Nem é necessário contrapor a este argumento, evocando o revisionismo histórico, considerando que não se pode julgar o passado com base em padrões morais do presente. Porque, na realidade, até se pode analisar criticamente o passado, comparando-o com os nossos padrões e valores. O que não se pode é transformar o passado. Podemos, sim, transformar o presente.

Esta fúria iconoclasta, a violência com que se manifesta é, afinal, redutora, ao cingir a luta contra o racismo à destruição daquilo que consideram ser os símbolos de um passado esclavagista. Como se dizia acerca do vandalismo que atingiu a estátua do padre António Vieira “esta iconoclastia já não é uma luta contra o racismo, contra a xenofobia, contra a injustiça e a desigualdade, mas a violência de uns energúmenos cuja causa é apenas isso, a raiva que alastra como um rastilho de pólvora” (Roque, 2020).

Assistindo a vaga iconoclasta que tem grassado nos últimos dias e que visa, agora, a Torre de Belém, lembro o segundo ato de As moscas, de Jean-Paul Sartre, quando o Sumo Sacerdote invoca os mortos em nome da cólera, da amargura e do espírito de vingança: “[…] Vinde saciar o vosso ódio sobre os vivos! […] Olhai ali os vivos, as vossas gordas presas vivas! Vamos, carregai sobre eles em turbilhão, e roei-os até os ossos! De pé! De pé! De pé!!!” (Sartre, 1979, p. 75).  São estes, os energúmenos do ódio e da vingança.

E a luta contra o racismo, contra a xenofobia, contra a desigualdade, contra a injustiça, onde está? E a reflexão sobre o passado colonialista, sobre o eurocentrismo, sobre a supremacia sobre as culturas dos povos colonizados, onde está?

Referências:
Roque, M. I. (2020, 11 jun.). Padre António Vieira: A destruição do indestrutível. In a.muse.arte. Disponível em https://amusearte.hypotheses.org/6613
Sartre, J.-P. (1979). As moscas. Lisboa: Editorial Presença.

  1. No momento em que este post está ser escrito, a petição com quase uma centena de assinaturas. []

Padre António Vieira: a destruição do indestrutível

Z”O homem é o indestrutível e que no entanto pode ser destruído.”
Maurice Blanchot 1

Padre António Vieira
Marco Fidalgo, 2017
Lisboa, Largo Trindade Coelho

Pode, ou não, gostar-se da estátua em bronze do padre António Vieira (1608-1697), da autoria de Marco Fidalgo, inaugurada em 2017, no Largo Trindade Coelho, em Lisboa, fronteiro à igreja jesuítica de S. Roque e complexo residencial da antiga Casa Professa da Companhia de Jesus. A escultura, representa o padre António Vieira, rodeado por três crianças índias, erguendo a mão esquerda com o crucifixo, enquanto a direita pousa no ombro de um dos meninos.

Continuar a ler “Padre António Vieira: a destruição do indestrutível”

  1. In:  Blanchot, M. (2007). A conversa infinita (v. 1, p. 80). A experiência limite. Paulo: Escuta. []

Monumento Luís de Camões

“Estavam no Loreto; e Carlos parara, olhando, reentrando na intimidade daquele velho coração da capital. Nada mudara. A mesma sentinela sonolenta rondava em torno à estátua triste de Camões.”
Eça de Queirós. (1888). Os Maias.

O monumento a Luís de Camões, de autoria do escultor romântico Victor Bastos, erguido no centro da praça homónima em Lisboa, serviu de preâmbulo às comemorações do terceiro centenário da morte do poeta, refletindo uma forte intenção propagandística da história nacional, de acordo com a ideologia romântica da pátria, dos seus valores e heróis históricos. Através da glorificação da figura de Camões, fazendo a síntese entre a obra épica do poeta nacional e o seu carácter bélico, o monumento pretendia estender-se simbolicamente à glorificação da pátria.

Praça e monumento de Luiz de Camões
In  (1868). Album. Lisboa: Moreira Photographo.
Foto: Moreira, 1868.

Dominando a praça, a estátua colossal de bronze representando o poeta, com 4 metros de altura, ergue-se no topo de um alto pedestal, com 7,5 metros, de secção oitavada. Camões é representado de pé, com a perna esquerda avançada, evidenciando uma atitude determinada que se aproxima da representação convencional do herói destemido. A mão esquerda, junto ao peito, segura a sua obra máxima, Os Lusíadas, enquanto a mão direita assenta no coto da espada com a ponta da lâmina assente no chão, evocando a sua condição de militar, enquanto os livros que se encontram a seus pés aludem ao poeta. Na cabeça, evidencia-se a coroa de louros mantém o significado de distinção e glória, cujo uso remonta à referência mitológica do mito de Dafne que, transformada em loureiro para evitar a perseguição de Apolo, permite que ele colhesse as folhas e fizesse a coroa com a qual é representado e que se tornou seu atributo e, por extensão, atributo dos heróis.

Monumento de Luiz de Camões
Foto: Osvaldo Gago, 2011

Em cada uma das faces do pedestal, erguem-se as figuras em vulto de cronistas, poetas e cientistas dos séculos XV e XVI: Fernão Lopes, Fernão Lopes de Castanheda, Francisco Sá de Menezes, Gomes Eanes de Azurara, Jerónimo Côrte-Real, João de Barros, Pedro Nunes e Vasco Mouzinho de Quevedo.

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas

O conceito moderno de nação surgiu no século XVIII, no contexto do Iluminismo e da Revolução Francesa e ao mesmo tempo que se criavam os primeiros museus com o objetivo de salvaguardar e disponibilizar, a toda a sociedade, o repositório patrimonial que materializava a sua cultura e identidade.

Em Portugal, no último quartel do século XIX, foram várias as comemorações que serviram como pretexto para a exaltação de acontecimentos e heróis que incrementassem o orgulho nacional, ao mesmo tempo que funcionavam como veículo de propaganda da ideologia anticlerical e republicana, das quais a mais relevante ocorreu em 1880, assinalando o centenário da morte de Camões, figura que se tornou um símbolo da luta pela independência do reino contra a presença e influência dos ingleses e baluarte das ideias republicanas. O ideal heroico e romântico do poeta que cantara a saga dos Lusíadas era o reverso positivo de um Portugal em crise e desesperançado.

Luiz de Camões
Gravura de Joaquim Pedro de Sousa
[Lisboa: Imprensa Nacional 1873]
Assim, na sequência da implantação da República, a 5 de outubro de 1910, foi publicado, logo na semana seguinte, o decreto que estipulava os feriados nacionais, transferindo para os municípios a possibilidade de escolherem a data que melhor refletisse a sua história ou tradição. Lisboa escolheu, para feriado municipal, o dia 10 de junho, evocando as comemorações camonianas de 1880 e o papel que tiveram a divulgação do ideário republicano, ao mesmo tempo que, através da exaltação do mais celebrado dos poetas portugueses, procurava diminuir o impacto da festa de Santo António, padroeiro da cidade, a 13 do mesmo mês.

Durante o Estado Novo, Salazar transformou o dia em feriado nacional, com a designação de Dia de Camões, de Portugal e da Raça, acentuando o valor simbólico de Camões como epicentro da memória coletiva, dos seus heróis mais destacados e dos momentos mais gloriosos da história nacional, e anexando-lhe um inevitável propósito propagandístico do regime e do império colonial. Entretanto, em 1952, retomou a festividade do São Miguel Arcanjo, como Anjo Custódio do Reino, ou Anjo de Portugal – instituída em 1504 pelo papa Júlio II e a pedido do rei D. Manuel I – inserindo-a no Calendário Litúrgico também a 10 de junho, conferindo um caráter simbólico e religioso à celebração do dia nacional.

Após o 25 de abril, em que se esvazia o sentido dominante da anterior propaganda, o dia 10 de junho designa-se, a partir de 1978, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas. As comemorações oficiais são presididas pelo Presidente da República, que todos os anos escolhe uma cidade para acolher as cerimónias oficiais e, em particular, a imposição de insígnias aos agraciados com graus das Ordens Honoríficas Portuguesas.

Portugal, nação que escolheu, como dia principal, aquele em que se assinala a data (incerta) da morte de um poeta.

(Texto feito a partir do post com o mesmo título, punlicado no dia 10 de junho de 2015)

In memoriam George Floyd: arte de rua

O funeral de George Floyd, asfixiado pela força de um joelho sobre o pescoço, num ato de violência policial no passado dia 25 de maio, é hoje, 9 de junho. Ao longo destas duas semanas, George Floyd tornou-se o símbolo da luta contra o racismo e a discriminação, gerando um movimento de repúdio e revolta por todo o mundo. A par das manifestações organizadas pelo movimento Black Lives Matter que, no passado fim de semana, vandalizaram monumentos relacionados com o passado esclavagista ou com políticas opressoras das populações não-brancas (vd. Roque, 2020).

The Tragic Killing of George Floyd | Jewish Federation of Greater ...
Mural George Floyd
Xena Goldman, Cadex Herrera, Greta McLain, Niko Alexander e Pablo Hernandez, 2020
Minneapolis
Foto: Lorie Shaull

Continuar a ler “In memoriam George Floyd: arte de rua”

Concursos para diretores de museus e monumentos nacionais por imbricados caminhos

Há muito anunciados e esperados, abriram os primeiros concursos universais para diretores de nove museus e monumentos nacionais (Aviso n.º 8441-D/2020). Os requisitos de admissão ao procedimento concursal, definidos no ponto 6, permite a candidatura a:

“indivíduos com grau de licenciatura, vinculados ou não à Administração Pública, com nacionalidade portuguesa ou estrangeira, que possuam habilitações e competências técnicas específicas na área da museologia ou na área patrimonial, adequadas ao desempenho de funções na unidade orgânica para que concorre, assim como aptidão para o exercício de funções de direção, coordenação e de gestão”.

Estes requisitos são complementados, no ponto 7, com a discriminação das características que contribuem para a valorização do perfil do candidato. Neste ponto, para além das competências comportamentais (sentido crítico, liderança e orientação para a inovação; capacidade de planeamento e organização; capacidade de motivação e coordenação de equipas) são limitados ou reforçados alguns condições enunciadas no ponto anterior.

Continuar a ler “Concursos para diretores de museus e monumentos nacionais por imbricados caminhos”

Retomar a vida nos museus: preparação para a reabertura

Estamos a poucos dias da anunciada abertura dos museus. Através das redes sociais, vamos sabendo que uns irão abrir, outros não, alguns talvez. Entre os que vão abrir, há aqueles que anunciam a forma como projetam adaptar-se à nova normalidade, garantindo a manutenção de medidas sanitárias adequadas a funcionários e visitantes.

Continuar a ler “Retomar a vida nos museus: preparação para a reabertura”

Gritos em Guernica

Gritos de niños gritos de mujeres gritos de pájaros gritos de flores gritos de ladrillos gritos de muebles de sillas de camas de cortinas de cazuelas de gatos y de papeles gritos de olores que se arañan gritos de humo picando en el morrillo…
Picasso (1937). Sueño y mentira de Franco

Entre as 4h30 e as 7h45 de 26 de abril de 1937, em plena Guerra Civil da Espanha, a vila basca de Guernica, conhecida como local de resistência e, portanto, alvo do governo espanhol, foi brutal e violentamente atacada por um bombardeamento, levado a cabo pelas tropas alemãs, lideradas pelo marechal alemão Wolfram von Richthofen, em apoio ao ordens do líder nacionalista, General Francisco Franco, apoiante de Hitler. Um terço da população da vila, cerca de 2300 pessoas, foram mortas ou ficaram gravemente feridas, e a cidade velha foi totalmente destruída.

Guernica bombardeada
26 de abril de 1937
Foto: AP

Continuar a ler “Gritos em Guernica”

Coro dos tribunais: grafismo da capa do disco de José Afonso

“Foram-se os bandos dos chacais
Chegou a vez dos tribunais
Vão reunir o bom e o mau ladrão
Para votar sobre um caixão
Quando o inocente se abateu
Inda o morto não morreu
[…]
Vamos matar o justo que ali jaz
Para quem julga tanto faz
Já que o punhal não mata bem
A lei matemos também”
Brecht/José Afonso

O trabalho para a capa do disco Coro dos Tribunais foi produzido no contexto político e cultural do pós 25 de Abril, sendo um dos primeiros trabalhos executados por José Brandão ainda a residir em Londres, tendo a colaboração de Cristina Reis na composição do texto e no acompanhamento da produção. Neste projeto, José Brandão pretendeu incutir uma nova consciência profissional, onde a atividade do designer gráfico podia assumir afirmações de cunho pessoal. Esta era uma atitude inédita no panorama do design português, mesmo considerando a atividade de outras personalidades como Sebastião Rodrigues. O projeto teve uma abrangência que ultrapassava a conceção gráfica e incluía a intervenção em atividades complementares nos domínios da criação artística e do acompanhamento de todas as fases de produção, incluindo a fotografia, a composição do texto e das letras e a preparação das artes finais, de modo a assegurar a concretização da ideia, tão rigorosamente quanto possível.

Afonso, José
Coro dos tribunais [Registo sonoro] / José Afonso; il. e design José Brandão; fotog. Martin Slavin
[S.l.]: Orfeu, 1975.
Formato: LP (disco vinil) 38 x 38 cm: capa e contracapa
Continuar a ler “Coro dos tribunais: grafismo da capa do disco de José Afonso”

Manifestação de repúdio

O blogue ArtsHumsdigit define, como objetivo “Agregar e disponibilizar informação relativa às Artes, Humanidades e Ciências Sociais”. Não é assinado, nem é percetível quem alimenta os conteúdos, quem seleciona a informação, ou quem a publica.

Se o objetivo é louvável, o método é deplorável. O blogue, em vez de fazer uma resenha ou uma citação de conteúdos publicados noutros espaços, para os quais incluiria a respetiva ligação, copia integralmente o conteúdo (texto e imagem) e atribui-lhe outro endereço eletrónico. Não será plágio, no sentido restrito do termo, porque indica, como “fonte”, o título do sítio onde foi originalmente publicado. Porém, equivale a plágio dado que se apropria integralmente de conteúdos produzidos por outrem, a que acresce o facto de não indicar a respetiva autoria, nem fazer pingback1.

Quando criei este blogue e de cada vez que aí publico algo, é com a intenção algo narcisista de dar a conhecer o que escrevo. É um trabalho, talvez sem préstimo, e sem remuneração. É um trabalho voluntário e pro bono, mas que permite exprimir-me com total liberdade e independência e, sobretudo, que me dá a satisfação de comunicar e de receber o retorno de quem lê, de quem concorda ou discorda, umas vezes, reforçando as minhas convicções, outras vezes, levando-me a mudar de opinião.

Quando publico algo, o conteúdo fica em domínio público; o blogue que criei está instalado numa plataforma em acesso aberto. Isso não significa que a publicação perca a autoria, como, aliás, está definido na referência feita na página de entrada do blogue à licença Creative Commons (CC BY-NCSA). Louvo a intenção de “agregar e disponibilizar informação”, mas condeno a apropriação abusiva da autoridade. Por isso – e porque aqui me exprimo livremente – manifesto o meu total repúdio pela forma abusiva com que o ArtsHumsdigit tem vindo a apropriar-se de grande parte dos conteúdos do a-muse-arte. Repito: se o objetivo é louvável, o método é deplorável, porque pouco ético.

Imagem: Domesticando a Tarasque, por Jean Poyer, c. 1500. In Livro de Horas de Henrique VIII. The Morgan Library & Museum, Gift of the Heineman Foundation, 1977, MS H.8 (fol. 191v

  1. Posso referir, a este propósito e como exemplo de boa prática, o blogue da Universidade de Évora “Narrativas de uma pandemia”, criado no contexto do Covid 19, com o objetivo de recolher conteúdos produzidos pelos respetivos investigadores a propósito desta situação. Apesar de ser aí investigadora, foi-me pedida a autorização para a republicação e o texto é reproduzido com menção correta e legível, quer da autoria, quer do sítio original da publicação []

Tempo de Páscoa, entre a sombra que desce e a luz que se anuncia

Consensual angel spinning this word’s thread
he descends
and light-sensitive darkness
follows him down.
Geoffrey Hill1

Há, na obra de Mário Rita, vislumbres de espiritualidade que citam, de forma jamais explícita, uma tradição iconográfica cristã. Por vezes, apenas o título orienta a leitura e define a perceção da representação. Certamente, serão títulos conferidos postumamente à criação, pelo que esta se desenvolve subjetivamente a comandar o gesto que define o traço.

Crucificação
Mário Rita, 2015
Carvão sobre colcha de seda
Foto: Valdemar Ricardo Alves, 2015

Continuar a ler “Tempo de Páscoa, entre a sombra que desce e a luz que se anuncia”

  1. “Psalms of Assize”. In Hill, G. (1994). New & collected poems, 1952-1992 (p. 209). Boston: Houghton Mifflin. []