Ameaças ao património

O presidente dos Estados Unidos da América (EUA), num tweet do passado sábado deixou uma ameaça muito substantiva de um ataque rápido e duro àquilo que considera ser sítios patrimoniais de grande importância para a cultura do Irão:

“Let this serve as a WARNING that if Iran strikes any Americans, or American assets, we have targeted 52 Iranian sites (representing the 52 American hostages taken by Iran many years ago), some at a very high level & important to Iran & the Iranian culture, and those targets, and Iran itself, WILL BE HIT VERY FAST AND VERY HARD. The USA wants no more threats!” (United States. President (2017- : Trump), 2020, 4 jan., 11:52)

Pela imagem de si próprio que tem vindo a construir sobretudo desde que é presidente, não lhe podemos exigir – mas deve ser exigido ao presidente de um qualquer país e, sobretudo, de um dos países mais poderosos do mundo – que tenha consciência de que esses sítios patrimoniais não são de grande importância apenas para a cultura do Irão, mas para a cultura e para o “ser” de toda a humanidade.

O Irão tem, atualmente, inscritos 24 sítios na Lista do Património Mundial da Unesco. Depois do isolamento imposto por Aiatolá Khomeini e após o fim da guerra Irão-Iraque, Ali Khamenei permitiu uma maior, ainda que moderada, abertura do país. Contrariamente a alguns preconceitos difundidos no ocidente1, o governo iraniano, através do ICHTO (Organização Iraniana do património cultural, do artesanato e do turismo), protege e conserva o património. “Preserving its cultural heritage, identity, and authenticity have become a political aim, alongside a concern for the interpretation of Iran’s culture and history. […] Iran is reestablishing its mantle as the Gate of All Nations” (Roque, & Forte, 2019, p. 42)

Porta de Todas as Nações
Reinado do rei Aqueménida Xerxes I (486-465 a.C)
Irão, Persépolis, Takht-e Jamshid
Foto: Creative Commons License 3.0

Continuar a ler “Ameaças ao património”

  1. No grupo do Facebook “Arte, museus e património”, alguém afirmava: “Não existe cultura iraniana, existe cultura persa e o Irão já tratou de destruir quase tudo”. []

Clara Menéres, artista e profeta

Lembro da Clara Menéres, a ousadia e a irreverência, mas também o respeito e o calor com que nos acolhia no seu universo. Conhecia-a, depois de ter admirado a obra; trabalhámos juntas num projeto de que se perdeu a memória (e, efetivamente, grande parte dos resultados), mas ficou, desse tempo e além da amizade, o imenso respeito pela sua capacidade de ver para lá do horizonte.

Clara Menéres (1943-2018)

Continuar a ler “Clara Menéres, artista e profeta”

José Brandão: o design como desígnio

O Prof. José Brandão recebe o grau de Professor Emérito a 30 de maio, na Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa. É a primeira vez que este título é concedido pela Faculdade de Arquitetura e, com o Prof. Eduardo Afonso Dias, são os primeiros Professores Eméritos em Portugal na área científica do Design.

Eduardo Afonso Dias e José Brandão recebem título de Professor Emérito
Cartaz
FAUL, 2017

Continuar a ler “José Brandão: o design como desígnio”

Elefante de Bernini vandalizado

É “apenas” mais uma notícia de vandalismo: alguém vandalizou o elefante obeliscoforo da escultura de Bernini instalada na pequena Piazza della Minerva, junto ao Panteão, em Roma. O ato de vandalismo, aparentemente, não teve testemunhas, e foi denunciado às autoridades por um grupo de turistas espanhóis que encontraram o fragmento quebrado, a presa esquerda do animal, no chão, ao lado da estátua, a qual foi igualmente riscada. Se a presa truncada poderia ter sido acidentalmente provocada por um ato tresloucado, os riscos que cobrem a escultura denunciam a sua intencionalidade destruidora.

Elefante vandalizado
Foto: AP Photo / Gregorio Borgia
Elefante vandalizado
Foto: AP Photo / Gregorio Borgia

Continuar a ler “Elefante de Bernini vandalizado”

Turistas no Museu

Parecem acabrunhados
Estarrecidos lêem na parede o número dos séculos
O seu olhar fica baço
Com as estátuas – como por engano –
Às vezes se cruzam

(Onde o antigo cismar demorado da viagem?)

Cá fora tiram fotografias muito depressa
Como quem se desobriga daquilo tudo
Caminham em rebanho como animais

(Andresen, 1997, 19)

Sophia de Mello Breyner Andresen nasceu no Porto a 6 de novembro de 1919 e morreu em Lisboa a 2 de julho de 2004.

No dia em que se comemora o seu nascimento, a homenagem regista-se aqui através de um poema publicado em O búzio de Cós e outros poemas, publicado pela primeira vez pela Editorial Caminho, em 1997.

sophia_01

Ver mais em: http://purl.pt/19841/1/index.html

Paulo Varela Gomes

Paulo Varela Gomes (Lisboa, 1952 – Podentes, 2016) morreu hoje.

É a notícia de uma partida anunciada num longo e impressionante texto publicado em maio de 2015 na revista Granta, seguramente, o mais belo e comovente texto sobre a dor, a doença e a imanência da morte.

Paulo Varela Gomes Foto: Granta, s/d.
Paulo Varela Gomes
Foto: Granta, s/d.

Paulo Varela Gomes, licenciado em História, mestre em História da Arte e doutorou-se em História da Arquitetura, foi professor associado no Departamento de Arquitetura da Faculdade de Ciência e Tecnologia da Universidade de Coimbra e deixou uma vasta investigação nos domínios da história da arte e da arquitetura. Para lá da comunicação interpares, junto à comunidade científica que o prestigia, aclamando-o unanimemente como elemento de mérito, Varela Gomes manteve um registo de divulgação às massas, como autor e apresentador de documentários de televisão, ou como autor de ensaios e artigos em publicações não científicas, descodificava a história da arte em linguagem comum, sem perder o rigor e a qualidade do discurso erudito. Todos nós fomos seus alunos e gostámos do jeito fácil de aprender com ele.

Morreu hoje, mas dá-se a circunstância de estar a ler Hotel (2014), uma leitura que foi sendo sucessivamente adiada, pelo que fica esta sensação de ver partir alguém que, nos últimos dias, tem estado a contar-me uma história amoral e fascinante. Por isso, marco o encontro: até já, na Torre das Infantas.

Fonte da imagem: http://www.tintadachina.pt/granta/author.php?code=0dbcde8750e478c9e5dc0b20ca79dbb4&tcsid=effoqu5kf6ak4sjheikn8t7991

Leonor d’Orey

Leonor d’Orey foi conservadora de Ourivesaria e de Joalharia do Museu Nacional de Arte Antiga e é a principal referência no estudo das pratas, com um inestimável legado de trabalhos científicos e de divulgação neste domínio.

Leonor d'Orey com pendente em cruz da colecção do MNAA / Jóias Encontradas / Cristina Filipe - C.B.Aragão
Leonor d’Orey com pendente em cruz da colecção do MNAA / Jóias Encontradas / Cristina Filipe – C.B.Aragão

Leonor d’Orey é a memória que fica da sua natureza acolhedora e afetuoso, da delicadeza que se tornava calorosa e – quantas vezes! – protetora. É a lição da luta que hoje terminou. É a saudade que fica.

Requiescat in pace.

Fonte da imagem: http://www.pin.pt/index.php/pt/membros-pin/honorarios/338-leonor-dorey