São Martinho, pão, castanhas e vinho

São Martinho de Tours nasceu na antiga cidade de Savaria, na província romana da Panónia, atual Hungria, em 316. Os dados da sua biografia são conhecidos a partir da Vita sancti Martini (Vida de São Martinho) escrita em 396-397 por Sulpício-Severo, um dos seus discípulos, a qual se tornou um arquétipo da hagiografia ocidental (Poulet, 1993, p. 21) onde os factos históricos se misturam com elementos lendários e mitificados1.

Caridade de São Martinho
Antoon van Dyck
Olpe, St.-Martinus-Kirche (igreja paroquial de São Martinho)

Continuar a ler “São Martinho, pão, castanhas e vinho”

  1. Sulpício anexou à obra biográfica de São Martinho, cartas evocativas da morte do santo e o livro Gallus, Dialogues sur les «vertus» de saint Martin, escrito em 404. Vd.: Sulpice Sévère. (2006). Gallus: Dialogues sur les «vertus» de saint Martin: Introduction, texte critique, traduction et notes de J. Fontaine. Paris: Éd. du Cerf. A informação relativa ao seu nascimento é igualmente registada na Histoire des Francs (ou Decem libros historiarum), de Grégoire de Tours: “Romanorum tricesimus quartus imperium obtinuit Constantinus, annis triginta regnans feliciter. Huius imperii anno undecimo, … beatissimus præsul Martinus apud Sabariam Pannoniæ civitatem” [Trad. livre: Constantino tornou-se o trigésimo quarto imperador dos romanos e governou alegremente por trinta anos. No décimo primeiro ano do seu reinado, o Beato Bispo São Martinho nasceu na Panónia] (livro 1, cap. 36). No entanto, Sulpício aponta, como data de nascimento, o ano 336, comummente rejeitada e que se poderá justificar pela intenção do autor de reduzir a duração da sua vida militar e diminuir a sua relevância face à vida religiosa. []

Eduardo Salavisa e o cadeirão que fica vazio

Eduardo Salavisa é o desenhador que documenta o quotidiano, as rotinas, os rostos, os gestos. Ainda ontem, o Público contava como, durante o verão, os amigos se haviam sentado (ou não) num cadeirão da sua sala, enquanto lhes fixava os rostos, os corpos, os gestos, as posições, os nomes e as histórias, sabendo que esse retrato era uma despedida: “As memórias destes momentos em que amigos meus me visitaram no momento terminal da minha vida foram registados por um desenho”. Desses desenhos se fez o livro Caderno de retratos: Memórias imperfeitas, editado pelas Edições Afrontamento, e a exposição ”Um cadeirão e 96 retratos”, no Museu Bordalo Pinheiro, em Lisboa. Esteve na exposição, novamente a desenhar quem quisesse ocupar o cadeirão.

Eduardo Salavisa na exposição ”Um cadeirão e 96 retratos”
Lisboa, Museu Bordalo Pinheiro
Foto: Câmara Municipal de Lisboa

Continuar a ler “Eduardo Salavisa e o cadeirão que fica vazio”

Uma semente que germina por Lisboa, cidade verde

Exposição “Hortas de Lisboa: Da Idade Média ao século XXI
Lisboa, Museu de Lisboa, Palácio Pimenta (23 out. 2020 – 19 set. 2021)

A horta é, por definição, o lugar de cultivo de legumes, hortaliças, temperos, ervas medicinais e, eventualmente, árvores de fruto, para consumo alimentar e assente num modelo de agricultura sazonal e de regadio. Durante séculos, as hortas existentes no perímetro da cidade asseguravam o sustento da população. A expansão urbana empurrou-as para os arrabaldes, para as zonas periféricas que, como Carnide (vd. projeto e-Carnide), mantêm evidentes traços de ruralidade, até que, nos últimos anos, se tem vindo a registar um esforço, por vezes artificial, ou contrariando a espontaneidade de algumas iniciativas, no sentido da implementação de hortas reguladas pelo município.

Quintas urbanas na Quinta da Granja em Lisboa
Foto: MIR, 2020

A exposição, estruturada em seis núcleos, explora duas vertentes: a histórica, fazendo uma síntese da evolução dos espaços rurais no tecido urbano desde a época medieval à contemporaneidade; a antropológica, através da análise como o indivíduo urbano lida com as memórias da ruralidade e as projeta no seu quotidiano.

Continuar a ler “Uma semente que germina por Lisboa, cidade verde”

Algo vai mal no reino dos museus e do património

Something is rotten in the state of Denmark.
Shakespeare. Hamlet (1.4)

Em dois dias seguidos, a 22 e a 23 de setembro, a Secretária de Estado do Património, Ângela Ferreira, e o Diretor-Geral do Património Cultural (DGPC), Bernardo Alabaça, deram entrevistas publicadas no jornal Público, numa tentativa de propaganda que resulta óbvia, até pela diacronia e pela sintonia das afirmações, ao garantir que, apesar dos problemas que ameaçam o setor, tudo corre bem neste reino dos museus e do património.

A entrevista a Ângela Ferreira tem, como pretexto, os concursos para 18 cargos de diretor de museu. Mostra-se “muito contente” com o modelo do concurso que teve, como retorno, 146 candidaturas, em que se incluem as recandidaturas de 11 dos atuais diretores, 32 candidaturas de cidadãos de nacionalidade estrangeira, candidatos a vários museus e até 9 candidatos que se propuseram a concurso sem indicar a que museu concorriam: “[…] estamos muito contentes com os números, obviamente porque querem dizer que os nossos museus são desafiantes, mesmo os regionais” (Ferreira, cit. in Canelas, 2020). Um êxito, portanto.

Continuar a ler “Algo vai mal no reino dos museus e do património”

Francisco de Holanda e a malícia do tempo

Francisco d’Ollanda (1517-1584), ou de Holanda, é um nome quase desconhecido para lá de algumas referências toponímicas e de alguns círculos restritos. E, no entanto, ele foi um dos nomes maiores do Humanismo e um dos mais relevantes tratadistas no Renascimento Europeu.

Nascido em Lisboa, era filho de António de Holanda, com créditos reconhecidos no âmbito da pintura e da iluminura e que o iniciou no mundo da arte. Aos vinte anos, partiu para Roma no âmbito da política cultural de D. João III que favorecia a circulação de bolseiros portugueses pelos principais centros da cultura europeia à época. Em Roma, conheceu algumas das figuras mais relevantes do Renascimento, frequentou o círculo de Vitória Colonna, onde conheceu Miguel Ângelo, de quem se afirmava discípulo e que o inspirou para os Diálogos em Roma.

Nossa Senhora de Belém
Francisco de Holanda, 1550-1553
Pintura a óleo sobre madeira
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga, 1181 Pint

Continuar a ler “Francisco de Holanda e a malícia do tempo”

Exposição de máscara(s) obrigatória

Exposição virtual “Um mundo de máscaras
Exposição “Um mundo de máscaras
Lisboa, Museu da Farmácia (8 jul. – 30 set. 2020)

No início da pandemia Covid-19, o país decertou o estado de emergência, que vigorou em três períodos quinzenais, entre 19 de março e 2 de maio, obrigando o país ao confinamento compulsivo no domicílio e ao encerramento das instituições. Os museus fecharam as portas e, alguns com maior sucesso e oportunidade do que outros, reinventaram-se na forma de apresentar as coleções ao público e na interpretação da sua missão social1.

Máscara da peste negra
Século XVII-XVIII
Museu da Farmácia
Foto: Pedro Loureiro/Museu da Farmácia

Continuar a ler “Exposição de máscara(s) obrigatória”

  1. Vd. Repensar o museu em tempo de pandemia, e Museus na web: Outra forma de ver nestes dias tão estranhos []

Museu de Portimão: um museu de território para a comunidade

Portimão (do lat. portu magnu) é, literalmente, um porto grande. A história da vila e, depois, cidade é a história da sua ligação ao rio Arade e ao mar. Juntamente com o figo e a amêndoa, frutos da natureza mediterrânica, o sal e pesca constituem, desde a antiguidade, a sua principal fonte de riqueza. No início do século XX, a pesca propiciou o desenvolvimento da indústria fabriqueira que transformou o tecido social e económico da região até à década de 1970.

Desembarque do peixe
Portimão, década de 1960
Artur Pastor
Arquivo Municipal de Lisboa

A criação de um museu da região teria, inevitavelmente, de refletir esta ligação ao mar, à pesca e à indústria conserveira.

Continuar a ler “Museu de Portimão: um museu de território para a comunidade”

Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo: sinais de risco

O Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo, em Évora, é o único museu nacional a sul do Tejo. Em 2019, o Decreto-Lei n.º 78/2019, de 5 de junho, determinava a mudança de nome do, até então, Museu de Évora, evocando a figura de D. Frei Manuel do Cenáculo, arcebispo de Évora (1802-1814), cuja coleção lhe está na génese. Pelo mesmo decreto, o museu, depois de ter estado sob a dependência da Direção Regional de Cultura do Alentejo (DRC Alentejo), voltou à tutela da Direção Geral do Património Cultural (DGPC), passando os funcionários a integrar o respetivo mapa de pessoal.

Busto de D. Frei Manuel do Cenáculo
António Augusto da Costa Mota, 1904
Évora, Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo
Fotos: MIR, 2020

Continuar a ler “Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo: sinais de risco”

Estátua de Zeca Afonso em Belmonte

No dia em que faria 91 anos, Zeca Afonso foi homenageado, com a inauguração de uma estátua em Belmonte, terra onde viveu durante algum tempo da juventude. O presidente da Câmara de Belmonte, António Dias Rocha, responsável pela iniciativa, justificou-a como “um tributo ao seu ideal humanista, à sua excelência musical, à sua grandeza social, à sua fraternidade, à sua generosidade, à sua simbologia política, à sua dimensão universal, à democracia” (cit. in “Belmonte…”, 2020). A Ministra da Cultura, Graça Fonseca, esteve presente na cerimónia, onde referiu a classificação da obra fonográfica como “conjunto de bens móveis de interesse nacional” com o principal objetivo de “recolher, investigar e apurar” todo a informação e património sonoro deixado pelo músico.

Tudo estaria bem, não fora… a própria escultura.

Continuar a ler “Estátua de Zeca Afonso em Belmonte”

Museu do Aljube – Resistência e Liberdade

Fixar a memória da cadeia do Aljube, por onde passaram milhares de presos políticos – condenados pela resistência e pela luta em prol da liberdade de pensamento e de expressão – era (é) um imperativo político, social, cultural e ético. O Museu do Aljube procura cumprir esse desígnio, através da homenagem aos resistentes que, ao longo de grande parte do século XX combateram a ditadura e lutaram pela liberdade e pela democracia em Portugal.

Porta de entrada na prisão do Aljube
Lisboa, Museu do Aljube
Foto: MIR, 2020

Continuar a ler “Museu do Aljube – Resistência e Liberdade”

Joaquim Veríssimo Serrão: in memoriam

Joaquim Veríssimo Serrão (Santarém, Tremês, 8 de julho de 1925 – Santarém, 31 de julho de 2020)

Nesta evocação do Prof. Veríssimo Serrão, não resisto a partilhar uma memória muito marginal ao que um memorial deveria ser. Há muitos anos, passava uns dias no campo quando, numa manhã em que acordei mais cedo e resolvi dar uma volta, passei pela casa dos quinteiros e encontrei a D. Gracinda sentada no poial a ler, o indicador a seguir as linhas, um livro. Era um livro grosso, com um texto denso, que se diria improvável nas mãos e, sobretudo, no gosto da D. Gracinda. Contou-me que tinha encontrado o livro, já não me lembro onde, e que aproveitava as madrugadas, antes do aperto dos trabalhos, para o ler, surpreendida com as coisas que aquele senhor sabia, mas também pelo gosto que ela, leitora muito rudimentar, retirava daquelas letras, seguidas a custo, as palavras soletradas, e das madrugadas ocupadas na descoberta daquelas “ai, que histórias tão bonitas” de que a História é feita. Não sei quanto tempo terá levado a ler aquele volume da História de Portugal, de Veríssimo Serrão, mas lembro que todos os dias a encontrava no mesmo sítio, umas páginas adiante, e que ficava ali um bocado, enquanto ela me contava o que tinha lido. A erudição do Professor Veríssimo Serrão chegava-me através das leituras de uma mulher do campo.

Continuar a ler “Joaquim Veríssimo Serrão: in memoriam”

Ser ou não ser museólogo

RA abertura dos concursos para diretores de museu, os avanços e recuos que resultam em instruções contraditórias, a escolha de Rita Rato para diretora do Museu do Aljube, desencadeou um novo debate sobre o perfil de diretor de museu, à semelhança do que, há uns meses ocorreu em relação ao perfil de diretor do património cultural, na sequência da nomeação de Bernardo Alabaça. Curiosamente, houve quem se manifestasse contra esta nomeação, pela inadequação do perfil académico e profissional de Alabaça para o cargo, e desvalorizasse a formação e experiência de Rita Rato.

A questão de fundo diz respeito ao modelo de museu, ou, melhor, acerca daquilo que cada um concebe acerca do que é e do que deve ser o museu, variando as perspetivas consoante se priorize a coleção (o estudo e o conhecimento, a conservação e preservação) ou a sua interpretação e divulgação junto dos públicos (elaboração do discurso museológico, estratégias de comunicação e mediação).

Continuar a ler “Ser ou não ser museólogo”

Aquisição de obras de arte contemporânea: uma boa notícia (e algumas questões)

Acaba de ser anunciada a aquisição, pelo Estado, de 65 obras de arte contemporânea de 57 artistas nacionais, no valor de 500 mil euros. Esta aquisição junta-se à que foi feita o ano passado, de 21 obras por 300 mil euros e prevê-se que no próximo ano se conclua o investimento de um milhão de euros prometido até ao final da legislatura.

Toquem os tambores que esta é uma boa notícia!

Indiscutivelmente uma boa notícia, porque implica uma compensação financeira aos artistas numa altura em que o mercado está menos ativo e porque traduz o reconhecimento e a promoção das suas obras. Boa notícia, portanto.

Continuar a ler “Aquisição de obras de arte contemporânea: uma boa notícia (e algumas questões)”