Corpus: a exposição do intangível em espaço museológico

Exposição “Corpus: ritualidade, forma e presença”
Leiria, Museu de Leiria (22 maio – 31 dez. 2024)

Os valores patrimoniais envolvem critérios conotativos, como a preciosidade ou a riqueza material, a qualidade estética ou artística, a autenticidade ou a raridade, e que estão estabelecidos de forma consensual e convencional, mas, através da crescente importância atribuída ao património intangível, os critérios denotativos, tais como as crenças, rituais e uso associados ao objeto em paralelo com a sua identidade simbólica e arquetípica, têm vindo a implantar-se como fatores determinantes na constituição do discurso museológico. Porém, as estratégias museográficas, como a introdução de barreiras, plintos e vitrinas, contribuem para a perceção da ‘coisa’ em objeto de arte, ou seja, “to transform almost anything they [museus] exhibit into a work of art (Putnam, 2009, p. 36); por conseguinte, também o objeto religioso é habitualmente transformado em objeto de arte (Roque, 2011). A exposição em torno de um conceito intangível através da materialidade dos objetos envolve a construção de um discurso transcendente, mas mediador entre a perceção material e sensorial do observador e o pensamento simbólico que pretende transmitir. Se este é um desafio de difícil realização, a exposição “Corpus: Ritualidade, forma e presença” ultrapassa-o de forma magnificente e modelar no âmbito da museologia da religião.

Exposição “Corpus: Ritualidade, forma e presença”
Leiria, Museu de Leiria
Foto: MIR, 2024

Continuar a ler “Corpus: a exposição do intangível em espaço museológico”

A liberdade (não) garantida: diálogos entre iconografia religiosa e representações da contemporaneidade

Exposição “Liberdade garantida”
Santarém, Museu Diocesano de Santarém (20 abr. – 30 dez. 2024)

Um museu diocesano é um museu eclesiástico e, como tal, assume a evangelização como missão e propósito (Roque, 2023). Criado há dez anos, com uma exposição de grande duração e sustentado por uma continuada investigação de reconhecido mérito, o Museu Diocesano de Santarém não cristalizou na intenção inicial de servir de veículo à mensagem religiosa. Enquanto amadurece os modelos de gestão, exposição, interpretação e mediação, o museu, ao longo desta década, tem procurado consolidar e inovar as suas estratégias de relação com os públicos presenciais ou potenciais.

Exposição “Liberdade garantida”
Santarém, Museu Diocesano
Foto: MIR, 2024

Continuar a ler “A liberdade (não) garantida: diálogos entre iconografia religiosa e representações da contemporaneidade”

Biblioteca e casa-museu: perfil do colecionador Anselmo Braamcamp Freire

Museu Municipal de Santarém | Casa Museu Anselmo Braamcamp Freire
Santarém

Casa Museu Anselmo Braamcamp Freire, no primeiro andar do antigo palácio dos Barões de Almeirim
Santarém, Biblioteca Pública e Museu Municipal

Um colecionador que doa o seu espólio bibliográfico e artístico com a intenção de o tornar aberto e acessível foi o pretexto para a criação de um museu e biblioteca que lhe perpetuam o nome e a memória.

Busto de Anselmo Braamcamp Freire
António Teixeira Lopes, s.d.
Santarém, Casa Museu Anselmo Braamcamp Freire

Continuar a ler “Biblioteca e casa-museu: perfil do colecionador Anselmo Braamcamp Freire”

Museu do Neo-Realismo e a água que cai no deserto

“Neorrealismo” é um conceito múltiplo, que envolve múltiplos significados e contextos, que incluem, entre outros, a literatura, a arte, o cinema e a fotografia, e provoca análises divergentes e até contraditórias (vd. Leavitt, 2020, p. 11 e segs.). Em Portugal – tal como acontecera em Itália desde o tempo de Mussolini e, sobretudo, através da cinematografia de Luchino Visconti, a partir do filme seminal La terra trema (1948), cujo texto de abertura pode ser lido como um manifesto do neorrealismo italiano (id., p. 14) – o movimento neorrealista coincidiu com o tempo do Estado Novo e formalizou-se como uma reação, ou oposição, à propaganda do regime. Enquanto este patrocinava uma estética idealizada da ruralidade, onde se excluíam os sinais de pobreza, sofrimento ou injustiça, conferindo-lhe uma suavizada aura de humildade e alegre resignação, o movimento neorrealista centrou-se no retrato e caraterização das classes populares e trabalhadoras, denunciando as suas condições de exploração e de exclusão social e dando voz às suas lutas, reivindicações e revoltas.

Sem título
Lima de Freitas, 1957
Vila Franca de Xira, Museu do Neo-Realismo

Continuar a ler “Museu do Neo-Realismo e a água que cai no deserto”

João Abel Manta e as caricaturas de um tempo entre a ditadura e a liberdade

Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos (5 abr. – 20 dez. 2024)

João Abel Manta (n. 1928), sendo autor de uma obra plural e facetada no domínio das artes é conhecido, sobretudo, pela sua atividade como cartoonista.

Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos
Foto: MIR, 2024

Continuar a ler “João Abel Manta e as caricaturas de um tempo entre a ditadura e a liberdade”

Revolução de 1979 no Irão: a outra revolução sob o signo dos cravos no cano das espingardas

O cravo vermelho foi tomado como símbolo da Revolução de 25 de Abril em Portugal, depois de a D. Celeste, empregada num restaurante da capital que nesse dia ficou fechado, ao regressar a casa com um ramo de cravos destinado à decoração das mesas, ter tido a ideia, bonita e poética, de os distribuir pelos soldados que, por sua vez, os colocaram nos canos das espingardas. Porém, o cravo não é o símbolo exclusivo da revolução portuguesa.

Cravos no cano das espingardas na revolução de 1979
Teerão, Museu da Revolução Islâmica e da Sagrada Defesa
Foto: MIR, 2018

 

Continuar a ler “Revolução de 1979 no Irão: a outra revolução sob o signo dos cravos no cano das espingardas”

Em tempo de ditadura, a arte patrocinada e a arte censurada

A propaganda do regime, para lá das censuras que impunha às artes, assentava em imagens romantizadas de um povo rural e em apropriações de motivos populares. A lição de Salazar, uma série de sete cartazes ilustrados editada em 1938 e distribuída por todas as escolas, especulava as vantagens do regime autoritário que impunha a ordem assente nos três pilares “Deus, pátria e família”.

A lição de Salazar:
Deus, Pátria, Família…
Martins Barata, 1938
Lisboa: Bertrand Irmãos.

Continuar a ler “Em tempo de ditadura, a arte patrocinada e a arte censurada”

Um outro Algarve nos anos 60: o campo

Memórias do Algarve que não era praia

A seguir ao mar, era o campo. Portimão, sendo cidade, era uma terra provinciana. Íamos passear à rua das lojas, num deambular cruzado de cumprimentos e conversas. Íamos ver as montras e entrávamos nas lojas onde já nos conheciam os gostos. O Senhor Rui oferecia-me umas folhas de cartão com bonecos para recortar e vestir, enquanto atendia as senhoras, desdobrando rolos de tecidos sobre o balcão, conjugando cores, padrões e texturas. Batistas e cambraias para as camisinhas da menina, o cetim para a senhora, um galão para enfeitar, veludo ou bombazina para uma saia, este tecido de lã para um tailleur, que tal este crepe para um vestido de meia estação, ou a novidade desta camisa em teriylene para o marido? Havia lojas fixas: os linhos e algodões para a roupa de casa na D. Maria; os sapatos na sapataria Oriental ou, mais finos, na do Hélder; o pronto-a-vestir, só no Figurino; os chapéus na chapelaria Ideal, ou, se íamos a um casamento ou a uma festa de cerimónia, na loja da Madame Thérèse que nos atendia com um caniche ao colo e alugava “capelines”, “tambourins”, “cloches”, “bandeaux”, “bibis” e outras coisas maravilhosas e com nomes franceses; os cadernos e os lápis, na Papelaria Silva; os cafés acabados de moer e os bolos secos em pacotes de papel pardo, na Casa dos Cafés, cujo cheiro ficou na lembrança; as mercearias finas, os queijos, os fiambres e os patés, no supermercado Apolo… Os botões eram mandados forrar na Monte Carlo e as meias de vidro eram cerzidas por uma senhora com as mãos deformadas pela artrose e que cansava os olhos sobre uma lupa atrás da janela. A Casa Inglesa era um território de homens, sentados em lugares que se tornavam fixos, servidos por empregados que já não perguntavam o que queriam, mas as senhoras começavam a lá entrar, a escolher uma mesa, a pedir um café e a acender um cigarro, anunciando um mundo em mudança.

Continuar a ler “Um outro Algarve nos anos 60: o campo”

Um outro Algarve nos anos 60: a praia

“No princípio dos anos sessenta, o Algarve já chamava”
(Luísa Costa Gomes, 2018)

Memórias desse tempo em que o Algarve era só nosso

“No princípio dos anos sessenta, o Algarve já chamava”, mas nesse tempo o Algarve ainda era só nosso, dos que lá havíamos nascido e por lá havíamos ficado. Até porque não era fácil partir, nem chegar. Não havia autoestrada (a A1, iniciada em 1966, só chegou ao nó de Setúbal em 1979 e apenas foi concluída em 2002), as estradas eram ruins e obrigavam às curvas da serra, os comboios eram lentos e as carreiras de camioneta, muito poucas. O aeroporto de Faro foi inaugurado em 1965 e isso fez toda a diferença.

Praia da Rocha
Postal ilustrado, década de 1960

Continuar a ler “Um outro Algarve nos anos 60: a praia”

“Museums are…”: informal definitions by university students

Several university students at the Portuguese Catholic University (UCP), from different academic backgrounds and cultural contexts, forming an almost global geography between Japan and the United States, despite the European predominance, wrote their museum’s definitions. Without having had (yet) any theoretical introduction to the topic, although they have enrolled in an optional curricular unit, “Museology and Heritage”, it is curious to know the perception that new generations have about the museum and to discover, through their definitions, what their experiences and memories are as museums visitors.

Students visit the exhibition “Hands over the city”
Lisbon, UCP, Galeria Fundação Amélia de Mello
Photo: MIR, 2024

These are their museum definitions:

Continuar a ler ““Museums are…”: informal definitions by university students”

Museu Nacional Soares dos Reis: um museu renovado e as suas histórias

Depois de ter estado parcialmente encerrado para obras entre 2019 e abril de 2023, o Museu Nacional Soares dos Reis (MNSR) reabriu com uma exposição de longa duração e uma nova linguagem museográfica.

Integrando os espólios fundacionais do Museu de Pinturas e Estampas e outros objetos de Belas Artes, criado por D. Pedro IV de Portugal, em 1833, com o intuito de salvaguardar os bens sequestrados aos absolutistas e conventos abandonados na guerra civil (1832-34) sob direção de João Baptista Ribeiro, e recebendo, logo em seguida, os bens dos conventos extintos pelo Decreto de 30 de maio de 1834, o museu reivindica o título de primeiro museu público de arte do país.

Museu Soares dos Reis no Palácio dos Carrancas
Porto, MNSR
Foto: MIR, 2024

Continuar a ler “Museu Nacional Soares dos Reis: um museu renovado e as suas histórias”

Tesouros da Terra Santa

Exposição “O Tesouro dos Reis: Obras-primas do Terra Sancta Museum”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian (10 nov. 2023 – 26 fev. 2024)

Jerusalém é um lugar primacial ou umbilical, no sentido primevo de omphalo como centro do mundo. Se os gregos o localizavam em Delfos, assinalado por uma pedra erguida no templo de Zeus, a Bíblia através das palavras do profeta Ezequiel situa-o aqui: “Assim diz o Senhor Deus: Esta é Jerusalém; coloquei-a no meio das nações e das terras que estão ao redor dela” (Ez. 5:5).

Cidade de Jerusalém
Erhard Reuwich (desenho)
In: Breydenbach, B. (1486). Peregrinatio in Terram Sanctam. Mainz: Peter Schöffer the Elder.

Por razões diversas, Jerusalém faz parte da geografia sagrada das três principais religiões monoteístas abraâmicas – cristianismo, judaísmo e islamismo. No judaísmo, Jerusalém é a cidade que o rei David proclamou como capital do reino no século X a.C. e o lugar do Templo de Salomão e do Segundo Templo onde, segundo a tradição, se situa o atual Muro das Lamentações. Segundo o islamismo, Maomé foi miraculosamente transportado de Meca para Jerusalém, de onde ascendeu ao Paraíso, segundo o primeiro verso do Al-Isra (a viagem noturna] que identifica a mesquita de al-Aqsa (a mais distante) como o destino da jornada do profeta. Para os cristãos, além das referências que lhe são feitas no Antigo Testamento, este é o lugar do Cenáculo, onde Jesus tomou a Última Ceia e instituiu a Eucaristia, antes de aí cumprir o périplo da sua Paixão e Morte no Monte Gólgota, onde a tradição situa o túmulo de Adão, perto do sítio do Santo Sepulcro. A partir destas referências que a valorizam como cidade santa Jerusalém torna-se um lugar mítico: “Stories about Jerusalem should not be dismissed because they are ‘only’ myths: they are important precisely because they are myths” (Armstrong, 2005, p. XVIII).

Continuar a ler “Tesouros da Terra Santa”

Museu do Côa: um preâmbulo à arte rupestre e muito mais do que isso

O Museu do Côa foi inaugurado em meados 2010. A abertura do espaço museológico ultrapassou o próprio acontecimento, ao cabo de um longo processo que desde meados da década de 1990 havia passado da esfera académica para se tornar em motivo de discussão pública, alargando-se a toda a sociedade e adquirindo uma inevitável dimensão política. As opiniões dividiam-se entre a valorização do impacto económico e social que a construção de uma barragem hidroelétrica, já em curso, teria no desenvolvimento da região e o reconhecimento da importância do património arqueológico existente no vale e do seu contributo para o esclarecimento da arte rupestre do Paleolítico Superior, desfazendo alguns mitos instalados e superando categorias de pensamento instituído mesmo na comunidade científica.

Sítio Arqueológico do Côa
Foto: Pedro Guimarães / Fundação Coa Parque (Arquivo), s/d

Continuar a ler “Museu do Côa: um preâmbulo à arte rupestre e muito mais do que isso”

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search