Tesouros da Terra Santa

Exposição “O Tesouro dos Reis: Obras-primas do Terra Sancta Museum”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian (10 nov. 2023 – 26 fev. 2024)

Jerusalém é um lugar primacial ou umbilical, no sentido primevo de omphalo como centro do mundo. Se os gregos o localizavam em Delfos, assinalado por uma pedra erguida no templo de Zeus, a Bíblia através das palavras do profeta Ezequiel situa-o aqui: “Assim diz o Senhor Deus: Esta é Jerusalém; coloquei-a no meio das nações e das terras que estão ao redor dela” (Ez. 5:5).

Cidade de Jerusalém
Erhard Reuwich (desenho)
In: Breydenbach, B. (1486). Peregrinatio in Terram Sanctam. Mainz: Peter Schöffer the Elder.

Por razões diversas, Jerusalém faz parte da geografia sagrada das três principais religiões monoteístas abraâmicas – cristianismo, judaísmo e islamismo. No judaísmo, Jerusalém é a cidade que o rei David proclamou como capital do reino no século X a.C. e o lugar do Templo de Salomão e do Segundo Templo onde, segundo a tradição, se situa o atual Muro das Lamentações. Segundo o islamismo, Maomé foi miraculosamente transportado de Meca para Jerusalém, de onde ascendeu ao Paraíso, segundo o primeiro verso do Al-Isra (a viagem noturna] que identifica a mesquita de al-Aqsa (a mais distante) como o destino da jornada do profeta. Para os cristãos, além das referências que lhe são feitas no Antigo Testamento, este é o lugar do Cenáculo, onde Jesus tomou a Última Ceia e instituiu a Eucaristia, antes de aí cumprir o périplo da sua Paixão e Morte no Monte Gólgota, onde a tradição situa o túmulo de Adão, perto do sítio do Santo Sepulcro. A partir destas referências que a valorizam como cidade santa Jerusalém torna-se um lugar mítico: “Stories about Jerusalem should not be dismissed because they are ‘only’ myths: they are important precisely because they are myths” (Armstrong, 2005, p. XVIII).

Continuar a ler “Tesouros da Terra Santa”

Museu do Côa: um preâmbulo à arte rupestre e muito mais do que isso

O Museu do Côa foi inaugurado em meados 2010. A abertura do espaço museológico ultrapassou o próprio acontecimento, ao cabo de um longo processo que desde meados da década de 1990 havia passado da esfera académica para se tornar em motivo de discussão pública, alargando-se a toda a sociedade e adquirindo uma inevitável dimensão política. As opiniões dividiam-se entre a valorização do impacto económico e social que a construção de uma barragem hidroelétrica, já em curso, teria no desenvolvimento da região e o reconhecimento da importância do património arqueológico existente no vale e do seu contributo para o esclarecimento da arte rupestre do Paleolítico Superior, desfazendo alguns mitos instalados e superando categorias de pensamento instituído mesmo na comunidade científica.

Sítio Arqueológico do Côa
Foto: Pedro Guimarães / Fundação Coa Parque (Arquivo), s/d

Continuar a ler “Museu do Côa: um preâmbulo à arte rupestre e muito mais do que isso”

Prémios, menções e nomeações a museus, ou o pé esquerdo da parada

A atribuição de um prémio depende da inevitável subjetividade de uma escolha. Os parâmetros de classificação podem ser objetivos, mas a apreciação da sua relação com a coisa a analisar permite a introdução de fatores individuais e fictícios. Os prémios atribuídos a museus não escapam a esta condição determinante.

Poder-se-ia contrapor que a museologia, enquanto ciência no domínio das Humanidades, fornece um corpus teórico e métodos de análise crítica que, a ser aplicados, seriam um respaldo contra a subjetividade da escolha.

Continuar a ler “Prémios, menções e nomeações a museus, ou o pé esquerdo da parada”

Carla Filipe, Prémio FLAD de Desenho 2023

Carla Filpe venceu o Prémio FLAD de Desenho 2023, tendo o júri1 considerado que a sua obra “pode considerar-se um marco contemporâneo do desenho em Portugal”, anunciou hoje o júri.

Carla Filipe (ao centro, entre Mónica Álvarez Careaga e Ângela Ferreira) junto à obra premiada
Lisboa, Drawing Room (SNBA)
Foto: Drawing Room website

Nas obras a concurso, as de Carla Filipe (e as Joanna Latka), eram provavelmente aquelas onde o desenho mais se tornava evidente e nuclear na sua essência.

Carla Filipe articula o processo criativo ancorado no desenho com uma multiplicidade de referências de que se apropria e manipula, conferindo-lhes outros sentidos na representação crítica da sociedade.

Destaco (de forma arbitária e meramente subjetiva) neste conjunto apresentado a concurso e que remete para a condição da mulher, tomando como alegoria a vida de clausura religiosa, a folha com a recriação ampliada de um livro de horas, onde uma figura feminina evoca a iconografia do evangelista S. João em alusão às cartas escritas por (ou atribuídas a) Mariana Alcoforado “como é feio (não te minto) o senhor c[om] que ontem à noite dançou”, numa obra aberta que desafia as leituras particulares de cada observador.

Carla Filipe, nascida em 1973, estudou na Escola de Belas Artes do Porto, foi bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian em Londres e fez residências artísticas na Bélgica, Estados Unidos e Áustria. O Museu de Serralves apresentou este ano (24 mar.-17 set. 2023) a exposição “In my own language I am independente”, retrospetiva dos trabalhos feitos desde 2000, com desenhos, pinturas, cartazes, colagens, esculturas e instalações, comprovando a sua mestria pluridisciplinar, mas também os atributos identitários da sua criação.
A exposição de Serralves e o prémio da FLAD tornam o ano de 2023 um marco para o (re)conhecimento da artista. Muito merecidamente.

Referência:
FLAD. (2023, 28 out.). Artista Carla Filipe vence Prémio FLAD de Desenho 2023. Disponível em https://www.flad.pt/vencedora-premio-flad-desenho-2023/

  1. Foram membros do júri a artista Ângela Ferreira, Mónica Álvarez Careaga, diretora do Drawing Room Lisboa e, em representação da FLAD, Filipa Rocha Nunes. []

Questões de mau gosto e sentido moral como argumentos censórios

Em 1860, Camilo Castelo Branco e Ana Plácido foram detidos na Cadeia da Relação, no Porto, pronunciados pelo crime de adultério. Aí estiveram, ela no pavilhão das mulheres e ele no piso privilegiado destinado a ilustres e abastados, até serem declarados inocentes e libertados no ano seguinte. Enquanto esteve preso, Camilo Castelo Branco escreveu Amor de perdição, a novela que se tornou epítome do romantismo literário.

De alguma forma, a Cadeia da Relação e Camilo Castelo Branco tornaram-se indissociáveis através do romance inspirado num episódio da vida do tio-avô do escritor, Simão Botelho, que também aí estivera detido por um amor proibido. Por isso, em 2012, ano em que se comemoravam os 150 anos da obra de Camilo, Rui Rio, então Presidente da Câmara do Porto, aprovou mudança toponímica do Largo da Cadeia da Relação para Largo Amor de Perdição, onde foi instalada a estátua de bronze “Amores de Camilo”, doada pelo autor, o escultor Francisco Simões.

Amores de Camilo
Francisco Simões, 2012
Porto, Largo Amor de Perdição

Continuar a ler “Questões de mau gosto e sentido moral como argumentos censórios”

“Objetos desaparecidos, roubados ou danificados” no Museu Britânico

No dia 16 de agosto, o Museu Britânico, em Londres, publicou uma nota de imprensa relativa a “missing, stolen and damaged items”, onde informava que “The majority of the items in question were small pieces kept in a storeroom belonging to one of the Museum’s collections. They include gold jewellery and gems of semiprecious stones and glass dating from the 15th century BC to the 19th century AD” (The British Museum, 2023), mas que eram usados sobretudo para fins de pesquisa académica e nenhum deles estivera sido exposto recentemente (id., ibid.).

Polícia junto à entrada do Museu Britânico
Foto: BBC, 2023

Continuar a ler ““Objetos desaparecidos, roubados ou danificados” no Museu Britânico”

Rosarium e a contemplação da alegria e luz, dor e glória

Exposição “Rosarium: Alegria e Luz, Dor e Glória”
Fátima, Convivium de Santo Agostinho, Basílica da Santíssima Trindade (26 nov. 2022 – out. 2024)

Há exposições cujo tema, simplesmente, não (me) chama. Até afugenta, como esta, cujo título nos traz a memória de uma religiosidade apavorada, entre o medo do inferno e o terror dos castigos eternos de que apenas escaparíamos pela recitação forçada do terço. Na expetativa desta exposição, nada permitia prever um discurso apaziguador e, menos ainda, um espaço ameno em que se sucedem momentos estéticos, cuja conceção estética convida à contemplação. Mesmo conhecendo a qualidade das exposições temporárias do Museu do Santuário de Fátima, por vezes, com temas que se afiguravam igualmente difíceis, esta não era apelativa. E, no entanto…

Visitantes na exposição
Foto: MIR, 2023

Continuar a ler “Rosarium e a contemplação da alegria e luz, dor e glória”

O brilho e a sumptuosidade do barroco: exposição dos andores de prata de Beja na igreja de S. Roque, em Lisboa

Exposição dos andores de prata do Museu Rainha D. Leonor
Lisboa, igreja de São Roque (20 jul. 2023 – jan. 2024)

O Museu Rainha Dona Leonor, em Beja, está temporariamente encerrado ao público por contingência dos trabalhos inerentes à obra de recuperação e valorização do seu edifício sede, o Convento da Conceição, no âmbito da candidatura “Valorização e Conservação do Convento de Nossa Senhora da Conceição – Museu Rainha Dona Leonor, em Beja” apresentada ao Alentejo 2020 pela Associação Portas do Território em parceria com a Direção Regional de Cultura do Alentejo e a Câmara Municipal de Beja.

Esta circunstância propicia a criação de novas estratégias na gestão das coleções, tal como a apresentação dos andores de prata de São João Evangelista e São João Batista, duas das mais emblemáticas peças do museu, na capela de São Francisco Xavier, na igreja de S. Roque, em Lisboa. Assinala-se a articulação de esforços do Museu Rainha D. Leonor e do Museu de São Roque, como exemplar da colaboração entre museus de diferentes tutelas e, também, da proficiência dos seus responsáveis1 na visualização do bem comum.

Musealização dos andores de S. João Evangelista e de S. João Batista
Lisboa, igreja de São Roque
Foto: MIR, 2023

Continuar a ler “O brilho e a sumptuosidade do barroco: exposição dos andores de prata de Beja na igreja de S. Roque, em Lisboa”

  1. Porque se justifica identificar os nomes de quem tornou isto possível, destaca-se, aqui, a mediação da APOM – Associação Portuguesa de Museologia, através do seu Presidente, João Neto, a iniciativa de Deolinda Tavares, diretora do Museu Rainha D. Leonor, o apoio de Ana Paula Amendoeira, Diretora Regional de Cultura do Alentejo,  e a disponibilidade oferecida por Margarida Montenegro, antiga Diretora da Cultura da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, entretanto substituída por Teresa Nicolau, e de Teresa Morna, diretora do Museu de S, Roque. []

“Museus, Sustentabilidade e Bem-estar” no Dia Internacional dos Museus

O Dia Internacional dos Museus celebra-se1, em 2023, sob o tema “Museus, Sustentabilidade e Bem-estar”.

A escolha deste tema, por um lado, está em consonância com a nova definição de museu, aprovada em 2022 (vd. https://amusearte.hypotheses.org/8846), que inclui os conceitos matriciais da inclusão, sustentabilidade, acessibilidade e diversidade, e, por outro lado, tal como tem vindo a acontecer desde 2020, reflete Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030, nomeadamente:

    • 3 – Saúde de Qualidade, ou Saúde Global e Bem-Estar: assegurar vidas saudáveis e promover o bem-estar para todos em todas as idades, sobretudo, no que respeita à saúde mental e ao isolamento social;
    • 13 – Ação climática: agir urgentemente para combater as alterações climáticas e seus impactos, adotando as práticas de baixo carbono do Norte global e as estratégias de mitigação do Sul global;
    • 15 – Vida Terrestre: proteger, restaurar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, ampliando as vozes dos líderes indígenas e consciencializando acerca da biodiversidade
      (cf. https://icom.museum/en/news/international-museum-day-2023-theme/).

Nos últimos anos, o ICOM tem vindo a identificar a sustentabilidade como uma das suas áreas prioritárias, criando, em 2018, um grupo de trabalho com a missão de promover a integração dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, ajudando os museus a contribuir de forma construtiva para a sua defesa e implementação (ICOM, 2018). Nesse sentido, o ICOM tem concentrado, de forma progressiva e atuante, a sua ação e normativas em torno do papel que os museus podem desempenhar na resposta aos desafios globais e urgentes, tais como as mudanças climáticas, os fluxos migratórios de refugiados ou a descolonização.

Diretamente relacionado com a sustentabilidade, o bem-estar envolve a relação da humanidade com a cultura e com a natureza. Considerando que esta é entendida de forma diferente consoante os diversos grupos culturais e uma tendente valorização das ontologias ocidentais, o ICOM valoriza o potencial dos museus para reavaliar e desvalorizar o antropocentrismo ocidental (ou eurocêntrico) e as linhas de pensamento que o sustentam, propondo a valorização da relação entre património tangível e intangível, da memória coletiva, das cosmogonias tradicionais e da transmissão intergeracional do conhecimento na promoção (Brown, 2019). Ou seja, permitindo que os museus valorizem o seu património através de projetos liderados pela comunidade que lhes confere o sentido intangível, os significados e funções, e lhes valida a memória.

Referências:
Brown, K. (2019). Museums and local development: An introduction to museums, sustainability and well-being. Museum International, 71(3-4), 1-13. DOI: 10.1080/13500775.2019.1702257
ICOM. (2018). ICOM establishes the Working Group on Sustainability. Acedido em https://icom.museum/wp-content/uploads/2018/09/GB-WGS_Press-Release_final.pdf

  1. O Dia Internacional dos Museus, organizado pelo Conselho Internacional de Museus (ICOM) foi celebrado pela primeira vez em 1977 e, desde então, ocorre anualmente no dia 18 de maio. []

Quantos lápis azuis aguenta a democracia?

George Orwell (1949), no mundo opressivo de 1984 , criou a personagem de Winston Smith, peão ao serviço do Partido Externo, cuja função, enquanto diligente funcionário do Ministério da Verdade, era corrigir documentos, sendo responsável pela propaganda e revisionismo histórico. Há umas décadas, a leitura desta obra constituía uma reflexão acerca dos métodos e efeitos de uma sociedade distópica que parecia distante e irreal em estados democráticos. Acreditávamos que, depois da lição das últimas ditaduras, do fascismo aos regimes totalitários que se implantaram na Europa e na América Latina, a censura estava definitivamente erradicada nas sociedades pós-ditatoriais, enquanto que, naquelas onde a democracia era baluarte essa questão nem se punha. Ingénua convicção, que a realidade tem vindo a desmentir!

Capa de 1984 (e-book), de Georges Orwell. Biblios, 2020.

Continuar a ler “Quantos lápis azuis aguenta a democracia?”

Natália Correia Guedes, a mestra

Natália Correia Guedes é homenageada no Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo, a pretexto do Dia da Mulher e em reconhecimento do seu papel pioneiro na proteção e divulgação do património.

Homenagem a Natália Correia Guedes
Évora, Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo

A Dr.a Natália – sempre lhe chamei assim, apesar das tentativas inglórias de a tratar por ‘Professora’ depois de ter concluído o primeiro doutoramento em Museologia em universidades portuguesas – foi a minha “mestra”. Continua a ser, porque, quando ser mestra tem um efeito transformador, nunca se deixa de o ser.

Continuar a ler “Natália Correia Guedes, a mestra”

Trono de Sabedoria: interpretação museológica de um tema mariano

Exposição “Trono de Maria, lugar de sabedoria
Lisboa, Universidade Católica Portuguesa, Galeria Fundação Amélia de Mello (7 nov. – 21 mar. 2023)

A Universidade Católica Portuguesa (UCP) tem, desde 2018, uma galeria, onde tem vindo a apresentar exposições temporárias, estruturadas em três ciclos anuais: exposições temáticas; exposições individuais; e exposições de artistas emergentes ou que apresentem o resultado de projetos de investigação realizados por estudantes e docentes da universidade. A atual exposição1 é temática em torno da Virgem da Sapiência. “Santa Maria, Sede de Sabedoria” é, precisamente, a padroeira da instituição e titular da capela existente no campus.

Nossa Senhora da Sabedoria (Virgem da Sapiência)
Escola portuguesa, século XVI
Lisboa, UCP, capela de Santa Maria, Sede de Sabedoria

Continuar a ler “Trono de Sabedoria: interpretação museológica de um tema mariano”

  1. Não se é bom juiz em causa própria, diz o povo e tem razão. Porém, acerca desta exposição, não tenho de fazer o esforço da leitura e interpretação para tentar chegar ao sentido do discurso expositivo. Por outro lado, também conheço as condicionantes e as falhas provavelmente melhor do que qualquer visitante. A hesitação durou cerca de três meses após a abertura da exposição, até resolver escrever sobre ela, assumindo o risco de um olhar enviesado e subjetivo. []
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search