Quantos lápis azuis aguenta a democracia?

George Orwell (1949), no mundo opressivo de 1984 , criou a personagem de Winston Smith, peão ao serviço do Partido Externo, cuja função, enquanto diligente funcionário do Ministério da Verdade, era corrigir documentos, sendo responsável pela propaganda e revisionismo histórico. Há umas décadas, a leitura desta obra constituía uma reflexão acerca dos métodos e efeitos de uma sociedade distópica que parecia distante e irreal em estados democráticos. Acreditávamos que, depois da lição das últimas ditaduras, do fascismo aos regimes totalitários que se implantaram na Europa e na América Latina, a censura estava definitivamente erradicada nas sociedades pós-ditatoriais, enquanto que, naquelas onde a democracia era baluarte essa questão nem se punha. Ingénua convicção, que a realidade tem vindo a desmentir!

Capa de 1984 (e-book), de Georges Orwell. Biblios, 2020.

Camuflada através dos valores positivos de igualdade, inclusão e pós-colonialismo, a cultura woke, termo que deriva da expressão inglesa afro-americana “stay woke”, ou “mantém-te acordado” rapidamente transpôs os princípios de justiça racial e social para adotar posturas extremas que, sob o signo do politicamente correto, promoveram uma censura supostamente virtuosa e assumidamente puritana.

Proliferam os Winston Smith em vigilância constante e disciplinadora, perante multidões incapazes de gritar que o rei-revisionista vai nu. Depois da aceitação do revisionismo histórico colonial, crescem reinterpretações anacrónicas do passado e inaptas na crítica aos neocolonialismos.

Por outro lado, a ignorância acerca da importância da literatura e da arte como documento histórico, social e cultural do passado, fez crescer o revisionismo literário com o propósito de erradicar todos os vestígios de discriminação racial, de género ou outras. A cultura woke, denunciando um sistema de pensamento que dificilmente encontramos no nosso quotidiano, acusa uma discriminação estrutural embutida nas políticas, leis e instituições que perpetuam uma forma de poder sem que os indivíduos estejam suficientemente alerta para o identificar e combater.

O fenómeno woke atravessa o mundo ocidental, transformando a história, alterando políticas, sistemas judiciais, programas de ensino, relações laborais, e impondo novas formas de policiamento e de controlo da liberdade de pensamento. Aquilo que defendíamos como valores essenciais (e inquestionáveis), aquilo que era a luta contra a injustiça social, a desigualdade de género, ou a discriminação racial tornou-se numa nebulosa obsessão que, não só pretende ficcionar o presente, como também procura modificar o passado.

O sucesso deste fenómeno pode aferir-se pelo impacto junto das marcas que tendem a incorporar questões sociais e políticas nas suas campanhas de marketing (Mirzaei, Wilkie, & Siuki, 2022) até ao limite daquilo que tem vindo a designar-se como “woke capitalism” (Foss & Klein, 2022), o que também demonstra a fragilidade das suas contradições.

Por seu turno, Joanna Williams, na obra How woke won: The elitist movement that threatens democracy, tolerance and reason (2022), de alguma forma, radicaliza a crítica aos movimentos woke e às manifestações deles decorrentes, mas é objetiva na constatação de que, longe de as erradicarem, engendram novas formas de discriminação.

Extrapolando os conceitos da teoria crítica, ao valorizar a experiência subjetiva em detrimento da razão objetiva, o pensamento woke, ou wokeism, aproveita a ambiguidade da verdade para permitir que os conceitos discriminatórios assumam qualquer significado até ao limite das expressões mais radicais, sem permitir outras evidências contraditórias ou compensatórias.

The main tenet of this movement [wokeism] is the primacy of subjective, “lived experience” over logical argument and data, a stance ultimately rooted in the epistemological position that all knowledge is positional (i.e., truth claims are assessed relative to the power and social position of the person making the claim). In terms of explanation of social phenomena, wokeism puts the emphasis on group characteristics and power conferred by social structures rather than individual behavior and responsibility and sees most social relations in terms of a victim-oppressor dynamic. (Foss & Klein, 2022, p. 12)

Enquanto isso, vamos assistindo à implantação de uma nova forma de ditadura, mais perigosa porque assente nos valores e princípios que sempre defendemos. Já em 2021, Steven D. Snyder, na obra Woke, banned, censored & cancelled, compilou uma série de histórias que demostravam a “war on everything” (guerra contra tudo) dos pensadores politicamente corretos neste (pouco admirável) mundo novo. Contudo e parafraseando Martin Niemöller (“Quando os nazis vieram buscar os comunistas, fiquei em silêncio já que eu não era comumista. […] Quando eles me vieram buscar, já não havia ninguém que pudesse protestar” é um texto célebre acerca das consequências da passividade que assiste sem resistência aos primeiros indícios da implantação das tiranias. Sendo habitualmente atribuído a Bertolt Brecht, o texto faz parte de um “Que teria dito Jesus Cristo?”, proferido pelo pastor luterano alemão Martin Niemöller (1892-1984), durante a Semana Santa de 1946, em Kaiserslautern, na Alemanha.)), não nos importámos com isso, porque isso não era connosco.

Alusão à reescrita dos livros de Roald Dahl: pormenor da capa do livro “Charlie and the chocolate factory”  com as figuras de Mr. Willy Wonka e Charlie, por Quentin Blake, amordaçadas
Imagem: TND/Penguin/Getty

A Puffin Books, editora infantil da Penguin Random House, em Londres, e que publica as obras de Roald Dahl, contratou “sensitivity readers” (leitores sensíveis) para excluir palavras ou expressões que considerassem ofensivas e para alterar o texto em função de uma linguagem inclusiva, isto é, neutra em termos de género. Assim, os clássicos da literatura infantil de Roald Dahl foram reescritos, excluindo referências consideradas menos respeitosas como ‘fat’ (gordo) ou ‘ugly’ (feio) (Shelley, 2023). Na nova versão de Charlie and the chocolate factory, a expressão ‘fully grown women’, ‘women’ (mulheres) foi substituída por ‘people’ (pessoas) e na frase  ‘His face was like a monstrous ball of a dough’, ‘monstrous’ (monstruosa) foi simplesmente eliminado. O lápis azul da censura entrou em ação, mas não nos importámos, porque já nem lemos livros infantis.

Roger Moore no papel de James Bond no filme “Live and Let Die” (1973), ladeado por Gloria Hendry e Jane Seymour.
Foto:Terry O’Neill / Getty Images)

As histórias de James Bond, criadas por Ian Fleming estão a ser reescritas para corresponder à sensibilidade do século XXI. A Ian Fleming Publications Ltd também encomendou uma revisão por “sensitivity readers”, a fim de remover referências raciais ou às etnias de vários personagens. A série de espionagem iniciada com Casino Royale, em 1953, será relançada este mês para coincidir com o seu 70º aniversário e incluirão um aviso:

This book was written at a time when terms and attitudes which might be considered offensive by modern readers were commonplace. A number of updates have been made in this edition, while keeping as close as possible to the original text and the period in which it is set. (cfr. Mouriquand, 2023)

E, também com este lápis azul, não nos importámos, porque o que nos interessa são os filmes de 007.

Também as obras de Agatha Christie, publicadas entre 1920 e 1976 (ano da morte da autora), estão a ser reescritas por “sensitivity readers” contratados pela editora Harper Collins. As novas edições de toda a série de Miss Marple e alguns dos romances centrados na figura de Hercule Poirot terão algumas passagens revistas, enquanto outras irão ser completamente removidas. No The mysterious affair at Styles (1920), a primeira investigação de Poirot, a descrição que o detetive faz acerca de outra personagem como ‘judeu’ foi retirada na nova versão, tal como uma mulher jovem com ‘gypsy style’ (aparência cigana), se tornou apenas uma ‘young woman’ (jovem mulher). O mesmo acontece em relação às referências ao ‘nubian people’ (povo núbio) retiradas do romance Death on the Nile. E, mais uma vez, o lápis azul riscou, mas não nos importámos, porque, se não lemos os livros, já vimos todas as séries televisivas e isso não tem grande efeito no enredo.

Alusão à censura dos livros de Enid Blyton
Imagem: The Telegraph

Também as obras de Enid Blyton não foram deixadas incólumes. Na primeira aventura dos The famous five (os nossos Os cinco), Fire on a treasure island, publicada em 1942, o termo ‘queer’ (esquisito) é empregue amiúde sem qualquer conotação sexual. Porém, na corrente edição pela Hodder Children’s Books, o termo foi completamente banido e substituído por ‘peculiar’, ‘odd’, ‘strange’, ‘funny’, ‘weird’, and ‘amazing’ (peculiar, estranho, engraçado, incrível), enquanto ‘a brown faced’ se torna ‘suntanned’ (bronzeado) (cfr. Sears, 2023, 24 fev.) Da mesma forma, a expressão ‘work like a slave’ viu cair o termo ‘slave’ (escravo), passando a ‘work hard’ (trabalho duro). E, novamente, o lápis azul da censura funcionou, mas não nos importámos, porque lemos Os cinco e As gémeas há tanto tempo que só nos lembramos das merendas fartas de que os adolescentes eram capazes.

O rapto de Europa
Ticiano, 1559–1562
Boston, Isabella Stewart Gardner Museum

Entretanto, em 2021, o Isabella Stewart Gardner Museum, em Boston, a pretexto do restauro da obra O rapto de Europa, de Ticiano (Tiziano Vecellio, 1559-1562), abriu a exposição temporária “Titian: Women, myth & power”, explorando “themes of sexual assault and violence”. A despeito do título, de que se presumia uma exposição centrada na obra do artista, a exposição estabelecia um confronto entre a atualidade e o movimento #MeToo: “Newly commissioned responses by contemporary artists and scholars engage with questions of gender, power, and sexual violence as relevant today as they were in the Renaissance” (cfr. Isabella …, 2021). Achámos refrescante esta reinterpretação (ou ressignificação), sem questionar se respeitava a ideia original do artista, por seu turno, uma representação do episódio relatado por Ovídio (Met., II, 836-875; III, 1-2) e, por isso mesmo, não havia razão para nos importarmos.

Odaliscas, de Henri Matisse, na exposição “A modern influence: Henri Matisse, Etta Cone, and Baltimore” (2021-22)
Baltimore (MD), Baltimore Museum of Art

O Baltimore Museum of Art, expôs duas odaliscas de Matisse, da Cone Collection. Numa delas, Odalisca sentada (1928), houve o cuidado de a contextualizar sobre uma antiga escrivaninha espanhola, recriando o ambiente do apartamento da colecionadora Etta Cone e onde o próprio artista a terá visto após a sua aquisição. Ao lado, encontrava-se a Odalisca de pé refletida no espelho. Entre ambas, uma tabela interpretativa apresentava Matisse como sexista e colonialista. E, também aqui, continuámos a achar que não havia motivo para nos importarmos.

Eric Gibson cita estes dois episódios, num artigo de opinião publicado em The Wall Sreet Journal acerca da ideologia woke nos museus americanos, onde considera que “in too many museums, connoisseurs have been replaced by commissars—ideologues for whom aesthetics is less important than ensuring we view art through progressive lenses. This tendency had long existed, but in recent years the “great awokening” made it dominant” (Gibson, 2022).

The Gulf Stream, obra central da exposição “Winslow Homer: Crosscurrents”, apresentada como “a painting that reveals his lifelong engagement with charged subjects of race, geopolitics, and the environment”
Foto: The Metropolitan Museum of Art

O MET – Metropolitan Museum of Art, em Nova Iorque, apresentou a exposição Winslow Homer: Crosscurrents, afirmando a intenção de reconsiderar a obra do artista “through the lens of conflict” (The Met …, 2022), o que se justifica pelo “Homer’s lifelong engagement with the charged subjects of race, geopolitics, and nature” (Id., ibid.). A exposição enquadra a obra de Homer nos parâmetros do racismo, imperialismo e ambiente, questões que, de facto, são periféricas ou extrínsecas ao seu trabalho. Continuámos sem nos importar porque esta era, afinal, mais uma leitura do sentido subjacente à obra.

E poderíamos continuar a citar inúmeras formas de enviesamentos às obras do passado, em re(escritas) e (re)leituras anacrónicas, enquanto os novos e autênticos Winston Smith continuam a censurar, munidos de um lápis azul que rasura e recompõe impondo a sua visão do mundo e do passado1. De resto, poderíamos evocar outras épocas de obscurantismo censório ao longo da História, citar as Inquisições, as agressões à arte. Como refere Vítor Serrão, “a criação artística esteve sempre desalinhada com a hipocrisia, a bitola pseudomoral e a mercantilização dos afectos” (2023, p. 6) e que, por isso:

É importante que os agentes culturais, os museus, as escolas, a investigação, a sociedade no seu todo, se revoltem contra esta nova hipocrisia moralista em nome da qual as obras de arte devem ser corrigidas, subjugadas aos cânones mais reaccionários, resignadas a pretensas leis da família e apenas e só sujeitas à cobiça das leis sacrossantas do mercado. (Serrão, 2023, p. 6)

Começamos a importar-nos face ao despedimento de uma professora por ter projetado uma imagem do David de Michelangelo, durante uma aula, numa escola da Florida. A fúria moralista que desencadeou é um índice do puritanismo e da imponderável ignorância na era da informação.

Instagram: Museo Archeologico di Venezia, 1 de abril de 2023

Refletindo esta moralidade hipócrita, o Museo Archeologico Nazionale di Venezia, aproveitou para anunciar no dia 1 de abril, no Instagram, um projeto digital “Per venire incontro alle esigenze percettive del nostro pubblico”, o qual

[…] permetterà di osservare le nostre sculture senza l’imbarazzo delle parti più scabrose. La realtà diminuita infatti provvederà a dotare di pixel e quindi rendere invisibili le pudenda delle nostre opere, sollevando il pubblico dal disagio di fruire pruriginosamente di parti anatomiche non gradite (https://www.instagram.com/p/Cqe8HxyI1EG/)

Observar as esculturas sem o embaraço das partes mais escabrosas? Tornar invisíveis as partes pudendas? Aliviar o público da visão de partes anatómicas indesejadas? Obviamente, tal como o museu esclareceu no dia seguinte, era uma mentira de 1 de abril. Em dois dias, a publicação recebeu mais de 1000 gostos, mas os comentários são maioritariamente adversos. Não conseguimos, porém, de deixar de pensar se não estará próximo o dia em que isso será realidade, quando são tantos os lápis azuis que cruzam a literatura e as artes.

Através da palavra ou do traço, os artistas reproduzem o quadro mental do tempo em que vivem e são uma das fontes mais relevantes onde buscamos o conhecimento do passado. Têm, além disso, direito à sua identidade e ao respeito pela obra que produziram. Esperamos que a literatura e a arte modernas reflitam o nosso tempo, os nossos ideais, crenças e lutas, mas também as nossos erros, idiossincrasias e derrotas. Não que os editores, leitores e observadores nos imponham a sua ‘sensibilidade’ e se tornem censores, transformando a obra de outros, traindo o esforço criativo dos autores e menosprezando, de forma presunçosa e arrogante, a capacidade dos públicos na interpretação daquilo que criaram. “Driving all this are the commissars, who have arrogated to themselves the status of superior beings, entitled to pass summary judgment on artists, art, its institutions and supporters. There is no humility, only moral vanity” (Gibson, 2022)

Ilustração: David Gothard, 2022 / WSJ

Quem lhes concedeu esse direito de julgar os artistas e a sua arte e de decretar a sua visão e suposta moralidade como a verdade suprema e obrigatória? Até quando deixaremos que isso aconteça, como se não fosse nada connosco? Será possível mantermo-nos indiferentes, desconsiderando a ameaça das posições extremadas em sentido contrário, desencadeadas por grupos cada vez mais populistas, contrários aos valores da igualdade, inclusão, liberdade e democracia?

Parafraseando, novamente Niemöller, quando eles nos levarem a literatura e a arte, já não haverá ninguém para protestar.

Referências :
Foss, N. J., & Klein, P. G. (2022, 23 nov.). Why do companies go woke? (document de trabalho). http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.4285680
Gibson, E. (2022, 2 set.). Woke ideologues are taking over American art museums. The Wall Sreet Journal. Acedido em https://www.wsj.com/articles/when-connoisseurs-yield-to-commissars-art-history-museums-woke-politics-ideology-mission-painting-renaissance-activists-11662139109
Isabella Stewart Gardner Museum (website): Titian: Women, myth & power. (2021). Acedido em https://www.gardnermuseum.org/calendar/exhibition/women-myth-power
Mirzaei, A., Wilkie, D. C., & Siuki, H. (2022). Woke brand activism authenticity or the lack of it. Journal of Business Research, 139, 1-12. https://doi.org/10.1016/j.jbusres.2021.09.044.
Mouriquand, D. (2023, 1 mar.). Rewriting James Bond: Offensive references to be removed from Ian Fleming’s 007 novels. Euronews culture. Acedido em https://www.euronews.com/culture/2023/03/01/rewriting-james-bond-offensive-references-to-be-removed-from-ian-flemings-007-novels
Mouriquand, D. (2023, 29 mar.). Agatha Christie novels edited to remove potentially offensive language.
Serrão, V. (2023, 4 abr.). Estupidez e hipocrisia. Público, (12026), p. 6.
Shelley, S. (2023, 5 mar). The woke censors come after Willy Wonka and James Bond. The Orange County Register. Acedido em https://www.ocregister.com/2023/03/05/the-woke-censors-come-after-willy-wonka-and-james-bond/
Snyder, S. D.  (2021). Woke, banned, censored & cancelled: The war on everything in culture by the politically correct, tyrannical, fascist mob. [Sl]: [edição de autor]
Williams, J. (2022). How woke won: The elitist movement that threatens democracy, tolerance and reason. London: Spiked.



Citar este post
Maria Isabel Roque (2023, 4 Abril). Quantos lápis azuis aguenta a democracia? a.muse.arte. Recuperado em 28 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/b55a

  1. Neste blogue, várias publicações abordam os temas da censura: Imoral censura: o que se pode, ou não pode ver no museu; Uma folha de parra sobre a nudez da (nossa) vergonha;  A censura e os seus subtis sinais; A queda das estátuas; Padre António Vieira: a destruição do indestrutível []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search