Natália Correia Guedes, a mestra

Natália Correia Guedes é homenageada no Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo, a pretexto do Dia da Mulher e em reconhecimento do seu papel pioneiro na proteção e divulgação do património.

Homenagem a Natália Correia Guedes
Évora, Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo

A Dr.a Natália – sempre lhe chamei assim, apesar das tentativas inglórias de a tratar por ‘Professora’ depois de ter concluído o primeiro doutoramento em Museologia em universidades portuguesas – foi a minha “mestra”. Continua a ser, porque, quando ser mestra tem um efeito transformador, nunca se deixa de o ser.

No reconhecimento oficial, é salientado o percurso profissional, enquanto museóloga, primeira responsável pela instituição aglutinadora dos três ramos do património no então IPPC, diretora de museus e comissária de exposições, enquanto académica e enquanto pedagoga.

Natália Correia Guedes, ao centro, ladeada por alunos do 1.º curso de Museologia na Universidade Lusíada
Homenagem a Natália Correia Guedes
Évora, Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo

Foi minha professora, no início da década de 1990, no primeiro curso de pós-graduação em Museologia, na Universidade Lusíada. De forma pouco convencional, logo no primeiro dia de aulas, perguntou aos alunos se havia um delegado de turma ou se alguém se oferecia para a função; perante o nosso silêncio coletivo, apontou para aquela que estava mais ao fundo da sala e nomeou-a. Aquela era eu e esse foi o início.

Ainda o curso não tinha acabado quando foi nomeada Subsecretária de Estado da Cultura. E, novamente, convidou-me para o Gabinete. Aí o papel de mestra ganhou outro sentido, mais amplo, diversificado e, sobretudo, muito frutuoso.

Seguiu-se uma década  de experiências, de conhecimentos e de aprendizagem permanente, sobre uma base de desafios constantes e absolutamente impensáveis quando resolvi inscrever-me naquele curso.

Não cabe num texto o tanto que foram aqueles anos porque, neles, cabe uma vida.

Da Dr.a Natália, guardo, em primeiro lugar, a postura íntegra, séria e austera com que nos ensinava a teoria e conduzia ao trabalho prático. E a forma como, ao abandonar as folhas que lhe sustentavam, nos levava a mundos que ainda não conhecíamos, entusiasmando-nos a ir à sua descoberta.

Depois, lembro a forma como me escolheu para sua discípula. Na verdade, como nos escolhia, porque assisti ao recrutamento de alunos como seus colaboradores. Nalguns casos, seriam os melhores alunos, mas, noutros, aqueles que achava mais capazes de seguir um caminho ou os mais adequados à função que lhes destinava. Nem sempre terá acertado. Porém, acredito que tenha feito escola e criado uma geração de profissionais que ainda se norteiam pelos mesmos princípios éticos.

‘A equipa’
Homenagem a Natália Correia Guedes
Évora, Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo

Lembro, sobretudo, o trabalho conjunto. E digo ‘conjunto’ porque, não obstante a sua capacidade de liderança – ou precisamente por essa capacidade – e a distância que separa a mestra do aprendiz, o trabalho era paritário, com uma hierarquia que se diluía no debate, na colaboração e na partilha. Às vezes e de forma quase literal, atirava-nos às feras e, neste plural, incluo o núcleo duro das exposições que organizámos, a Dália Guerreiro, depois o Luís Neves e o Óscar Casaleiro, mas também o Sérgio Gorjão, a Luísa Antunes, o Paulo Martins, a Susana Pereira, a Carla Sequeira… E isso significava entregar-nos a responsabilidade de fazer, com tudo o que isso implica de investigação, de reflexão para encontrar o método, de trabalho e dedicação. E significava, também, obter resultados e apercebermo-nos de que tínhamos conseguido.

No meu caso, isso significou, também, ultrapassar o medo de não ser capaz, ou de não estar à altura do desafio. E significou descobrir competências que ignorava, ou trabalhar as insuficiências até conseguir contorná-las. Tinha de fazer e ser porque a Dr.a Natália tinha achado que era capaz. Não terei feito grande coisa, mas muito do que fiz foi porque a Dr.a Natália esteve lá.

Outras vezes, simplesmente, não esteve, como daquela vez em que foi para um Encontro do ICOM em Macau, e nos deixou, à Dália e a mim, com a incumbência de preparar transportes, seguros, limpeza e aquelas pequenas coisas que antecedem a montagem de uma exposição. Essa prova de confiança teve um impacto ímpar na minha vida, enquanto que, ao longo dos anos, tenho assistido à dificuldade de delegar no ‘outro’, constatando o altruísmo que é necessário para deixar fazer e a humildade que é necessária para permitir que o ‘outro’ se expresse e possa tentar, mesmo correndo o risco de errar.

Testemunhei o pioneirismo das suas opções, a vontade de experimentar, a escolha deliberada pela inovação, a visionária escondida atrás de um aparente perfil conservador, adverso à mudança, afinal tão enganador. Enquanto tantos temiam e ainda receiam a relação entre o património e a tecnologia, como se se tratasse de uma dicotomia inultrapassável entre a autenticidade e o artificioso, a Dr.a Natália providenciou, em 1993 (!), um computador e uma base de dados para gerir uma exposição temporária. A partir das fichas descritivas e com imagens das mais de 600 peças, foram gerados os pedidos de empréstimos, as fichas para os seguros e transportes o que, na altura, era absolutamente inédito em museus portugueses. Depois, em finais dessa década, enquanto coordenadora geral da Estrutura de Projeto do Inventário de Bens Móveis (talvez a designação não fosse exatamente esta) quis implementar uma plataforma integrada de registos museográficos, bibliográficos e arquivísticos. A resistência dos parceiros impediu-o, o tempo deu-lhe razão.

Testemunhei as lutas quixotescas contra tantos moinhos de vento, estes bem corpóreos e consistentes. Nem todas essas lutas terão sido vitoriosas, sobretudo quando embatiam em paredes de sobranceria e arrogância, mas as conquistas alcançadas foram-no com as armas da diplomacia e da persistência.

Foi uma mestra inspiradora, pelo seu entusiasmo mesmo quando este se tornava exasperaste, pela sua atitude ética sem concessões, pelo rigor e objetividade ainda que eventualmente se deixasse levar pela fantasia, pelo inesperado e contagiante sentido de humor, pela capacidade de fazer, de insistir, de pedir ou de exigir, pela força de vontade, pelo encorajamento, pela exigência, pela liberdade.

Por isso, neste dia de homenagem, associo-me ao Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo, mas junto um enorme agradecimento por tudo o que me levou a fazer e a ser. Obrigada, Dr.a Natália.

(escrito ao correr dos dedos no teclado, na viagem entre Évora e o Algarve)



Citar este post
Maria Isabel Roque (2023, 9 Março). Natália Correia Guedes, a mestra. a.muse.arte. Recuperado em 28 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/b559

2 comentários em “Natália Correia Guedes, a mestra”

  1. Excelente resumo da vossa vitoriosa relação profissional e de amizade pura.
    Também eu ao longo da minha carreira profissional tentei de todas as maneiras convencer o poder político local da importância de um museu em Monforte, em 1991 no âmbito do nosso curso de pós – graduação, elaborei a minha dissertação tendo como base nova museologia da época de 80-90 ; com uma componente Arqueológica (Torre de Palma) e etnográfica, aprovado com distinção pela Dr. ª Natália, A CMM mostrou interesse inicial, mas passado algum tempo foi para a gaveta do esquecimento….
    Posteriormente, no âmbito do Curso de Mestrado de Cultura e Formação Autárquica (FLUL) e no seminário de Museologia com outra excelente Museóloga a Dr: Raquel Henriques da Silva apresentei a proposta de um Museu Polinucleado que também por falta de visão estratégica política local, não passou do papel.
    Estes exemplos poderão significar (muita coisa que prefiro não acreditar pois seria muito mau eticamente para os meus dirigentes, sobre a minha dificuldade motora) mas significa infelizmente que quando não temos o apoio político a obra não ” avança”.
    Hoje com 60 anos deixei de ” remar contra a corrente”, sou sócio a nível individual do ICOM Portugal e acompanho e defendo a Museologia atual, cada vez mais comunitária . Desculpe-me este meu desabafo. Viva a Museologia Nacional e longa vida a uma das minhas Mestras a Dr. Natália Correia Guedes

    1. Apenas posso dizer que lastimo, por Monforte (e Torre de Palma) e por todos nós, que os teus projetos não tenham sido concretizados. Ficámos privados de uma ferramenta para entender e compreender o património local e conhecê-lo é criar a mais sólida das bases para a sua preservação.
      Maria Isabel Roque

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search