Trono de Sabedoria: interpretação museológica de um tema mariano

Exposição “Trono de Maria, lugar de sabedoria
Lisboa, Universidade Católica Portuguesa, Galeria Fundação Amélia de Mello (7 nov. – 21 mar. 2023)

A Universidade Católica Portuguesa (UCP) tem, desde 2018, uma galeria, onde tem vindo a apresentar exposições temporárias, estruturadas em três ciclos anuais: exposições temáticas; exposições individuais; e exposições de artistas emergentes ou que apresentem o resultado de projetos de investigação realizados por estudantes e docentes da universidade. A atual exposição1 é temática em torno da Virgem da Sapiência. “Santa Maria, Sede de Sabedoria” é, precisamente, a padroeira da instituição e titular da capela existente no campus.

Nossa Senhora da Sabedoria (Virgem da Sapiência)
Escola portuguesa, século XVI
Lisboa, UCP, capela de Santa Maria, Sede de Sabedoria

A galeria consiste numa sala única, retangular, tendo num dos topos, uma zona de projeção. Esta configuração determina a conceção do plano expositivo ao longo de três paredes, enquanto a dimensão da sala impõe um discurso sintético.

O discurso está estruturado em quatro pontos: o Trono de Salomão, enquanto protótipo formal da iconografia da Virgem da Sapiência, com quem estabelece uma relação de antítipo e tipo; a propedêutica de Maria para se assumir com mãe de Deus e, por conseguinte, Trono de Sabedoria; a iconografia da Virgem da Sapiência; e o conhecimento na contemporaneidade.

O elemento axial da exposição é o trono, uma escultura em carvalho envelhecido de autoria de João Reis, a única peça colocada a meio da sala, no eixo longitudinal entre a representação da Virgem da Sapiência e um filme sobre a condição da mulher nas sociedades patriarcais contemporâneas. São também estas, as linhas que sintetizam a exposição e o sentido do discurso. Por seu turno, a base onde, numa lógica museográfica, assenta o trono evoca simbolicamente o estrado obrigatório sob um assento de soberania e majestade.

Exposição “Trono de Maria, lugar de sabedoria”; em primeiro plano, ao centro, Trono, João Reis, 1994
Lisboa, UCP, Galeria Fundação Amélia de Mello

No contexto bíblico, a sabedoria é um atributo inato, absoluto e exclusivo de Deus, enquanto a sabedoria humana é adquirida e inevitavelmente parcial. A figura de Salomão sentado no trono, encimando a citação bíblica “Deus disse a Salomão: […] concedo-te a sabedoria e o conhecimento” (2 Cr 1, 12) alude à possibilidade concedida ao homem de participar da sabedoria divina. A representação de Salomão, aquele a quem foi transmitida a sabedoria, sentado no trono, configura o Menino, detentor da sabedoria divina, sentado ao colo da mãe que, desta forma, se torna Trono de Sabedoria.

Trono de Salomão e, à direita, ícone Sapientia, Sabedoria de Deus
Exposição “Trono de Maria, lugar de sabedoria”
Lisboa, UCP, Galeria Fundação Amélia de Mello

A referência ao trono de Salomão é completada com o ícone bizantino ‘Sophia’ sapiência de Deus.

Sophia: Sapiência de Deus
Oficina da Rússia central, século XVIII
Exposição “Trono de Maria, lugar de sabedoria”
Lisboa, UCP, Galeria Fundação Amélia de Mello

Partindo da composição convencional da Déesis com a representação do grupo trinitário composto por Cristo Pantocrator ladeado pela Virgem e por S. João Batista, a representação da sapiência divina traduz-se nas asas evocativas do Espírito Santo da Inteligência (Spiritus Intelligenciae).

Exposição “Trono de Maria, lugar de sabedoria”
Lisboa, UCP, Galeria Fundação Amélia de Mello

A propedêutica de Maria para mãe de Deus, ausente dos relatos canónicos, baseia-se nos apócrifos. O episódio da apresentação no Templo (Protoevangelho de Tiago 7-8; Evangelho de Pseudo-Mateus, 4) inspira a pintura de Mário Rita, em técnica mista sobre uma colcha de seda, que salienta os seus aspetos mais simbólicos: o vestidinho infantil; o pé enorme, a realçar da determinação da Menina que subiu as escadas do Templo sem hesitar e sem olhar para trás; a cabeça inclinada e destacada do corpo, mostrando o afastamento do quotidiano e a atitude meditativa em coerência com a sua consagração a Deus.

Apresentação no templo
Mário Rita, 2015
Exposição “Trono de Maria, lugar de sabedoria”
Lisboa, UCP, Galeria Fundação Amélia de Mello

Em contradição com esta representação e sem fundamento evangélico, o tema de Santa Ana como educadora, ensinando Maria a ler, corresponde ao florescimento do culto mariano a partir de finais do século XI, em simultâneo com a crescente humanização devocional. A escultura do século XVIII, em madeira policromada e com carnação, que ilustra o tema, apresenta ambas as figuras de pé, com Santana a apoiar carinhosamente a mão esquerda no ombro da filha, enquanto a outra lhe apresenta o livro, cuja leitura Maria segue com o dedo sobre o texto: “NATIVITA[S] MARIA GAVD[I]VM”, o que remete, de forma abreviada para a antífona do Magnificat Nativitas tua, Dei genitrix Virgo, gaudium annuntiavit universo mundo (A tua Natividade, ó Virgem Mãe de Deus, anunciou alegria ao mundo inteiro), cantada nas segundas vésperas da festa da Natividade da Virgem. Junto a esta imagem um QR code remete para a antífona cantada pela Schola da Hofburgkapelle de Viena de Áustria.

Santana ensinando a Virgem a ler (detalhe)
Autor desconhecido, séc. XVIII
Exposição “Trono de Maria, lugar de sabedoria”
Lisboa, UCP, Galeria Fundação Amélia de Mello

A pintura maneirista A Virgem a ler, do pintor eborense Pedro Nunes, retrata a Virgem sentada a ler as Escrituras. Formalmente, a cabeça é uma transcrição literal da figura da Virgem no retábulo de Gante, de Jan van Eyck, por seu turno, uma derivação da Anunciação, mas sentada num trono.

Na representação A Virgem a ler, evoca igualmente a Anunciação do anjo, mas, ao invés de se encontrar num espaço doméstico, está sentada sobre nuvens e enquadrada por uma glória luminosa que acentua o sentido espiritual.

Virgem (detalhe)
Retábulo de Gante, Jan van Eyck, 1430-1432

Completando as duas representações da Virgem com o livro, estão expostas duas bíblias, ambas abertas nas páginas onde são referidos os episódios da Anunciação e da Visita a Santa Isabel, altura em que enunciou o Magnificat.

Trono de sabedoria
Exposição “Trono de Maria, lugar de sabedoria”
Lisboa, UCP, Galeria Fundação Amélia de Mello

Na sequência destes episódios e da preparação para se tornar mãe de Deus, a Virgem do Ó é o primacial e o mais íntimo Trono de Sabedoria. A escultura em pedra de Ançã, segue os cânones iconográficos e o convencionalismo gótico da escola coimbrã: figura contracurvada em ‘S’ com o ventre saliente e arredondado sobre o qual repousa a mão esquerda espalmada, a confirmar o estado de gravidez, enquanto a direita está erguida num gesto de bênção.

A adoração dos Magos (Mt 2, 1-12) cumpre as antigas profecias bíblicas, segundo as quais o Messias seria adorado pelos reis da terra: “Todos os reis se prostrarão diante dele!” (Sl 72, 11).

Adoração dos Magos
Autor desconhecido, séc. XVIII
Exposição “Trono de Maria, lugar de sabedoria”
Lisboa, UCP, Galeria Fundação Amélia de Mello

Na pintura A Adoração dos Reis Magos, a oferta de presentes e as atitudes reverentes frente ao Menino sentado ao colo da Virgem, confirmam a sua suprema majestade. A Virgem, sentada sobre um estrado que a eleva, é o trono da entidade divina e, portanto, da sua sabedoria.

Exposição “Trono de Maria, lugar de sabedoria”
Lisboa, UCP, Galeria Fundação Amélia de Mello

A iconografia mariana do trono de sabedoria corresponde ao tema da Virgem em majestade, sentada no trono e com o Menino, igualmente hierático, sentado sobre os joelhos com o livro das escrituras na mão, numa atitude solene e rigorosamente frontal. O motivo basilar desta exposição foi a imagem da Virgem da Sapiência, colocada junto ao altar na capela da universidade e é para ela que converge o discurso museográfico. No entanto, esta é precisamente a imagem que não está exposta, por considerar que é a função de culto, a função-signo em termos semiológicos, que lhe confere o sentido. Por outro lado, expô-la em confronto com os restantes objetos requeria um aparato museográfico diferenciador. Foi, por isso, decidido substituir a escultura original pela sua representação em formato vídeo, realizado por Mariana Roque e que mostra a imagem, em varrimentos muito lentos que se detêm nos rostos e nas mãos das figuras, evidenciando as suas atitudes e a quase ausência de interação entre ambas, bem como o livro e o trono, atributos do tema.

Ao lado, a pintura Virgem ensinando o Menino a ler confirma a condição humana de Cristo, através do exercício de aprendizagem para aquisição do conhecimento, enquanto Maria assume o papel de sua percetora, repetindo o gesto de Santana e reproduzindo o padrão familiar da transmissão do conhecimento de geração em geração.

Pentecostes, in Livro de Compromisso do Divino Espírito Santo e Nossa Senhora dos Remédios (1606-1744)
Autor desconhecido
Exposição “Trono de Maria, lugar de sabedoria”
Lisboa, UCP, Galeria Fundação Amélia de Mello

Mesmo após a morte do Filho, Maria mantém a missão de mediadora do conhecimento divino. Na iluminura do Compromisso da Irmandade do Divino Espírito Santo (1606-1744), é a figura central, rodeada pelos apóstolos e discípulos. Sobre eles, a pomba do Espírito Santo, numa glória dourada entre nuvens de onde saem línguas de fogo, comunicando-lhes o dom das línguas (glossolalia) que abre caminho à evangelização e, portanto, à difusão do conhecimento, simbolizado pelos livros que se espalham na cena.

Exposição “Trono de Maria, lugar de sabedoria”
Lisboa, UCP, Galeria Fundação Amélia de Mello

A encerrar o discurso acerca do trono de sabedoria, a obra Sedes Sapientiae II, de Steve Edwards, propõe uma interpretação contemporânea do Pantocrator, sentado no trono, com o livro da Sagrada Escritura e a mão direita num gesto de bênção. Porém, nesta imagem, é a figura delineada da Virgem que se senta ao seu colo, identificada pelo lírio que lhe atravessa o colo e anuncia a conceção do Verbo.

Leituras
João Alfaro, 2003
Exposição “Trono de Maria, lugar de sabedoria”
Lisboa, UCP, Galeria Fundação Amélia de Mello

A introdução ao tema do conhecimento na contemporaneidade é feita pela pintura Leituras, de João Alfaro, onde duas raparigas a ler representam o ato de ler de forma introspetiva e o confronto de ideias dela decorrente.

Exposição “Trono de Maria, lugar de sabedoria”
Lisboa, UCP, Galeria Fundação Amélia de Mello

Estabelecendo a ligação ao contexto académico em que a exposição se insere, a biblioteca e a universidade são referidas enquanto espaços de aquisição do conhecimento. Os estudos para a obra Os livros, de Emília Nadal, evidenciam a ligação ao edifício da Biblioteca, em cuja fachada, vista do ponto onde estão expostos, está inserida a obra original. Por seu turno, a universidade é referida através do documento fundador, o Decreto de ereção da Faculdade de Filosofia (1967).

Women (fotograma)
Anastasia Mikova, Yann Arthus-Bertrand, 2019
Exposição “Trono de Maria, lugar de sabedoria”
Lisboa, UCP, Galeria Fundação Amélia de Mello

O discurso museológico termina com a projeção do filme Women, constituído por excertos de entrevistas a 2000 mulheres em 50 países diferentes, permitindo que o visitante o visualize a partir de qualquer ponto e conclua a visualização quando entender, sem perder a lógica da narrativa. Por outro lado, este filme é uma reflexão, já fora do domínio religioso, acerca do conhecimento como um instrumento crucial de empoderamento e superação da violência e da injustiça sofridas pela mulher.

A opção do fundo azul-escuro para as paredes e suportes museográficos justifica-se por ser uma cor simbolicamente associada à Virgem e por permitir um maior contraste com as peças, enquanto cria um ambiente intimista e uma linha de continuidade entre os objetos expostos.

Exposição “Trono de Maria, lugar de sabedoria”
Lisboa, UCP, Galeria Fundação Amélia de Mello

Dado o espaço da exposição, o fundo escuro e o reduzido número de peças expostas, foi decidido não colocar tabelas junto aos objetos, remetendo a informação para a folha de sala, distribuída gratuitamente a todos os visitantes e com o texto em português e inglês. Na folha de sala, apresenta-se a planta da exposição com a marcação numérica de cada uma das peças, cuja legenda se encontra abaixo. Inclui, ainda, um texto interpretativo que sintetiza a narrativa expositiva, com referência destacada a cada uma das peças.

Além disso, no início da exposição, é disponibilizado um QR code que dá acesso ao website da exposição. Esta opção permite o acesso às fichas interpretativas de cada objeto, com interligações entre as peças e a outros elementos informativos externos que possam completar a compreensão do tema.

Em cumprimento da estratégia de sustentabilidade assumida pela UCP, foi intencional a redução do equipamento museográfico, pelo que o desenho da exposição foi feito em função dos materiais existentes, reutilizando plintos e campânulas de acrílico.

É uma exposição de pequena dimensão, cuja narrativa se constrói através de 18 peças. Se o objetivo de apresentar o tema da Virgem da Sabedoria, nas suas vertentes teológica e iconográfica e de defender o conhecimento como instrumento para a construção de uma sociedade mais equilibrada e justa, foi ou não conseguido, isso cabe o outros decidir. Quem a concebeu e comissariou fica com o gosto de ter feito este trabalho.



Citar este post
Maria Isabel Roque (2023, 3 Março). Trono de Sabedoria: interpretação museológica de um tema mariano. a.muse.arte. Recuperado em 28 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/b558

  1. Não se é bom juiz em causa própria, diz o povo e tem razão. Porém, acerca desta exposição, não tenho de fazer o esforço da leitura e interpretação para tentar chegar ao sentido do discurso expositivo. Por outro lado, também conheço as condicionantes e as falhas provavelmente melhor do que qualquer visitante. A hesitação durou cerca de três meses após a abertura da exposição, até resolver escrever sobre ela, assumindo o risco de um olhar enviesado e subjetivo. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search