Jardim alfacinha na Praça do Império

Nota prévia: quem, como eu, apenas tem meia dúzia de vasos numa varanda, não percebe nada de jardinagem.

Posto isto, algumas impressões ignorantes no renovado jardim da Praça do Império:

um jardim inaugurado há uma semana (no dia 14 de fevereiro), já despido e com ervas;

as plantas que restam, escassas e murchas;

o tomilho que cresce omnipresente em quase todos os canteiros;

árvores jovens, cujo desenvolvimento se adivinha improvável na exiguidade dos canteiros (dois carvalhos no espaço de um canteiro!);

as divisórias entre canteiros, numa pedra anacrónica;

as tabelas, com a descrição ilustrada das árvores e das plantas em cada canteiro e a ligação à representação nos ornamentos de pedra do Mosteiro dos Jerónimos ou em iluminuras manuelinas (já sujas e num acrílico que se prevê efémero;

as sebes, em torno do jardim, aparadas, mas secas.

Restam alguns apontamentos que, pelo menos em aparência, resultam melhor.

É o caso das açucenas,

ou do loureiro

e, até mesmo das videiras.

Porém, tudo junto não basta para salvar o jardim.

A ideia teria sido interessante. A execução terá sido mal projetada.

Face a este jardim – e para lá da polémica gerada pelas alfaces que se tornou epítome da tentativa ridícula de ‘reconstruir’ a horta conventual do convento à frente da sua fachada principal – fica-nos a incómoda sensação de um novo-riquismo artificial, onde a noção histórica se perde em equívocos e o sentido estético se limita à presença de uns apontamentos ‘moderninhos’ nos passeios e nas divisórias em pedra aço.

Lembrando a horta do MET Cloisters, em Nova Iorque, que distância tão grande entre uma reconstituição consistente, ainda que de certa forma fantasiada, e uma reconstituição simplista, fantasista e pretensiosa.

Nova Iorque, MET Cloisters, 2014

Aquilo que tende a fixar-se no anedotário comum como o ‘jardim das alfaces’ é afinal um indício cegueira de quem governa seduzido pelo aparato bacoco das obras públicas. Na zona ribeirinha sucedem-se as intervenções medíocres ou megalómanas que consolidam uma Lisboa alfacinha.

Este desígnio é, afinal, já antigo: “Pois ficareis alfacinhas para sempre, cuidando que todas as praças d’este mundo são como a do Terreiro-do-Paço, todas as ruas como a rua Augusta, todos os cafés como o do Marrare” (Garrett, 1846, p. 61), escrevia Almeida Garrett que deixava, ainda, um conselho insultuoso, mas que talvez, no século XIX, se aplicasse a alguns: “Coroae-vos de alface, […] que não prestais para mais nada, meus queridos Lisboetas” (id., ibid.).

Referência:
Garrett, A. (1846). Viagens na minha terra (1ª ed., v. 1]. Lisboa: Typ. Gazeta dos Tribunais.



Citar este post
Maria Isabel Roque (2023, 22 Fevereiro). Jardim alfacinha na Praça do Império. a.muse.arte. Recuperado em 28 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/b557

2 comentários em “Jardim alfacinha na Praça do Império”

  1. Muito bem.
    Já agora. O blogue é muito bom e é com o maior prazer que usufruo do seu conteúdo. Este artigo em particular deu-me imenso gozo, (não deveria acontecer) perdoe a palavra, mas aqui cabe perfeitamente, Parolos.
    Melhores cumprimentos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search