Um jardim de brasões e alfaces

“O resultado ficou tão bonito”, disse Carlos Moedas (cit. in Filho, 2023, 15 fev.), presidente da Câmara de Lisboa, na (re)inauguração do jardim da Praça do Império (!) e a propósito dos 32 brasões que ‘ornamentam’ o passeio.
O projeto, assinado pela arquiteta paisagista Cristina Castel-Branco e desenvolvido pelo atelier ACB – Arquitetura Paisagista e foi assinado pela arquiteta paisagista Cristina Castel-Branco, foi selecionado através de um concurso de ideias por um júri independente em 2016.

Praça do Império
Lisboa
Foto: Filipe Amorim / Observador, 2013

A designação de Praça do Império aponta para o significado do lugar, entre o Mosteiro dos Jerónimos e o Padrão dos Descobrimentos, na proximidade da Torre de Belém. O lugar tem várias camadas de significação, mas todas gravitam em torno de um passado de descoberta, conquista, comércio, interculturação.

O uso daquele lugar como espaço de projecção de poder e de articulação de discursos míticos remonta aos tempos de D. Manuel, que, a par dos Jerónimos, fez construir, em 1515, num pequeno ilhéu basáltico do Tejo, a cerca de uns 180 metros da sua margem direita, o “Castelo de S. Vicente a par de Belém”, hoje somente conhecido por “Torre de Belém”. (Araújo, 2023, 13 fev.)

A história de Portugal inclui um tempo colonial que se manteve até há poucas décadas, servido por uma propaganda do regime que exaltava os louvores do império e a benevolência da metrópole empenhada em desenvolver os povos menos civilizados. A retórica era acompanhada por símbolos que a reforçavam.

A praça do Império fez parte do discurso político do Estado Novo, numa altura em que já era difícil manter a ficção desse império colonial. Foi projetada para servir como um átrio ou uma praça cívica à Exposição do Mundo Português, em 1940. Na mesma lógica lógica, os brasões das colónias ultramarinas, plantados  para as comemorações Henriquinas de 1961. eram os signos de uma narrativa baseada na coesão entre colonizador e colonizado, uma das pretensas bases de sustentação do regime.

Entretanto, o mundo mudou. Se os signos são validados pela relação com determinado contexto, então, os brasões das antigas colónias deixaram de fazer sentido.

Há quase uma década, fomos confrontados com o estado de degradação a que o jardim da Praça do Império chegara, com os brasões em topiária praticamente desfeitos (Roque, 2014). Temeroso da imagem da cidade num espaço de grande movimentação turística, o município decidiu retirar os brasões, entre protestos e aplausos.

Passados nove anos, o jardim está recuperado e os brasões foram perpetuados numa calçada de pedra. Se antes poderíamos advogar a manutenção dos canteiros com os brasões, atendendo ao facto de “a forma, a estrutura, o desenho, o conceito estético, a intencionalidade simbólica são documentos daquela época, da ideologia, das mentalidades, da cultura daquele Portugal em meados do século XX” (Roque, 2014), agora é difícil encontrar qualquer justificação para esta obra nova. Não se trata da preservação dos antigos brasões – esses, definitivamente desfeitos – mas de uma obra nova, passando do efémero vegetal para a solidez fixa da pedra.

O espanto e a indignação perante os brasões das antigas colónias na praça que homenageia o império não são um discurso woke, nem pretende erradicar as fontes documentais do passado. Não se trata de obliterar o passado, cujas memórias devem ser mantidas por serem parte da nossa história coletiva e identitária, assumidas de forma objetiva e analítica.

A exaltação perante a satisfação do calceteiro cabo-verdiano Agnelo por ter feito o brasão da ‘sua terra’ é enviesada e manipuladora, porque se orgulha por ter feito os brasões “apenas porque eternizam a arte dele num dos cartões postais da cidade” (Filho, 2023, 15 fev.).

Como Luis Raposo refere, num artigo de opinião no jornal Público, trata-se de uma “invenção do património pura e simples” (2023, 8 fev.), justificando:

São uma invenção de gosto e concretização material muito discutíveis, onde tudo cheira a falso, tanto as províncias continentais e insulares, que já não existem, como sobretudo as antigas colónias (pudicamente chamadas de “províncias ultramarinas”, tal como a ditadura fez no pós-guerra, por força das circunstâncias). (Raposo, 2023, 8 fev.)

Esta invenção prolonga-se à anedótica, no sentido de ridículo, plantação de alfaces sob o pretexto de que os frades do mosteiro que lhe fica em face as terão plantado para sua subsistência, o que nos faz respirar de alívio por não terem transformado o jardim num horto de couves, nabos e cebolas.

Praça do Império
Lisboa
Foto: Ana Sofia Serra | CML, 2023

Não basta ser “bonito”! Na verdade, não é ‘bonito’ porque não é possível separar a forma do seu conteúdo simbólico e ideológico. Quanto às reminiscências coloniais – que os responsáveis pela escolha e pela construção recusam –, quer queiram, quer não, elas estão aí, mais sólidas e perenes que nunca, adquirindo uma nova camada de significação, tornando-se o símbolo da superficialidade de quem decide e da (falta de) cultura da classe emergente que nos governa.

Se a marca que este tempo deixa na zona ribeirinha de Belém for a obra monumental “Heróis da pandemia” e um jardim de alfaces e brasões, estamos (des)governados, ou muito mal governados.

Tudo isto valia um texto de Eça de Queirós, insubstituível na descrição das tradições falsas de um politiquismo bacoco e bafiento.

Referências:
Araújo, A. (2023, 13 fev.). Um jardim à beira-mar: uma história da Praça do Império. Público. Disponível em: https://www.publico.pt/2023/02/13/culturaipsilon/ensaio/jardim-beiramar-historia-praca-imperio-2038626
Filho, A. (2023, 15 fev.). Praça do Império: Agnelo, o calceteiro cabo-verdiano que se orgulha de ter feito o brasão do seu país no chão do novo jardim. A mensagem. Disponível em: https://amensagem.pt/2023/02/15/polemica-brasoes-polemica-calcada-calceteiro-cabo-verdiano-belem/
Raposo, L. (2023, 8 fev.). Alfaces e brasões em pedra: um absurdo, uma indignidade. Público. Disponível em:  https://www.publico.pt/2023/02/08/culturaipsilon/opiniao/alfaces-brasoes-pedra-absurdo-indignidade-2038112



Citar este post
Maria Isabel Roque (2023, 17 Fevereiro). Um jardim de brasões e alfaces. a.muse.arte. Recuperado em 28 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/b556

Um comentário em “Um jardim de brasões e alfaces”

  1. Adorava aquele jardim e aquela praça. Espero que não ficar chocada quando o voltar a ver!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search