Uma torpe homenagem aos “heróis da pandemia”

Foi inaugurada, no dia 10 de fevereiro, a obra monumental “Heróis da pandemia”, fruto de uma iniciativa conjunta da Ordem dos Médicos e da Câmara Municipal de Lisboa. No Twitter, o presidente Carlos Moedas esclarece o sentido da obra: “Foram super-heróis durante a pandemia de Covid-19 e são-no tosos os dias na sua missão de salvar vidas. Hoje os médicos foram homenageados pelo ‘reconhecimento e a admiração que merecem’” (2023, 10 fev.). Por seu turno, no discurso inaugural, Miguel Guimarães, bastonário da Ordem dos Médicos justificou a necessidade de reconhecer e homenagear aqueles que tiveram “um papel notável, uma capacidade de liderança, de resiliência, de humanismo, solidariedade, de trabalho de equipa” (cit. in “Após Covid 19…”, 2023).

Imagem retirada da publicidade ao evento
Fonte: FB Ordem dos Médicos

Ponto assente e incontestado: os profissionais de saúde, todos eles e não só os médicos, foram heróis durante a pandemia e merecem a nossa homenagem. Mas, precisamente pela dimensão extraordinária do seu esforço e entrega, merecem uma homenagem digna, todos eles, incluindo os médicos.

Merecem uma homenagem digna, mas o conjunto escultórico em aço inoxidável, com cerca de 3,5 metros de largura por 1,5 metros de altura, representando as cabeças de um médico e uma médica envergando uma máscara é um imenso mamarracho que se torna insultuoso e desmerecedor das intenções que o determinaram.

O escultor Rogério Abreu afirma-se como autodidata, cuja atividade se iniciou pela olaria e pintura em cerâmica. Na página web, Rogério Abreu publicita algumas obras públicas de sua autoria em duas rotundas de Belmonte, no ano de 2005, e outras três em Torres Vedras, feitas entre 2009 e 2010. A arte pública que se tem vindo a disseminar pelas rotundas portuguesas nas últimas décadas tem algumas caraterísticas comuns, como “a sua grande dimensão e o tipo de tratamento estilístico que torna os temas fácil e rapidamente reconhecíveis” e que a torna “uma espécie de ‘arte instantânea’” (Braz, 2019, p. 8). Sem prejuízo de algumas exceções, esta instantaneidade articulada às exigências da agenda para a propaganda do poder local tem vindo a gerar obras de medíocre conceção e realização.

Foto: CML, 2023

O monumento aos “Heróis da pandemia” não foge a esta infausta normalização no espaço público rodoviário, apesar de se erguer numa das zonas mais nobres da cidade, frente à sobriedade do edifício histórico da Cordoaria Nacional, num espaço verde e de passeio junto ao Tejo. Os médicos e todos os heróis que combateram a pandemia mereciam melhor, mais respeito e dignidade numa tão merecida homenagem.

Quem decidiu? Quem autorizou? Que critérios presidiram à escolha?

A quem sacar responsabilidades? De forma mais imediata e redutora, ao escultor que a fez. Aparentemente, porém, o que o escultor cumpriu as orientações do encomendador, embora envolto numa fantasiada narrativa citada pelo Público: “A resposta certa [à questão sobre quanto tempo demorou a fazer a obra] será eventualmente desde que nasci até agora” justificando que “há todo um processo de trabalho que leva a chegar a este processo, quer ao nível emotivo, quer ao nível prático” (“Uma escultura…”, 2019). Considera, ainda, que “Se consegui ou não [que a obra seja poética], cada um vai julgar e vai ver de maneira diferente daquela com que a concebi”. Para lá da evidência semiológica de que toda a obra é aberta, o julgamento, neste caso, aparenta ser consensual: esta obra é literal e simplistana representação das cabeças dos médicos, apesar daquela sobreposição de lâminas metálicas interrompida por alguns vazios, e tão isenta de poesia, como o é de arte. Falta-lhe arrojo e criatividade, mas também plasticidade e proporcionalidade.

Será, portanto, o encomendador, o principal responsável, agindo ao arrepio da tradição de médicos conhecedores, colecionadores e, mesmo, artistas, que, a par do pensamento científico, desenvolveram um sentido crítico e estético.

E será também, do presidente do município que se associou à iniciativa e autorizou a implantação neste lugar.

Poder-se-á dizer que todos agiram com boa-intenção (daquelas de que o inferno está cheio) e que nem todos terão conhecimentos de arte e sensibilidade estética, nem a tal estarão obrigados no exercício das suas funções. Porém, isso não só não os isenta de procurar um corpo de consultores que acompanhem a escolha do artista e do projeto, antes os obriga a consultar quem sabe. Esta obra – tal como a maioria da recente arte pública – é reveladora da imperícia cultural de políticos e patrocinadores e dos seus atrevimentos na construção de uma era de mamarrachos.

A responsabilidade é, portanto, nossa, de todos os que ficamos calados enquanto assistimos à disseminação de arte medíocre, eventualmente decorativa ou nem isso, à banalização da paisagem, à descaraterização do património urbano. É nossa que os elegemos e permitimos os seus desmandos.

Referência:
“Após Covid-19, é inaugurada uma escultura em Belém de homenagem aos médicos”. (2023, 19 fev.). Diário de Notícias. Acedido em: https://www.dn.pt/sociedade/apos-covid-19-e-inaugurada-uma-escultura-em-belem-de-homenagem-aos-medicos-15817809.html
“Uma escultura com três metros de altura para homenagear os médicos, os heróis da pandemia”. (2023, 19 fev.). Público. Acedido em: https://www.publico.pt/2023/02/10/fotogaleria/escultura-tres-metros-altura-homenagear-medicos-herois-pandemia-409759
Braz, J. (2019). Drive-in art: Arte e identidade pelos caminhos de Portugal. Eikon: Journal on semiotics and culture, (5), 7-11. DOI: 10.25768/FAL.eikon-n05-a01

Foto de topo: LUSA / José Sena Goulão



Citar este post
Maria Isabel Roque (2023, 12 Fevereiro). Uma torpe homenagem aos “heróis da pandemia” a.muse.arte. Recuperado em 28 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/b554

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search