Água em tempos de seca: pretexto para duas exposições no Museu de Portimão

Exposição “Aquedutos de Portugal: Água e património”
Portimão, Museu de Portimão (28 jan. – 26 mar. 2023)

No Museu de Portimão, em consonância com o tema proposto para o Dia Internacional dos Museus 2023 “Museus, Sustentabilidade e Bem-Estar”, estão abertas duas exposições fotográficas que, complementando-se entre si, procuram sensibilizar para o combate às alterações climáticas e para o uso sustentável dos recursos.

Exposição “Aquedutos de Portugal: Água e património”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2023

A exposição ” Aquedutos de Portugal” apresenta fotografias de Pedro Inácio que, às qualidades como fotógrafo, junta as competências de investigador e de museólogo e a função de conservador responsável pelas exposições no Museu da Água e do Património Histórico da EPAL – Empresa Portuguesa das Águas Livres. A investigação no âmbito do património cultural da água permitiu-lhe fazer a história do sistema de abastecimento de água gravítico em Portugal, complementada, desde 2007, por um exaustivo levantamento fotográfico dos aquedutos portugueses. Destes estudos, resultaram as obras Aquedutos de Portugal: Arte e património (Inácio, 2011) e Património cultural da água: Roteiro de aquedutos (Inácio, 2021) e a exposição itinerante homónima que, desde 2011, tem percorrido mais de cinquenta lugares no país e no estrangeiro (Argélia, Espanha, Estados Unidos, França e Roménia) e é agora apresentada no Museu de Portimão1.

Exposição “Aquedutos de Portugal: Água e património”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2023

A exposição oferece diferentes linhas de leitura e interpretação: a integração entre o património monumental e paisagístico; o impacto positivo destes equipamentos hidráulicos para o desenvolvimento urbano, económico e social ao longo da História; o contributo destes monumentos para a valorização patrimonial e cultural do lugar; e, de forma subjacente, uma chamada de atenção para o consumo sustentável dos recursos hídricos.

Aqueduto de Coimbra
Pedro Inácio, 2011
Exposição “Aquedutos de Portugal: Água e património”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2023

O aqueduto de Conímbriga, construído no século I d.C., testemunha a projeção e difusão destes equipamentos no espaço alargado do Império Romano, mas a maioria destes equipamentos foram construídos entre os séculos XV e XIX. Entre estes, destacam-se os quatro aquedutos integrados em cidades ou zonas históricas inscritas na lista de Património Mundial reconhecido pela UNESCO: o aqueduto de Pegões, construído com o objetivo de abastecer o Convento de Cristo, em Tomar, inscrito em 1983; o aqueduto da Água da Prata no centro histórico da cidade de Évora, em 1986; o aqueduto da Amoreira para o abastecimento do sítio designado como “Cidade-Quartel Fronteiriça de Elvas e as suas Fortificações”, em 2012, sendo o único com quatro níveis e o maior número de arcos a nível mundial; e o aqueduto do Cerco inserido num complexo sistema hidráulico para abastecimento do Real Edifício de Mafra e sua envolvência, em 2019.

Visita comentada por Pedro Inácio
Exposição “Aquedutos de Portugal: Água e património”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2023

Há ainda outros que merecem ser mencionados, seguindo o guião proposto por Pedro Inácio: o aqueduto dos Arcos, em Santarém, cuja construção iniciou em 1497, o primeiro com estrutura em dupla arcaria; o aqueduto setecentista de Cabo Espichel que, estando desativado, se encontra em condições de funcionamento para demonstrar o transporte da água no século XVIII; os aquedutos da quinta do Marquês de Pombal, em Oeiras, um para fins agrícolas e outo para abastecimento do palácio, mas também de outros chafarizes que alimentavam a população local; o que servia o Palácio de Queluz e que alimentava também os jardins, com fontes e jogos de água, e o canal de recreio onde podia navegar uma pequena embarcação; o de de Serpa, com uso exclusivamente privado; o das Águas Livres, em Lisboa, com uma longa travessia sobre o vale de Alcântara, outrora uma ribeira encanada no século XX para a construção de uma via rápida, com o mais alto arco em pedra (c. 65 m) existente no mundo, e que, com as aduelas reforçadas em pedra lioz, resistiu ao terramoto de 1755 e é um dos mais emblemáticos desta mostra.

Exposição “Aquedutos de Portugal: Água e património”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2023

O equipamento museográfico é móvel e modelar, constituído por painéis inseridos numa moldura retangular vertical, deixando a parte inferior aberta o que lhe confere uma maior leveza, e que, justapostos em ângulo reto, se autossustentam.

Aqueduto de Santo Antão do Tojal
Pedro Inácio, 2007
Exposição “Aquedutos de Portugal: Água e património”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2023

A composição é uniforme em cada uma das faces dos painéis, com duas fotografias, emolduradas individualmente, sobrepostas e ladeadas pelas respetivas tabelas.

Tabela da fotografia do aqueduto de S. Sebastião, em Coimbra
Exposição “Aquedutos de Portugal: Água e património”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2023

Estas obedecem a um modelo híbrido, conjugando um elemento gráfico que assinala o lugar de cada aqueduto num esquematizado mapa de Portugal, às componentes textuais da ficha identificativa e interpretativa, com a informação necessária à compreensão do objeto exposto. A simplicidade e a coesão desta estrutura informativa contribuem para a eficácia do discurso, numa linguagem acessível e rigorosa, sustentada pela autoridade do autor.

Ao longo do percurso que se desenvolve de forma livre, sem uma ordenação obrigatoriamente sequencial, é comprovada a abastança da água no passado, mas é também, nas palavras de Pedro Inácio durante a visita comentada na inauguração da exposição “um alerta social e coletivo que passa por ser, também, uma mudança de paradigma no uso da água”.

Exposição “Planeta em Fúria”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2023

No Museu de Portimão, continua aberta a exposição “Planeta em Fúria” (11 dez. 2022 – 19 fev. 2023), que, de alguma forma, se interliga a esta, numa perspetiva que continua e complementa o seu discurso.

Com fotografias de Bruno Gonçalves, engenheiro do ambiente, a exposição “Planeta em Fúria” denuncia o impacto das alterações climáticas através de imagens da seca que continua a assolar o Barlavento algarvio de forma muito severa – de tempestades e da erupção do vulcão Cumbre Vieja2.

Exposição “Planeta em Fúria”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2023

Nestas imagens, intercaladas por ampliações que lhes sublinham o sentido, há uma tensão latente entre a beleza imanente a cada fotografia e a tragédia que representam.

Barragem da Bravura
Exposição “Planeta em Fúria”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2023

O chão gretado no leito seco da barragem da Bravura mostra a ferida aberta pela seca neste ecossistema.

Erupção do vulcão Cumbre Vieja
Exposição “Planeta em Fúria”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2023

As cinzas vomitadas pelo vulcão Cumbre Vieja desvendam um cenário de morte cada vez mais ameaçador e verosímil.

Tempestades e tornados
Exposição “Planeta em Fúria”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2023

Por seu turno, as tempestades e tornados conduzem a outras visões escatológicas, onde as Fúrias ganham o sentido mitológico de personificação da vingança (do planeta) punindo os mortais pela sua soberba e desrespeito pelo planeta.



Sinais dos tempos: fotografia da barragem da Bravura e legenda com o texto “O leito seco e restos de conchas, que assinalam a vida existente até há pouco neste local, e que agora, secou…”
Bruno Gonçalves, 2022
Exposição “Planeta em Fúria”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2023

Os textos que acompanham as legendas identificativas da obra desvendam o olhar introspetivo do fotógrafo, a sua sensibilidade perante aquilo que testemunhou e fixou com a câmara. A sua perspetiva torna-se, também um alerta face às fúrias que assolam este planeta.

As políticas estratégicas que envolvem o consumo da água são definidas pelos poderes central e local. Aos municípios, cabe a implementação dos planos e programas associados à gestão dos recursos hídricos e adequá-los às circunstâncias particulares do território. Estando estas exposições num museu municipal, presume-se que evidenciem o compromisso do município com o uso sustentável dos recursos hídricos e, nomeadamente, à utilização responsável dos lençóis freáticos. Talvez não seja assim e, se não for, que estas exposições contribuam para despertar consciências.

Referências:
Inácio, P. (2011). Aquedutos de Portugal: Arte e património. Lisboa: EPAL – Empresa Pública de Águas Livres. Disponível em https://issuu.com/adp104/docs/livro_aquedutos_epal.pdf/1
Inácio, P. (2021). Património cultural da água: Roteiro de aquedutos = Heritage of water: Itenerary of aqueducts. Mafra: Câmara Municipal.



Citar este post
Maria Isabel Roque (2023, 4 Fevereiro). Água em tempos de seca: pretexto para duas exposições no Museu de Portimão. a.muse.arte. Recuperado em 28 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/b553

  1. Na continuidade desta itinerância, depois de Portimão, a exposição será montada no Museu do Traje de São Brás de Alportel. []
  2. Bruno Gonçalves fotografou o vulcão Cumbre Vieja, em La Palma, entre 23 e 26 de outubro de 2021, obtendo cerca de 19 mil fotografias, tiradas em sequências timelapse. Destas fotografias, resultou o video “Cumbre Vieja: The Fire From Within” que venceu a categoria “Natureza e Paisagem”, no Los Angeles Timelapse Film Festival 2023, e os prémios “Melhor Filme Timelapse”, no Barcelona Planet Film Festival 2022, “Melhor Documentário Curto” no Festival Solidário Todos Con La Palma, em 2021. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search