João Ayres, o ‘perturbador artístico de Moçambique’

Exposição “Nanquim preto sobre fundo branco”
Lisboa, Galeria Zé dos Bois (6 out. 2022 – 7 jan. 2023)

[…] the desire to bring together in thought what have hitherto appeared to be separate, coherent and homogenous entities and to redistribute what seemed preordained is what bestows upon temporary exhibitions a theoretical value and what makes them ‘exhibitions’. (Poinsot, 1996, p. 27)

Uma exposição temporária pode reordenar objetos em conjuntos inéditos, propiciando a sua releitura, outras modalidades de observação e de análise; mas pode, também, recuperar espólios esquecidos ou desconhecidos. Estes méritos são amplamente cumpridos na exposição “Nanquim preto sobre fundo branco”, com curadoria na Natcho Chega, na Galeria Zé dos Bois (ZDB), com os trabalhos do pintor João Ayres (1921-2001) realizados entre 1948 e 1958. A exposição “Nanquim preto sobre fundo branco”. De forma implícita, a exposição estrutura-se em três núcleos, a que correspondem diferentes expressões estéticas registadas ao longo da primeira década de João Ayres em Moçambique.

Exposição “Nanquim preto sobre fundo branco”
Lisboa, Galeria Zé dos Bois
Foto: MIR, 2022

João Ayres, filho do também pintor Frederico Ayres (1887-1963), chegou a Lourenço Marques, atual Maputo, em 1946, por insistência do pai, que aí chegara alguns anos antes, mas também porque alguém o denunciara como distribuidor clandestino do jornal Avante, órgão central do Partido Comunista Português (Belanciano, 2022, s/p.). Logo no ano seguinte e juntamente com o pai, expôs pela primeira vez em território moçambicano1. Entre os doze trabalhos apresentados, estava a pintura Cais Gorjão (1948) – agora exposta na ZDB – a qual considerou ser a “base mental” (João Ayres, cit. in Costa, 2022, p. 6) para os que se seguiram, mas cuja existência é pouco conhecida e estudada.

Em 1949, realizou a primeira exposição individual, organizada pelo Núcleo de Arte2, de que era sócio desde 1947, onde apresentou trinta trabalhos de grande formato – alguns destes também se encontram expostos na ZDB. A exposição demonstrava uma intencionalidade didática com “frases explicativas de algumas das bases em que assentava o pensamento moderno” (Costa, 2022, p. 9).

Exposição “Nanquim preto sobre fundo branco”: Oração (1949)
Lisboa, Galeria Zé dos Bois
Foto: MIR, 2022

O primeiro núcleo da exposição “Nanquim preto sobre fundo branco” mostra esta fase de expressão neorrealista, centrada na condição social das camadas proletárias, na vida dos trabalhadores na doca de Maputo  e nas expressões mais vernáculas do povo moçambicano, correspondendo ao impulso de uma nova consciência social surgida no pós-Guerra. A expressão estética torna-se uma manifestação da intervenção cívica, em mensagens simples (não simplistas) e diretas, de fácil apreensão. O retrato das condições de trabalho, miséria e indignidade é feito em tons sombrios demarcados por traços fortes, a negro.

Exposição “Nanquim preto sobre fundo branco”: à esquerda, Cais do Gorjão (1948) e, à direita, Guincho (1947)
Lisboa, Galeria Zé dos Bois
Foto: MIR, 2022

Destaca-se o conjunto de obras sobre o Cais Gorjão – Sem título (vista do Cais do Gorjão), Cais do Gorjão e Guincho – pintadas entre 1947 e 1948 e que retratam a vida no porto de Lourenço Marques, onde atracavam os navios de passageiros e carga com ligação direta às linhas de caminho de ferro. A força destas pinturas justifica a relevância de João Ayres no panorama da pintura neorrealista e o seu papel precursor na representação crítica da realidade moçambicana e colonial na perspetiva do colonizado.

Em 1955, João Ayres viajou para o Brasil, a pretexto de uma exposição sua no Museu de Arte Moderna3, em agosto e, no Salão de Exposições do Ministério da Educação e Cultura, no Rio de Janeiro, em setembro.

Exposição “Nanquim preto sobre fundo branco”: desenhos a tinta da China sobre papel
Lisboa, Galeria Zé dos Bois
Foto: MIR, 2022

O contacto com as tendências da arte brasileira terá propiciado uma linguagem estética em que se registam ecos do concretismo4, a que correspondem desenhos a tinta-da-china sobre papel, feitos entre 1956 e 1957, e que constituem o segundo núcleo da exposição na ZDB. Porém, a ausência de figuração não impede a ocorrência de elementos naturalistas, ainda que fortemente estilizados, nem obriga a uma restrita geometrização dos traços e das formas.

Exposição “Nanquim preto sobre fundo branco”: à esquerda, Colóquio (1954) 
Lisboa, Galeria Zé dos Bois
Foto: MIR, 2022

O último núcleo da exposição mostra uma nova expressão estética, marcada por composições mais fluídas, um desenho mais expressivo e um cromatismo mais vibrante do que se observa nos trabalhos anteriores. As telas realizadas em 1954 e apresentadas nas exposições do Brasil – Homem sentado e Colóquio – atestam a influência cubista de Picasso, enquanto, nas obras datadas de 1956 a 1959, são dominadas por padrões inspirados na cultura local, das escarificações representadas das esculturas maconde, do nordeste de Moçambique e sudeste da Tanzânia às máscaras de parede do sul de Moçambique.

 

Exposição “Nanquim preto sobre fundo branco”: obras sem título, datadas entre 1956 e 1958
Lisboa, Galeria Zé dos Bois
Foto: MIR, 2022
Exposição “Nanquim preto sobre fundo branco”: arte maconde
Lisboa, Galeria Zé dos Bois
Foto: Bruno Lopes | ZDB, 2022

Estas referências são sublinhadas pela presença do conjunto de esculturas maconde, maioritariamente pequenos bustos, de finais da década de 1940, e das máscaras, da década de 1950, provenientes da coleção iniciada por Frederico Ayres e continuada pelo filho, constituindo um processo de contextualização museográfica do ambiente doméstico e, também, do processo criativo do pintor.

O título dado à exposição, retirado do conjunto de obras reunido no segundo núcleo, peca por redutor, exceto se for entendido numa dimensão metafórica: os traços da cultura negra sobre o fundo da cultura branca de João Ayres. Foi através desta dualidade que se cumpriu o seu destino artístico, sem conseguir (ou, mais provavelmente, sem querer) ultrapassar um certo grau de indefinição identitária:

Considerado por uns como um grande pintor moçambicano, como alguém a quem não se podia chamar moçambicano nem pelo nascimento, nem pela educação, nem pela temática, percebido por outros como desconhecendo a terra onde vivia e revelando-se um artista europeu. (Costa, 2022, p. 3)

Esta constatação poderá justificar a escassez de estudos sobre a sua obra, para lá das análises de Alda Costa (2013, 2022) e dos levantamentos que têm vindo a ser realizados por Diogo Camilo Alves, neto do pintor. Por isso, com a mesma intenção de contextualizar a obra exposta, Alda Costa foi convidada para uma conversa sobre a época em que o artista viveu em Moçambique, no âmbito da programação paralela à exposição, a qual inclui, também, uma conversa com a cineasta e antropóloga Catarina Alves Costa, para uma conversa sobre a arte maconde, e projeções do filme João Ayres, Pintor Independente (2022), do realizador Diogo Varela Silva.

Exposição “Nanquim preto sobre fundo branco”
Lisboa, Galeria Zé dos Bois
Foto: MIR, 2022

Cumpre-se, desta forma, o objetivo de repor o nome de João Ayres na historiografia da arte do século XX e de reafirmar o seu papel na cronologia da arte moçambicana. Mesmo que a sua obra apenas insinue a inspiração vernácula sobre o seu fundo cultural de origem, João Ayres foi “o grande perturbador artístico de Moçambique”, conforme se lê na epígrafe da folha de sala, citando um texto de Pancho Guedes (Amâncio de Alpoim de Miranda Guedes, 1925-2015), publicado em A tribuna (1963, 5 maio):

[…] foi ele o primeiro que aqui vigorosamente anunciou e demonstrou as visões do nosso tempo; foi ele quem durante anos influenciou e guiou quase todos aqueles que então aqui pintaram e foi ele quem inventou umas dúzias de quadros […] que deviam estar na Câmara, nos Liceus, nas Escolas para serem vistos todos os dias por toda a gente porque são um pouco de todos nós, porque são um bocado bom de Moçambique […]5

Exposição “Nanquim preto sobre fundo branco”: O Muro (1951)
Lisboa, Galeria Zé dos Bois
Foto: MIR, 2022

Ainda segundo a folha de sala, a exposição confirma o papel de João Ayres como “precursor do Modernismo em Moçambique” e contribui para que seja “o pintor esquecido que agora renasce”. Espera-se que esta evocação tenha continuidade e contribua para estimular a investigação em torno de temas e personalidades que a historiografia da arte tem vindo a menosprezar.

Referências:
Belanciano, V. (2022, 7 out.). João Ayres: o pintor esquecido que agora renasce. Público. Acedido em https://www.publico.pt/2022/10/07/culturaipsilon/noticia/joao-ayres-pintor-esquecido-renasce-2022827
Costa, A. (2013). Arte em Moçambique: Entre a construção da nação e o mundo sem fronteiras. Lisboa: Verbo.
Costa, A. (2022). João Ayres em contexto: Os anos em Moçambique. Acedido em https://drive.google.com/file/d/1oerLlnLjxEumamgj9QM_Kj5qh9uV_n6s/view
Poinsot, J.-M. (1996). Large exhibitions: A sketch of a typology. In R. Greenberg, B. W. Ferguson & S. Nairne (Eds.), Thinking about exhibitions (pp. 27-47). London: New York: Routledge.



Citar este post
Maria Isabel Roque (2022, 30 Novembro). João Ayres, o ‘perturbador artístico de Moçambique’ a.muse.arte. Recuperado em 28 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/b552

  1. Em Portugal, João Ayres tinha integrado a primeira exposição dos Independentes, na Escola Superior de Belas Artes do Porto, em 1943, e a exposição Anual da Sociedade Nacional de Belas Artes, em Lisboa, em 1944. []
  2. O Núcleo de Arte, fundado em 1936 com o objetivo de promover o ensino artístico e a divulgação das artes plásticas e performativas, tornou-se, na década de 1950, um espaço aberto às novas abordagens estéticas, do abstracionismo ao neorrealismo, e onde pontuavam nomes como António Bronze, Bertina Lopes, Eugénio Lemos, Ângelo de Sousa e o próprio João Ayres. Frederico Ayres assumira, em 1942, o cargo de Presidente da Direção do Núcleo de Arte, a que se seguiu uma fase de revitalização com a oferta de novos cursos e a organização de exposições e debates. []
  3. Alda Costa (2022, p. 13) situa esta exposição no Museu de Arte Moderna, em São Paulo, enquanto, na folha de sala da ZDB, é referida no Museu de Arte de S. Paulo. []
  4. O concretismo ou arte concreta, variante da pintura abstrata, com um acentuado caráter geométrico e estrutural, desenvolveu-se a partir do Manifesto de arte concreto redigido por Theo van Doesburg em 1930. No Brasil, manifestou-se, em mostra pública, pela primeira vez, na Exposição Nacional de Arte Concreta, em São Paulo, em dezembro de 1956, e no Rio de Janeiro, em dezembro de 1957, enquanto na Europa, após a 2.ª Guerra Mundial, surgia o neoconcretismo, baseado em esquemas compositivos lineares e campos cromáticos ordenados e racionais que denunciava, igualmente, a influência suprematista. []
  5. Por não tido acesso ao texto original em A Tribuna, segue-se a citação feita no texto de Alda Costa (2022, p. 16), por ser mais completa do que aquela que se encontra na folha de sala. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search