Entrada no templo

O nascimento de Maria foi um acontecimento extraordinário. Joaquim e Ana, já de idade avançada, estavam já conformados com a impossibilidade de ter filhos, quando receberam uma mensagem divina anunciando-lhes o nascimento de Maria. Em agradecimento por esta graça sobrenatural, decidiram entregá-la no templo de Jerusalém logo que dispensasse os cuidados maternos, a fim de a consagrar a Deus.

A festa da Apresentação da Virgem no templo não se fundamenta no texto bíblico, mas no relato apócrifo do Protoevangelho de Tiago (Pr-Tg), retomado na versão posterior do Pseudo-evangelho de Mateus (Ps-Mt)1 :

E quando os três primeiros anos tinham passado e o tempo do aleitamento estava completo trouxeram a virgem ao templo do Senhor com ofertas. Havia à roda do templo, de acordo comos Salmos, quinze degraus a subir; isto porque, tendo o templo sido construído numa elevação, ao altar das oferendas, que ficava no exterior, não se podia aceder exceto por estes degraus. Num destes, então, os seus pais pousaram a rapariguinha, a santa virgem Maria. E quando trocavam as roupas que tinham trazido na viagem, como era habitual, por outras lavadas e melhores, a virgem do senhor subiu todos os degraus, um após o outro, sem qualquer ajuda, de tal modo que, pelo menos deste ponto de vista, dir-se-ia que já era crescida. (Ps-Mt 6)

Entrada no templo
Mário Rita, 2015
Coleção do artista

Mário Rita sintetizou este episódio na obra Entrada no templo, ou Apresentação da Virgem no templo2. A entrada no templo centra-se n a forma deliberada como, sozinha e pelo seu próprio pé, descalço e magnificado, sobe os degraus que a conduzem ao altar dos holocaustos à entrada do templo. A entrega corresponde ao abondono precoce da infância materializada no vestidinho infantil já incorpóreo, mas cujo peitilho sugere essa escadaria no topo de um caminho ascendente, a branco. Por seu turno, a expressão refletida da cabeça reclinada sobre o peito, separada da sua corporalidade, ou da materialidade do espaço exterior ao templo, é a marca da entrada no templo e da sua consagração, numa atitude excecional de maturidade e entrega à missão a que foi destinada.

  1. O Protoevangelho de Tiago, datado da 2.ª metade do século II, relata a natividade milagrosa e a infância da Virgem e o nascimento de Cristo. O Pseudo-evangelho de Mateus, mais tardio, datado do primeiro quartel do século VII, e muito semelhante ao texto de Tiago, é também conhecido como o Evangelho da Natividade de Maria, a partir do qual, ao longo da Idade Média, se desenvolveu o culto e a iconografia da Virgem (Roque, 2017, p. 105). []
  2. Esta obra encontra-se atualmente na exposição “Trono de Maria, lugar de Sabedoria”, na Galeria Fundação Amélia de Mello, no campus da Universidade Católica Portuguesa, em Lisboa. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search