Um gabinete de curiosidades e muitas outras perplexidades

O “Gabinete de Curiosidades: Uma interpretação” do Museu de Ciência da Universidade de Coimbra foi recentemente inaugurado (18 de maio de 2022) na Sala Carlos Ribeiro do Colégio de Jesus, cumprindo um desígnio traçado por Paulo Trincão quando assumiu a direção do museu.

Gabinete de Curiosidades
Coimbra, Museu de Ciência da UC
Foto: MIR, 2022

Com uma equipa reforçada, coordenada por Paulo Trincão que também assina o projeto, o patrocínio da Fundação La Caixa que contribuiu com 250 mil euros, um trabalho executado ao longo de três anos sob a supervisão histórica de João Brigola, reputado especialista no domínio dos Gabinetes de Curiosidades e de História Natural, as colaborações especiais de Alberto Peña na seleção das peças juntamente com Ana Cristina Rufino, do designer de exposições David Pérez, responsável pelo conceito expositivo e da artista plástica Ana Yedros que definiu a componente visual e a distribuição dos objetos, esta exposição teve as condições necessárias para se concretizar com padrões de excelência.


Visita do Arquiduque Albert e Isabella a um gabinete de colecionador
Jan Brueghel o Velho e Hieronymus Francken II, c. 1621-1623
Baltimore, The Walters Art Museum

O Gabinete de Curiosidade, ou de Maravilhas, foi um tipo de colecionismo muito comum entre os séculos XVI e XVII (Impey, & MacGregor, 2001), formalizando-se como um lugar de maravilhamento, caótico e amontoado, onde os objetos eram escolhidos em função do gosto do colecionador, com um forte pendor pela diversidade, pela singularidade ou raridade e pelo exótico.

Assembled during a time of increased trade and travel, cabinets displayed such diverse objects as alligators’ skins, chameleons, insects set in amber, corals, shells, medals, intaglios, South American feather work, and wampum belts; representations of mythical creatures (the unicorn, the basilisk) also found a home in these collections. (Zytaruk, 2011, p. 2)

Correspondendo a uma ancestral “aspiração à síntese (perseguida desde a Antiguidade), entre Arte e Natureza” (Brigola, 2003, p. 70), estes espaços configuravam-se como theatrum mundi onde conviviam as criações feitas pelo homem (artificialia) e as do mundo natural (naturalia). “A cultura da curiosidade neles revia as anomalias da Natureza, explorando um efeito visual que exaltava o prodígio da Criação” (Brigola, 2003, p. 70).

Porém, este tipo de colecionismo evoluiu no sentido de uma maior organização, enquanto o mundo académico encarava os Gabinetes de Curiosidades com grande precaução e desconfiança, considerando que estavam viciados por falsificações e interpretações erradas (Schupbach, 2001, p. 241). Ainda que os primeiros Gabinetes de História Natural se pautassem por uma organização rudimentar e até confusa, mantivessem o gosto pela raridade e quase todos incluíssem monstros (George, 2001, p. 252) – a ‘ova monstrosa’ no Musaeum Kircherianum (Kircher, & Sepi, 1678), de Athanasius Kircher; o ‘ovum magicum’, registado no Museum Wormianum (Worm, 1665), de Ole Worm; o bezerro de cinco pés no Museo Cospiano (Legati, 1677), de Ferdinando Cospi – regista-se, em todos estes gabinetes, um novo sentido de ordem.

A tendência para a sistematização enciclopédica do conhecimento, consolida-se no século XVIII, o “Século das Luzes”.

Vincent, L. (1719). Elenchus tabularum, pinacothecarum, atque nonnullorum cimeliorum, in gazophylacio Levini Vincent. Harlemi Batavorum: Sumptibus auctoris.

Uma gravura inserida na obra Elenchus tabularum, de Levinus Vincent (1719), ilustra um exemplo pioneiro da organização dos gabinetes entre finais do século XVII e inícios do XVIII: “Collectors were focused more on the overall composition of their collection as a totality, paying particular attention to the proportional and aesthetic harmony between the individual objects” (Roemer, 2014, s.p.). Levinus Vincent colecionava naturalia (conchas, insetos, corais, pássaros, lagartos e pequenos mamíferos) e artificialia (etnografia, pinturas e desenhos de flores), procurando apresentá-las de forma instrutiva e estética, num arranjo que designou como “Wondertooneel der Nature [Teatro das Maravilhas da Natureza]”.

Ao longo do século XVIII, os Gabinetes de História Natural foram fortemente influenciados pela nomenclatura binomial de Carl von Linné (Lineu), na obra Systema Naturae (Linné, 1735), onde apresentava um sistema de classificação e nomeação formal dos organismos de acordo com o seu género e espécie. Dado que cada espécie era classificada dentro de um género, este sistema era também implicitamente hierárquico. As alterações epistemológicas no estudo da natureza decorrentes desta taxonomia tiveram repercussões na configuração da exposição e na construção do discurso expositivo “nomeadamente ao nível da sistematização das colecções e nos modos de apresentação (exibir exaustivamente os objectos da normalidade, racionalmente expostos, por oposição às raridades extravagantes da cultura da curiosidade” (Brigola, 2003, p. 97). O caos inspirador, a atmosfera de maravilhamento, o sortilégio do exótico que caraterizava os gabinetes de curiosidades, tudo isso é, no contexto Setecentista do Iluminismo, substituído pela organização racional do conhecimento.

A reforma pombalina do ensino na Universidade de Coimbra servindo as intenções políticas de uma monarquia absolutista assente no despotismo esclarecido e no ideário iluminista, implicou a alteração dos métodos de ensino, passando a integrar uma forte componente prática e o contacto e manuseamento de espécimes e objetos. Os estatutos da Universidade previam a criação de novos equipamentos adequados ao ensino prático; no que respeitava aos estabelecimentos da Faculdade de Filosofia, determinava a criação de um Gabinete de História Natural:

Sendo manifesto, que nenhuma cousa póde contribuir mais para o adiantamento da Historia Natural, do que a vista contínua dos objectos, que ella comprehende; a qual produz idéas cheias de mais força, e verdade, do que todas as Descripções, as mais exactas, e as figuras mais perfeitas; He necessário para fixar dignamente o Estatuto da Natureza no centro da Universidade, que se faça huma Collecção dos Productos, que pertencem aos três Reinos da mesma Natureza. (Universidade de Coimbra, 1772, p. 264)

Os estatutos determinam, ainda, que:

Para recolher os Produtos Naturaes, […], haverá uma Sala com a capacidade, que requer um Museu, ou Gabinete digno da mesma Universidade. E estará dividida em três Repartimentos, cada hum delles destinado aos Productos de hum dos Reinos da Natureza; procurando-se quanto for possível, que os mesmos Productos se ordenem methodicamente pelas suas Classes, géneros e espécies. (Id., p. 265)

Domenico Vandelli, naturalista italiano e discípulo de Lineu com quem manteve prolongada correspondência, foi nomeado lente de Química e História Natural e, nessa qualidade, foi incumbido da instalação e direção do Gabinete de História Natural e do Jardim Botânico, à semelhança do que havia construído na Ajuda, em Lisboa (Felismino, 2014). Para dar início ao Gabinete de História Natural, Vandelli propôs a transferência das coleções recolhidas na Ajuda e a aquisição da sua coleção privada que se mantinha em Pádua. Esta havia sido coligida “durante os sete anos (1757-1763) em que empreendeu viagens filosóficas às regiões do centro e norte e aos mares de Itália e acumulou produções europeias e africanas coletadas por amigos” (Brigola, 2008, p. 44). No museo padovano, efetivamente vendido à Universidade de Coimbra em 1772 e do qual existe um circunstanciado catálogo (Id., ibid.), a coleção estava instalada em 28 armários com espécimes de história natural, sendo previsível que estivessem organizados segundo a classificação de Lineu; apenas um armário continha objetos arqueológicos ou etnográficos, como um resquício das coleções existentes nos gabinetes de Curiosidades.

Gabinete de Curiosidades
Coimbra, Museu de Ciência da UC
Foto: MIR, 2022

Neste enquadramento, a (re?)criação de um Gabinete de Curiosidades na Universidade de Coimbra parece ser anacrónica. A cronologia dos gabinetes de curiosidades não coincide com a história da universidade após a expulsão dos jesuítas e – também por isso! – não há notícia de aqui ter havido coleções deste tipo. A documentação e as coleções que chegaram aos nossos dias apontam para gabinetes científicos metódica e sistematicamente organizados, como, aliás, os próprios estatutos determinavam. E é, seguramente, anacrónica ao construir-se através de cerca de 4.000 objetos maioritariamente dos séculos XVIII e XIX.

São os paradoxos1 do legado de uma instituição com mais de setecentos anos de história que retoma em pleno século XXI um conceito há muito abandonado: mostrar peças raras, exóticas, chocantes ou simplesmente bizarras, com critérios mais estéticos do que científicos, tal como se fazia na era pré-museológica, tirando partido de um espólio riquíssimo, variado e, para muitos, desconhecido. (Um gabinete de curiosidades em Coimbra, 2022, s.p.)

À Notícias UC, Paulo Trincão afirma que:

[…] o que nós pretendemos fazer nesta sala hoje inaugurada não é recriar historicamente nenhum gabinete que tenha realmente existido. Queremos sim fazer uma recriação do sentir. Proporcionar, sob o olhar do século XXI, vivenciar o ambiente quase mágico que presidiu aos gabinetes do século XVII e XVIII, sendo que, atualmente, no Mundo, são muito raros” (cit. in Costa, Paniza, & Santos, 2022, s.p.).

Gabinete de Curiosidades
Coimbra, Museu de Ciência da UC
Foto: MIR, 2022

Nesta “recriação do sentir”, pressente-se um equívoco acerca da ação museológica, da utilização dos musealia como documentos de um fenómeno e não como mera ‘coisa’ a ilustrar uma ideia sem rigor histórico. Escudada na expressão “uma interpretação” que, no título, restringe o sentido da exposição, esta é uma versão pessoal e subjetiva (e, portanto, com a possibilidade de estar errada) de um gabinete de curiosidades.

Aglomerados nos armários-vitrine que cobrem as paredes em dois níveis ou suspensos do teto, a função dos objetos reduz-se ao estímulo visual e à criação de um efeito estético.

Ainda segundo Paulo Trincão:

A apresentação das peças está organizada apelando à descoberta. Não há etiquetas, não há legendas, não há sequer um percurso lógico. […] O único guia nesta exposição é a iluminação escolhida, que acaba por guiar o visitante pelas cinco camadas de informação que existem, através de uma sequência de iluminação. (Id. ibid.)

Gabinete de Curiosidades
Coimbra, Museu de Ciência da UC
Foto: MIR, 2022

Aparentemente, a sequência das luzes, num total de 6.000 LED, conduziria a visita ao longo de 20 minutos, destacando objetos e definindo um percurso. No entanto, esta utilização da iluminação não é percetível, parecendo ser um elemento estático que inunda de luz, em tonalidades vibrantes, o interior dos armários no primeiro nível – o único acessível ao visitante – enquanto os do segundo permanecem numa mais adequada penumbra. Fica a dúvida se a iluminação respeita a temperatura da cor dos objetos terão sido acautelados os níveis de fluxo luminoso (lúmen) suportados pelos diferentes materiais. De resto, ao contemplar todos estes espécimes acumulados, cresce a desconfiança em relação às condições de conservação em que se encontram.A dispersão temática própria dos gabinetes temáticos cruza-se com a aglomeração expositiva e a falta de informação que caraterizaram a museologia oitocentista. O aparato cénico com a proclamada intenção de provocar emoções, equilibrado na relação entre público e objeto, continua a ser uma estratégia museográfica adequada. O que se interroga é se esta será uma abordagem correta num museu universitário e de ciência, ao subalternizar os imperativos de rigor científico e ao evitar a informação que o objeto ou o espécimen acarreta.

Gabinete de Curiosidades
Coimbra, Museu de Ciência da UC
Foto: MIR, 2022

Esta perspetiva, além de rudimentar, pode conduzir ao erro, bem mais grave quando envolve questões éticas. Relevando outras questões pós-colonialistas e a presença de vários esqueletos humanos, a exposição da paxiuá-á, cabeça troféu mumificada pelos índios Munduruku, entre animais taxidermizados, conchas e corais, é, no mínimo, muito perturbante.

O Código de Ética do ICOM2 é decisivo a este respeito no ponto 2.5: “Os acervos de remanescentes humanos e de material de caráter sagrado devem ser adquiridos somente se os mesmos puderem ser conservados em segurança e tratados com respeito” (ICOM, 2004). No ponto 4.3., relativo à Exposição de objetos “sensíveis”, corrobora que:

 Os restos humanos e os objetos sagrados devem ser expostos de acordo com as normas profissionais, levando em consideração, quando conhecidos, os interesses e as crenças dos membros da comunidade, grupos religiosos ou étnicos de origem, com o maior tato e respeito à dignidade humana de todos os povos. (Id., ibid.)

A questão, sendo complexa em termos práticos, pode reduzir-se a um princípio basilar: “os museus podem exibir todos os outros restos humanos, dentro de estritos quadros respeitosos e científicos” (Raposo, 2020, s.p.). Não se vislumbram as razões que terão levado à inclusão da paxiuá-á neste espaço expositivo, mas menos ainda se descortinam os critérios ou os cuidados tomados para o efeito. Novamente, colocam-se questões de conservação. Depois de décadas na reserva técnica e sujeita a diversos fatores de degradação, a paxiuá-á foi estabilizada e parcialmente restaurada, pelo Laboratório Central do Instituto José de Figueiredo em Lisboa, entre 1988 e 1990, sendo, desde então, “protegida das poeiras e dos raios ultravioleta por uma caixa concebida em vidro anti U.V. (Ultra Violeta), condicionada a H.R. (Humidade Relativa) de 55% ± 5 e, temperatura de 18º C ± 2, sendo ainda minimizado o seu deslocamento e manipulação” (Souza, & Martins, 2003, p. 158). Quando todas as razões, éticas e museológicas, aconselhavam à sua ocultação, a forma como a paxiuá-á foi integrada no Gabinete é uma inexplicável forma de banalização e desrespeito.

Além de todas as incongruências, há um equívoco em relação à construção deste Gabinete de Curiosidades como espaço “quase mágico”, recuperando a expressão de Paulo Trincão. Parte da sedução dos primeiros gabinetes assentava na experiência sensorial, na possibilidade de toque e manuseio. Nos gabinetes de história natural, este conceito continuava implícito. Tal como os Estatutos da Universidade reconheciam “a vista contínua dos objectos” era uma fonte de conhecimento, mas implicava a sua observação, quer particularizada, quer integrada entre outras da mesma espécie, quer comparada com os seus dissemelhantes. A ‘interpretação’ do Gabinete de Curiosidades resulta numa montagem artificial e numa narrativa ficcionada, onde tudo se reduz ao propósito de criar uma sensação de maravilhamento que não logra alcançar o deslumbramento.

Gabinete de Curiosidades
Coimbra, Museu de Ciência da UC
Foto: MIR, 2022

Poder-se-á compreender a intenção de reconfigurar a Sala Carlos Ribeiro, ocupada pela coleção de rochas de Portugal e onde, ultimamente, se realizavam provas públicas. Não obstante, fica a questão acerca da localização dessa coleção e, sobretudo, se não haveria outros modelos de intervenção mais adequados. O que remete para outra questão relativa ao encerramento das galerias dos Gabinetes de História Natural e de Física.

Poder-se-á justificar o entusiasmo de João Brigola3 ao ser convidado para concretizar um modelo relacionado com o seu objeto de estudo. É mais difícil supor que esse entusiamo possa ter toldado a noção das incongruências que o projeto encerra.

Até seria possível procurar razões para a instalação de um Gabinete de Curiosidades e tentar ignorar a tentativa frustrada de o relacionar com a Universidade e o seu espólio histórico-científico. No entanto, o visionamento do vídeo que complementa a exposição parece confirmar a impressão de que se trata de um projeto aparatoso, mais exibicionista do que expositivo, e de uma visão estreita acerca da missão do museu.

Referências:
Brigola, J. (2003). Colecções, gabinetes e museus em Portugal no século XVIII. [Lisboa]: Fundação Calouste Gulbenkian.
Brigola, J. (2008). Domenico Vandelli: Um naturalista italiano a serviço de Portugal e do Brasil. In O gabinete de curiosidades de Domenico Vandelli (pp. 41-52). Rio de Janeiro: Dantes Editora.
Costa, M., Paniza, K., & Santos, M. (2022, 18 maio). Os mistérios do mundo reunidos num Gabinete de Curiosidades. Notícias UC. https://noticias.uc.pt/artigos/os-misterios-do-mundo-reunidos-num-gabinete-de-curiosidades/
Felismino, D. (2014). Saberes, natureza e poder: Colecções científicas da antiga Casa Real portuguesa. Lisboa: Museus da Universidade de Lisboa.
George, W. (2001). Alive or dead: Zoological collections in the seventeenth century. In O. R. Impey & A. MacGregor (Eds.), The Origins of Museums: The cabinet of curiosities in sixteenth- and seventeenth-century Europe (pp. 251-255). London: House of Stratus.
ICOM. (2004). Código de Ética do ICOM para Museus. https://icom-portugal.org/multimedia/File/Cdigo%20tica%20-%202007%20-%20verso%20final%20pt.pdf
Impey, O. R., & MacGregor, A. (Eds.). (2001). The origins of museums: The cabinet of curiosities in sixteenth- and seventeenth-century Europe. London: House of Stratus.
Kircher, A., & Sepi, G. (1678). Romani Collegii Societatis Jesu Musaeum Celleberrimum… Amesterdam: Janssonio-Waesbergiana.
Legati, C. L. (1677). Museo Cospiano annesso a quello del famoso Vlisse Aldrovandi e donato alla sua patria dall’illustrissimo signor Ferdinando Cospi. Bologna: Giacomo Monti.
Linné, C. (1735). Systema naturae, sive Regna tria naturae systematice proposita per classes, ordines, genera, & species. Lugduni Batavorum: apud Theodorum Haak : ex typographia Joannis Wilhelmi de Groot.
Raposo, L. (2020, 20 jan.). Restos humanos em colecções de museus: um tema complexo em que importa reflectir. Património.pt. https://www.patrimonio.pt/post/restos-humanos-em-colec%C3%A7%C3%B5es-de-museus-um-tema-complexo-em-que-importa-reflectir
Roemer, B. (2014, 20 Aug.). Redressing the balance: Levinus Vincent’s Wonder Theatre of Nature. In The Public Domain Review. https://publicdomainreview.org/essay/redressing-the-balance-levinus-vincents-wonder-theatre-of-nature
Schupbach, W. (2001). Some Cabinets of Curiosities in European academic institutions. In O. R. Impey & A. MacGregor (Eds.), The origins of museums: The cabinet of curiosities in sixteenth- and seventeenth-century Europe (pp. 231-242). London: House of Stratus.
Souza, S. M., & Martins, M. R. (2003-2004). A cabeça troféu Munduruku do Museu Antropológico da Universidade de Coimbra: Análise do objecto e os seus desafios. Antropologia Portuguesa, 20-21, 155-181.
Um gabinete de curiosidades em Coimbra. (2022, 11 maio). National Geographic (website). https://nationalgeographic.pt/historia/grandes-reportagens/3068-um-gabinete-de-curiosidades-em-coimbra
Universidade de Coimbra. (1772). Estatutos da Universidade de Coimbra compilados debaixo da immediata e suprema inspecção de El Rei D. José I… (v. 3): Cursos das sciencias naturaes e filosóficas. Lisboa: Na Regia Officina Typográfica.
Vincent, L. (1719). Elenchus tabularum, pinacothecarum, atque nonnullorum cimeliorum, in gazophylacio Levini Vincent. Harlemi Batavorum: Sumptibus auctoris.
Worm, O. (1665). Museum Wormianum: Seu Historia rerum rariorum, tam naturalium, quam artificialium, tam domesticarum, quam exoticarum… Lugduni Batavorum: Iohannem Elsevirivm.
Zytaruk, M. (2011). Cabinets of Curiosities and the organization of knowledge. University of Toronto Quarterly, 80(1), 1-23. DOI: 10.3138/utq.80.1.001

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Um gabinete de curiosidades e muitas outras perplexidades," in a.muse.arte , 2022/10/19, https://amusearte.hypotheses.org/9095.
  1. O texto não se refere aos ‘paradoxos’ aqui enunciados, mas ao “cheiro da novidade, apesar de tudo ser velho”. []
  2. O Código de Ética do ICOM foi adotado por unanimidade pela 15ª Assembleia Geral do ICOM realizada em Buenos Aires (Argentina) em 4 de novembro de 1986, modificado na 20ª Assembleia Geral em Barcelona (Espanha) em 6 de julho de 2001 sob o título Código de Ética do ICOM para os museus e revisto pela 21ª Assembleia Geral realizada em Seul, Coreia do Sul, a 8 de outubro de 2004. []
  3. Apesar deste reparo, faço questão em deixar expressa a minha admiração profissional e estima pessoal pelo Professor João Brigola. Nunca imaginaria incluí-lo numa crítica menos positiva e não faço ideia das circunstâncias em que participou neste projeto. Para mim, continua a ser um museólogo de referência obrigatória. []

6 comentários em “Um gabinete de curiosidades e muitas outras perplexidades”

  1. Lamentável texto vindo do tempo das cavernas. O desdém pelo trabalho alheio e pela obras inovadoras é total. Mal anda a académica comunista quando se queixa de tudo o que provém do vil metal. Parabéns pelo museu, a sala vale por si só! Inovadora e belíssima!

  2. Este “Gabinete de Curiosidade” é uma falácia que desrespeita o rigor histórico-científico e desonra o prestígio da história da própria Universidade de Coimbra. No passado dia 12 de outubro, por ocasião das comemorações dos 250 anos da Reforma Pombalina, proferi uma palestra na qual destaquei o importante trabalho desenvolvido no Brasil e em África por dezenas de estudantes da primeira geração de estudantes formados em Coimbra no contexto da Reforma da Universidade, e que viriam a ser nomeados pela coroa portuguesa como expedicionários nas então designadas “Viagens Philosophicas”. A questão prioritária da demarcação das fronteiras do Brasil, na sequência do tratado de Santo Ildefonso, bem como os diversos trabalhos sobre a flora, fauna e o reconhecimento dos recursos minerais no Brasil e em África são aspectos importantes da história da ciência que tem sido objeto de um notável trabalho de investigadores portugueses e brasileiros. O valioso património histórico reunido sempre se caracterizou pelo rigor cientifico com que estes antigos estudantes foram formados e que demonstra o nível científico da Reforma da Universidade. Contaminar este património histórico, que nos deve merecer o máximo rigor científico, com o tratamento que lhe é dado num “Gabinete de Curiosidades” deve merecer o mais profundo repúdio da comunidade científica, principalmente por parte daqueles que inspirados por Rómulo de Carvalho, têm dado o seu contributo para um melhor conhecimento da história da ciência em Portugal. Não podemos permitir que “curiosos”, desprovidos do respeito pelo nosso património histórico, o tratem como mercadoria para iludir turistas. Este “Gabinete de Curiosidades” deve merecer o mais profundo repúdio da comunidade científica.

  3. Já vi muitos comentários de vários agentes com responsabilidades na área da museologia e educação sobre esta “instalação’ (que ainda não visitei) a propô-la como sendo a mais digna, inovadora e interessante para atribuição do prémio para o museu do ano da APOM. Contestei imediatamente a ideia por pensar que esta proposta expositiva não reflecte as obrigações e princípios de um museu, mais que não fosse por tudo o que aqui muito bem reflecte e descreve. Se melhor mérito poderia haver para a (re)criação desta “encenação museográfica” seria a aplicação da nada despicienda receita que gera com os bilhetes noutros patrimónios da universidade, mas desconfio que pouco ou nada resultará para aplicar na conservação dos artefactos ou, menos ainda, para recuperar a imagem do Museu da Ciência e da Técnica, mesmo ali à frente (que tão bem assinalou no último e excelente texto que aqui pôs), votado ao desleixo, este sim, um verdadeiro museu na acepção plena do conceito!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search