A queda de um museu

O Museu da Ciência da Universidade de Coimbra foi inaugurado em dezembro de 2006.

Museu de Ciência
Foto: Emanuel Brás, s.d.
(“João Mendes Ribeiro”, 2015)

Está instalado no antigo Laboratorio Chimico, criado no contexto da reforma pombalina da universidade, o qual foi construído de raiz, entre 1773 e 1777, sobre as antigas instalações do refeitório, das cozinhas e áreas anexas do extinto Colégio da Companhia de Jesus.

Complexo jesuítico: à esquerda o Colégio de Jesus, à direita o Colégio das Artes e, atrás deste, o refeitório com ligação direta aos dois colégios
In Imago Collegii, in Societate Iesu omnium primi, á Ioanne III Lusitaniae Rege Conimbricae fundati / Carolus Grandi scul Romae 1732
Lisboa, Bibliioteca Nacional, E. 926 A.
Elevação Geometrica do Edifício do Laboratório Chymico. Lado Principal
Ass. Guilherme Elsden e Ricardo Franco de Almeida
(Pires, 2006)

O Laboratório, desenhado pela Casa do Risco sob a orientação do engenheiro militar tenente-coronel Guilherme Elsden, foi construído segundo o pensamento iluminista da época que defendia o ensino experimental da ciência.

As obras de requalificação e adaptação à função museológica foram feitas de acordo com projeto dos arquitetos João Mendes Ribeiro, Carlos Antunes e Desirée Pedro.

A reforma iluminista da Universidade de Coimbra, levada a cabo pelo Marquês de Pombal, incluiu, também, a criação de um Gabinete de História Natural, fundado em 1772, sendo o museu público mais antigo de Portugal, localizado no Colégio de Jesus, juntamente com o Gabinete de Física, o Teatro Anatómico e o Dispensatório Farmacêutico; na mesma altura, foram criados o Observatório Astronómico1 e o Jardim Botânico. Todos estes equipamentos, integrados na universidade como fonte de conhecimento experimental, estabeleceram as bases para o ensino e investigação científica moderna em Portugal2.  Neste âmbito e com o mesmo propósito, o Gabinete recolhia objetos da coleção real no Jardim Botânico da Ajuda em Lisboa e outras coleções privadas, entre as quais o gabinete de história natural do naturalista italiano e primeiro diretor do Laboratorio Chimico, Domenico Vandelli.

Ao longo do tempo, as coleções acumuladas deram origem aos museus de ciência da Universidade e foram reunidas no Museu de Ciência. Os primeiros objetos e instrumentos científicos datam do século XVIII, destacando-se no espólio, a coleção de física experimental transferida do Colégio dos Nobres em Lisboa e as recolhas efetuadas nas viagens filosóficas de Alexandre Rodrigues Ferreira à Amazónia.

Laboratorio Chimico: sala dedicado ao ensino prático
Foto: Emanuel Brás, s.d.
(“João Mendes Ribeiro”, 2015)

As instalações e parte do equipamento do Laboratorio Chimico foram preservadas, mantendo os nichos de evaporação, o forno e grelhas de ventilação, incorporados na parede, bem como o mobiliário e as bancadas com as pias e torneiras.

Púlpito e janela do antigo refeitório jesuíta preservados numa das paredes do Laboratorio Chimico
Foto: Emanuel Brás, s.d.
(“João Mendes Ribeiro”, 2015)

Na sala anexa, casa dos trabalhos práticos, ficaram visíveis vestígios do antigo refeitório jesuíta.

A exposição permanente “Segredos da luz e da matéria” fundamenta-se na essência da química, mas o seu caráter interdisciplinar permite acomodar diferentes coleções universitárias de ciência, de física, química, astronomia, e história natural enquadrada na história da ciência.

Núcleo 1: “A ciência experimental no século XVIII”
Coimbra, Museu de Ciência da UC
Foto: MIR, 2022

Na antiga sala dedicado ao ensino prático, encontra-se o núcleo “A ciência experimental no século XVIII”.  O laboratório original serve de enquadramento contextualizador à coleção de instrumentos científicos, maioritariamente de química: fornos revérberos em cerâmica, cadinhos, retortas, instrumentos de vidro, balanças, bicos de Busen, estufas, além de um conjunto de potes de botica em faiança, da fábrica de Domingos Vandelli (século XVIII).

Núcleo 1: “A ciência experimental no século XVIII”
Coimbra, Museu de Ciência da UC
Foto: MIR, 2022

A contextualização passa pela referência ao uso e função originais dos objetos através de gravuras e textos descritivos, mas também em enquadrá-los no funcionamento ‘deste’ laboratório, através de fotografias de época e textos.

Núcleo 2: “Luz e matéria”
Coimbra, Museu de Ciência da UC
Foto: MIR, 2022

Na antiga sala dedicada ao ensino prático, a exposição centra-se no espectro da luz visível, representado de várias formas. A exposição foi concebida de forma a expor os objetos em cinco grandes vitrinas centrais em torno das quais se encontram módulos interativos.

Núcleo 2: “Luz e matéria”
Coimbra, Museu de Ciência da UC
Foto: MIR, 2022

Partindo dos três instrumentos  cruciais (microscópio, espectroscópio e telescópio) que utilizam a luz para analisar a matéria em diferentes escalas dimensionais , do infinitamente pequeno ao muito grande, o tema é desenvolvido em três subnúcleos: a natureza física da luz; os espectros como impressões digitais dos elementos da tabela periódica utilizando o espectroscópio; o espectro solar e telescópios astronómicos.

Núcleo 2: “Luz e matéria”
Coimbra, Museu de Ciência da UC
Foto: MIR, 2022

Dois outros subnúcleos analisam o tema no âmbito da história natural: os animais e a visão, olhando a estrutura dos olhos e a perceção da cor; e a natureza da cor e dos pigmentos (natural, químico e físico), utilizando microscópios para analisar estruturas de cor.

Núcleo 2: “Luz e matéria”
Coimbra, Museu de Ciência da UC
Foto: MIR, 2022

O totem com uma luz gravada, o satélite e a tela onde é projetado o espetro da luz visível suspensos do teto, são estratégias para atrair o olhar para o alto pé direito e para o vigamento da cobertura com o desenho e os tirantes originais.

Sala de ensino teórico, ou anfiteatro de química
Coimbra, Museu de Ciência da UC
Foto: MIR, 2022

A sala de ensino teórico, ou anfiteatro de química, construída em 1856, em resposta ao aumento do número de estudantes e de docentes, encontra-se também integrado no percurso museológico.

Foi um museu muito (e justamente) premiado. Em 2007, recebeu a Menção Honrosa para Museu do Ano da Associação Portuguesa de Museus (APOM) e o Prémio Municipal de Arquitetura Diogo de Castilho, atribuído pela Câmara Municipal de Coimbra, pela remodelação e prefiguração do Museu da Ciência. Em 2008, ganhou o Prémio Micheletti 2008, que distingue o melhor e mais inovador museu em ciência, técnica e indústria. Em 2010, foi novamente galardoado pela APOM nas categorias de Melhor Serviço de Extensão Cultural e Melhor Aplicação e Gestão de Multimédia. Em 2018, a Sociedade Portuguesa de autores atribuiu-lhe a Medalha de Honra, reconhecendo a sua importância no plano museológico e científico. No passado mês de setembro, por despacho do Ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva, foi aprovada a credenciação e consequente integração do Museu da Ciência e de História Natural da Universidade de Coimbra na Rede Portuguesa de Museus.

Porém, visitar este museu, em 2022, traz a amarga sensação de desinvestimento ou, pior, de um generalizado desinteresse.

Os museus de ciência, com módulos experimentais e interativos, obrigam a uma constante e (quase sempre) onerosa manutenção. Há, porém, módulos inoperacionais, dispositivos de observação mal calibrados provocando discrepâncias nos resultados. Outros, simplesmente, desapareceram, como o balão de ar quente ativado manualmente.

Núcleo 1: “A ciência experimental no século XVIII”
Coimbra, Museu de Ciência da UC
Foto: MIR, 2022

É também suposto que estes museus sejam regularmente atualizados, acompanhando a evolução científica e tecnológica. Não é o caso, embora se registem algumas alterações, como a introdução de um manequim junto a uma grande pia de pedra, ilustrando o fabrico de pólvora. Depreende-se que este manequim, de feições caricaturais e grotescas, numa escala exagerada, represente Thomé Rodrigues Sobral, lente de química, que aqui fabricou pólvora para combater as tropas francesas durante a invasão napoleónica em 1807. Por outro lado, considerando a exigência de um especial cuidado no manuseamento dos reagentes durante o fabrico da pólvora, a representação do manequim, distraído do que está a fazer, a olhar para o lado, é incorreta e induz em erro. Nem esta é uma estratégia museográfica adequada, nem Rodrigues Sobral é condignamente evocado.

A instalação do museu no Laboratorio Chimico corresponde a uma primeira fase do projeto expositivo, estando em curso a requalificação o edifício do antigo Colégio de Jesus, situado em frente do Laboratorio e onde se localizavam os antigos gabinetes de Física e de História Natural. Como ensaio deste projeto, em setembro de 2017, foi inaugurada a exposição temporária “Visto de Coimbra: Os Jesuítas entre Portugal e o Mundo”3, estando previsto ficar patente até março do ano seguinte. Incindindo sobre a Companhia de Jesus, foi estruturada em dois núcleos: os colégios jesuítas conimbricenses; as missões jesuítas no mundo.

Exposição “Visto de Coimbra”
Coimbra, Museu de Ciência da UC
Foto: MIR, 2022

O primeiro núcleo tem um cariz histórico, centrado na importância da presença jesuítica na cidade e na produção do conhecimento, sendo, por isso, essencialmente documental.

Exposição “Visto de Coimbra”: núcleo 2, setor da missionação em África e no Brasil
Coimbra, Museu de Ciência da UC
Foto: MIR, 2022

O segundo núcleo, de caráter mais antropológico, foca a inculturação propiciada pelos jesuítas e a produção científica propiciada pelo contacto com outras paisagens naturais e culturais.

A segunda sala é marcada pela árvore geográfica jesuíta de Kircher (1667), transposta para o planisfério de Ortelius, de 1570, no século de ouro da expansão jesuíta entre 1550 e 1650. As manchas nas regiões das cinco assistências jesuítas permitem visualizar a verdadeira dimensão da província portuguesa, de longe a mais vasta e abrangente onde a assistência se tornou verdadeiramente internacional e globalizante. (Casaleiro, 2017, p. 19)

Exposição “Visto de Coimbra”: núcleo 2, setor da missionação no Oriente
Coimbra, Museu de Ciência da UC
Foto: Casaleiro, 2017
Exposição “Visto de Coimbra”: núcleo 2, setor da missionação no Oriente
Coimbra, Museu de Ciência da UC
Foto: MIR, 2022

Aquela que foi uma boa exposição temporária, em 2017, tornou-se, passados cinco anos, numa má exposição permanente4.

Cumprindo, inicialmente, a função propedêutica de um projeto de maior envergadura, justificava-se o acúmulo de peças, tendo como contrapartida o ensaio de uma lógica discursiva, da seleção e combinação de objetos provenientes de diferentes acervos, dos textos introdutórios e das legendas interpretativas, de estratégias museográficas, como a contextualização das áreas geográficas com grandes ampliações de gravuras de época.

Passados cinco anos, tornou-se uma exposição vulgar, executada por alguém sem conhecimentos de museologia e de conservação.

Exposição “Visto de Coimbra”: núcleo 1, setor da missionação no Oriente
Coimbra, Museu de Ciência da UC
Foto: MIR, 2022

Tornou-se uma exposição reles, embora pretensiosa, com os exemplares de livro antigo substituídos por reproduções que continuam a utilizar os suportes acrílicos dos originais.

Nossa Senhora do Pópulo, autor desconhecido, séc. XVI-XVII, Colégio das Artes de Coimbra, Centro Hospitalar da UC; à direita, reprodução que substitui o original na exposição “Visto de Coimbra”
Fotos: J. Armando Ribeiro (Casaleiro, 2017), à esquerda; MIR, 2022, à direita

Mesmo as cores das reprodução, já estão adulteradas o que é particularmente visível nas pinturas seiscentistas “Santo Inácio de Loyola” e “São Francisco Xavier”, provenientes da Sacristia da Sé Nova de Coimbra, e a “Nossa Senhora do Pópulo”, do Colégio das Artes.

Exposição “Visto de Coimbra”: núcleo 2; à direita, arara sob o foco de luz
Coimbra, Museu de Ciência da UC
Foto: MIR, 2022

Tornou-se uma exposição imprópria, com assinaláveis erros de iluminação e conservação: a sala que acolhe o núcleo sobre as missões jesuítas, é iluminada por quatro focos colocados aos cantos, tangencialmente aos objetos expostos, sendo flagrante o caso da arara empalhada posta precisamente sob uma fonte de luz.

Exposição “Visto de Coimbra”
Coimbra, Museu de Ciência da UC
Foto: MIR, 2022

Tornou-se uma exposição descuidada, com os reposteiros da entrada caídos e dois focos que terão deixado de funcionar (substituídos por dois candeeiros diferentes) postos no vão da janela atrás de uma baia de separação, ao lado de um extintor e um ecrã enrolado.

Tudo isto contribui para a perceção constante de que este museu está em queda. O museu reconhecido e premiado é uma memória do passado.

Referências:
Casaleiro, P. E. (2017). A exposição Visto de Coimbra – Os jesuítas entre Portugal e o Mundo. Rua Larga, (50), 18-20. https://www.uc.pt/rualarga/revistas/arquivo_revistas/rualarga50
João Mendes Ribeiro: Conversion of the Laboratório Chimico – Science Museum. (2015, 30 out.) Divisare (website). https://divisare.com/projects/302030-joao-mendes-ribeiro-fernando-guerra-fg-sg-conversion-of-the-laboratorio-chimico-science-museum
Pires, C. P. (2006). O Laboratório Chimico da Universidade de Coimbra: Interpretação histórica de um espaço de ensino e divulgação da Ciência [Dissertação apresentada à Universidade de Aveiro]. http://hdl.handle.net/10773/8978



Citar este post
Maria Isabel Roque (2022, 18 Outubro). A queda de um museu. a.muse.arte. Recuperado em 25 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/b54z

  1. O Observatório foi demolido na década de 1940, durante as obras de requalificação da Universidade, por ordem expressa de Salazar por considera-lo um obstáculo à visão da cidade até ao rio. []
  2. Quase um século antes, o Museu Ashmolean, inaugurado em 1683, junto à Universidade de Oxford, assumia a missão de apoio ao ensino. No frontão da fachada, a inscrição aludia à tripla função como museu (preservação e exposição das coleções, escola e laboratório: “Musaeum Ashmolianum / Schola Naturalis / Historiae Officina Chimica”. []
  3. O título foi escolhido a partir de uma gravura da Lua, vista de Coimbra no dia 14 de julho de 1627 (Conimbrica exacta crescentis Lunae facies / iulij 18.1627 lubospicillo visa. / Aetatis die 6), feita pelo padre jesuíta Cristovão Borri (1626), e posteriormente publicada na obra Collecta astronomica (1629, p. 137).

    Borri, C. (1631, imp. 1629). Collecta astronomica… Ulysipone : apud Matthiam Rodrigues (Em Lisboa: por Matias Rodrigues). https://am.uc.pt/item/57932

    É a primeira ilustração científica na área da astronomia feita em Portugal e a segunda a ser publicada, precedida apenas pela de Galileu na obra Siderius Nuncius (1610). []

  4. No website do museu, na secção “Atividades>Eventos>A seguir”, a exposição é categorizada como permanente. Vd. http://museudaciencia.org/index.php?module=events&option=calendar&action=next, consulta 13 out. 2022. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search