Harmónios: uma exposição de alerta para um património em risco

Exposição “Harmonium: Desenho, pintura e música em relação”
Funchal, Museu de Arte Sacra do Funchal (MASF) (7 jun. – 31 out. 2022)

Exposição “Harmonium”: entrada
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa, 2022

Em conformidade com o título, esta exposição, sob o signo do harmónio e da música litúrgica, põe em diálogo os instrumentos e as partituras compiladas na obra Um século de música sacra na Madeira (Silva, 2008), da autoria de João Arnaldo Rufino da Silva (1934-2016), com as pinturas e os desenhos de Eduardo de Freitas (n. 1955), tendo como ponto de partida os desenhos originais das ilustrações dos temas da liturgia e da devoção que conduzem a estrutura daquela obra. A triangulação entre o harmónio, a música litúrgica e a arte visual de inspiração religiosa, constitui uma advertência para um património em risco, ao divulgar os resultados do inventário dos instrumentos musicais de uso litúrgico, levado a cabo pelo MASF e pela diocese do Funchal, com particular incidência nos harmónios caídos em desuso.

Exposição “Harmonium”: em primeiro plano: harmónio (Alexandre et Fils, 1850-1872, Paris, prov. Igreja matriz da Calheta) e mocho; em torno, díptico Sob a imponderável força I e II (1993) e desenhos Mar revolto e céu, Interior de uma onda, Montanha com neve e Céu noturno estrelado(2022), de  Eduardo de Freitas
Funchal, MASF
Foto: José Augusto Roque, 2022

No início de maio, o Papa Francisco, na mensagem que dirigiu aos participantes no congresso “Carisma e criatividade: Catalogação, gestão e projetos inovadores para os bens culturais da vida consagrada”, considerava que:

O desuso do património é um tema particularmente sensível e complexo, que pode atrair interesses falaciosos por parte de pessoas sem escrúpulos e ser ocasião de escândalo para os fiéis: por isso, é necessário agir com grande prudência e cautela, e também criar estruturas institucionais de acompanhamento a favor das comunidades menos preparadas. (Francisco, 2022)

Harmónio style S. nº 80953, proveniente da Igreja Paroquial do Estreito da Calheta
Mason & Hamlin Organ Company (1854-), 1874-1911, Boston
Exposição “Harmonium”
Funchal, MASF
Foto: Martinho Mendes, 2022

No caso particular dos harmónios, o Ministério da Cultura de França, também alertava para o facto de “l’absence d’usage et d’entretien menacent ce corpus limité d’instruments de dispersion voire de destruction” e que “La conservation des harmoniums présente donc aujourd’hui un intérêt patrimonial parce qu’ils témoignent de l’évolution des techniques et procédés de la facture instrumentale et de l’art musical des XIXe et XXe siècles” (Ministère de la Culture, 2020, p. 7)1.

O fabricante parisiense Alexandre Debain (1809-1877) desenvolveu um aerofone de palheta livre, sem tubos, melhorando o desempenho do poikilorgue, órgão expressivo inventado por Aristide Cavaillé-Coll (1811-1899), cujas palhetas são vibradas através do teclado, sendo o ar bombeado pelos foles acionados através dos pedais, o que garante a continuidade e a potência do som, conseguindo as variadas expressões que lhe justificam o título: “Il met au point le système d’expression qui permet d’isoler le réservoir, il adopte le sommier à cases monté sur charnières et le principe des registres pour des jeux divisés en basses et dessus […]” (Id., ibid.). O instrumento foi patenteado em 1842 com a designação de harmónio.

Harmónio, proveniente da Igreja Matriz da Calheta
Aeloian Company (1887-1985), ca. 1900, EUA
Exposição “Harmonium”
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa, 2022

O uso de palhetas livres, ao contrário das palhetas pulsantes dos órgãos de tubos, confere-lhe uma maior portabilidade, ocupando menos espaço, além de permitir variações de intensidade do volume de pianíssimo a fortíssimo (crescendo) e de fortíssimo a pianíssimo (diminuendo). Dadas estas vantagens, a partir de meados do século XIX, o harmónio passou a ser usado nas igrejas, em substituição dos órgãos de tubos, alcançando o expoente da popularidade e aperfeiçoamento técnico no primeiro quartel do século XX. Porém, as alterações do gosto musical e o aparecimento de outras variantes mais portáteis e baratas, como o órgão eletrónico, cuja primeira versão surgiu por volta da década de 1930, sem as exigências de manutenção do harmónio (Gonçalves, 2016), ditaram o seu progressivo abandono.

Exposição “Harmonium”
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa, 2022

A par das alfaias, dos paramentos e do mobiliário religioso caído em desuso na sequência da reforma litúrgica do Concílio Vaticano II, também os harmónios afastados do espaço de culto passaram a constituir um património em risco. Ao apresentar um conjunto de nove harmónios usados nas igrejas madeirenses entre 1850 e 1980, esta exposição tem o mérito muito pertinente de alertar para a preservação e conhecimento deste património, indicando uma matriz de atuação que integra o inventário, o estudo, a conservação e restauro, a exposição, o (re)uso e a divulgação. Conforme se lê no texto parietal introdutório. “O conjunto de exemplares exposto dá conta da diversidade construtiva e estética, de origem europeia e americana, procurando assinalar a importância da sua salvaguarda, no quadro de um inventário alargado a ser continuado na Diocese do Funchal”.

Harmónio, proveniente da Sé do Funchal
Alexandre Rosseau, 1850-1872, Paris
Exposição “Harmonium”
Funchal, MASF
Foto: José Augusto Roque, 2022

Entre estes destaca-se o harmónio fabricado na casa Rousseau (1868-1918), fundada por Alexandre Rousseau em 1855 e remodelada em novas instalações em 1864 como “manufacture modèle d’harmoniums” (Ministère de la Culture, 2020, p. 28), e proveniente da Sé do Funchal abre a exposição, com uma legenda longa que refere o papel de França que, a partir da invenção Alexandre Debain, se tornou um dos principais centros de fabrico deste tipo de instrumento na Europa, entre 1830 e 1950.

Harmónio, proveniente da Igreja Matriz da Calheta
Alexandre et Fils, 1850-1872, Paris
Exposição “Harmonium”
Funchal, MASF
Foto: José Augusto Roque, 2022

Merece também referência o harmónio proveniente do Convento de Santa Clara, no Funchal, e fabricado na casa parisiense Alexandre et Fils (1850-1872), considerada “Première maison par l’importance de sa production” (Ministère de la Culture, 2020, p. 26), e que foi recentemente restaurado.

Harmónio, proveniente da Igreja Matriz de Machico
Serafim da Silva Jerónimo, após 1932, Braga
Exposição “Harmonium”
Funchal, MASF
Foto: José Augusto Roque, 2022

E, ainda, o pequeno harmónio portátil proveniente da Igreja Matriz de Machico, feito pelo construtor Serafim da Silva Jerónimo (1932-), e o único de fabrico português nesta exposição, cuja portabilidade facilitava o transporte para espaços religiosos onde se celebrassem festas ou romarias.

Exposição “Harmonium”: vitrina com a obra de Rufino da Silva, encimada pelos desenhos originais das ilustrações de autoria de Eduardo Freitas
Funchal, MASF
Foto: Martinho Mendes, 2022

O discurso expositivo parte da obra Um século de música sacra na Madeira, de Rufino da Silva (2008), abarcando um período de cerca de 120 anos de música litúrgica cantada em português, acompanhando os principais momentos do ano, como o Natal e a Páscoa e nas devoções dos meses de Maria (maio), do Sagrado Coração de Jesus (junho) e do Rosário (outubro), tendo em contraponto os harmónios usados ao longo do tempo abrangido pelo inventário dessas partituras.

Desenho de Eduardo Freitas para a obra de Rufino da Silva
Exposição “Harmonium”
Funchal, MASF
Foto: José Augusto Roque, 2022

A obra em dois volumes encontra-se exposta numa vitrina de mesa, colocada sob os desenhos originais das ilustrações feitos por Eduardo de Freitas.

Exposição “Harmonium”
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa, 2022

O esquema museográfico é simples e eficaz, em duas alas expositivas interligadas e dispostas em L, permitindo a observação simultânea do conjunto. Ao centro de cada um dos espaços, encontram-se dois harmónios (os dois acima referidos das casas Rousseau e Alexandre et Fils), reconstituindo o contexto de uso, com partituras nas estantes e assentos dos músicos colocados em face, enquanto os restantes se dispõem ao longo das paredes, todos sobre estrados que sublinham a sua condição de objeto museal.

Exposição “Harmonium”
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa, 2022
Harmónio, de Alexandre Rosseau, 1850-1872
Exposição “Harmonium”
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa, 2022

Textos parietais, numa linguagem clara, objetiva e sucinta, complementados pelas legendas interpretativas, orientam a leitura da exposição e esclarecem o tema e a articulação entre as três componentes ou subtemas (harmónios, partituras compiladas por Rufino da Silva e as obras de Eduardo Freitas). Mantendo o equilíbrio entre a sobriedade e o efeito visual, entre os objetos e os textos que os interpretam, a museografia é rigorosa e sem falhas assinaláveis, à exceção ds legendas dos harmónios que, colocadas na base de suporte, junto ao chão, são de difícil leitura, agravada pelo facto de a iluminação da sala projetar sobre elas a sombra do visitante que as pretende ler.

Bomba térmica (parte de díptico)
Eduardo de Freitas, 2017-18
Coleção do autor
Exposição “Harmonium”
Funchal, MASF

O artista, não só ilustrou esta, como o seu trabalho compositivo, onde os ritmos e a intensidade das linhas e das formas se cruzam em dinâmicas ondulatórias, se formaliza em “paisagens sonoras” (Martinho Mendes, in RTP Madeira, 2022). Estas obras, dispostas num constante diálogo com os harmónios, tornam-se uma espécie de partituras plásticas, com diferentes frequências, amplitudes e timbres.

Concerto de Nelson Quintal no harmónio de Alexandre et Fils, 1850-1872
Exposição “Harmonium”
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa, 2022

Esta exposição tem vindo a proporcionar o uso dos harmónios por Nelson Quintal, organista da Sé do Funchal, em concertos pontuais que complementam a visita e reproduzem o sentido do discurso expositivo, na articulação dos subtemas: Nelson Quintal toca, nos harmónios, as músicas das partituras compiladas por Rufino da Silva e improvisações inspiradas nas obras de Eduardo Freitas.

Através destes cruzamentos singulares, criando analogias inesperadas que conferem grande solidez ao discurso, esta exposição multissensorial valida uma estratégia experiencial, simultaneamente didática e lúdica, para a valorização e reuso de um património que o desuso colocou em risco.

Concerto de Nelson Quintal no harmónio de Alexandre et Fils, 1850-1872
Exposição “Harmonium”
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa, 2022

Referências:
Gonçalves, A. S. G. (2016). Órgão de tubos e órgão eletrónico: Estudo comparativo de intensidades. [Dissertação de Mestrado, Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas]. https://run.unl.pt/handle/10362/19941?locale=en
Ministère de la Culture – Direction générale des Patrimoines. (2020). Harmoniums: Repérage et protection au titre des monuments historiques. Paris: Ministère de la Culture – Direction générale des Patrimoines. https://www.culture.gouv.fr/Thematiques/Monuments-Sites/Ressources/Les-guides-guides-techniques-fascicules-et-manuels/Harmoniums-Reperage-et-protection-au-titre-des-monuments-historiques
Papa Francisco. (2022, 4 maio). Mensagem do Papa Francisco aos participantes no congresso “Carisma e criatividade: Catalogação, gestão e projetos inovadores para os bens culturais da vida consagrada”. Roma, São João de Latrão. Acedido em https://www.vatican.va/content/francesco/pt/messages/pont-messages/2022/documents/20220504-messaggio-carisma-creativita.html
RTP Madeira. (2022, 18 jul.). «Harmonium» une desenho, pintura e música [vídeo]. https://www.rtp.pt/madeira/cultura/harmonium-une-desenho-pintura-e-musica-video_98123
Silva, J. A. R. (2008). Um século de música sacra na Madeira. Funchal: Direcção Regional dos Assuntos Culturais.

Nota final:
Esta exposição traz-me a memória do harmónio que, tocado pela ‘menina’ Ilda e acompanhado pelas vozes agudas das outras ‘meninas’, as manas Conceição e Gertrudes, Júlia e Ema, velhas e solteiras,  trazia a música ao ambiente sombrio das missas da minha infância e é uma marca desse tempo.

Agradecimentos:
A Martinho Mendes que partilhou o seu conhecimento sobre este assunto e a José Augusto Roque por me ter permitido ver esta exposição através do seu olhar.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Harmónios: uma exposição de alerta para um património em risco," in a.muse.arte , 2022/09/28, https://amusearte.hypotheses.org/8879.
  1. No mesmo sentido, a Association Harmoniums en Péril, com a missão de salvaguarda e promoção desde património publica, desde 1996, o boletim anual Harmoniums en péril: Sauvegarde, concerts, documentation. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search