O hammam de Al-‘Ulyã: musealização dos banhos islâmicos de Loulé e da casa senhorial dos Barreto

O topónimo Loulé deriva do árabe Al-‘Ulyã1. Esta designação aparece referenciada em fontes árabes tardias, altura em que terá sido elevada à categoria de cidade, aglutinando núcleos de povoamento disperso no território. As fontes documentais têm vindo a ser confirmadas pela investigação arqueológica, a qual contribuiu para aumentar o conhecimento do período islâmico. A medina inseria-se num espaço muralhado. A entrada principal localizava-se a sul (porta de Faro). Junto a esta, encontrava-se a mesquita, posteriormente, na sequência conquista cristã em 1249, convertida em igreja (atual paroquial de São Clemente) e, na sua proximidade, o mercado. A alcáçova situava-se a noroeste do recinto e, entre os séculos XIV e XV, foi adaptada a residência do alcaide, onde, desde 1995, está instalado o Museu Municipal de Arqueologia, agora designado como Núcleo-sede do Museu Municipal de Loulé.

Castelo de origem árabe
Loulé
Foto: MIR, 2022

Nas escavações arqueológicas iniciadas em 2006 junto à porta de Silves, a sul, foi descoberto um complexo balnear da época islâmica (hammām)2, cuja funcionalidade foi confirmada pela presença de chaminés para o vapor no interior de alguns muros e no hipocausto.

Levantamento fotogramétrico inicial e reconstrução virtual dos Banhos Islâmicos de Loulé
Fonte: Correia, 2017, p. 24.

O hammām de Loulé, composto por salas de banhos quentes, tépidos e frios, latrinas e vestíbulos, é o único exemplar conhecido de banhos islâmicos em Portugal e um dos mais completos no panorama arqueológico ibérico, sendo que a sua localização diverge do modelo convencional, ao situar-se próximo de uma porta secundária. Foi contruído no século XII e manteve-se em funcionamento depois da reconquista crista, sendo referido no foral da cidade, outorgado em 1266, por D. Afonso III, que o reservou para a sua posse (Martins, 1989). Entre finais do século XIV e início do seguinte, o local serviu de lixeira e, em 1462, a família Barreto, senhores do Morgado de Quarteira e alcaides de Loulé, obteve autorização do rei D. Afonso V para erguer uma casa sobre os antigos banhos. A casa senhorial terá ficado devoluta após a Restauração de 1640 quando a família partiu para Castela.

Sítio arqueológico dos banhos islâmicos de Loulé
Foto: Rodrigo Damasceno / Sul Informação, 2019

Descobertos em 2006, as sucessivas campanhas de escavação arqueológicas permitiram a identificação do complexo de banhos públicos de época islâmica, encostado a um troço da muralha, e as estruturas da casa senhorial. Na zona dos banhos islâmicos, foi possível reconstituir a planta do complexo: um vestíbulo de onde se acedia às três salas (quente, tépida e fria), tanques; em cota inferior, a fornalha e, sob as salas quente e tépida, o hipocausto.

Planta dos banhos públicos de Loulé (A – fornalha; B – sala quente; C – sala tépida; D – sala fria; E – tanques; F – vestíbulo e latrina)
Fonte: Palma, 2015, p. 33.

Em 2014, foi celebrado um protocolo de colaboração com o campo arqueológico de Mértola, apontando para a necessidade de musealização de todo o complexo, atendendo à sua importância histórica, patrimonial e identitária, passando a constituir um núcleo do Museu Municipal, inaugurado em maio de 2022.

Núcleo museológico “Banhos Islâmicos de Loulé”
Foto: MIR, 2022

A arquitetura do edifício, cujo volumetria se enquadra na envolvente urbana, valoriza a estética contemporânea de formas geométricas simplificadas e superfícies lisas, sem se esquivar às referências vernáculas e à herança cultural mediterrânica, como as fachadas quase cegas e a introdução do pátio interior aberto. As pequenas grelhas, criando um padrão perfurado nas paredes do pátio, nas aberturas e na platibanda que percorre parte da fachada, configuram-se como uma recriação das reixas comuns na arquitetura algarvia.

À esquerda, entrada para o núcleo museológico “Banhos Islâmicos de Loulé”
Foto: MIR, 2022

A organização funcional dos espaços inclui uma receção/átrio, espaço expositivo com acesso à área arqueológica musealizada (conjunto muralha-torreão, banhos islâmicos e casa senhorial), espaço para serviços educativos e área exterior de lazer e atividades culturais complementares.

Espaço expositivo: casa senhorial, à esquerda e junto à entrada, e presença islâmica, à direita
Banhos Islâmicos de Loulé
Foto: MIR, 2022

O espaço expositivo apresenta artefactos recolhidos durante as escavações e contextualiza os espaços arqueológicos. Aproveitando a estrutura da sala, dividida em duas secções, o subnúcleo destinado à casa senhorial situa-se junto à entrada (à direita de quem entra), seguido pelo dedicado à época islâmica. Estranha-se esta inversão cronológica, embora seja possível atribuí-la à conveniência de aproximar os achados islâmicos ao troço da muralha da mesma época e integrado neste espaço e ao facto de, na zona arqueológica seguinte, os vestígios da casa senhorial se encontrarem primeiro do que os banhos.

Cada subnúcleo encontra-se devidamente identificado e, em cada um, as vitrinas abordam um tema particular, designado no título: “A casa senhorial”, com ‘cozinhar há 500 anos’, ‘comer e beber’, o mundo na mesa’, ‘o mundo na despensa’, e ‘retrato da vida privada’; “O hammam”, com ‘rituais de higiene e purificação do corpo’, ‘os gestos do dia a dia no hammam’, e ‘espaço comunitário de convívio e lazer’; “A muralha”, incluindo ‘objetos e sinais da guerra’; “Os banhos”, com ‘os banhos na Loulé cristã’.

Espaço expositivo: a casa senhorial
Banhos Islâmicos de Loulé
Foto: MIR, 2022
Espaço expositivo: a casa senhorial
Banhos Islâmicos de Loulé
Foto: MIR, 2022

Tudo aqui resulta equilibrado, criando um ambiente sóbrio e limpo, sem exageros nem artifícios desnecessários: o alto pé direito dividido em duas faixas horizontais, separadas por uma calha de luz projetada para cima, a inferior em cinzento escuro, a superior, a branco; os títulos na zona superior, igualmente a branco, mas destacando-se em relevo; a uniformidade e sobriedade gráfica na faixa inferior, onde se abrem as vitrinas parietais; os fundos das vitrinas e os suportes museográficos dentro delas, no mesmo tom de cinzento escuro, fazendo sobressair os textos e desenhos a branco (ou amarelo, para os textos em inglês); a astuciosa iluminação uniforme das vitrinas, a partir de uma moldura de luz junto ao vidro e iluminando todo o interior, incluindo as legendas colocadas numa faixa oblíqua na base da vitrina3. A única falha – a haver falha numa opção corrente – reside no facto de não ter sido acautelado o reflexo dos vidros, criando um ruído visual desnecessário4 ainda que sem afetar a visualização das peças e dos desenhos ou a leitura dos textos.

Espaço expositivo: o hammam
Banhos Islâmicos de Loulé
Foto: MIR, 2022

A mediação realizada nestes subnúcleos, integrando textos sucintos, mas suficientemente esclarecedores para a respetiva contextualização histórica e social, e esquemas gráficos com um elevado nível de legibilidade, contribuindo para a compreensão dos artefactos, aproxima-se do exigível a um centro de interpretação. O uso dos espaços é ilustrado através da representação linear da figura humana, e os fragmentos são integrados na reconstituição, também linear, dos objetos originais.

Espaço expositivo: a muralha
Banhos Islâmicos de Loulé
Foto: MIR, 2022

Na parede acima dos vestígios da muralha, é projetada uma reconstituição gráfica da diacronia e da evolução urbana de Loulé desde a época islâmica, num eficaz processo de contextualização museográfica.

Espaço arqueológico
Banhos Islâmicos de Loulé
Foto: MIR, 2022

A área arqueológica musealizada é circunscrita por uma barreira de vidro, ao longo da qual circulam os passadiços sobre os banhos e na mesma cota da casa senhorial, permitindo a observação integral dos vestígios.

Espaço arqueológico: painel informativo
Banhos Islâmicos de Loulé
Foto: MIR, 2022

A evolução do sítio é contada no painel “Dois edifícios / cinco séculos / uma história única”. A arquitetura do hammam e a função e o significado dos banhos são descritos nos painéis introdutórios “O edifício do hammam de Al-‘Ulyà” e “O banho”.

Espaço arqueológico: painel com descrição, simulação 3D e representação esquemática da função do espaço
Banhos Islâmicos de Loulé
Foto: MIR, 2022

Durante a campanha de escavação arqueológica de 2016, foi feita a digitalização tridimensional, por fotogrametria digital, e a reconstrução virtual do sítio, através de software de edição 3D (Correia, 2017). Isto permitiu que a musealização dos banhos islâmicos inclua, junto de cada uma das zonas, um ecrã digital que, reproduzindo a vista in situ com vários níveis de opacidade, lhe sobrepõe a simulação em realidade aumentada do uso do espaço, com imagem em movimento. Estes ecrãs inserem-se num painel metálico, com a descrição do zona e a representação estática e esquemática do uso respetivo.

Espaço arqueológico: sala quente e hipocausto
Banhos Islâmicos de Loulé
Foto: MIR, 2022

Além disso e de forma analógica, as zonas quentes são identificadas pela projeção de uma luz alaranjada a incidir no hipocausto e na canalização da sala.

Junto à sala fria, sob um painel informativo acerca dos “Cheiros do hammam”, um perfumador evoca os aromas de alfazema, rosmaninho, jasmim e água de rosas aí presentes, transformando a exposição numa experiência multissensorial.

Espaço arqueológico: na cota superior vestígios da casa senhorial
Banhos Islâmicos de Loulé
Foto: MIR, 2022

A história e descrição da casa senhorial é contada através duma projeção sobre o painel na parede que lhe serve de fundo, acima do lajedo original, com a indicação dos vários elementos preservados: a porta ogival (situada na parede exterior do edifício), a arcaria norte com capitéis decorados com símbolos cristãos.

Espaço arqueológico: casa senhorial, arcaria norte
Banhos Islâmicos de Loulé
Foto: MIR, 2022
Espaço arqueológico: casa senhorial: reconstituição da arcaria sul e, ao fundo, painel com projeção
Banhos Islâmicos de Loulé
Foto: MIR, 2022

A arcaria norte está sistematicamente reproduzida numa estrutura metálica que contribui para a perceção da estrutura espacial.

Pátio
Banhos Islâmicos de Loulé
Foto: MIR, 2022

Este núcleo do Museu Municipal de Loulé é um museu de território, contribuindo para o conhecimento e compreensão das suas raízes culturais e dos contextos históricos que configuram a perceção do lugar. A racionalidade das opções museográficas e da elaboração do discurso expositivo asseguram-no como um espaço museológico exemplar.

Referências:
Correia, M. (2017). Reconstrução virtual e registo digital dos banhos islâmicos de Loulé. In A. Tomé, (coord.), Documentação e representação digital de bens culturais (catálogo digital da exposição, Lisboa, Museu de Engenharia Civil, Arquitetura e Georrecursos, 23 jun. – 29 set, p. 24). DOI: 10.13140/RG.2.2.35578.49609
Domingues, J. G. (1987). Portugal e o Al-Andalus. Lisboa: Hugin Editores.
Fournier, C. (2016). Les bains d’al-Andalus: VIIIe-XVe siècle. Rennes: Presses universitaires de Rennes.
Lopes, D. (1968). Nomes árabes de terras portuguesas. Lisboa: Sociedade de Língua Portuguesa.
Martins, I. P. (1989). O foral de Loulé de 1266 (2.ª ed.) Loulé: Câmara Municipal, 1989.
Palma, J. F. M. (2015). O desenvolvimento urbano de Loulé: Do período medieval ao fim da época moderna [Dissertação de Mestrado, Universidade do Algarve5]. https://sapientia.ualg.pt/handle/10400.1/8056?locale=en
Silva, L. F. (2002). A região de São Brás de Alportel na Antiguidade: O povoamento romano e a sua evolução posterior num território rural do Algarve central: Ensaio de geografia histórica. Tavira: Campo Arqueológico de Tavira.
Viguera Molins, M. J· (2019). Orígenes del ḥammām (‘baño árabe’): Significado y funciones. Al-Mulk: Anuario de estudios arabistas, (17), 15-30. Acedido em http://repositorio.racordoba.es/jspui/bitstream/10853/194/3/01-maria-jesus-viguera-molins-15-30.pdf

Nota final: Apesar de a exposição estar organizada de forma que o visitante comum percecione o espaço e apreenda o seu sentido e uso, a orientação do Dr. Ricardo Bruno contribuiu substancialmente para a qualidade da visita. A simpatia do acolhimento é, também, um fator a assinalar. Mais razões para felicitar a equipa do museu e, em particular, deste núcleo museológico.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "O hammam de Al-‘Ulyã: musealização dos banhos islâmicos de Loulé e da casa senhorial dos Barreto," in a.muse.arte , 2022/07/13, https://amusearte.hypotheses.org/8555.
  1. David Lopes (1968) filia o topónimo no árabe al-‘alya, cujo significado remete para ‘altura’, ou ‘elevação’, numa alusão à topografia do local. Garcia Domingues (1987) segue esta versão. Em contrapartida, Luís Fraga da Silva (2002) propõe a filiação de Loulé no híbrido al-olea, ‘oliveira’, em correspondência com a dominância desta espécie na região desde a época romana. []
  2. Hammām deriva do termo árabe ḥamma, ‘aquecer’, passando a corresponder ao conceito de banho islâmico, quer na formalização arquitetónica, quer no contexto do uso balneário e prática ritual e higiénica (Viguera Molins, 2019). A sua importância no mundo árabe deriva da obrigação religiosa da purificação espiritual através da ablução com água (al-wuḍū). Por esse motivo, os banhos públicos islâmicos localizavam-se habitualmente junto à medina e à entrada principal do centro urbano. Os primeiros hammam foram construídos na região Síria durante o califado Omíada (661-750), havendo registo de banhos islâmicos em al-Ándalus a partir do século VIII (Fournier, 2016). Os banhos islâmicos mantiveram elementos estruturais das termas romanas, como a progressão da sala fria à quente (frigidarium, tepidarium, caldarium), mas não nas suas práticas, seguindo normas morais e de uso particulares, em função das restrições religiosas, como a interdição do mergulho substituído pelo derrame da água sobre o corpo. []
  3. Vimos, há dias, no Facebook, alguém reclamar porque, numa disposição idêntica, mas com outro modelo de iluminação, as tabelas ficavam numa zona de sombra e perdiam a legibilidade. Ao que a diretora do museu justificou dizendo que as tabelas eram iluminadas pela luz ambiente da sala, sem perceber o alcance (e a justiça) da crítica. Porém, essa é outra história. []
  4. Não se compara, porém, ao que acontece no Museu do Tesouro Real, onde os reflexos, juntamente com o amontoado das peças expostas, geram uma grande confusão visual. []
  5. A dissertação foi publicada em livro: Palma, J. F. (2021). A evolução urbana de Loulé: Do período medieval ao fim da época moderna. Lisboa: Edições Colibri. []

2 comentários em “O hammam de Al-‘Ulyã: musealização dos banhos islâmicos de Loulé e da casa senhorial dos Barreto”

  1. Adorei saber e vou visitar.
    Seria interessante juntarem a visita do museu também um espaço em que se pudesse desfrutar na prática os banhos islâmicos . Em Espanha existe muito mas em Portugal não o que acho uma pena

Responder a Isabel Gonçalves Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search