Paula Rego (1935-2022)

“Pinto para dar uma face ao medo.”
Paula Rego

Paula Rego foi (é!) grande entre os maiores. Artista plena, afirmou-se ao longo de seis décadas como uma das mais relevantes personalidades da pintura do pós-guerra e no contexto da arte pós-moderna.

Paula Rego a trabalhar no painel Crivelli’s garden, em 1990

A primeira fase, marcada pelo encontro com o pintor Jean Dubuffet (1901-1985) e a sua arte bruta, evidenciava já uma atenção crítica à política nacional e internacional, cujos episódios representava, com humor ou violência, em composições de colagens e pinturas expressionistas.

Salazar a vomitar a pátria
Paula Rego, 1960
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, Centro de Arte Moderna

É desta altura, a pintura Salazar a vomitar a pátria, onde mistura vómito, sangue, garras dentes, excrementos e órgãos sexuais pintados sobre a tela num ímpeto feroz e visceral, apenas refreado pela técnica da colagem de fragmentos de jornal, representando os inquietantes testemunhos de uma sociedade compactuante com o estado das coisas.

Depois de algumas incursões no abstracionismo, a partir da década de 1980, antecipou as novas figurações da arte contemporânea.

Menina com cão
Paula Rego, 1986
Lisboa, Ministério das Finanças

No ciclo “Meninas”, revela a influência do imaginário criado por Lewis Carrol (1832-1898) em Alice no país das maravilhas (1865) e pelos seus ilustradores ingleses, pintado um mundo fabuloso, intimista, inspirado em personagens reais ou imaginárias, interpretado por figuras humanas e antropomórficas.

Desde então, construiu narrativas do quotidiano e da experiência pessoal e coletiva muito centradas na condição feminina e no universo da família, abordando questões sociais e políticas em temas como o aborto, a mutilação genital, a violência doméstica, ou a discriminação de género.

The family
Paula Rego, 1988
Foto: Paula Rego / The Guardian

Na pintura The family (A família), representa o ambiente ambíguo e perturbante da intimidade familiar, focado na relação da mulher e das filhas com a figura paterna num interior doméstico: umas ajudam ou ameaçam o pai, perante o olhar, também indecifrável entre a perfídia e a alegria, da menina junto à janela; ao fundo, no retábulo do oratório, a cena da luta entre o bem e o mal representada na luta de S. Jorge e o dragão e, na base do móvel, uma cena da garça-real a alimentar ou a atacar uma raposa, estabelecem um paralelismo semântico com a cena central.

Triptíco
Paula Rego, 1998
Kendal, Lakeland Arts Trust – Abbot Hall Art Gallery and Museum

Num tríptico desta série, Paula Rego representa a agonia de raparigas  no espaço fechado e íntimo dos seus quartos, sublinhando a solidão destas mulheres que, apesar da circunstância e da sua juventide, mantêm a sua dignidade.

Paula Rego
Foto: Nick Willing, 2018

Com uma linguagem artística muito pessoal, a universalidade dos seus temas incorpora uma simbologia vernácula de raiz portuguesa. Entre o fascínio e a inquietação, a pintura de Paula Rego provoca-nos, enquanto nos obriga a enfrentar os medos, os desejos e as incongruências do nosso mundo interior. São eternas estas histórias porque desnudam a essência do que somos. Muito para além da morte, a pintura de Paula Rego é o nosso património e a nossa memória. E assim será para sempre.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search