Diálogos entre o criado e o criador

Exposição “Diálogos: Na beleza das obras contemplamos a beleza do Criador”
Viseu, Museu da Misericórdia (18 fev. – 21 ago. 2022)

Entrada da exposição; à direita, o início do percurso expositivo e, à esquerda, vista da última sala
Viseu, Museu da Misericórdia
Foto: MIR, 2022

O diálogo matricial a que esta exposição se refere processa-se entre o homem nado e criado e o inato e supremo criador. A relação com declinações entre o homem e o divino através da criação artística declinações entre os materiais da natureza criada por Deus e os artistas-criadores que os transformam em obra de arte sacra e religiosa.

Diálogo e segredo
Paulo Neves
Viseu, Museu da Misericórdia
Foto: MIR, 2022

Através de cerca de cinquenta peças de pintura, escultura, azulejaria e ourivesaria, da Idade Média à atualidade, a exposição está estruturada em três segmentos nucleares, cada um funcionando como unidade em torno dos materiais madeira, argila e pedra: “Do silêncio da MADEIRA… à revelação de Deus”; “Moldar a ARGILA… com contornos de eternidade”; “Levantar a PEDRA… e encontrar Deus”; e, como epílogo, “Dar forma aos MATERIAIS… Ele está aqui”.

Núcleo dedicado à madeira
Viseu, Museu da Misericórdia
Foto: MIR, 2022
Núcleos dedicados à pedra e, ao fundo, ao barro
Viseu, Museu da Misericórdia
Foto: MIR, 2022

0 percurso aparenta ser ascensional, tendo subjacente a caminhada do homem em direção ao divino, marcada por expressões como ‘à revelação de Deus’, à representação de “contornos de eternidade” e ao levantamento para “encontrar Deus”. Porém, a epígrafe introdutória aponta para uma realidade circular: Deus é o criador de um mundo perfeito, ordenado e belo, tomando como referência o versículo bíblico “Deus viu tudo o que tinha feito e era muito bom” (Gn 1, 31). Tendo sido Deus quem criou a natureza e a matéria que nela existe, o homem apropria-se dos materiais existentes na natureza para se tornar ele próprio criador, ainda que imperfeito, de obras belas que espelham o divino. Este é o conceito que tutela a criação de arte sacra, sendo, portanto, o princípio norteador da exposição.

Pinturas, esculturas e talha no núcleo dedidado à madeira
Viseu, Museu da Misericórdia
Foto: MIR, 2022

Tendo como objeto a arte sacra e servindo-se de objetos de arte sacra, a exposição descreve as suas características materiais, formais e processuais e interpreta o seu sentido religioso e simbólico através de textos bíblicos rigorosamente selecionados.

Calvário: Maria Madalena, Virgem amparada pelas Santas mulheres e São João Evangelista
Bartolomeu Gaspar (atrib. a), 1735-1770
Terracota policromada, dourada e encarnada
Proveniente do demolido convento da Madre de Deus de Sá e atualmente na paróquia de Vera Cruz, diocese de Aveiro
Viseu, Museu da Misericórdia
Foto: MIR, 2022

Em cada núcleo, o processo de transformação do material é ilustrado através dos instrumentos e das técnicas que presidem à manufatura das obras, incluindo as várias fases do processo.

Instrumentos para trabalhar a madeira (em cima), o barro (ao meio) e a pedra (em baixo)
Viseu, Museu da Misericórdia
Foto: MIR, 2022
Nossa Senhora da Apresentação: processo de moldagem e acabamento da imagem em porcelana
Fábrica da Vista Alegre, modelo de 1942
Viseu, Museu da Misericórdia

Por outro lado, o desgaste dos materiais, metáfora da fragilidade e finitude do homem não foi ignorado e particularmente evidente na imagem setecentista do Senhor da Cana Verde.

Senhor da Cana Verde
Autor não identificado, século XVIII
Diocese de Lamego, Paróquia de Cinfães
Viseu, Museu da Misericórdia

Em contrapartida, a exposição alerta para a importância das intervenções de conservação e restauro, apresentando, ao lado de algumas peças, imagens ilustrativas do respetivo processo de análise laboratorial.

Santa Maria Madalena: exame ao microscópio e corte estratigráfico de uma amostra
Autor não identificado, século XIV
Diocese de Aveiro, Paróquia de Vera Cruz
Viseu, Museu da Misericórdia
Sant’Ângelo: radiografia, assinalando os detalhes diferentes na pintura subjacente (olhos, gola e cutelo)
Autor não identificado, século XVI (último quartel)
Diocese de Aveiro, Paróquia de Vera Cruz
Viseu, Museu da Misericórdia
Foto: MIR, 2022

As peças são mostradas nas suas variadas formalizações, sendo de realçar a possibilidade de observar toda a sua volumetria, mostrando, por exemplo, as costas vazadas de imagens retabulares, mas também a manutenção da relação visual prevista com o observador, o que determina a colocação de algumas em plintos elevados.

Esculturas
Viseu, Museu da Misericórdia
Foto: MIR, 2022

Sendo uma iniciativa das dioceses de Aveiro, Guarda, Lamego e Viseu, a exposição é itinerante, tendo sido já apresentada no Museu Diocesano de Lamego (9 jul. – 15 out. 2021) e na Casa da Cultura de Ílhavo (22 out. 2021 – 4 fev. 2022) e, depois de Viseu, seguirá para o Museu Diocesano da Guarda (8 set. – 39 nov. 2022), articulando os respetivos recursos humanos e financeiros. Além de pôr em confronto diferentes tipologias artísticas e expressões estilísticas, o caráter interdiocesano permitiu o cotejo das particularidades vernáculas do território beirão entre a zona costeira e o interior.

Exposição no Museu Diocesano de Lamego
Foto: Fátima Eusébio / Ecclesia, 2021
Exposição na Casa da Cultura de Ílhavo
Foto: Casa da Cultura de Ílhavo, 2021

O projeto expositivo implicou a sua adaptabilidade a diferentes espaços e circuitos e, também, a diferentes museografias, mais depuradas ou mais expressivas, como acontece em Viseu.

Exposição no Museu da Misericórdia de Viseu
Foto: MIR, 2022

Aqui, os fundos e suportes em gradações de amarelo, numa progressiva acentuação da cor (vd. imagem da entrada da exposição), remetem para o conceito metafísico da luz no Cristianismo1. No Génesis, o primeiro ato de Deus foi a criação de luz: “Disse Deus: ‘Haja luz’ e houve luz” (Gen 1, 3). Também nos Salmos, Deus, Ser imaterial, é comparado ao Sol do meio-dia (cf. Sl 36, 6; 42, 3) e faz resplandecer sobre nós a luz de sua face (Sl 66, 2). O mesmo sentido é confirmado por São Agostinho ao referir-se a Deus como “sol spiritualis” (De Serm. Dom. 23, 79). Evoca, ainda, o pensamento de São Boaventura que associa a luz, por via da cor, à proporção para a definição do belo: “pulcritudo nihil aliud est quam […] quidam partium situs cum coloris suavitate [TL: A beleza não é mais do que uma certa disposição das partes, juntamente com o encanto da cor]” (Itin. 2, 5).

Por outro lado, a adaptação a este espaço obrigou a uma maior concentração de peças expostas o que se torna particularmente evidente na última sala. Esta contingência, aliada à opção por um cromatismo vibrante nos suportes expositivo, acarreta uma sobrecarga visual que um espaço mais amplo ou uma diminuição no número de peças expostas teriam evitado. Porém, dado que aqui cada peça cumpre uma função particular no discurso, é compreensível a opção por mantê-las a todas e ao núcleo final, a fim de não truncar o sentido da exposição e comprometer a sua consistência.

Referências:
Agostinho, Santo, 354-430. (1861 [395]). Sermone Domini in monte secundum Matthæum: Libri duo. In Migne, J.-M., Patrologiae cursus completus …: Series latina: Sancti Aurelii Augustini, hipponensis episcopi: Opera omnia … (vol. 34, pp. 1299-1270). Parisiis: Migne.
Boaventura, Santo, 1221-1274. (1891 [1259]). Itinerarium mentis in Deum. In Doctoris Seraphici S. Bonaventurae: Opera omnia: Tomus 5: Opuscula varia theologica (pp. 293-316). Ad Claras Aquas (Quaracchi: Ex Typographia Collegii S. Bonaventurae).

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Diálogos entre o criado e o criador," in a.muse.arte , 2022/06/08, https://amusearte.hypotheses.org/8101.
  1. Esta informação foi prestada por Fátima Eusébio, membro do Comissariado Científico da exposição e diretora do Departamento Diocesano dos Bens Culturais de Viseu. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.