O poder dos Museus

O Dia Internacional dos Museus 2022 tem, como tema, “O poder dos museus”.

O Conselho Internacional de Museus (ICOM) propõe uma reflexão acerca do potencial dos museus para criar uma transformação positiva da sociedade em três vertentes: o poder de contribuir para o desenvolvimento sustentável das suas comunidades; o poder de inovar na aplicação da tecnologia digital, tornando os museus mais acessíveis e envolventes; o poder de desenvolver a construção da comunidade através da educação, contribuindo para a formação de uma sociedade civil informada e empenhada.

Os museus foram, desde os seus primórdios, um instrumento do poder. Considerados como um espaço onde educação informal, transmitiam a visão das elites e, assim, eram utilizados para disciplinar a sociedade. Michael Foucault (1926-1984) denunciou este poder e a possibilidade de os museus criarem um modelo regulador do comportamento dos indivíduos, orientando-os para o que devia ser visto e apreendido nos espaços expositivos e, com isso, guiando-os na sua relação com o passado e com o mundo em que viviam (Foucault, 1975). No seu conjunto, os museus constituem “[…] a powerful community, indeed, but one whose latent power has been largely consumed by a preoccupation with education, entertainment and consumption” (Janes, & Sandell, 2019, p. 1). Para o exercício deste poder, o principal recurso dos museus era a coleção de objetos, vestígios materiais do passado que era necessário salvaguardar.

No contexto das mudanças sociais e culturais da pós-modernidade, surgiram as primeiras vozes a contestar o papel dos museus como meros locais de armazenamento para preservar o valor material e estético dos objetos, usando-os como veículo de um discurso monológico. Começou, então, a enfatizar-se a importância de os museus envolverem a participação das comunidades, utilizando os objetos para incentivar novas narrativas na elaboração de um discurso dialógico. Os objetos são reavaliados, tomando em consideração as informações e as significações neles incorporadas.

Porém, a mudança foi lenta e irregular, dada a diversidade de museus e da forma como definem a sua função na sociedade. “No single museum can respond to all social needs with equal effectiveness; for this reason alone we must have a variety of museums and museum styles, serving different purposes or tackling challenges from different approaches” (Karp, Kreamer, & Lavine, 1992, p. 159). Porém, tornou-se consensual que os museus não são espaços neutros e que os seus discursos são projetados para transmitir uma versão da verdade, com estratégias alicerçadas nas tendências do mercado e fundamentados na ideologia política que os rege (Janes, 2015).

O que se propõe, agora, é uma transferência de poderes e da autoridade do museu, enquanto único enunciador do discurso, para as suas comunidades e os seus públicos. Ou seja a mudança de um controlo autoritário para uma disposição democrática aberta à cocriação com a comunidade.

O poder do museu reside na sua capacidade de criar identidades e conexões, articulando a educação e a transformação digital e a sustentabilidade como ferramentas para o desenvolvimento da comunidade.
Na imagem proposta pelo ICOM para este dia, uma mão de onde parte  aquilo que sugere ser um cérebro com apontamentos naturais, folhas e flores, ambos estilizados e coloridos, sugerem que do pensamento (cérebro) à ação (mão), os museus têm o poder de mudar o mundo.

Referências:
Foucault, M. (1975). Surveiller et punir: Naissance de la prison. Paris: Éditions Gallimard.
Janes, R. R. (2015). The end of neutrality: A modest manifesto. Informal Learning Review, (135), 3–8.
Janes, R. R., & Sandell, R. (2019). Posterity has arrived: The necessary emergence of museum activism. In R. R. Janes & R. Sandell (Eds.), Museum activism (pp. 1-21). London; New York: Routledge.
Karp, I., Kreamer, C. M., & Lavine, S. D. (Eds.). (1992). Museums and communities: The politics of public culture. Washington; London: Smithsonian Institution Press.
Macdonald, G. (1992). Change and challenge: Museums in the information society. In I. Karp, C. M. Kreamer, and S. D. Lavine (Eds.). Museums and communities: The politics of public culture (pp. 158-181). Washington; London: Smithsonian Institution Press.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.