Museu do Neo-Realismo: desgovernos e desrespeito pela atividade museológica

Como nota prévia, devo confessar que, pese embora o enorme respeito e consideração pela sua investigação em história da arte e pelo trabalho que, ao longo de décadas, tem realizado no mundo dos museus em Portugal, a agressividade que senti nos momentos em que nos cruzámos, talvez por terem sido num contexto adverso, impediu que nutrisse grande simpatia pela Professora Raquel Henriques da Silva. Em relação a David Santos, de quem sou ‘amiga’ de Facebook sem o conhecer pessoalmente, lembro a polémica em torno da coleção SEC que levou à sua demissão do cargo de diretor do Museu Nacional de Arte Contemporânea. Enquanto curador da Coleção de Arte Contemporânea do Estado (CACE), tenho dúvidas em relação aos critérios adotados para a constituição que deixa de fora alguns artistas que lá deveriam estar e promove outros, mas relevo atendendo a que qualquer escolha implica subjetividade.

Tomando como referência os ecos que a substituição de Raquel Henriques da Silva por David Santos na direção do Museu do Neo-Realismo, em Vila Franca de Xira, tem tido na imprensa (Martins, 2022; Talixa, 2022), a situação afigura-se vergonhosa e ultrajante. É, também “indigna” (como a própria classifica) do trabalho que Raquel Henriques da Silva aí tem desenvolvido desde 2017, quando lhe foi atribuído o cargo de diretora científica do museu, convidada por Maria da Luz Rosinha, presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira (1998-2013) e pelo próprio David Santos, antigo diretor do museu (2007-2013). Segundo o seu testemunho, Raquel Henriques da Silva foi avisada por telefone que o seu gabinete já tinha sido ocupado por David Santos, nomeado diretor municipal de cultura de Vila Franca de Xira, sem lhe dar tempo de retirar os seus pertences, nomeadamente, livros e o computador que usava. David Santos remete-se ao silêncio mesmo perante a acusação de Raquel Henriques da Silva de “casca grossa” e de que “queria uma pessoa que o substituísse, enquanto ele andava a ocupar cargos, para depois voltar” (cit. in Martins, 2022).

Durante o tempo em que ocupou o cargo, Raquel Henriques da Silva assegurou a atividade do museu com exposições de grande qualidade “fruto de um profundo trabalho de investigação, promoção e divulgação da obra de escritores, artistas e intelectuais que marcaram a cultura do século XX” (Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, 2019), o que se refletiu nos respetivos catálogos. Entre elas, destaca-se a exposição “Candido Portinari: do cafezal à ONU” (20 out. 2018 – 3 mar. 2019), com curadoria sua e de Luísa Duarte Santos, dedicada a um dos mais celebrados pintores brasileiros, cuja obra apresenta fortes ligações ao ideário neorrealista, e em cuja inauguração esteve presente João Candido Portinari, único filho do artista, fundador e Diretor Geral do Projeto Portinari. Ou a última que coordenou “Representações do povo” (17 abr. 2021 – 10 abr. 2022), ou, ainda, “A Família Humana” (10 jul. 2021 – 29 maio 2022), que dá a conhecer a coleção de fotografia centrada no período 1930-60, iniciada pelo museu com o contributo de Jorge Calado que também assina a curadoria. Raquel Henriques da Silva garantiu igualmente a ligação à comunidade, através de uma programação preenchida com visitas guiadas, conferências, ciclos de cinema, podcasts.

Atualmente, estava a preparar a renovação da exposição permanente do museu, cuja conclusão estava prevista para o próximo mês de outubro e após a qual, depois de cumprir a missão que lhe fora atribuída e com a qual se comprometera1 tencionava sair.

Para lá da vergonhosa desconsideração em relação ao trabalho feito, este o cerne da questão: a ligeireza, a desfaçatez e – porque não dizê-lo? – ignorância com que uma Câmara Municipal se arroga o direito de atropelar alguém com a categoria e as competências de Raquel Henriques da Silva e de interromper o projeto que esta estava a desenvolver. Mesmo que tudo indique que a Câmara e o seu diretor de Cultura pretendam dar continuidade ao projeto desenvolvido, este obedece a uma lógica narrativa que é de autoria de Raquel Henriques da Silva. Não compreender isso é ignorar as dinâmicas do museu, o sistema do pensamento crítico e metodológico subjacente à construção de uma exposição permanente e à elaboração do discurso museológico. É ignorar que tudo isto constitui um processo moroso que não é possível cortar e retomar sem perdas.

Tudo isto é desvalorizar a museologia no tabuleiro do jogo político.

Referências:
Câmara Municipal de Vila Franca de Xira. (2019). Candido Portinari no Museu do Neo-Realismo. Acedido em https://www.cm-vfxira.pt/municipio/comunicacao/noticias/arquivo/2019/noticia/candido-portinari-no-museu-do-neo-realismo
Martins, C. (2022, 2 maio). Uma historiadora despejada, um diretor em silêncio: A nova realidade do Museu do Neo-Realismo. Expresso. Acedido em https://expresso.pt/cultura/2022-05-02-Uma-historiadora-despejada-um-diretor-em-silencio.-A-nova-realidade-do-Museu-do-Neo-Realismo-711d0f43?fbclid=IwAR12BdlkL7YKfQ2lCd3Nvc928Dtopgz7gSZG9zMFWL6FU2J-x-2QVHd1Kb0
Talixa, J. (2022, 2 maio). Raquel Henriques da Silva sentiu-se “despejada” e demitiu-se do Museu do Neo-Realismo. Público. Acedido em https://www.publico.pt/2022/05/02/culturaipsilon/noticia/raquel-henriques-silva-sentiuse-despejada-demitiuse-museu-neorealismo-2004288

  1. Raquel Henriques da Silva, que já completou 70 anos, proferiu a Última Aula magistral no passado dia 22 de março, no auditório B1 da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.