Sanatório sob o signo da Clepsidra

“Sanatório sob o signo da Clepsidra”
Lisboa, Galeria Monumental (21 abr. – 2 jun. 2022)

Joanna Latka (1978-) escolheu o título da obra de Bruno Schulz, em que se inspirou, para designar a série de trabalhos que expõe na Galeria Monumental.

Exposição “Sanatório sob o signo da Clepsidra”
Galeria Monumental
Foto: MIR, 2022

Bruno Schulz (1892-1942) nasceu em Drohobych que, na altura, estava integrada no Império Austro-Húngaro e, atualmente, é uma cidade da Ucrânia1, foi, também ele, pintor, mas é sobretudo reconhecido como um dos maiores escritores polacos do século XX. Durante a invasão alemão, Schulz foi obrigado a viver no gueto de Drohobych por ser judeu, tendo sido assassinado na rua por um oficial da Gestapo em 1942. Os contos de Sanatório sob o signo da Clepsidra espelham o mundo desorientado e irracional do seu tempo – tal como, hoje, o sentimos e é vivido de forma trágica na sua terra natal.

The flaming banners
Joanna Latka, 2022
Foto: JL, 2022

Joanna Latka, polaca, natural de Cracóvia, há muito a residir em Portugal, numa inspiração que se tornou quase premonitória, apropria-se destes contos para desenhar um universo, onde cada figura ou cada cena esconde o universo fantástico e surrealista inerente à narrativa, cruzando-o com referências à cultura popular vernácula. Justificando a conexão à obra de Schulz, lê-se na folha de sala que:

Há uma estranheza latente em cada cenário, sinais metafóricos e expressivos de uma realidade sonhada, nem sempre benévola, e marcas de um horizonte onírico que se abeira da loucura – o sanatório. Há o pressentimento de que tudo é transitório e efémero, a certeza de que o tempo é fugaz, abafado pelo presságio da morte – o signo da clepsidra, o inexorável destino. (Roque, 2022)

The grimacing gaze
Joanna Latka, 2022
Foto: JL, 2022

Os lugares são indeterminados como acontece nos sonhos e o tempo é descontínuo como acontece nas memórias. Se, aparentemente, as construções de Joanna Latka são definidas e concretas, subentende-se que tudo o que representa é também vago e fluido, entre o passado e o presente, entre o real e o imaginado.

Hungry dogs
Joanna Latka, 2022
Foto: JL, 2022

Nos contos de Schulz (tal como em Kafka2, sendo comum o paralelismo entre ambos), a metamorfose é recorrente: “The man-as-bird is also a trope familiar from Schulz stories, as well as evoking Kafka’s self-stylization as a bird, and the element of metamorphosis” (Gwyer, 2018, p. 12).

The wild flowers (pormenor)
Joanna Latka, 2022
Fotos: JL, 2022

Também em Joanna Latka, onde os homens-pássaros são recorrentes, a imagem pode representar a metamorfose, num constante equilíbrio entre a conotação aparente e a denotação intuída.

Adieu; à esquerda, pormenor do trabalho em curso
Joanna Latka, 2022
Fotos: JL, 2022

Com um inconfundível traço forte e expressivo, os desenhos de Joanna Latka são delineados a aparo com tinta-da-china para definir as cenas, as figuras e os objetos em composições sombrias, mas iluminadas por destacados apontamentos a vermelho e amarelo.

No conto “O livro”, Schulz descreve uma viagem ao tempo da ‘época genial’ que, simultaneamente existe e não existe, afirmando que “há coisas que não podem acontecer completamente, até ao fim. São grandes, são magníficas demais para caber num acontecimento. Apenas tentam acontecer, só verificam se o solo da realidade as suporta” (Schulz, 2009, p. 24). Esta poderá ser uma epígrafe para os dias que correm, face à insanidade e ao absurdo de uma guerra que a todos perturba.

The great procession
Joanna Latka, 2022
Foto: JL, 2022

Porém, Schulz, contrapõe-lhe “A primavera”, esse tempo de revelação em que o ‘poderoso’ se perde na multidão “tão pequeno, destronado e cinza (id., pp. 58-59) e em que, nas ruas, apareciam os primeiros arautos, em trajes de gala, com faixas vermelhas nos braços” (id, p. 61), cumprindo uma missão: “O mundo manifestava-se com milhares de mãos de mãos, bandeiras e estandartes erguidos como para um juramento” (id., ibid.) derrotando o ‘poderoso’.

Também em Joanna Latka, este estado primaveril é um tempo de festa com o cortejo triunfante que avança nas ruas.

E a coroa de espigas e papoila que coroa “A primavera” torna-se um signo promissor que alegra a imponderabilidade dos dias.

The Spring
Joanna Latka, 2022
Foto: JL, 2022

Todos os argumentos se tornam um motivo imperioso para visitar, observar e pensar as obras que Joanna Latka nos mostra.





Exposição “Sanatório sob o signo da Clepsidra”
Galeria Monumental
Foto: MIR, 2022

Referências:
Schulz, B. (2019). Sanatório sob o signo da Clepsidra (trad. Henryk Siewierski). Lisboa: Tédio.
Gwyer, K. (2018). ‘You think your writing belongs to you?’: Intertextuality in Contemporary Jewish Post-Holocaust Literature. Humanities, 7(1), 1-20.

Nota: agredece~se, a Joanna Latka (JL), a cedência das imagens das suas obras e, à Galeria Monumental, a autorização para fotografar o espaço da exposição.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Sanatório sob o signo da Clepsidra," in a.muse.arte , 2022/05/05, https://amusearte.hypotheses.org/7951.
  1. Drohobych, fundada em finais do século XI, tornou-se parte do Império Habsburgo em 1772 após a primeira partição da comunidade polaco-lituana. Após a Segunda Guerra Mundial, a cidade foi incorporada à parte ucraniana da União Soviética que se tornou independente em 1991. []
  2. Schulz traduziu O processo, de Kafka, publicado na Polónia em 1936, onde incluiu um posfácio muito subsidiário das ideias que partilhava com Witold Gombrowicz, pessoalmente e por cartas. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search