A arte é uma arma: a ausência da Rússia e a presença da Ucrânia na Bienal de Veneza

La Biennale di Venezia, 2022
Foto: La Biennale

A 59.ª Bienal de Arte de Veneza, a primeira após a pandemia, abre a 23 de abril, retomando uma periodicidade quase constante desde 18951.

La 59. Esposizione Internazionale d’Arte: , Il latte dei sogni
Bienal de Veneza, 2022

A exposição principal, “Il latte dei sogni”, com curadoria de Cecilia Alemani, recolhe inspiração na obra homónima (The milk of dreams) da artista surrealista Leonora Carrington (1917-2011), um livro infantil com as histórias e desenhos de um mundo fabuloso onde a transformação e a transgressão são uma constante. A exposição, concebida num período de incerteza e mudança, não é sobre a pandemia, mas regista inevitavelmente as convulsões deste tempo (La Biennale di Venezia, 2022). Ao não ficar centrada na pandemia, abre-se a outras referências e significados que incluem a realidade da guerra e a imprevisibilidade dos seus efeitos. A exposição internacional desenvolve-se entre os Giardini e o Arsenale, com 1433 obras de 213 artistas provenientes de 58 nações.

Pavilhão da Rússia encerrado
Bienal de Veneza, 2022
Foto: La Biennale

O pavilhão russo irá ficar encerrado, como uma marca anómala em plenos Giardini, onde se encontram o Pavilhão Central com a exposição “Il latte dei sogni” e os principais pavilhões nacionais, depois de os artistas Kirill Savchenkov, Alexandra Sukhareva e o curador Raimundas Malašauskas terem cancelado a sua participação numa ação de protesto contra a guerra. No dia 27, Savchenkov publicou na sua página de Instagram uma declaração, escrita sobre um fundo negro: “There is nothing left to say, there is no place for art when civilians are dying under the fire of missiles, when citizens of Ukraine are hiding in shelters when Russian protestors are getting silenced”. A publicação seguinte foi feita durante a pré-inauguração da Bienal, afirmando que “In this world I have lost a place for art, but many people and friends from Ukraine lost everything and much more”.

Publicação de Kirill Savchenkov no Instagram (2022, 27 fev.)
Publicação de Kirill Savchenkov no Instagram (2022, 21 abr.)

Também Vadim Zakharov, que havia representado a Rússia em 2013, protagonizou uma ação de protesto frente ao pavilhão encerrado, empunhando um cartaz onde se dizia contra a propaganda russa e a invasão da Ucrânia, afirmando que “The morder of women, children, people of Ukraine is a disgrace to Russia. I am standing here in front of the Russian Pavilion against the war and against Russian government cultural ties”.

Vadim Zakharov frente ao Pavilhão da Rússia
Bienal de Veneza, 2022

Em contrapartida e apesar das dificuldades, o pavilhão da Ucrânia está aberto, numa atitude determinada que adquire a força de um símbolo. A exposição, com curadoria de Borys Filonenko, Lizaveta Herman, Maria Lanko, da galeria The Naked Room em Kyiv, apresenta a obra conceptual cinética Fountain of exhaustion. Acqua alta, de Pavlo Makov. O artista, nascido em S. Petersburgo, passou a maior parte da vida na Ucrânia e estudou arte na Crimeia: “I am a citizen of Ukraine, and for me citizenship is much more important than my ethnic identity” (Makov, cit. in Brown, 2022). A invsão russa deixou-o relutante em deixar Kharkiv, justificando que “I am not running from my home, though I cannot really fight and I do not know how to do it. You need to be trained. Let’s see what will come next. Russia won’t stop just like that. They will continue to fight. But so will we” (id., ibid.). Porém, depois de ter passado uma semana num abrigo anti-aéreo decidiu estar presente em Veneza, considerando que “Russia’s idea is to eliminate Ukraine – and to eliminate Ukrainian culture. If it has no culture, Ukraine does not exist” (Makov, cit. in Higgins, 2022) e que, por conseguinte, tinha de estar presente “to show that we are here, and we exist […] we are fighting for our culture, our way of seeing the world” (id., ibid.).

 

Fountain of Exhaustion. Acqua Alta
Pavlo Makov, [1995] 2022
Bienal de Veneza, Pavilhão da Ucrânia, 2022
Foto: Katya Pavlevych
A obra Fountain of Exhaustion. Acqua Alta é constituída por 78 funis metálicos dispostos em 12 camadas horizontais numa composição triangular. O fluxo de cada funil reparte-se em dois, na camada que lhe está imediatamente abaixo, chegando ao nível inferior num fraco gotejo. Dadas as contingências do espaço, foi projetada uma estrutura independente, encostada à parede, onde foram instalados os funis; a água, depois de passar pelos funis, cai numa bacia de onde é novamente puxada para o topo por uma bomba camuflada.

Fountain of Exhaustion. Acqua Alta
Pavlo Makov, [1995] 2022
Bienal de Veneza, Pavilhão da Ucrânia, 2022
Foto: La Biennale
Quando as tropas russas invadiram o país, a curadora Maria Lanko decidiu colocar os funis no porta-bagagem do carro e, por entre estradas bombardeadas ou congestionadas, conseguiu chegar à fronteira e, daí, levá-las para Itália; já em Milão, conseguiu encontrar um artesão que recriou as componentes da obra que não havia conseguira transportar consigo, viabilizando a sua apresentação na Bienal.

Fountain of Exhaustion
Pavlo Makov, 1995
Desenho sobre papel

A obra fora concebida em 1995, quando, na sequência de umas cheias que contaminaram os recursos hídricos que abasteciam Kharkiv, a cidade, na confluência de três rios, ficou sem água durante seis semanas. Na altura, formalizada em quatro camadas de funis de cartão, pretendia representar o esgotamento dos recursos hídricos e a falta de gestão no período pós-soviético, impedindo o funcionamento das fontes existentes na cidade. Agora, toma um sentido mais amplo que, no passado mês de janeiro – antes da invasão russa iniciada a 24 de fevereiro – Makov definia como a exaustão em vários níveis, para lá do esgotamento dos recursos ambientais, tais como a exaustão psicológica devido ao abuso das redes sociais, a pandemia e a recessão económica (cfr. Brown, 2022) e, também, às inundações que ocorrem sazonalmente em Veneza, tal como é aludido no título (“acqua alta”). Esta fonte, tal como uma clepsidra, torna-se um símbolo do escoamento, do tempo que flui e da morte e, com isso, da tragédia que acontece na Ucrânia.

Piazza Ucraina.
Bienal de Veneza, 2022
Foto: Artnet News

Pouco tempo antes da abertura da Bienal, os curadores do pavilhão foram convidados a organizar uma exposição oficial colateral, ao ar-livre na Piazza Ucraina, instalada no centro dos Giardini, o espaço nuclear das áreas expositivas. Ao centro, ergue-se uma pirâmide de sacos cheios de areia, tal como tem sido usual fazer nas cidades ucranianas para proteger a arte pública dos bombardeamentos russos. Os curadores pretendem, com isso, chamar a atenção para os mais de 230 ataques a locais e objetos culturais registados pelo Ministério da Cultura e da Política de Informação ucraniano e para mais de uma centena de sítios patrimoniais destruídos desde o início da guerra, conforme assinalado pela UNESCO. Em torno, erguem-se placas de madeira carbonizada, servindo de suporte a obras criadas por artistas ucranianos durante a guerra. Para refletir esta produção artística ao longo do conflito, as obras serão substituídas mensalmente.

Exposição “This is Ukraine: Defending freedom”
Bienal de Veneza, 2022
Foto: Profimedia

Um outro evento oficial colateral é a exposição “This is Ukraine: Defending freedom” na Scuola Grande della Misericordia. Na fachada do edifício, pendem faixas com as cores da bandeira ucraniana, nas quais se inscreve a frase manuscrita pelo presidente Volodymyr Zelenskyy: “We are defending our Freedom”. A exposição foi organizada pelo PinchukArtCentre, em parceria com o gabinete do presidente e o Ministério da Cultura. Björn Geldhof, director artístico do PinchukArtCentre e curador da exposição, descreve o projeto: “We conceptualised, prepared and installed the exhibition in less than four weeks, an impossible project for impossible times. But doing the impossible is what Ukraine does on a daily basis” (cit. in PinchukArtCentre, 2022). Entre as obras expostas, encontram-se o diário e as fotografias de guerra, realizados pela escritora e fotógrafa Yevgenia Belorusets durante os quarenta dias em que ficou confinada a um corredor da sua casa em Kyiv, e as enormes pinturas de Lesia Khomenko, mostrando a transformação de homens homens comuns em soldados.

Porém, esta exposição serve também para relembrar que a luta pela liberdade na Ucrânia é anterior à invasão russa que desde o passado mês de fevereiro assola o país. As instalações de Nikita Kadan incluem fragmentos de metal retorcido recolhido em Donbas, durante o conflito de 2014 e na guerra atual. Uma parede, sobre a qual foi instalado um ecrã para transmitir uma mensagem de Zelenskyy, está parcialmente coberta com mais de 300 fotografias de mães cujos filhos morreram em 2014.

Exposição “This Is Ukraine: Defending Freedom”: visitantes face à parede com as fotos de mães de soldados mortos em Donbas e ao ecrã onde Volodymyr Zelenskyy apela aos artistas e aos líderes culturais para utilizarem as suas obras e influência no apoio à Ucrânia.
Bienal de Veneza, 2022
Foto: Julia Halperin

Estas obras convivem com algumas obras-primas de artistas ucranianos, tais como Maria Priymachenko (1909) e Tetyana Yablonska (1917). Além disso, porque a arte é uma linguagem sem fronteiras e a comunidade artística se uniu no apoio à Ucrânia, a exposição inclui obras de Marina Abramović (Sérvia, 1946), Olafur Eliasson (Dinamarca, 1967), JR (França, 1983), Damien Hirst (Reino Unido, 1965), Boris Mikhailov (Ucrânia, 1938) e Takashi Murakami (Japão, 1962), direta ou indiretamente relacionadas com esta guerra.

A Bienal de Veneza assumiu uma posição, veiculando a voz do povo ucraniano e usando a arte como arma no combate pela paz. Porque a arte, tal como “a cantiga”, “é uma arma” e, isso, nós já sabíamos.

Sky Over Corn Field
Damien Hirst, 2022
Exposição “This is Ukraine: Defending freedom”
Bienal de Veneza, 2022

Referências:
Brown, K. (2022, 24 fev.). ‘I am not running from my home’: Pavlo Makov, the artist representing Ukraine in the Venice Biennale, on selling art to help arm the front lines”. In Artnet News. Acedido em https://news.artnet.com/art-world/ukraine-pavilion-pavlo-makov-2077297
Higgins, C. (2022, 20 abr.). “Venice Biennale: ‘We are fighting for our culture’: Ukrainian artists head to Venice Biennale”. In The Guardian. Acedido em https://www.theguardian.com/artanddesign/2022/apr/20/ukraine-artists-venice-biennale-russia?CMP=Share_iOSApp_Other
La Biennale di Venezia (2022). 59. Esposizione Internazionale d’Arte: Il latte dei sogni. Acedido em https://www.labiennale.org/it/arte/2022/59-esposizione
PinchukArtCentre. (2022). This is Ukraine: defending freedom @ Venice 2022. Acedido em https://new.pinchukartcentre.org/thisisukraine-en

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "A arte é uma arma: a ausência da Rússia e a presença da Ucrânia na Bienal de Veneza," in a.muse.arte , 2022/04/22, https://amusearte.hypotheses.org/7800.
  1. Esta edição da Bienal teve de ser adiada por um ano, devido à pandemia o que apenas tinha acontecido durante a Primeira e a Segunda Guerras Mundiais []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search