Em azul e amarelo, somos

Durante os últimos tempos, buscámos imagens que refletissem o isolamento e os receios provocados pela pandemia, mas também que trouxessem a esperança de que iríamos ultrapassar as provações.

Porém, quando a pandemia dá os primeiros sinais de abrandamento, somos engolidos pela tragédia da guerra. Como se fosse necessário desfazer a ingénua esperança de que iríamos renascer mais humanos, mais lúcidos e mais atentos às coisas simples. Como se fosse necessário lembrar-nos que é difícil conservar a memória e tirar lições do passado…

Concentrados nos dramas da pandemia, ignorámos os sinais de perigo, os indícios da loucura que se anunciava.

A guerra rebentou junto de nós – porque já não há lugares distantes – forçando-nos a deixar cair as máscaras da surpresa e da incredulidade, e atingiu-nos como um murro. Todos nós conhecemos alguém em perigo, todos nós somos ucranianos. São nossas as casas bombardeadas, ouvimos os mísseis a sobrevoar os nossos abrigos, são nossas aquelas lágrimas e os olhos abertos no estupor do medo.

Como um raio de esperança que corta as nuvens cerradas da guerra, crescem os gestos de solidariedade e humanidade. Os monumentos, em todo o mundo, iluminam-se com o azul e o amarelo da bandeira ucraniana, as multidões que saem e fazem vigílias pela paz, enquanto o monstro avança cego e surdo. Os artistas usam as suas vozes: Marina Abramović, sérvia, vestida de negra e frente a uma cortina branca, enviou uma mensagem de apoio à Ucrânia, sem tentar qualquer atitude performativa;  o AES+F, coletivo de quatro artistas russos (Tatiana Arzamasova, Lev Evzovich, Evgeny Svyatsky e Vladimir Fridkes) que representou a Rússia na Bienal de Veneza de 2007, partilhou um quadrado preto nas redes sociais, numa atitude de protesto; Elena Kovalskaya, que também pôs a negro a imagem de perfil no Facebook, demitiu-se da direção do reputado teatro de Moscovo, por lhe ser impossível trabalhar para um assassino.

Em Kyiv1, o artista conceptual ucraniano-russo Aljoscha realizou uma ação um protesto junto ao Monumento da Pátria, erguendo uma espada na mão direita e um escudo com a foice e o martelo, na esquerda. A escultura é um dos poucos símbolos do comunismo soviético na Ucrânia, dado que a maioria destas esculturas propagandísticas estão proibidas em espaços públicos desde 2015. Frente ao momento, Aljoscha apresentou-se “naked and unprotected as an animals and plants are in the silent protest against any kind of ideological madness”, considerando que “There are no justified conflicts, all of them are criminal, causing violence and pain to all kinds of biological beings”.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu ao presidente russo que retirasse suas tropas da Ucrânia. As Comissões Nacionais para a UNESCO da Europa (e além) condenaram o ataque à Ucrânia, expressando a solidariedade para com o povo ucraniano e pediu que fossem respeitados o direito internacional humanitário e os princípios fixados pela Convenção de Haia para a Proteção dos Bens Culturais em Caso de Conflito Armado. A Ucrânia tem registados sete sítios na lista de Património Mundial da UNESCO. Por seu turno, no próprio dia em que a Federação Russa avançou sobre a Ucrânia, o Conselho Internacional de Museus (ICOM) divulgou uma declaração, pedindo um rápido cessar-fogo e a imediata mediação entre os beligerantes, ao mesmo tempo que expressava uma profunda preocupação com a inevitável perda de vidas humanas e o impacto do conflito no património cultural ucraniano.

Aqui, declarando o nosso apoio ao povo ucraniano, servimo-nos de uma imagem da pintura Sem título (Azul e amarelo, 1954), de Mark Rothko, um artista nascido na Rússia. Porque a vida tem irónicas coincidências, lembrando-nos que as fronteiras são fluídas linhas políticas e geográficas, incapazes de deter a humanidade que, dum e doutro lado, se agita e sofre sob os desvarios dos tiranos. A humanidade que, dum e doutro lado, se ergue, mesmo quando cai, a gritar pela paz e pela liberdade.

Hoje, somos ucranianos. Em azul e amarelo, somos.

Untitled (Yellow and Blue = Amarelo e azul)
Mark Rothko,1954
  1. Geralmente, referida como Kiev, Kyiv é a forma usada pela Ucrânia indepenente. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search