Atas do Encontros de Museus de Países e Comunidades de Língua Portuguesa

O ICOM Portugal acaba de disponibilizar as atas dos Encontros de Museus de Países e Comunidades de Língua Portuguesa, em acesso livre e em formato digital pesquisável.

Entre 1988 e 2000, foram realizados cinco encontros. O primeiro, organizado pelas comissões nacionais portuguesa e espanhola do ICOM, aconteceu em Vila Viçosa em 1988, já com o objetivo de iniciar uma série de iniciar um ciclo encontros com frequência bienal em locais diferentes de ambos os países. Este propósito, no entanto, não veio a concretizar-se. Assim, em 1991, foi decidido dar continuidade à | Conferência Geral de Museus de Países de Língua Portuguesa, que se realizara em 1987 no Rio de Janeiro e que, apesar de ter tido um propósito idêntico de periodicidade bienal, também não tivera a continuidade prevista por Portugal ter falhado a organização do encontro previsto para 1989. Na altura, previa-se a criação de um “organismo aglutinador de Museus e instituições afins dos Países de Língua Portuguesa” (Programa do Encontro, 1991). Se este nunca chegou a efetivar-se e se, hoje, a sua criação pode parecer despropositada, o intento de refletir sobre os objetivos, meios e ações dos museus existentes nos países e comunidades de língua portuguesa, com realidades muito distintas entre si, e de proporcionar o conhecimento das suas coleções museológicas, não só foi oportuno, como ao longo de quatro edições, mostrou ser muito profícuo.

III Encontro em Bissau, 1991

V Encontro em Maputo, 2000

É  inevitável referir, a propósito destas atas, a ação pioneira de Natália Correia Guedes, Presidente da Direção da Comissão Nacional Portuguesa do ICOM em todos os encontros à exceção do IV (Macau, 1994), altura em que era Presidente da Assembleia Geral. Foram a sua determinação, a vontade inabalável e, também, a capacidade de catalisar esforços, que conseguiram levar a cabo cinco encontros em pouco mais de uma época e em três continentes diferentes.

Muitas das comunicações apresentadas nestes encontros estão desatualizadas. Alguns conceitos e princípios foram, entretanto, alterados. No entanto, a disponibilização destas atas em formato digital permite fazer um ponto da situação e desfazer alguns preconceitos – ou a sobranceria de quem pensa que a atividade do ICOM em Portugal era, nessa altura, um encontro social mantido entre futilidades e que só nos últimos anos se começou a pensar de forma séria e fundamentada em museologia. Mais do que isso, a reunião das atas autoriza uma leitura global e integrada da museologia em Portugal e nos países e comunidades de língua portuguesa durante a última década do século passado, sujeitando-a a um novo escrutínio e a uma análise crítica e contextualizada.

São sobejas as razões para saudar esta iniciativa do ICOM Portugal.

Referência:
Costa, A. [Discurso inaugural]. In Ministério da Cultura de Moçambique, Departamento de Museus & Comissão Nacional Portuguesa do ICOM, V Encontro de Países e Comunidades de Língua Portuguesa (pp. 7-9). Lisboa: Comissão Nacional Portuguesa do ICOM.

Nota pessoal:

Trabalhando com a Professora Natália entre 1990 e 2000, testemunhei o empenho, as dificuldades, o entusiamo que estiveram envolvidos nesses encontros. Na verdade, posso confessar o orgulho que sinto por ter participado na organização dos encontros e na edição das respetivas atas. Estes encontros fizeram parte da minha formação inicial em Museologia, com a curiosidade (e a ingenuidade!) de quem principia a desvendar um novo mundo.

Estive nos encontros de 1991, em Bissau, e de 2000, em Maputo; faltei ao de 1994, porque estávamos nas vésperas da inauguração da exposição Encontro de Culturas. Tive, aí, a oportunidade de conhecer algumas que, na altura, vi como referência e assim se mantiveram: Ana Duarte, Alda Costa, António Nabais, Flávio Lopes, Isabel Pereira, Joaquina Soares…

Flávio Lopes, Leonor d’Orey, Natália Correia Guedes e Ana Brandão
Bissau, 1991

Fui a Bissau com a incumbência de montar a exposição “Museus Portugueses” que já tinha sido apresentada em Mafra e de que lembro, acima de tudo, que pesava uma tonelada, que chegou a Bissau sem as ferramentas necessárias para a montagem, bem como uma séria de peripécias que apenas se contam entre amigos.

Exposição “Museus Portugueses”
Bissau, 1991

Isso deu-me a possibilidade de participar no “meu” primeiro congresso de Museologia, aprendendo com quem trabalhava em museus e estudava e refletia sobre isso. Deu-me, sobretudo, a oportunidade de ir pela primeira vez a África, de visitar Gabú e Bafatá, de entrar numa tabanca, de ver o trabalho dos missionários numa gafaria, de comer o mais maravilhoso choco de que me lembro na Pensão (Central) da D. Berta, de ter sido detida por fotografar o que não devia, das coisas e das gentes no mercado Bandim, de sentir os cheiros e o apelo daquela terra quente.

Encontro numa tabanca (entre Bafatá e Gabú?)
Guiné-Bissau, 1991

Em Maputo, apresentei a minha primeira comunicação em congresso, em coautoria com Dália Guerreiro. Sendo a comunicação sobre as potencialidades da utilização das novas tecnologias (na altura, eram mesmo novas) na documentação e comunicação no museu, tivemos, a Dália Guerreiro e eu, a ideia louca de comprovar a possibilidade de, aproveitando os momentos livres durante o congresso, inventariar a igreja de Santo António de Polana e apresentar os resultados no congresso, usando apenas um computador com um sistema de cinco bases de dados interrelacionadas e uma máquina fotográfica digital. À distância de 20 anos, o mérito dessa comunicação é o de ter registado os procedimentos de digitalização nessa época. Foi, também a oportunidade de entrar nos mundos que cabem na cidade de Maputo, de conhecer Malangatana e os seus lugares, da ver nascer um projeto cultural em Matalana, de entrar nas águas do Índico, de ver o Cruzeiro do Sul numa noite sem luar e de, novamente, sentir os cheiros e o apelo daquela terra quente.

Plantação de uma árvore
Matalana, 2000

… e ao folhear estas atas, vendo a reportagem fotográfica dos encontros de Bissau e Maputo, não posso deixar de pensar que fiz muita falta nos restantes!


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.