Rapture: memória metafórica para este tempo

You who are living, live the best life you can
Don’t count on the earth to preserve memory
Ai Quing,  19801

Exposição “Ai Weiwei: Rapture”
Lisboa, Cordoaria Nacional (4 jun. – 28 nov. 2021)

Se a exposição “Raptures” de Ai Weiwei, se tivesse prolongado, esta seria uma recomendação em época de Natal, para que, entre luzes, cores, brilhos, músicas e alegria, a consciência fosse despertada para outras realidades mais sombrias. Não seria, talvez, oportuno nestes dias já sobrecarregados por uma pandemia que se arrasta em contínuos números de infetados, hospitalizados e mortos, por uma ameaça constante que impede colos e abraços e nos impõe inusitadas solidões. Não seria oportuno, mas talvez nos alertasse para os nossos egoísmos quotidianos, relembrando a tragédia daqueles que, à pandemia, juntam a tragédia de um destino sem lar, sem um lugar a que chamem seu, a fugir do medo para chegar a um sítio fechado por arame farpado onde apenas abunda o medo e a desesperança.

Exposição “Rapture”; em primeiro plano, “Brainless Figure in Cork” (Figura sem cérebro em cortiça), 2021, autorretrato do artista algemado à cadeira, produzido na Corticeira Amorim que juntou a tecnologia industrial CNC à escultura convencional
Lisboa, Cordoaria Nacional
Foto: MIR, 2021

A exposição que Ai Weiwei trouxe à Cordoaria refletia uma visão simultaneamente crítica e humana desta nossa contemporaneidade. O título evocava os diferentes significados do termo “rapture”, ou arrebatamento, enquanto o momento de transcendência que liga a dimensão humana e terrena ao mundo espiritual, com um sentido escatológico, e que simultaneamente se traduz como rapto, ou o sequestro da liberdade e dos direitos que lhe são conexos. No website do artista, pode ler-se que esta foi “a maior exposição do artista de sempre na Europa, com 4000m2, onde exibe, pela primeira vez, as suas obras mais icónicas no mesmo espaço e ao mesmo tempo, bem como a estreia de quatro novas peças produzidas exclusivamente em Portugal”. Ao longo de 85 obras, onde se incluíam instalações e esculturas em grande, média e pequena escala, vídeos e fotografias, Ai Weiwei denuncia as fragilidades da nossa sociedade, os outros vírus que alastram pelo mundo. Rompendo as amarras de artista conceptual, a arte torna-se, nele, um instrumento de ativismo político, de resistência à opressão, à tirania e às injustiças que delas resultam.

Tem sido essa a sua luta ao longo das últimas décadas, alargando as fronteiras de luta contra o regime político chinês a uma escala global, depois de, em 2008, ter ganhado projeção internacional pela sua colaboração com os arquitetos Jacques Herzog, Pierre de Meuron (Herzog & de Meuron) e Stefan Marbach, no projeto do Ninho de pássaro, o estádio nacional onde se realizaram Jogos Olímpicos de Pequim. De resto, recusou estar presente na cerimónia de inauguração, em protesto contra o propósito de propaganda que lhe estava associado. Nesse mesmo ano, foram as críticas à construção das instalações escolares, as chamadas “escolas das escórias de tofu” destruídas durante o terremoto de Sichuan de 2008, dizimando uma geração nascida da política do filho único. A memória dos estudantes mortos está presente na obra Snake ceiling (2009), uma gigantesca cobra suspensa no teto e composta por centenas de mochilas infantis.

Snake ceiling (Teto cobra)
Ai Weiwei, 2009
Lisboa, Cordoaria Nacional
Foto: MIR, 2021

O blogue que mantinha desde 2005 serviu de plataforma para denunciar a situação e recrutar voluntários para o movimento “Investigação cidadã” com o objetivo de registar os nomes de todas as crianças desaparecidas e denunciar as estatísticas oficiais. O blogue foi encerrado, o estúdio que tinha em Shangai foi destruído e, em 2010, Ai Wewei foi colocado em prisão domiciliária; em 2011, foi preso durante três meses em lugar não divulgado, alegadamente por fuga aos impostos, e o estúdio de Pequim foi invadido pelas forças policiais que confiscaram um elevado número de objetos. Os três meses de prisão, confinado a uma pequena cela de detenção acolchoada, foram retratados na obra S.A.C.R.E.D (2013), composta por seis dioramas em ferro e fibra de vidro: S-upper (Ceia), A-ccusers (Acusadores), C-leansing (Limpeza), R-itual (Ritual), E-ntropy (Entropia) e D-oubt (Dúvida).

S.A.C.R.E.D (Sagrado)
Ai Weiwei, 2013
Lisboa, Cordoaria Nacional
Foto: MIR, 2021

S.A.C.R.E.D.; detalhes das caixas-diorama S-upper (Ceia) e A-ccusers (Acusadores)
Fotos: Beppe Simone, 2016

A luta, porém, já vinha de longe. Ai Weiwei é ilho de Ai Qing2, considerado um dos maiores poetas da China, comunista e amigo de Mao Tsé-Tung antes de cair em desgraça durante o expurgo dos chamados intelectuais de direita em 1967: “my father, now seen as purveyor of burgeois literature and art, was once again placed on the blacklist of ideological targets […]. I was about to turn ten, and the events that followed have stayed with me always” (Weiwei, 2021, p. 5).

No chão: Tank print (Impressão de tanque): tapete com o padrão das lagartas dos tanques deixado na praça Tiananmen em 1989
Ai Weiwei, 2014
[Suspensas do teto] Criaturas mitológicas segundo a tradição dos papagaios de papel na província de Shandong
Ai Weiwei, 2014
Lisboa, Cordoaria Nacional
Foto: MIR, 2021
As situações em que esteve envolvido e aquelas em que voluntariamente se empenhou, todas as lutas e as denúncias, estiveram representadas na exposição da Cordoaria, sem obliterar a magnífica execução de algumas obras. Talvez se possa dizer que, entre todas, a situação dos refugiados tinha maior expressão. Ele próprio se assume como desenraizado, embora subentendendo a possibilidade de libertação que decorre dessa condição: “Once you don’t have a place to go, you can go anywhere” (Weiwei cit. in Shariatmadari, 2021). Da mesma forma que considera que “It is so positive to be poor as a child. You understand how vulnerable our humanity can be” (id., ibid.).

Depois de o passaporte lhe ter sido devolvido, em 2015, Ai Weiwei mudou-se para Berlim, o que lhe permitiu uma maior aproximação aos refugiados que, então, entraram na Europa. Em dezembro desse ano, visitou a ilha de Lesbos, onde testemunhou a chegada dos barcos de refugiados e os perigos que estes enfrentavam para vir ao encontro de uma realidade igualmente atroz.

Law of the journey (Lei  da viagem): (Prototype B) 
Ai Weiwei, 2016
Lisboa, Cordoaria Nacional
Foto: MIR, 2021
Life cycle (Ciclo da vida)
Ai Weiwei, 2018
Lisboa, Cordoaria Nacional
Foto: MIR, 2021
Odyssey (Odisseia)
Ai Weiwei, 2016
Lisboa, Cordoaria Nacional
Foto: MIR, 2021
Odyssey Tile (Azulejo odisseia)
Ai Weiwei, 2018
Lisboa, Cordoaria Nacional
Foto: MIR, 2021

O que aí testemunhou levou-o a comprometer-se com esta causa e a viajar por 23 países e a visitar 40 campos de refugiados, recolhendo testemunhos e imagens que deram origem ao documentário Human flow (2017) e a uma série de obras como as que aqui estiveram expostas: Law of the journey (Lei da viagem) (Prototype B), de 2016, um bote insuflável de 16 metros, com figuras humanas em PVC reforçado, preto, reproduzindo os barcos precários usados pelos refugiados; Life cycle (Ciclo da vida), de 2018, em grande escala, com 20 metros, onde combina o tema de Law of the journey  com o tema do barco do zodíaco, igualmente superlotado por figuras humanas em bambu e fio de sisal, algumas delas com as cabeças dos doze animais do zodíaco chinês; Odyssey (2016), papel de parede, e Odyssey Tile (Azulejo odisseia), um painel de azulejos produzido pela fábrica Viúva Lamego, integrando-as numa composição narrativa linear em torno de seis temas nucleares: War (Guerras), Ruins (Ruínas), The journey (A viagem), Crossing  the sea (Cruzar o mar) numa alusão bíblica à travessia do mar Vermelho durante o Êxodo, Refugee camps (Campos de refugiados) e Demonstrations (Manifestações). Seguindo a tradição dos painéis azulejares azul e branco, Ai Weiwei atualiza-a com a representação de cenas da atualidade recolhidas na internet e, em particular, nas redes sociais, bem como as que registou para o documentário Human flow e que conjuga com referências à arte egípcia, assíria e grega e outras menos explícitas da iconografia ocidental, compondo uma imensa odisseia a partir do rapto da Europa por Zeus.

Figura mitológica em bambu e seda (detalhe)
Ai Weiwei, 2014
Lisboa, Cordoaria Nacional
Foto: MIR, 2021

Desta exposição, fica-nos a lucidez e acuidade com que o artista retrata a atualidade, interpelando o observador fora dos convencionalismos dos noticiários, ou servindo-se deles para os pôr em causa, sem incorrer no risco de estetizar a tragédia. Através das tragédias pessoais daqueles que são oprimidos, brutalizados, confinados e refugiados, constrói-se a imagem da realidade deste Natal de 2021. Para que não nos esqueçamos e nos empenhemos na realização dos votos que, por esta altura, se formulam.

Referências:
Shariatmadari, D. (2021, 30 set.). Ai Weiwei: ‘It is so positive to be poor as a child. You understand how vulnerable our humanity can be’. The Guardian. Acedido em https://www.theguardian.com/artanddesign/2021/oct/30/ai-weiwei-it-is-so-positive-to-be-poor-as-a-child-you-understand-how-vulnerable-our-humanity-can-be
Weiwei, W. (2021). 1000 years of joys and sorrows: A memoir. New York (NY): Crown.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Rapture: memória metafórica para este tempo," in a.muse.arte , 2021/12/09, https://amusearte.hypotheses.org/7557.
  1. Ai Quing, pai do artista, citado em Weiwei (2021). Vd. nota seguinte. []
  2. A história de Ai Qing é contada na obra autobiográfica de Ai Weiwei, 1000 years of joys and sorrows: A memoir hardcover (2021). O lançamento desta obra aconteceu em simultâneo com a publicação de Selected Poems, de Ai Qing, traduzida por Robert Dorsett, com prefácio de Weiwei e capa original desenhada por Ai Lao, filho do artista e neto de Ai Qing. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search