Nostalgia num lugar abandonado

(com o pensamento em Riegl)

Há lugares que nos agarram. Alguns, porque têm a aura da autenticidade, ou os valores comemorativos, históricos ou da idade1 que percecionamos como património, ou como a herança cultural que nos define. Outros, porque todos esses valores se adivinham entre ruínas.

Alois Riegl, em O culto moderno dos monumentos, distinguia duas classes de valores, consoante se referissem ao passado ou à contemporaneidade. Relevando o conceito subjacente de evolucionismo, estabelecendo o património num processo diacrónico de sucessão de acontecimentos, Riegl distanciou-se da classificação de monumentos usual à época, para invocar as razões que fundamentam a sua preservação. O distanciamento do passado é crucial para a valorização do património, mas o seu fruidor ou observador é parte integrante do processo. Ou seja, os valores da memória, sejam ou não intencionais, são atribuídos e confirmados no “presente”, ou seja, nos diferentes contextos sociais, históricos e culturais de cada época. A sociedade ou grupo cultural, na sucessão das gerações, valoriza, seleciona e decide o destino do património, conservando uns, alterando outros e votando muitos ao abandono e à ruína. A escolha daquilo que deve ser preservado, constituindo-se como documento ou como símbolo, é inerente à definição do património e ao processo orgânico da sua constituição:

Since it is not possible, however, to take into consideration the vast number of events of which we have direct or indirect evidence, the number of which multiplies infinitely at every moment, one has no choice but to limit attention primarily and exclusively to such evidence that seems to represent especially striking stages in the development of a particular branch of human activity. (Riegl, 2010, p. 70)

Ao encontrar um lugar abandonado, a referência a Alois Riegl surgiu naturalmente. Na sua monumentalidade, este lugar poderia ter mantido o valor da história por entre os sinais de glórias passadas. Foi um teatro, mas o palco desabou após as tragédias e as comédias do destino. Entrou a natureza, estendendo um tapete de folhas caídas, o sol estendeu a luz aos confina da plateia e do balcão, a noite cobriu-o com um manto de estrelas, o vandalismo destruiu-lhe as paredes.

Perdeu o uso e a comunidade não conseguiu encontrar-lhe outra função que sustentasse a sua preservação – apesar de haver notícia de algumas ações em sua defesa há algumas décadas. As gerações que, agora, habitam o lugar nunca aí terão assistido a uma peça ou a um concerto. E, não o tendo vivido, não têm memória. O reconhecimento do património cultural é uma forma de preservação da memória coletiva, mas sem esta dificilmente há empenho na preservação do monumento. Por outro lado, mesmo que as dinâmicas da sociedade sejam um fator crucial, a decisão cabe ao poder político que seleciona o que deve ser protegido e determina as ações a tomar. E, apesar dos valores definidos Riegl, as escolhas são feitas em função de um fluido conjunto de valores mutáveis historicamente (Magalhães, 2020).

Neste lugar abandonado, a ruína completa o seu ciclo, numa metáfora à própria vida onde prevalecem as marcas da idade: “Age value is revealed in imperfection, a lack of completeness, a tendancy to dissolve shape and color […]” (Riegl, p. 73). Interferem, aqui, o homem e a natureza:

The fundamental aesthetic principle of our time based on age value may be formulated as follows: From the hand of man we expect complete works as symbols of necessary and lawful production; from nature working over time, on the other hand, we expect the dissolution of completeness as a symbol of an equally and lawful decay. (Riegl, p. 73)

Será este valor que confere à ruína a feição nostálgica do passado perdido, avançando entre as folhas que caiem dos plátanos, presos ao encantamento deste lugar único.

Será renovado e ainda bem. Encontrará outra função e outros utilizadores, onde tudo faça sentido (um novo sentido). Esta memória será apenas um momento breve na sua história. Por isso, não lhe desvendamos a identidade.

Referências:
Riegl, A. (2010 [1903]). The modern cult of monuments: Its essence and its development. In N. Stanley-Price, J. M. K. Talley, & V. A. Melucco, Historical and philosophical issues in the conservation of cultural heritage (pp. 69-83). Los Angeles: Getty Conservation Institute.
Magalhães, A. C. M. (2020). Património cultural, democracia e federalismo: Comunidade e poder público na seleção dos bens culturais. Belo Horizonte: Editora Dialética.

  1. Valores definidos por Alois Riegl (2010): o valor comemorativo é intencional, atribuído ao monumento pelos seus produtores para manter viva a memória de um acontecimento ou de alguém; o valor histórico, que não é intencional, deriva da forma como o monumento foi considerado e interpretado ao longo do tempo, promovendo umas obras em detrimento de outras; o valor de idade é inerente, pois todos os monumentos históricos podem ser categorizados como tendo um valor de antiguidade é inerente ao monumento. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.