A ventura de Dom Manuel e um reino que se viu renovado

Exposição “Vi o reino renovar: Arte no tempo de D. Manuel I”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga (25 jun. – 26 set. 2021)

A exposição celebra os quinhentos anos da morte de D. Manuel I (1469–1521), cujo reinado de 26 anos lhe granjeou o cognome “O Venturoso”, Não é, porém, uma exposição centrada no rei, mas no reino que renovou e na arte desse tempo marcado pela conjuntura da favorável da expansão marítima. “O império está em franca expansão, há dinheiro e é preciso comunicar a todos o novo papel que Portugal tem no mundo. O rei precisa, também, de mostrar que é legítimo o seu direito ao trono enquanto primeiro monarca do novo ramo da dinastia de Avis” (Joaquim Caetano cit. in Canelas, 2021, p. 30).

Em primeiro plano, Anjo heráldico, de Diogo Pires-o-Moço, 1518-1522
Atrás, reproduções em gesso das estátuas de D. Manuel e D. Maria, de Nicolau de Chanterene, (1517) c. 1958
Exposição “Vi o reino renovar”
Foto: MIR, 2021

O título é colhido da obra Miscelânea e variedade de histórias, de Garcia de Resende, onde o cronista regista em verso a situação do reino:

[…]
vijmos seu edificar,
no reyno fazer alçar
paços, igrejas, mosteiros
grandes, pouos caualleiros,
vij ho reyno renouar.
(Resende, 1622, p. 155)

Árvore genealoógica da Dinastia de Aviz e, à direita, ampliação da gravura do portal sul do Mosteiro dos Jerónimos
Exposição “Vi o reino renovar”
Foto: MIR, 2021

É também Garcia de Resende quem fornece as epígrafes que conduzem o discurso expositivo e que, juntamente as ampliações de gravuras enquadradas num passe-partout, conferem uma marca identitária à exposição.

A exposição, com uma organização conjunta do Museu Nacional de Arte Antiga, da Torre do Tombo e da Biblioteca Nacional de Portugal, está estruturada em três núcleos principais (após o núcleo 1, de caráter introdutório), refletindo cada uma das instituições e também com diferentes comissários: Joaquim Caetano, diretor do MNAA, no núcleo 2, “O poder das artes, entre o deleite, a novidade e a propaganda”; Rosa Azevedo, do Arquivo Nacional Torre do Tombo, no núcleo 3,  “A reforma dos forais e a Leitura Nova: a escrita e a iluminura como instrumentos de poder”; e Rui Loureiro, da Biblioteca Nacional de Portugal, no núcleo 4,  “A imprensa: o prestígio de uma arte nova e eficaz”. Esta divisão não pressupõe uma separação definitiva entre as peças das várias instituições, permitindo a apresentação de documentos no segundo núcleo e de peças da Arte Antiga nos restantes.

Entrada, com a reprodução do portal axial do Mosteiro dos Jerónimos
Exposição “Vi o reino renovar”
Foto: MIR, 2021

A entrada da exposição faz-se através do portal poente e axial dos Jerónimos, numa reprodução gráfica que ocupa toda a superfície parietal, simulando a entrada na igreja do mosteiro, emblema manuelino por excelência, enquanto o portal sul surge na gravura ampliada do núcleo 1, que recupera o título da exposição. Este núcleo, onde pontua a árvore genealógica da Casa de Aviz, centra-se na figura e na heráldica do rei e no seu patrocínio às artes.

A exposição abre com uma escultura de Diogo Pires-o-Moço, o Anjo Heráldico, custódio de D. Manuel, que é também a imagem de capa do catálogo e do roteiro. Neste núcleo, destaca-se ainda a tapeçaria millefleurs com as armas reais portuguesas, a Bíblia dos Jerónimos e, no enquadramento da passagem para o núcleo seguinte, as reproduções em gesso das estátuas de D. Manuel e D. Maria, esculpidas por Nicolau de Chanterene para o portal axial dos Jerónimos.

Núcleo 1; tapeçaria millefleurs com as armas reais portuguesas, Bruxelas, 1500-1520
Exposição “Vi o reino renovar”
Foto: MIR, 2021

O escudo e a esfera armilar, emblema real, apresentados pelo Anjo Heráldico, repetem-se na tapeçaria, no frontispício da Bíblia, no Livro da nobreza e perfeiçam das armas e, a partir daqui, ao longo de toda a exposição, marcam a sistematização do poder régio no reinado de D. Manuel e a criação de uma identidade visual e simbólica no âmbito de um programa de propaganda política e que se estende às regiões ultramarinas por onde o reino se estendia.

Núcleo 2; ao centro, ampliação da gravura da janela do Capítulo do Convento de Cristo em Tomar
Exposição “Vi o reino renovar”
Foto: MIR, 2021

O segundo núcleo é marcado pela epígrafe de Garcia de Resende que, ao enumerar as transformações ocorridas em Lisboa – “Lisboa vimos crescer / em pouos & em grandeza […]” (Resende, 1622, p. 164), dá o mote para o afã construtivo do rei e a sua ligação às artes. A gramática visual que lhes está subjacente foi cunhada, no século XIX, por Francisco Adolfo Varnhagen (1842) com o termo “manuelino”, em seguida, fixado no imaginário popular como “estilo”. Miguel Soromenho corrobora-o, ao afirmar que “podemos dizer que D. Manuel I foi o primeiro rei a ter um estilo” (cit. in Salema, 2021, p. 31), muito por obra da ação de Bartolomeu de Paiva, o “amo do príncipe que, impôs um “programa de gosto” (Id, ibid.)1 Mostra-se, aqui, a intervenção régia nos vários domínios da arte, da arquitetura, à pintura, à escultura, à ourivesaria e às artes decorativas. A arquitetura é marcada pelas ampliações das gravuras com representações do portal sul dos Jerónimos (núcleo 2), da janela do Capítulo do Convento de Cristo em Tomar e da Torre de Belém.

A pintura que, então, tratava os temas religiosos como cenas de género, torna-se um documento do quotidiano da corte, do mobiliário, dos trajes, ou dos adornos, bem como dos elementos exóticos cada vez mais cobiçados. Estão representados os pintores Jorge Afonso e Francisco Henriques, seu cunhado, Gregório Lopes, o Mestre da Lourinhã e Cristóvão de Figueiredo.

Núcleo 2; à esquerda e ao centro, Anunciação e Adoração dos pastores, de Jorge Afonso, 1515; à direita, Virgem com o Menino, dita Nossa Senhora do Restelo, oficina de Lisboa, 1475-1500
Exposição “Vi o reino renovar”
Foto: MIR, 2021

As pinturas são agrupadas por afinidades temáticas ou compositivas, permitindo a introdução de esculturas, como a Virgem e o Menino, dita Nossa Senhora do Restelo2, junto à “Adoração dos Pastores” de Jorge Afonso. Em contrapartida, uma outra, proveniente da igreja de S. Lourenço, em Lisboa, aparece a seguir a duas tábuas do retábulo da vida e da Ordem de São Tiago (“Investidura de D. Pedro Fernandes pelo Papa Alexandre III” e “Bênção da bandeira da Ordem de Santiago pelo Papa Alexandre III”), do Mestre da Lourinhã.

Núcleo 2; à direita, Custódia de Belém, Gil Vicente, 1506
Exposição “Vi o reino renovar”
Foto: MIR, 2021

Um subnúcleo, construído em torno da Custódia de Belém, evoca o contacto com outros povos, assim descrito por Garcia de Resende: “Muitos damascos da China / cofres de rede dourados / mesas, lectos marchetados / & mui rica prata fina / de bestiães bem laurados, / & quanto aljôfar tem /quanta seda de la vem? (Resende, 1622, p. 156). A própria custódia atribuída a Gil Vicente, dramaturgo e ourives, e encomendada por D. Manuel para os Jerónimos, foi feita com ouro que Vasco da Gama trouxe de Quiloa na sua segunda viagem à Índia, conforme se lê na inscrição da base.

Núcleo 2; Cortejo triunfal com Girafas, manufatura de Tournai, c. 1500-1505
Exposição “Vi o reino renovar”
Foto: MIR, 2021

O exotismo resultante da revelação de outros mundos é visível na tapeçaria “Cortejo triunfal com girafas”3, nos olifantes da Serra Leoa, ou no gomil de porcelana que faz parte de um conjunto de primeiras encomendas provenientes da China, mas no qual se apresenta uma esfera armilar com a inscrição “Spera in Deo” mal grafada e entre elementos decorativos chineses, numa evidência de sincretismo.

Núcleo 2; salvas e gomis, Lisboa, c. 1530-1540
Exposição “Vi o reino renovar”
Foto: MIR, 2021

Os contactos com geografias distantes estão documentados nas cartas do Rei de Melinde, do Xá da Pérsia e do embaixador do Preste João, dirigidas a D. Manuel. A prosperidade resultante da expansão fica patente nas peças de aparato constituídas por dois conjuntos de salva e gomil.

Núcleo 2; fonte bicéfala (reprodução), oficina de Lisboa, 1501-1515; ao fundo, ampliação de gravura da Torre de Belém
Exposição “Vi o reino renovar”
Foto: MIR, 2021

O último subnúcleo centra-se na heráldica manuelina: “El rey dom Manoel era / filho mais moço do ifante / teue por deuisa esfera […]” (Resende, 1622, p. 155).

Núcleo 2; à direita, brasão dearmas reais, Évora, 1505
Exposição “Vi o reino renovar”
Foto: MIR, 2021

O brasão régio de D. Manuel, proveniente da antiga Cadeia Comarcã de Évora, e a reprodução da Fonte Bicéfala com a esfera armilar em alto relevo e a inscrição E.M.P.R.P [Emanuel Primus Rex Portugaliae] confirmam a importância dada aos símbolos e a forma sistemática da sua utilização.

Núcleo 2; fonte bicéfala (reprodução), oficina de Lisboa, 1501-1515; ao fundo, à esquerda, medalhão com as armas de Portugal, de Andrea e Giovanni della Robia, 1501-1625, e, à direita, Chegada das relíquias de Santa Auta ao Mosteiro da Madre de Deus”, de Cristóvão de Figueiredo, 1522-1525
Exposição “Vi o reino renovar”
Foto: MIR, 2021

A “Chegada das relíquias de Santa Auta ao Mosteiro da Madre de Deus”, pintura de Cristóvão de Figueiredo parece quase descontextualizada, exceto se atendermos a que na representação da fachada manuelina se encontra o escudo português, ladeado pelos escudos com a divisa de D. João II (o pelicano) e com o símbolo da rainha D. Leonor (o camaroeiro), estando este igualmente presente na Fonte Bicéfala. Outra relação possível é com o medalhão com as armas de Portugal dos ceramistas Andrea e Giovanni della Robia, proveniente do Mosteiro da Madre de Deus. Poderia figurar aqui o medalhão com as armas de D. Manuel e D. Maria, possivelmente proveniente do paço real de Coimbra mandado renovar no tempo de D. Manuel, mas percebe-se que por questões de organização do espaço, tenha sido colocado na sala anterior, junto à entrada para esta.

Núcleo 3
Exposição “Vi o reino renovar”
Foto: MIR, 2021

Em simultâneo com o patrocínio às artes, o conjunto de registos arquivísticos que compõem a Leitura Nova enquadram-se no projeto mais amplo da propaganda régia e da perpetuação da ação real, constituindo “um importante exercício de poder, que confirmava materialmente o elevado estatuto da monarquia manuelina”, conforme se lê num dos painéis parietais do terceiro núcleo.

Núcleo 3
Exposição “Vi o reino renovar”
Foto: MIR, 2021

Encontram-se expostos, ao longo de compridas vitrines de mesa, os mais interessantes códices, abertos nos frontispícios iluminados, documentando a qualidade da oficina régia de iluminura: “Pinctores, luminadores / agora no cume estam […] sam mais sotis & melhores / q[ue] quantos passados sam […] & em Portugal há taes / tam grandes & naturaes […]” (Resende, 1622, p. 164).

Núcleo 3; Os quatro Evangelistas, de Garcia Fernandes, c. 1530
Exposição “Vi o reino renovar”
Foto: MIR, 2021

A contextualizá-los, um conjunto de escritório em prata e dois tinteiros, respetivamente, do primeiro e segundo quartel do século XI, e as representações iconográficas dos evangelistas no ato de escrita: as duas tábuas com os Quatro Evangelistas, do pintor Garcia Fernandes, e a figura de vulto do Evangelista São Marcos, de Cornelis de Holanda.

Núcleo 4
Exposição “Vi o reino renovar”
Foto: MIR, 2021

O reinado de D. Manuel coincidiu com o rápido crescimento da imprensa, introduzida no tempo de D. João II. Esta “arte nova e eficaz” servia os propósitos de propaganda do reino e, como tal, foi utilizada. As oficinas de impressores, maioritariamente, alemães, franceses e italianos, fixaram-se em Lisboa, Coimbra e Évora, onde foram publicadas obras de caráter religioso, literário, pedagógico, administrativo, entre outros, além de que D. Manuel também recorreu à imprensa europeia. A variedade das temáticas está refletida no último núcleo da exposição.

Núcleo 4; Anunciação de Gregório Lopes, c. 1530
Exposição “Vi o reino renovar”
Foto: MIR, 2021
Anunciação de Gregório Lopes: detalhe com livro impresso

Como contextualização gráfica, além da ampliação da gravura de um impressor, está a Anunciação de Gregório Lopes, onde o livro da Virgem é, anacronicamente, um exemplar impresso a duas cores, com texto e gravura.

Núcleo 4; Compromisso da confraria da nossa cidade de Lisboa,com iluminuras atribuídas a António de Holanda, 1520, e cuja legenda se encontra à esquerda (a legenda sob a obra refere-se à versão impressa)
Exposição “Vi o reino renovar”
Foto: MIR, 2021

O modelo museográfico continua o núcleo anterior com longas vitrinas de mesa. Regista-se, porém, alguma incongruência na colocação das legendas. Além disso, também não registam as obras em vários volumes (vd. a Vita Christi, de Ludolfo de Saxónia, na edição de Nicolau de Saxónia e Valentim Fernandes, de 1495, obra em quatro volumes, dos quais estão expostos o segundo, o terceiro e o quarto, sem que isso esteja explícito).

Núcleo 4; Vita Christi (v. 2 a 4), de Ludolfo de Saxónia, 1495
Exposição “Vi o reino renovar”
Foto: MIR, 2021

A exposição museográfica de livros é sempre ingrata, ao transformar um objeto para ser manuseado e folheado em algo inerte e fixo, encerrado numa vitrina. Porém, a digitalização permite outras estratégias de apresentação, desde a introdução de terminais informáticos no percurso expositivo a soluções mais simples e bem menos onerosas, como a colocação de códigos de acesso, como os QR-codes, nas legendas para aceder às obras digitalizadas através de um dispositivo móvel. Não se percebe, num núcleo sob a responsabilidade da Biblioteca Nacional, a falta destas ligações, sendo que pelo menos algumas das obras expostas estão digitalizadas4.

A exposição termina com o subnúcleo dedicado às Ordenações Manuelinas, de que se encontram expostos vários exemplares, e às reformas administrativas do reino.

Núcleo 4; Ordenações Manuelinas
Exposição “Vi o reino renovar”
Foto: MIR, 2021

As Ordenações Manuelinas, conjunto de diplomas régios destinados à governação, dava expressão à centralização do poder absoluto, ao mesmo tempo de projetava uma imagem providencial aos seus domínios.

Núcleo 4; Ordenações Manuelinas
Exposição “Vi o reino renovar”
Foto: MIR, 2021

Houve várias edições, a primeira realizada na oficina do impressor Valentim Fernandes (1512-1513), uma segunda por João Pedro Buonhomini (1514) e outra, corrigida, por Jacob Croenberger (Évora, 1521), todas elas em exposição. Na edição de 1514, foram incluídas gravuras, com a representação do rei sentado num trono, ladeado pelos emblemas régios manuelinos (o escudo do reino e a esfera armilar), dispensando as leis e segurando o cetro, encimado por uma filactera com a inscrição “Deo in celo tibi autem in mundo [A Deus é devida a obediência no céu, na Terra a El-Rei]” ladeada pelos emblemas régios (o escudo do reino e a esfera armilar); o rei recebe um livro, sublinhando a importância deste para a administração do Reino. Entre estas gravuras, foi escolhida a do Livro Segundo, com a representação de cenas da vida social ao fundo, para a ampliação que marca este subnúcleo.

Núcleo 4; à esquerda, pilhas de pesos; à direita, O profeta Daniel julgando os dois velhos e a casta Susana, de Francisco Henriques, 1508-1512
Exposição “Vi o reino renovar”
Foto: MIR, 2021

A justiça é também evocada na pintura “O profeta Daniel julgando os velhos e a casta Susana”, de Francisco Henriques, estabelecendo uma correlação com a representação do rei-juiz nas Ordenações Manuelinas. As reformas manuelinas incidiram também na sistematização dos pesos e medidas e na organização das finanças públicas. Apresentam-se, por isso, as pilhas de peso, de 1499, e um conjunto de moedas de D. Manuel I.

Núcleo 4; Livro de Horas de D. Manuel, com iluminuras de António de Holanda, aberto na iluminura Adoração dos Magos (fl. 89v), c. 1525
Exposição “Vi o reino renovar”
Foto: MIR, 2021

No extremo de uma vitrina de mesa, afundado entre a parede e o suporte das moedas num nível superior, está o Livro de Horas de D. Manuel, com iluminuras de António de Holanda. Está aberto na representação da Adoração dos Reis Magos, em cuja tarja envolvente se representa um conjunto de moedas de ouro e prata, na sua maioria portuguesas e do período manuelino. A subalternização formal que lhe é conferida pelo arranjo museográfico transforma aquela que será uma das obras fulcrais da exposição em mero complemento iconográfico às moedas em destaque.

D. Manuel I merecia esta exposição. Que, entre outros, tem o mérito de ter aproveitado “muito bem a riqueza das nossas instituições culturais”, como notou José Luís Porfírio (2021), quase sem empréstimos de fora.

Por outro lado, além de expor um conjunto de obras pouco acessíveis ao público, constituindo uma rara oportunidade de as ver em simultâneo, esta exposição tem o mérito de apresentar os resultados de uma aturada investigação. O catálogo, com textos de, entre outros, Maria de Lurdes Rosa, Diogo Ramada Curto, Rafael Moreira, Hélder Carita, Miguel Metelo de Seixas, Sylvie Deswarte-Rosa, fica como referência. Tal como o roteiro, entregue com a aquisição do ingresso5, onde se encontram os textos e as legendas da exposição, aqui ampliadas com um texto descritivo e interpretativo que justifica a presença dos objetos na lógica do discurso museológico, servindo de complemento à visita.

É uma exposição que vale a pena ver e que se vê com todo o gosto, enchendo os olhos com as artes que, no tempo de D. Manuel, renovaram o reino. E aprendendo com isso.

Referências:
Canelas, L. (2021, 24 jun.). Exposição no Museu de Arte Antiga: Quando D. Manuel I mandava, a arte estava em tudo. Público: Cultura, pp. 30-32. Parcialmente disponível em https://www.publico.pt/2021/06/24/culturaipsilon/noticia/exposicao-museu-arte-antiga-d-manuel-i-mandava-arte-1967728
Porfírio, J. L. (2021, 7 ago.). D. Manuel no Museu Nacional de Arte Antiga. No mundo como no céu. Expresso. Disponível em https://expresso.pt/cultura/2021-08-07-D.-Manuel-no-Museu-Nacional-de-Arte-Antiga.-No-mundo-como-no-ceu-d59cc5a3
Resende, G. (1622). Chronica dos valerosos e insignes feitos del Rey Dom Ioão II. de gloriosa memoria… & vay acrescentada a sua miscellania… Em Lisboa: por Antonio Aluarez.
Salema, I. (2021, 24 jun.). O rei que criou um estilo. Público: Cultura, p. 1. Parcialmente disponível em https://www.publico.pt/2021/06/24/culturaipsilon/noticia/d-manuel-i-rei-criou-estilo-1967664
Varnhagen, F. A. (1842). Noticia historica e descriptiva do mosteiro de Belem. Lisboa: Na Typographia da Sociedade Propagadora dos Conhecimentos Uteis.
Vilhena, M. J., & Soromenho, M. (2021). ’Concertou o amo do Principe per mandado del Rei Nosso Senhor’: Bartolomeu de Paiva e as obras de D. Manuel. In Vi o reino renovar. Arte no tempo de D. Manuel I [catálogo da exposição] (pp. 96-111). Lisboa: MNAA; Imprensa Nacional.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "A ventura de Dom Manuel e um reino que se viu renovado," in a.muse.arte , 2021/09/05, https://amusearte.hypotheses.org/7542.
  1. Miguel Soromenho e Maria João Vilhena de Carvalho publicam no catálogo da exposição o resultado da sua investigação sobre Bartolomeu de Paiva no capítulo “’Concertou o amo do Principe per mandado del Rei Nosso Senhor’: Bartolomeu de Paiva e as obras de D. Manuel” Vilhena & Soromenho, 2021). []
  2. É sempre com uma emoção muito particular que reencontro esta imagem. Em 1994, a escultura tinha sido escolhida para integrar a exposição “Encontro de Culturas: Oito séculos de missionação portuguesa”, para assinalar o início da expansão sob um desígnio também religioso. Marcado o dia com a empresa de transportes (a Transporta, com os senhores António Piçarra e Gaspar que já lá tinham ido para delinear um plano de remoção), fomos para lá com uma equipa do Instituto José de Figueiredo. Foi montada uma estrutura à altura da imagem sobre o altar e os funcionários da Transporta tentaram pegar na imagem. Ficaram com pedaços da escultura nas mãos, perante a emoção e o desgosto de todos. Foi decidido, pelos restauradores presentes, retirar a imagem bocado a bocado com os cuidados possíveis. Os bocados de dimensão razoável foram identificados, mas houve partes que se desfizeram quase em pó. Dificilmente, naquele dia, poderia acreditar que um dia a poderia ver intacta numa exposição.

    Virgem com o Menino, dita Nossa Senhora do Restelo, oficina de Lisboa, 1475-1500
    Exposição “Vi o reino renovar”
    Foto: MIR, 2021

    []

  3. No conjunto da exposição, recai sobre esta tapeçaria uma nota dissonante. A iluminação apenas incide sobre uma parte da peça, deixando uma faixa de sombra que impede a observação dos detalhes. []
  4. Em nota de rodapé, posso confessar o meu desgosto ao ver o desperdiçado o investimento feito na primeira fase da Biblioteca Nacional Digital. A edição digital, com introdução de pontos de acesso ao conteúdo geralmente recriando o respetivo sumário, de algumas das obras aqui expostas foi feita por mim – como a já referida Vita Christi (neste caso, para a biblioteca digital da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, cuja edição digital foi aproveitada pela BN). Esses sumários, ou foram apagados, ou reduzidos em versões posteriores, sem que tenha havido a compensação de um bom reconhecimento de caracteres, permitindo a pesquisa no conteúdo. []
  5. Mais uma vez, aqui se lamenta o facto de a entrada não ser gratuita para as crianças, estudantes, grupos profissionais ou para os membros do ICOM e da APOM. Exceto se forem clientes do BPI, mecenas da exposição… []

5 comentários em “A ventura de Dom Manuel e um reino que se viu renovado”

  1. Cara Isabel, crítica excessivamente generosa. Se a exposição fosse na BNP ou no ANTT até era aceitável embora com as limitações que pertinentemente refere. Feita no MNAA é uma exposição “preguiçosa” que não fez minimamente esforço por mostrar nada de verdadeiramente inédito sob o ponto de vista artístico e que regride face ao que já se tinha alcançado nas exposições da responsabilidade da anterior direção, as legendas desenvolvidas que permitem ao visitante ter pistas de leitura de aprofundamento das peças expostas.
    Legendagem é verdadeiramente miserável, como muito bem crítica no que respeita à colocação, mas não só. Algumas legendas nem sequer transcrevem integralmente os títulos dos livros e mantém muitos em latim como se a maioria dos visitantes atuais soubesse decifrar logo o que diz ou mesmo perceba sequer o que é o livro ou o documento.
    O pior: a ausência quase total da referência ao império manuelino que permitiu o desafogo económico que acompanhou a Renovação tratada, desde as reformas às artes. Lisboa, a Ribeira das Naus ou o Palácio da Ribeira estão também quase ausentes praticamente em toda a exposição e só marginalmente tratados no catálogo que só uma minoria (os pares dos comissarios e conservadores) vai ler. É só para esses que o MNAA trabalha? Parece…
    Trata-se de mais uma triste manifestação do wokeness nacional e uma oportunidade perdida. Lamento ver o MNAA a desviar-se da linha excelente que estava a prosseguir.

    1. Concordo (obviamente!) com as suas críticas que agradeço e que aqui ficam como um complemento relevante.
      Não estendi a análise aos pontos que foca, mas tenho sempre as maiores reservas em relação à exposição de documentos, sobretudo, numa época em que é possível encontrar alternativas para o manuseio e consulta das obras em formato digital. Em contrapartida, no que se refere às legendas, a disponibilização gratuita do roteiro pareceu-me compensa a ausência das componentes interpretativas.
      A ausência de referências diretas ao império manuelino – fazendo a gravura do rinoceronte parecer deslocada – entendi-a como uma opção dos comissários, cingindo o tema da exposição às mudanças do reino metropolitano. Uma opção discutível, naturalmente, uma perspetiva parcial, também, mas que autoriza essa sensação de que algo faltou e regridiu, mesmo considerando que essas temáticas já foram tratadas noutras exposições mais ou menos recentes.
      Mais uma vez, muito obrigada pelos seus comentários.

  2. Achei a exposição interessante, tendo como pontos positivos a junção de várias obras a cujo acesso, em condições de visibilidade “óptimas” é difícil (refiro-me às esculturas e aos livros; à bacia e gomil de coleção particular). Outro aspecto muito positivo, que merecer ser muito louvado, o roteiro fornecido com a aquisição da entrada.
    No entanto, acho que será de notar que os textos de parede são muito pouco informativos quanto aos aspectos artísticos das obras (afirma-se, no entanto, que a exposição não pretendia focar a arte produzida no reinado de D. Manuel). O genograma apresenta alguns problemas, com cruzamentos de linhas errados pois deveriam ser assinalados com a linha curva (utilizada correctamente em outras parte do mesmo genograma).
    A pior impressão é o volume “Regiment e ordenações da fazenda”, RES. 91 A. (ou RES 91 A como surge no roteiro da exposição) em muito mau estado de conservação. Note-se que a imagem que ilustra o catálogo deve ser do outro exemplar existente na Biblioteca Nacional de Portugal, RES. 92 A. (ou res-92-a, como surge na Biblioteca Nacional Digital; aparentemente ainda não se decidiram por uma norma de citação das cotas dos livros!). Esperemos que o exemplar possa ser devidamente tratado.
    Outro aspecto ainda: as visitas guiadas, ruidosas e promotoras de distração aos outros visitantes, dificultam o fluxo – situação muito relevante dadas as restrições decorrentes da COVID-19 – não deveriam ser feitas em horários próprios em que a exposição não estivesse aberta ao público em geral? Ou talvez pudesse pensar-se num audioguia.

    1. Muito obrigada pelo seu comentário.
      Concordo com o que diz, embora confesse que não estive a ver o genograma.
      A cota da obra é, efetivamente, RES. 92 A.; como, no início da Biblioteca Digital, em 2001, não se podia utilizar maiúsculas, nem colocar pontos e espaços, foi decidido substituir as maiúsculas por minúsculas e converter o ponto e espaço por traço. Quanto ao mau estado da cota RES. 91 A., a exposição até poderia ter sido um bom pretexto para o estauro.
      A minha concordância é total no que se refere às visitas guiadas: fiquei retida, com mais três visitantes, na penúltima sala, à espera que um grupo, já depois da visita terminada, conversasse com quem tinha conduzido a visita. Ainda perguntei ao vigilante se não podia pedir-lhes para irem conversar lá fora…

Responder a Ana Duarte Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.