A autofagia que engoliu o Museu Romântico

O Museu Romântico era isso mesmo: um espaço romântico, evocativo do espírito nostálgico e introspetivo do século XIX. Numa altura em que se pretende suscitar experiências sensoriais e emotivas no museu, este, apesar da apresentação convencional, cumpria esses desígnios, numa atmosfera que nos remetia para as páginas literárias carregadas de alvoroço amoroso e sentimentalismos exacerbados.

Museu Romântico
Porto

Localizado numa casa do século XVIII da Quinta da Macieirinha, voltado para o Rio Douro e rodeado pelo verde dos Jardins do Palácio de Cristal, o ambiente idílico transportava-nos para o espírito da época. Aqui viveu e morreu o exilado Rei da Sardenha e Príncipe do Piemonte, Carlos Alberto de Saboia-Carignano (1798-1849). Depois de a propriedade ter sido comprada pela Câmara Municipal do Porto, Humberto de Saboia ofereceu uma réplica dos móveis que tinham servido a Carlos Alberto Saboia, seu trisavô, fazendo nascer a ideia de um museu do romantismo portuense. Foi feita uma pesquisa documental e iconográfica, através de publicações da época, nomeadamente, dos desenhos e aguarelas dos aposentos do Rei, para fundamentar a recriação dos ambientes e procedeu-se à aquisição de mobiliário português da época, refletindo o gosto eclético e as influências francesa, alemã e inglesa. Assim, com um acervo de mobiliário, pintura, têxteis e artes decorativas do século XIX, o museu pretendia reconstituir o quotidiano de uma casa burguesa no Porto da época romântica em Oitocentos.

O museu foi inaugurado em 1972 e tornou-se um dos mais conhecidos e frequentados dos museus municipais do Porto. Em 2018, reabriu depois de um investimento superior a meio milhão de euros em obras de requalificação, sob a orientação do arquiteto Camilo Rebelo e com a colaboração do cenógrafo Tito Celestino. Na inauguração após as obras, Rui Moreira, presidente da Câmara do Porto e vereador da Cultura sublinhava que, mesmo antes das obras, já era “o mais visitado dos nossos espaços museológicos”, talvez porque, segundo admitia “o ambiente de época, o nome, os jardins abertos ao público do Palácio de Cristal e da Casa Tait que o envolvem compõem um discreto charme que convida a entrar” (cit. in “Museu Romântico”, 2018).

Sala de estar

Sala de jogo e biblioteca

Sala de jantar
Sala das telas
Manequins concebidos pelo Kyoto Costume Institute e produzidos pela Nanasai, para a exposição de trajes de época
Museu Romântico
Porto
Fotos: Visão, 2018 e Acesso Cultura (manequins)

No passado sábado, 28 de agosto, um post na página de Facebook da Feira do Livro do Porto, anunciando que um “novo núcleo do Museu da cidade” tinha sido inaugurado no âmbito da Feira, desafiava à sua visita nos seguintes termos:

Se conhecia o anterior Museu Romântico da Macieirinha, prometemos que este novo espaço nada tem a ver com o local que outrora visitou. O espaço despiu-se dos adereços [?] de casa burguesa oitocentista e vestiu-se de contemporaneidade.
Não acredita? Visite a exposição “Quando a Terra Voltar a Brilhar Verde para Ti”, veja as relações criadas no seu interior e comprove isso mesmo […].

Publicação da Feira do Livro do Porto no Facebook, 28 ago. 2018

A informação gerou quase 700 reações, a maioria de tristeza e raiva, e quase 600 comentários, em regra, também de estupefação e indignação. E resultou na abertura da Petição Pública “Pela reposição da decoração interior oitocentista do Museu Romântico da Quinta da Macieirinha no Porto” onde todas estas reações estão plasmadas:

Uma casa burguesa musealizada e com abertura ao público que mostrava como se vivia no Porto romântico oitocentista e que deu agora lugar a mais um espaço de contemporaneidade desintegrada como tantos outros e completamente dissociado da vivência original que (também e principalmente) constituía a sua riqueza patrimonial.
Despida da sua decoração romântica integradora a que chama a Câmara Municipal do Porto, com desprezo, de “adereços” como: o mobiliário fixo e móvel, as artes decorativas, os têxteis, a iluminação e tudo o que mais comporta (que sendo ou não originais, evocam o seu Tempo), descaracterizando os espaços, as funções e as vivências que tão bem retratavam.

No texto da Petição, estão plasmadas as questões que nos assaltam a todos e que têm a ver com o destino do espólio (onde está e para onde vai?) e com a destruição do património e descaraterização do espaço.

Em resposta ao JN, Rui Moreira defende, agora, a nova configuração e afiança que “Nenhum espólio foi destruído, nenhuma obra desperdiçada”, justificando que “a nossa visão do Romantismo não é a de uma casa com janelas entaipadas e exposições apresentadas por trás de baias, para que as pessoas ali imaginem a vida dos ricos ou dos nobres do século XIX”. Não deixa de ser curioso que o vereador da cultura da segunda maior cidade do país demonstre uma tal ignorância acerca do objetivo do museu, o qual não era exatamente mostrar a “vida dos ricos”, e dos processos museológicos, mas sobretudo esta displicência e desprezo pelo património que lhe cabe preservar e divulgar.

Museu da Cidade – Extensão do Romantismo
Fotos: Câmara Municipal do Porto, disponibilizadas no FB

Por seu turno, Nuno Faria, designado “diretor-artístico” do Museu da Cidade apresentou a “Extensão do Romantismo”, nome que passa a designar o espaço do antigo Museu Romântico, confirmando que o espólio “foi recolhido para ser novamente apresentado noutros espaços do Museu da Cidade”. E assegurou que a “matriz romântica – essa – continua viva por toda a casa, com a vantagem de agora não haver baias a delimitar os espaços que, invariavelmente, remetiam para uma encenação teatral de um quotidiano burguês que ali não perdurou muito tempo”.  O cargo que ocupa, “diretor-artístico”, é inédito e parece derivar das artes performativas e não se percebe o que uma “extensão” ou aquilo de que é extensão. E, ao que parece, o que era um museu passa a ser um espaço performativo das vaidades políticas e pseudointelectuais de quem procura parecer moderno, fazendo uso de uns quantos chavões em moda, como quando refere que “Todas as montagens serão sazonais, imprimindo dinamismo à sua matriz conceptual”. Ou que o “programa passa por ligar espaços tão heteróclitos e tão radicalmente diferentes entre si, a Extensão do Romantismo será um lugar em que se repensa a própria condição do espírito romântico como sendo trans-histórica, atemporal e, por isso mesmo também – e muito – contemporânea” (“Nuno Faria…”, 2021). O discurso é vazio, fátuo e pomposo, a esconder a nulidade dos argumentos.

Há aqui, obviamente, uma marca da sociedade atual, ou do hipermodernismo defendido por Lipovetsky, assumindo os efeitos da globalização, das modas, dos media, do consumismo, dos mercados, e da própria modernidade, e que estão subjacentes ao desejo de quebrar o passado e romper com as suas evidências e nostalgias – ou seja, precisamente, ao que simbolizava o Museu Romântico. Segundo Lipovetsky , “o que define a hipermodernidade não é exclusivamente a autocrítica dos saberes e das instituições modernas; é também a memória revisitada, a remobilização das crenças tradicionais, a hibridização individualista do passado e do presente” (Lipovetsky, 2004, p. 98). Lipovetsky afirmava ainda que “na hipermodernidade, a fé no progresso foi substituída não pela desesperança nem pelo niilismo, mas por uma confiança instável, oscilante, variável em função dos acontecimentos e das circunstâncias” (id., p. 70). Porém, a hipermodernidade é também a “era do vazio”, marcada pela fluidez e pela aparência – e isso é precisamente aquilo que os museus procuram compensar, fornecendo uma âncora que nos fixa a uma matriz cultural, aquilo que nos permite a confiança na continuidade e na permanência.

Esta descarada reconversão do Museu Romântico, engolido por qualquer coisa que, sendo fluída, ainda não é completamente apreensível, é o mais evidente ato de autofagia que, a espaços, ameaça o mundo da cultura. Até pode ser desejável encontrar as tais “montagens sazonais” que se anunciam para este espaço. Apenas não são desejáveis aqui e à custa do que era um museu com caraterísticas muito particulares, um discurso bem elaborado e sustentado, e, sobretudo, no qual a comunidade se revia.

A autofagia é fruto da ignorância, a qual também justifica o tom sobranceiro e atrevido dos discursos de quem a promove. Cabe a todos lutar contra ela, sobrepondo-lhes a vontade de preservar o património e manter a memória do lugar.

Referências:
“Nuno Faria em entrevista: ‘Os museus passam por fases de transformação ao longo do tempo’”. In Porto. Acedido em https://www.porto.pt/pt/noticia/nuno-faria-em-entrevista-os-museus-passam-por-fases-de-transformacao-ao-longo-do-tempo
“Museu Romântico reabre após investimento superior a meio milhão de euros em obras de requalificação”  In Porto. Acedido em https://www.porto.pt/pt/noticia/museu-romantico-reabre-apos-investimento-superior-a-meio-milhao-de-euros-em-obras-de-requalificacao
Lipovetsky, G. (2004). Os tempos hipermodernos. São Paulo: Barcarolla.
Silva, H. T. (2021, 31 ago.). Petição pede versão antiga do Museu Romântico do Porto. JN. Acedido em https://www.jn.pt/artes/peticao-pede-versao-antiga-do-museu-romantico-do-porto-14078506.html

Imagens do interior do Museu Romântico in: Oliveira, S. S. (2028, 2 mar.). À descoberta do renovado Museu Romântico do Porto. Visão. Acedido em https://visao.sapo.pt/visaose7e/ver/2018-03-02-a-descoberta-do-renovado-museu-romantico-do-porto-1/#&gid=0&pid=10

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "A autofagia que engoliu o Museu Romântico," in a.muse.arte , 2021/09/02, https://amusearte.hypotheses.org/7481.

41 comentários em “A autofagia que engoliu o Museu Romântico”

  1. Só a infeliz e prematura morte do Dr, Paulo Cunha e Silva permitiu o
    assassinato do Museu Romântico.
    Apelo ao bom senso de Rui Moreira para destituir Nuno Faria do lugar de Director Artístico para honrar a memória do seu anterior vereador da Cultura e que ressuscite a alma viva do Museu Romântico da Quinta da Macieirinha por respeito à Cidade do Porto.

  2. E os outros Vereadores porque se calaram? Porque não falaram E porque Não protegeram o património?

  3. Estranho, nos anos 90 o Museu de Etnologia do Porto foi extinto, agora o Museu Romântico foi desfeito, o que virá a seguir???? Lamentável o deserto cultural!!!!

  4. Desprezo miserável pelo património e ignorância absoluta acerca dos objectivos de um Museu que tenta retratar o modo de viver de determinada época- Tentaram matar a alma do Museu Romântico, transformando o mesmo num armzém de vistosa sucata sem interesse para os visitantes e, ainda por cima, de gosto duvidoso. A SITUAÇÃO NÃO PODE CONTINUAR COMO ESTÁ.
    ANTÓNIO MONIZ PALME

  5. Mas não haveria outro espaço para instalar estas “modernidades sazonais”? Incompetentes e responsáveis pela destruição do pouco que ainda vamos tendo.

  6. Este é apenas mais um crime cultural que vagueia no imobilismo reinante na nossa sociedade actual.
    A cultura moderna não pode ser uma contra-cultura, sim uma expressão actual da sociedade.

  7. É realmente uma vergonha que continuemos a ser governados por pessoas que não têm noção que o mais precioso que um povo tem é a sua memória. Quem não sabe preservar a memória do seu passado dificilmente encontrara um rumo para o futuro.
    É urgente que as universidades pensem em criar, para todos os cursos, cadeiras obrigatórias de história de arte e de cultura geral para deixarmos de ter “doutores” absolutamente ignorantes que nos envergonham com a soberba da sua ignorância

  8. Obrigada pelo artigo, bem fundamentado e informativo.
    De facto, é inadmissível como, de forma autoritária (não foi a discussão na autarquia) e ignorante se atrevem a destruir património público.

  9. Depois de acto tão infeliz para não lhe chamar vergonhoso e até mesmo ignóbil, por parte de pessoas aparentemente ausentes dos conhecimento e sensibilidade indispensáveis; não sei verdadeiramente se os responsáveis por tal, são pessoas ignorantes e sem os conhecimento e sensibilidade artísticas que deveriam ter. Todo este tipo de atitudes não passa de mais um dos inumeráveis e horríveis episódios de um movimento globalista que pretende destruir a cultura dos povos, especialmente a cultura ocidental, substituindo-a por um conjunto de novos valores que pretende o fim da civilização do ocidente, substituindo-a por uma nova cultura, com outros valores. Ou acordamos rápida e intensamente, no sentido da defesa da cultura que nos pertence e da qual deveremos ser dignos depositários ou então quando acordarmos para a realidade, será demasiadamente tarde. Nenhuma vereação tem o direito de usurpar e submergir os valores que que são o espírito de um povo e de uma civilização…

  10. Destruir o passado e os seus “símbolos”, é não entender o presente, numa perspectiva de construção do futuro. É não revelar a mínima sensibilidade e apetência culturais, nem respeito pela História. O passado cultural de um País, ou de uma Cidade, fazem parte do património cultural dos mesmos, – ainda que não o apreciemos! Não podem nem devem ser ignorados ou “destruidos” por alguém que não entende isso, por alguém que , porventura, só entende o presente, e, mal !

  11. Grato pelo texto e análise que reproduz o sentimento e a revolta sentido por muitos portuenses e sobretudo, ao que sei, pelos funcionários do departamento de Museus, que vivem sob um manto de silêncio.
    Esta e outras remodelações eram necessárias, mas não desta forma autista e arbitrária, sem qualquer ligação à comunidade e à cidade, sobre a qual revelam um profundo desconhecimento.
    Fica a dúvida sobre a quem se destina este novo museu da Cidade, mas não será certamente aos portuenses que foram obliterados do processo de construção do mesmo.

  12. Destruir a ideia de um museu e esconder património da cidade mascarado numa visão bacoca contemporânea, que não foi votada nem decidida pelos munícipes.
    De certeza que se a eleição de Rui Moreira dependesse desta errada decisão perderia a eleição e atrevo-me a dizer que nem em quinto ficaria…
    Voltar atrás é um ato de coragem e de sabedoria, manter a decisão é um ato de absolutismo a que a capital liberal não se vergará!

  13. Sou um brasileiro romântico vivendo no Porto porque sou romântico e fico puto de estarem fazendo aqui o que fizeram no Brasil: destruir tudo que é romântico. Tem milhões de lugares onde fazer coisa moderna. É preciso destruir o romântico para faze mais moderno? E sempre tudo feio.

    1. Cada vez mais
      PORTUGAL E BRASIL,
      TAL PAI, TAL FILHO
      infelizmente, tristeza esses nossos representantes sempre com interesses escusos….

  14. Nem acredito! Assassinaram o Museu da Quinta da Macieirinha?
    Como é possivel tanta ignorância?

  15. A cultura está entregue a gente sem cultura, no que só pode resultar em absoluto desastre, como o que agora aqui é plasmado. Profundamente triste e lamentável. As pessoas e sobretudo a cidade e as suas gentes não mereciam esta ofensa!…

  16. Ainda falta saber, onde foram parar as mobílias e toda a decoração que fazia parte do museu. Quem beneficiou deste atentado, sim, porque também há terrorismo interno ao nosso património e parece que o Porto transformou-se, ou transformaram-no, na sede desses terroristas. Parece que alguém
    confundiu o património da cidade com os imóveis da família. É uma pena, esta ditadura patrimonial!

  17. Assino por baixo. Nuno Faria, qual HERODOTO, arvorou-se em exímio conhecedor da história do romantismo e, dito em bom português, ” Borrou a escrita “. A culpa não será dele mas sim de quem o seleccionou sem saber que título haveria de lhe conferir. Director Artístico foi o veredicto e isto faz adivinhar o que pode ainda vir a acontecer, na hoje triste Quinta da Macieirinha.

  18. Do alto da minha ignorância relativamente a palavras que neste artigo vi escritas, somente uma tristeza profunda por ter visitado este museu com as minhas filhas pequenas para lhes mostrar uma vivência passada e agora NADA ter para mostrar aos meus netos … só me vem à cabeça uma frase que ouvi há muitos anos quando tive a disciplina de História: ” Para melhor compreendermos o presente e o futuro há que OLHAR o passado!” …
    Com grande pena minha, esta frase deixou de ter um sentido tão literal…

  19. É o que acontece quando se dá poder a acéfalos cuja única cultura é a que beberam dos youtubers. Ponham o Nuno Faria no Louvre que ele pinta bigodes na Gioconda.

  20. Tudo vai sempre ter à incultura, à educação. Perdidas estas duas linhas de preparação para o convívio numa sociedade que não pode ser inventada por arrivismo, perde-se o fio que nos liga a um passado, e nos liga a um presente, e nos conduz, com sabedoria, a um futuro.
    Tudo isto não passa de um improviso. E os improvisos…

  21. O meu obrigado e apoio pelo texto.
    Tenho contudo a quase certeza que este acto inqualificável de Rui Moreira, demonstrando desprezo pela importância da Cultura e História não impedirá que seja novamente eleito e continue a fabricar mais aberrações.

  22. In Requiem por um Emblema da Liberdade : Catalogo Official da
    Exposição Internacional do Porto em 1865, Porto, Typographia do Commercio, 1865
    p. VII
    Exposição Internacional Portugueza
    Annuncio Official
    (…)
    ‘Quem de altos espíritos de liberdade e glória não estimará visitar na séde da exposição a morada e parque aonde o foragido heroe da Italia, Carlos Alberto, optou finar-se para livre morrer entre os livres ?
    Porto e Secretaria da Comissão Central, 21 de Novembro de 1864’.

  23. Esta “transformação” é o reflexo da bestialidade dos ígnaros pseudo-intelectuais que tomaram conta do poder nas últimas décadas.

  24. Estou preocupada,tudo pode ser destruido,se alguém se autoproclamar de detentor da verdade,A nossa memória foi apagada.O nosso dinheiro foi esbanjado.Acuso.

  25. Uma vergonha o que fizeram com o museu romântico. Unico no país e com história. Uma casa linda. O Porto perdeu e o país também😢😢

  26. Muito bem analisado, e escrito.
    Quem não tem educação não percebe cultura por mais formação académica que eventualmente tenha.
    Esbarramos sempre no mesmo problema educacional nacional, cada vez mais evidente em personagens com poder de decisão. Representam perigo público.

Responder a Antonio Bras Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.