O fio que tece uma trama de rostos…

Exposição “Rostos de Fátima, fisionomias de uma paisagem espiritual”
Fátima, Convivium de Santo Agostinho, Basílica da Santíssima Trindade (28 nov. 2020 – 15 out. 2022)

Esta exposição tem, literalmente, um fio condutor.

Tear (detalhe), no espaço introdutório da exposição
Foto: MIR, 2021

A primeira peça é um tear artesanal com uma peça em meia urdidura e de cuja teia parte um fio vermelho que une cada um dos pontos da exposição, ou os diferentes rostos que constroem a narrativa da exposição. Ao lado, sobre a imagem de uma meada de fios, as palavras-chave que constituem o mote desta narrativa, mas cuja chave de leitura apenas será revelada no final: esquecemos, lições, história, crise, sofrimento, forma de viver, humanidade, rostos, mãos, vozes.

A exposição está estruturada em duas partes sequenciais e complementares, marcada no chão com uma faixa onde se apresenta o respetivo título. A primeira parte “Paisagem humana: que rostos em Fátima?”, concreta e denotativa, mostra os rostos conhecidos daqueles que traçam a história e a fisionomia material do santuário de Fátima. A segunda “Fisionomias espirituais: que rostos de Fátima?”, conceptual e conotativa, assume uma função referencial e interpretativa do sentido espiritual do lugar.

Entrada da exposição
Foto: Santuário de Fátima

À entrada da exposição, com o título e uma epígrafe onde se regista o mote da exposição – “A história de Fátima contada a partir dos nomes que a fizeram. Em tempo de pandemia, uma reflexão dobre o tema da morte e da vida como momentos luminosos da peregrinação do homo viator” – tem o fundo preenchido com uma imagem desfocada das luzes das velas em noite de peregrinação, onde se abre um óculo oval, com moldura lisa branca, dando a cada visitante a possibilidade de se retratar como um desses rostos. A moldura oval, evocativa prática de apresentação dos retratos de familiares em espaços domésticos, é outro motivo recorrente no final de cada núcleo, contendo conjuntos de ex-votos fotográficos deixados no santuário.

Painel introdutório do núcleo “Os rostos dos que administram o lugar: bispos e reitores”
Foto: MIR, 2021

Ambos, o fio e a moldura, são elementos constantes nos painéis introdutivos dos vários núcleos, segundo o mesmo esquema gráfico: no topo, a designação da parte da exposição, seguido pelo título do núcleo; ao centro, a moldura com o detalhe de uma das peças exposta nesse ponto e em sintonia com o sentido da narrativa; na parte inferior, o texto introdutório e interpretativo do núcleo; o fio vermelho que se desenrola de forma diferente em cada um dos painéis.

Jacinta e Franscisco
Sílvia Patrício, 2017
À direita, vídeo da visita de Lúcia ao Santuário, em 2000
Núcleo “Os rostos protagonistas, primeira parte ou parte inicial de uma peregrinação sem fim”
Foto: MIR, 2021

Os primeiros rostos de Fátima são os dos três videntes: Jacinta, Francisco e Lúcia. A imagem primeva é a fotografia tirada por um desconhecido, em finais de setembro de 1917, a partir da qual se construiu a iconografia dos santos Francisco e Jacinta Marto, fixada nas telas de Sílvia Patrício, em 2017. As imagens de Lúcia surgem nos vídeos das suas visitas ao santuário, em 22 de maio de 1946, ainda como doroteia, pouco antes da sua entrada no Carmelo, e em 16 de maio de 2000, por ocasião da beatificação de Jacinta e Francisco pelo Papa João Paulo II. São eles, os rostos dos protagonistas, aqueles que deram origem à peregrinação. O outro rosto, omnipresente e coletivo, ainda que constantemente personalizado, é o do peregrino que, em simbiose, se mistura às imagens de Jacinta e Francisco refletidas no espelho que lhe está em face.

Núcleo “Os rostos dos que dilatam uma história e uma mensagem: informadores e arautos”
Foto: MIR, 2021

O segundo núcleo é dedicado aos “rostos dos que dilatam uma história e uma mensagem”, daqueles que se constituíram seus arautos, cujas efígies recortadas, em ampliações fotográficas a preto e branco, percorrem as paredes no enquadramento dos objetos que, em vitrinas, lhes fazem referência.

Avelino de Almeida e Judah Ruah, junto ao jornal O Século, com a notícia “Coisas espantosas”
Foto: MIR, 2021

Abre, inevitavelmente, com os primeiros divulgadores na imprensa, o jornalista Avelino de Almeida e o fotógrafo Judah Ruah, junto às notícias “Coisas espantosas: Como o sol bailou ao meio-dia em Fátima”, publicada no jornal O Século, a 15 de outubro de 1917, e “O milagre de Fátima”, na Ilustração portugueza, de29 de outubro, com fotografias de Ruah, de que também está exposto um negativo. Seguem-se aqueles que contribuíram para fixar a história de Fátima: Manuel Nunes Formigão, que interrogou os pastorinhos, e o manuscrito do interrogatório; Gilberto Fernandes dos Santos, um dos primeiros devotos que providenciou à colocação da imagem de Nossa Senhora de Fátima na Cova da Iria; os autores de monografias e estudos que divulgaram Fátima pelo mundo, como Ludwig  Fischer1 e a obra Fátima, das Portugiesiche Lourdes [Fátima, Lourdes portuguesa] (1930), Luigi Gonzaga da Fonseca e Le meraviglie di Fàtima: apparizioni-culto-miracoli [As maravilhas de Fátima: aparições, culto, milagres] (1931), João de Marchi e Era uma senhora mais brilhante que o sol, e Fernando Leite, o biógrafo de Francisco (Francisco, o pastorinho de Nossa Senhora, 1946) e Jacinta (Jacinta, a florinha de Fátima, 1958); Harold V. Colga e John Haffert, fundadores do movimento mariano Exército Azul (Apostolado Mundial de Fátima); Luís Kondor, responsável pela obra Memórias da Irmã Lúcia, com sucessivas edições e traduções nas mais diversas línguas.

Luís Kondor, junto às várias edições da obra Memórias da Irmã Lúcia
Foto: MIR, 2021

Maria Teresa Pereira da Cunha e Maria Teresa Villas Boas que, na década de 1940, conseguiram levar a imagem da Virgem Peregrina a percorrer o mundo, estão junto à mala que acompanhou as viagens da Virgem peregrina2, cujos primeiros itinerários estão representadas no mapa-múndi concebido em 1956 por Manuel Rodrigues.

Entre estes, destacam-se os retratos a óleo do Papa João II, junto ao terço em ouro que ofereceu durante a sua primeira visita ao santuário em 1982, e do jovem mártir esloveno Aloysius Grozde, condenado à morte durante a Segunda Guerra Mundial, após ter sido encontrado na posse da Imitação de Cristo e de um livro sobre Nossa Senhora de Fátima.

Núcleo “Os rostos dos que administram o lugar: bispos e reitores”
Foto: MIR, 2021

O núcleo seguinte documenta os rostos daqueles que, enquanto bispos ou reitores, administram o lugar, em torno de um estrado onde são projetadas imagens que registam a evolução física do santuário por eles proporcionada, criando as estruturas de apoio ao peregrino e adaptando o espaço às contingências da peregrinação.

Simultâneos aos divulgadores da notícia e aos promotores do lugar, houve aqueles que se manifestaram contrários. Talvez fosse expetável que, numa exposição promovida pelo santuário e no seu espaço, fossem ignorados os adversários. Não é o caso. Também são incluídos, nas suas “dúvidas e militâncias”, como parte dos rostos que compõem o multifacetado fenómeno de Fátima.

Tomás da Fonseca
Núcleo “Os rostos dos adversários: dúvidas e militâncias”
MIR, 2021

Num esquema formal idêntico ao do segundo núcleo, aparecem, em primeiro lugar, o republicano Artur de Oliveira Santos que, na qualidade de administrador do concelho de Ourém, chamou os videntes para os interrogar em 13 de agosto de 1917. Segue-se Tomás da Fonseca, junto às obras No rescaldo de Lourdes (1932), Na cova dos leões (1958) e Fátima: Cartas ao cardeal Cerejeira (1958), e João Ilharco, com Fátima desmascarada (1971).

Instalação museográfica para o fragmento da porta da Capelinha após a dinamitização
Núcleo “Os rostos dos adversários: dúvidas e militâncias”
MIR, 2021

Em sequência, é feita a referência ao bombardeamento da Capelinha numa instalação museográfica, onde a sobriedade se alia ao efeito poético: uma rampa conduz a uma armação estilizada de vigas que reproduzem a estrutura da Capelinha, numa representação alegórica, ao centro da qual, se ergue uma vitrina com um fragmento da porta após a dinamitização, a qual é vista em fundo numa ampliação fotográfica do registo de Alípio Vicente. Esta instalação, auxiliada por uma luz pontual sobre a vitrina, simultaneamente próxima e separada do visitante, salienta o valor simbólico da relíquia do templo primitivo.

Núcleo “Os rostos dos investigadores: interpelação e estudo”
MIR, 2021

Seguem-se os rostos dos intérpretes de Fátima, através da investigação científica ou da criação artística. O núcleo “Os rostos dos investigadores” centra-se naqueles que recolherem testemunhos e objetos que documentam a história de Fátima, os estudaram e interpretaram: novamente, Manuel Nunes Formigão, que fixou os relatos dos videntes na primeira pessoa, junto do primeiro registo da jaculatória; os investigadores da história e do fenómeno religioso das aparições e de Fátima, José Galamba de Oliveira, Sebastião Martins dos Reis, Luciano Coelho Cristino; Joaquin Maria Alonso e as malas da documentação recolhida sobre Fátima;  Joseph Ratzinger e o comentário teológico ao segredo de Fátima, escrito em 2000 enquanto Perfeito da Congregação para a Doutrina da Fé. Neste núcleo, não é o rosto que identifica os autores, mas a sua assinatura, em letra recortada na base das vitrinas, relacionando-os com as respetivas obras aí expostas.

Núcleo “Os rostos dos poetas, dos literatos e dos artistas: interpretar pela criação”
MIR, 2021

O núcleo “Os rostos dos artistas” traz aqueles que, ao longo do tempo, conferiram a fisionomia identitária do santuário, nos diversos registos estéticos que constroem a paisagem material do lugar. A imagem axial é a escultura de Nossa Senhora de Fátima, feita por José Ferreira Thedim3.  Os artistas com obra instalada em Fátima são referidos na extensa lista de nomes que antecede a síntese escolhida entre as suas obras, recrutadas através da arquitetura, a pintura, a escultura, as artes decorativas, a literatura e a música.

Maqueta da basílica da Santíssima Trindade,
Alexandros Tombazis, 2004
Ao fundo, Lava-pés: maqueta do painel)
Álvaro Siza Vieira, 2007
Núcleo “Os rostos dos poetas, dos literatos e dos artistas: interpretar pela criação”
MIR, 2021

Situando-se a exposição no espaço da basílica da Santíssima Trindade, abre-se, aqui, uma janela que transporta o percurso expositivo ao exterior, onde se encontra a maqueta do painel de azulejos “Lava-pés”, de Siza Vieira, tendo como pano de fundo, numa ligação simbólica, o lago que liga à galilé de São Pedro e São Paulo, onde está instalado.

Núcleo “Os rostos protagonistas, segunda parte: os peregrinos”
MIR, 2021

A primeira parte da exposição encerra com o rosto daqueles que, na senda dos videntes, são os principais protagonistas do santuário. Os peregrinos anónimos estão aqui simbolicamente identificados e figurados pelos nove nomes e rostos captados pela objetiva de Tiago Miranda durante a peregrinação de maio de 2012, com “o céu chuvoso por cima, o asfalto nos pés e Fátima no horizonte” (Mendonça, & Miranda, 2012), numa reportagem para o jornal Expresso. As fotografias, em grandes painéis suspensos, confrontam os testemunhos deixados pelos Papas, os peregrinos mais (re)conhecidos entre a multidão que pisa os caminhos de Fátima.

Transição para a segunda parte da exposição
Núcleo “Do rosto trinitário ao rosto humano de Deus”
MIR, 2021

Na segunda parte, a exposição fala dos “rostos”, no sentido figurado de fisionomias espirituais, transmitidos pelo espírito do lugar, ou seja, as feições que moldam o seu genius loci.

O primeiro trata “do rosto trinitário ao rosto humano de Deus”, partindo da representação iconográfica do dogma da Trindade, o qual a define e entidade divina como três pessoas consubstanciais, e que foi referida na segunda oração (“Santíssima Trindade…”) ensinada pelo anjo aos pastorinhos, antes de lhes dar a comunhão, conferindo um sentido eucarístico às aparições.

Santíssima Trindade
Autor desconhecido, século XV
Núcleo “Do rosto trinitário ao rosto humano de Deus”
MIR, 2021

Na apresentação da Santíssima Trindade como Trono da Graça – Deus Pai, sentado no trono em majestade, segura a cruz do Filho encimada pela pomba do Espírito Santo – a museografia assume-se como signo, ao posicioná-la como eixo de um triângulo luminoso, símbolo do divino, cujo sentido é sublinhado pela separação criada pelo fio que impede a aproximação do visitante.

Véu de Verónica
À esquerda, Procissão dos Passos
Alberto de Sousa, 1938
Núcleo “Do rosto trinitário ao rosto humano de Deus”
MIR, 2021

Deus encarnado na figura do Filho é o rosto visível na vera ícone do pano de Verónica. O véu processional usado nas procissões dos Passos ou do Enterro do Senhor, na Semana Santa, conforme se representa na aguarela de Alberto de Sousa, evoca o véu onde ficou gravado o rosto de Cristo coroado de espinhos, quando Verónica4  lhe enxugou o suor no caminho do Calvário. A imagem dolorosa de Cristo torna-se o ponto de partida deste núcleo, como epígrafe do sofrimento humano.

A exposição enquadra-o, suspenso no centro de uma moldura, atrás da qual são projetadas imagens de peregrinos numa tela, como um pano que desce do teto e se arrasta no chão a mostrar o rosto daqueles que, à imitação de Cristo, são também sofredores num caminho de calvário que os traz a Fátima.

Cristo
Irene Vilar, 1986
Candelabros de parede com espelho
Núcleo “Do rosto trinitário ao rosto humano de Deus”
MIR, 2021

A identificação do peregrino torna-se pessoal na composição de candelabros de parede com espelhos em torno da imensa figura escultórica Cristo, de Irene Vilar, onde cada um se vê refletido como parte integrante dos passos da via sacra.

O “rosto do Anjo” tem, na narrativa das aparições de Fátima, uma função propedêutica sob um signo de “advertência, proteção e lamento”, identificando-se como o Anjo da Paz, título da obra gravada em alumínio de autoria de Clara Meneres que abre este núcleo, também ele a introduzir um espaço fechado, separado, onde se encontram outras obras da artista.

O pranto e a túnica do anjo
Clara Menéres, 2007
Núcleo “O rosto do anjo em Fátima: advertência, proteção e lamento”
MIR, 2021

Aqui o anjo é figurado através das asas (proteção), da armadura (proteção) e do pranto (lamento), numa instalação que funciona como um momento de rutura e um convite a uma atitude introspetiva para passar ao núcleo seguinte: do sofrimento do pathos patente na Paixão, este momento funciona como a preparação que conduz à cathársis, ou reflexão purificadora proposta nos núcleos seguintes.

Núcleo “O rosto da humanidade peregrina: o ‘homo viator’, o alimento, a fragilidade, a identidade, a morte e a vida”
MIR, 2021

O núcleo “O rosto da humanidade peregrina” não se confunde com o dos peregrinos, focados na sua individualidade, que encerrou a primeira parte. O peregrino é, agora, o ser coletivo identificado como “homo viator”, tópico que na literatura cristã medieval se referia ao caminho individual, entre o nascimento e a morte, em busca da perfeição e, por conseguinte, da vida eterna. O esforço do caminho é representado pelos bordões de peregrino expostos junto à fotografia “A chegada”, de António Carlos Pereira da Costa, onde um grupo de peregrinos caminha se dirige ao santuário, ambos duplicados pelo próprio reflexo no chão molhado.

Núcleo “O rosto da humanidade peregrina”
MIR, 2021

O conceito de homo viator ultrapassa o de peregrino, para se tornar na condição subjacente à humanidade (García de Cortázar, 1994). Este conceito, confere à humanidade um caráter transitório e efémero que, aqui, é mostrado, em sentido literal, através da exposição de um crânio de pessoa desconhecida e, de forma alegórica, na obra “Pendular” de Sílvia Patrício.

A condição de homo Viator, confronta a humanidade com as questões essenciais, enunciadas no texto de abertura deste núcleo: “de onde vem e para onde vai, que alimento toma, que fragilidades sente, o que é o limite dessa vida?”. É a partir destas interrogações que se formulam os subtemas “alimento”, “fragilidade”, “identidade”, “morte” e “vida”5

O alimento
Núcleo “O rosto da humanidade peregrina”
MIR, 2021

O “alimento” é referido através da representação iconográfica convencional da Ceia de Emaús, onde Cristo glorioso se manifestou ao repetir o gesto da Eucaristia junto a dois discípulos-peregrinos que encontrara no caminho (Lc 24, 13-35) e da obra de “Mysterium” de Sílvia Patrício, que a sintetiza no elemento fundamental do pão sobre a toalha.

A fragilidade
Núcleo “O rosto da humanidade peregrina”
MIR, 2021

O sentido da “fragilidade”, a que se contrapõe a caridade, exprime-se através do tema do “Bom samaritano” junto a uma cadeira de transporte de doentes, evocando o cuidado do santuário para com os peregrinos fisicamente debilitados.

A identidade
Núcleo “O rosto da humanidade peregrina”
MIR, 2021

O tema da “identidade” alia-se ao conceito de vanitas, com o sentido moralizador subjacente à transitoriedade da vida humana, através das representações de Madalena penitente e de São Francisco de Bórgia, cujo atributo, um crânio, evocando o efeito transformador que a visão do cadáver da imperatriz Isabel de Portugal produziu nele. Este tema é declinado na obra “Sem título” de Luís Noronha da Costa, onde uma esfera defronta uma caveira, separadas por um vidro espelhado no qual o observador se reflete.

A morte
Núcleo “O rosto da humanidade peregrina”
MIR, 2021

A “morte” é apresentada em sentido literal, através da pintura “Deposição [de Cristo no túmulo]”, de Maria da Conceição Veloso Salgado, em paralelo ao corpo do soldado morto na obra “Jaz morto e arrefece o menino de sua mãe” de Clara Menéres.

A vida
Núcleo “O rosto da humanidade peregrina”
MIR, 2021

A “vida” retoma o conceito de homo Viator, personificado na obra “Caminhando” de Hein Semke, no percurso entre as representações do Calvário e de Cristo ressuscitado.

O epílogo da exposição centra-se no tema axial do santuário, “o rosto de Maria em Fátima”, aqui evocado de forma alegórica através da obra “No coração de Maria”, de Cristina Leiria, retomando a descrição, feita pelos videntes, da Virgem com um coração coroado de espinhos.

Coroa preciosa de Nossa Senhora de Fátima
1942
Núcleo ” O rosto de Maria em Fátima: a face da humanidade triunfante”
Foto: MIR, 2021

A peça nuclear deste núcleo é a coroa preciosa, que o aparato museográfico sublinha, aludindo ao caráter extraordinário da Mãe de Deus e “Rainha da Paz e do Mundo”, conforme a mensagem do papa Pio XII em 1946, lida durante a cerimónia da coroação da imagem. A coroa tem, também, a função de relicário da bala que atingiu o papa João Paulo II e que este ofereceu, como ex-voto, ao santuário de Fátima, durante a peregrinação de maio de 1982 e em ação de graças por ter sobrevivido ao atentado um ano antes.

O Senhor do universo
Luís Cunha e Maria de Jesus Cunha, 1976
Núcleo ” O rosto de Maria em Fátima: a face da humanidade triunfante”
Foto: MIR, 2021

O fio que conduziu o percurso expositivo termina na tapeçaria “O Senhor do Universo”, suspensa do teto. Desta, pende, em representação fotográfica, uma peça idêntica à que se encontra em curso no tear da entrada, onde se inscreve uma citação da “Carta Encíclica Fratelli Tutti [Todos irmãos]”, de 3 de outubro de 2020:

Rapidamente esquecemos as lições da história, «mestra da vida» (Cícero, De Oratore, 2, 36). Passada a crise sanitária […] oxalá não seja inútil tanto sofrimento, mas tenhamos dado um salto para uma nova forma de viver e descubramos, enfim, que precisamos e somos devedores uns dos outros, para que a humanidade renasça com todos os rostos, todas as mãos e todas as vozes, livre das fronteiras que criamos.

É desta citação que foram extraíadas as palavras-chave encontradas no início da exposição e que conduzem a narrativa. O fio que tece “todos os rostos” termina com uma mensagem de esperança na humanidade renascida.

Comissariada por Marco Daniel Duarte, responsável também pela museologia, com museografia de Humberto Dias e design de Inês do Carmo, esta é uma exposição simultaneamente surpreendente e correta, sóbria e poética. É, à semelhança das anteriores exposições organizadas pelo Museu do Santuário de Fátima, uma lição de museografia da religião.

Referências:
Francisco. (2020). Fratelli Tutti [Carta Encíclica]. Acedido em https://www.vatican.va/content/francesco/pt/encyclicals/documents/papa-francesco_20201003_enciclica-fratelli-tutti.html#_ftn34
García de Cortázar, J. A. (1994.). El hombre medieval como “Homo Viator”: Peregrinos y viajeros. In J. I. Iglésia Duarte (coord..), IV Semana de Estudios Medievales [atas]: Nájera, 2 al 6 de agosto de 1993 (pp. 11-30). Logroño : Instituto de Estudios Riojanos.
Mendonça, B., & Miranda, T. (2012). “Valha-nos Nossa Senhora!”. Disponível em https://expresso.pt/multimedia/fotogalerias/valha-nos-nossa-senhora=f725261

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "O fio que tece uma trama de rostos…," in a.muse.arte , 2021/07/26, https://amusearte.hypotheses.org/7442.
  1. O Professor Ludwig [Luís] Fischer, catedrático da Universidade de Bamberg, na Bavieira, e o cónego Manuel Nunes Formigão são considerados autores fundacionais da historiografia das aparições de Fátima, sendo como tal homenageados num monumento concebido por Graça Costa Cabral colocado no santuário, nas imediações do edifício da Reitoria. []
  2. Assinale-se, porém, a necessidade pontual de legendas um mais extensas, justificando a presença do objeto no contexto da exposição: sem referir a função original da mala de viagem, nem referir o papel de Maria Teresa Pereira da Cunha e Maria Teresa Villas Boas, poderá o visitante compreender a sua introdução na narrativa? []
  3. A imagem foi o tema da exposição temporária, “Vestida de Branco: A imagem de Nossa Senhora do Rosário de Fátima”, igualmente organizada pelo Museu do Santuário de Fátima, entre novembro de 2019 e outubro de 2020. Vd. https://amusearte.hypotheses.org/6203. []
  4. Não há referência a Verónica nos evangelhos canónicos. O episódio foi fixado nas Meditationes de Vita Christi, obra devocional do século XIV, de autor desconhecido, cuja popularidade incrementou as representações do tema nos autos religiosos nos finais da Idade Média e, daí, para a iconografia. []
  5. No roteiro, os títulos destes subtemas têm um arranjo gráfico em sintonia com o sentido de cada um: o alimento, por uma linha horizontal e dois pequenos traços verticais junto às extremidades, formalizando-se como mesa; a fragilidade, com uma linha tracejada; a identidade, inserida numa caixa fechada; a morte, debaixo de uma linha contínua; a vida, por cima de uma linha contínua. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.