Tudo o que eu quero – é uma exposição

Exposição “Tudo o que eu quero: Artistas portuguesas de 1900 a 2020”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian (2 jun. – 23 ago. 2021)

São cerca de 200 obras de 40 artistas portuguesas1 num arco cronológico que abrange todo o século XX e chega aos nossos dias e que integra pintura, escultura,  desenho,  objeto,  livro,  instalação, filme e vídeo.

Exposição “Tudo o que eu quero”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2021

Não devia ser preciso fazer uma exposição sob o lema do género, mas a história da arte escreve-se sobretudo com nomes de homens. Porém, esta também não é apenas uma exposição sobre arte no feminino, mas da afirmação da(s) vontade(s) das mulheres em ocupar o espaço que é seu. Daí o título, cujo sentido não é imediato, mas que, sendo inspirado no poema “Toi, ciel clair au dessus de moi” de Lou Andreas-Salomé2, nos remete para esta ideia axial da vontade de viver plenamente e da posse de um espaço pessoal:

“Des joies je ne veux pas la fin
Et ne veux fuir aucune peine;
Je ne veux qu’une chose : de l’espace, rien que de l’espace
[…]”

Livros de artista: Carla Rebelo, Isabel Baraona, Lourdes Castro, Ana Alvim, Ana Mata, Lúcia Prancha
Exposição “Tudo o que eu quero”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian
Foto: Ana Barata, 2021

Com curadoria de Helena de Freitas e de Bruno Marchand, o  discurso museológico é tematicamente estruturado em tópicos3,  que se intersecionam e complementam, enquanto revelam esse desejo de afirmação: o olhar, quer seja a perspetiva do olhar sobre as coisas, ou a visão refletida pelo espelho; o corpo, declinado nas variações da corporalidade do “eu” físico, dos sentidos, da consciência da fisicalidade do outro, ou do corpo político; a palavra, do texto à formalização do livro, ou ao discurso político; o espaço – aquele que era a vontade absoluta de Lou Andreas-Salomé – construído ou natural, seja, ainda, o do corpo como invólucro do “eu” íntimo, o lugar interior da casa, ou da criação (da expressão escrita, performativa ou plástica)…

“Ambiente: sala de jantar”, de Ana Vieira
Exposição “Tudo o que eu quero”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2021

Apesar de o subtítulo da exposição apontar para uma sequência cronológica (a cronologia está lá, mas separada do núcleo expositivo, na entrada do museu), o discurso abandona essa linearidade, para apontar conexões e sugerir novas leituras e reflexões. Também o espaço ultrapassa os próprios limites, com peças expostas nos átrios,  a instalação de Luísa Cunha na casa de banho, ou usa a paisagem exterior como enquadramento do exposto, como acontece no núcleo “Le vivant”, onde a “Árvore cortada em cubos e montada em linha”, de Gabriela Albergaria, questiona a nossa relação com a natureza.

Núcleo “Le vivant”, com obras de Gabriela Albergaria, Lourdes Castro e Maria Capelo
Exposição “Tudo o que eu quero”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2021

 

A exposição reflete as transformações (ou as sucessivas afirmações) da presença feminina: de objeto a sujeito ou de musa a criadora. É, também, um lugar de confrontos entre linguagens estéticas, entre formalizações, técnicas, materiais, mas também entre espaços e tempos, entre diferentes expressões e personalidades artísticas.

Núcleo “O lugar da artista”: autorretrato, de Aurélia de Sousa, e Re-Récamier, de Rosa Carvalho
Exposição “Tudo o que eu quero”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2021

Esta matriz fica definida logo no primeiro núcleo, pondo em confronto obras de Aurélia de Sousa e Rosa Carvalho tipificando as duas épocas extremas do arco cronológico da exposição e duas visões divergentes acerca do lugar da mulher na arte, entre a presença realista dos retratos da primeira e a ausência intencional da figura em citações de obras de criadas por homens (Rembrandt, François Boucher e Jacques-Louis David) na segunda.

Núcleo “Feminino plural”, com obras de Maria Antónia Siza, Patrícia Garrido, Ana Vidigal, Milly Possoz e Ofélia Marques
Exposição “Tudo o que eu quero”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2021

Tal como, em seguida, o “Feminino plural” passa pelo confronto entre a terna delicadeza de Milly Possoz e Ofélia Marques e a expressão grotesca dos corpos de Maria Antónia Siza ou a tensão sexual nas esculturas de Patrícia Garrido e nas pinturas de Maria José Aguiar. Ou, no “Corpo central”, onde são postas em confronto, as obras eruditas de Maria Helena Vieira da Silva, com as cerâmicas populares de Rosa Ramalho, enquanto Susanne Themlitz introduz um conceito contemporâneo do corpo.

Núcleo “O teatro do corpo”, com obras de Paula Rego e Menez
Exposição “Tudo o que eu quero”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2021

Ou, em “O teatro do corpo”, o recorrente confronto entre as figuras poderosas de Paula Rego e o universo intimista e melancólico de Menez. Porém, todos estes confrontos, bem como os que se lhe seguem, são também conexões das menos óbvias às mais imprevisíveis.

Núcleo “Corpo central”, com obras de Vieira da Silva
Exposição “Tudo o que eu quero”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2021

Neste universo de mulheres, artistas e portuguesas, há as presenças inevitáveis de Vieira da Silva, Paula Rego, Helena Almeida ou Joana Vasconcelos, internacionalmente reconhecidas, há outras que nos habituámos a ver pela sua presença constante nos circuitos expositivos, outras que conhecemos, mas não são vistas com a frequência que desejaríamos, outras menos expetáveis ainda que ocupem um lugar de pleno direito, outras, ainda, que que se descobrem e despertam a vontade de ver mais, ou outras que deveriam aqui estar. Da mesma forma, também há obras que vemos sempre com gosto ou com a emoção de um reencontro, outras surpreendentes (como algumas de Vieira da Silva) e outras cuja ausência não compreendemos – como a “Mulher-Terra-Viva”4, de Clara Menéres, que no contexto desta exposição se afiguraria como emblemática. Falta, também, uma referência à série de pinturas sobre o aborto de Paula Rego, mas esta ausência foi justificada pelo facto de integrarem a grande retrospetiva da artista atualmente na Tate Britain.

A elaboração do discurso museológico é um processo de contínuas escolhas e opções pessoais e subjetivas e, por conseguinte, inevitavelmente, sujeitas a escrutínio. Contudo, o próprio curador Bruno Marchand assume a escolha de “artistas que não seriam as mais expectáveis ou consensuais” (cit. in Lusa, 2021). Poderiam ter sido escolhidas outras mulheres artistas, outras obras, mas, aí, seria uma outra exposição e esta é uma antologia muito consistente e completa.

Núcleos “Construção” e “A casa”
Exposição “Tudo o que eu quero”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2021

Regista-se, também, a persistência de alguns lugares-comuns ou a dificuldade em superar categorias de pensamento instituídas. As mulheres só puderam entrar na Escola de Belas Artes a partir de 1879, o que fez com que, antes disso, a presença da mulher apenas surja de forma excecional no mundo das artes, como foi o caso de Josefa d’Óbidos. Porém, tal como lembra André Varela Remígio (2021), “Como se pode dizer que Portugal bloqueava as pretensões artísticas feministas, se as academias de Belas Artes portuguesas aceitaram alunas mulheres dezasseis anos antes da congénere francesa, a Meca artística e das vanguardas de então?!”

Núcleo “Quotidiano vernacular”, com obras de Lourdes Castro, Joana Vasconcelos e Sónia Almeida
Exposição “Tudo o que eu quero”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2021

De resto, resulta evidente ao longo da exposição, a escassez de mulheres ou o seu apagamento no mundo das artes plásticas estão a ser contrariados desde as últimas décadas do século passado, em que muitas artistas portuguesas ganham espaço com carreiras cada vez mais reconhecidas e internacionalizadas.

Núcleo “A palavra”, com obras de Salette Tavares
Exposição “Tudo o que eu quero”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2021

Porém, qual “mer de lyriques”, parafraseando Salette Tavares, a igualdade de género, mesmo que definida no plano político, não está consolidada no plano social, o que justifica a oportunidade ou a necessidade desta exposição.

Os curadores, de resto, tiveram a capacidade de não transformar a exposição num manifesto feminista, mas a questão encontra-se imanente ao discurso.

Núcleo “O espaço da escrita”, com obras de Ana Hatherly, Isabel Carvalho, Joana Rosa e Susanne Themlitz
Exposição “Tudo o que eu quero”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2021

A exposição está centrada no universo feminino, mas não é uma exposição feminista, também porque a maioria das mulheres aqui representadas têm preocupações e motivações divergentes, consoante o espaço e o tempo. Não é, portanto, um manifesto político das questões de género, mas é uma exposição onde se revela um universo de sentidos e expressões sob o signo (ou o desígnio) feminino, mas onde o homem não está ausente, seja no autorretrato de Aurélia de Sousa representando-se como Santo António em 1902, seja na transgressão do padre vestido de mulher na série “O crime do Padre Amaro”, de Paula Rego, seja na fotografia de Helena Almeida que amarra, com um fio elétrico, a sua perna direita à perna esquerda do marido, o escultor Artur Rosa.

Núcleo “A World of Illusions”, de Grada Kilomba
Exposição “Tudo o que eu quero”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2021

É porém, uma exposição política. Ao longo do percurso, há momentos de reflexão, consciência e intervenção social e política. Maria Lamas não seria uma escolha óbvia neste universo artístico, mas a obra “As mulheres do meu país”, que dá título a um dos núcleos, revela-se uma presença crucial neste contexto, revelando a condição feminina num regime político autoritário e na sociedade conservadora e machista de meados do século XX em Portugal, numa denúncia que, de alguma forma, se prolonga nos filmes de Filipa César, nomeadamente, em “Memograma, ou na instalação-vídeo de Grada Kilomba.

Núcleo “O Político”: “O povo reunido jamais será: representações gráficas, de Carla Filipe
Exposição “Tudo o que eu quero”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2021

Em “O político”, a intervenção feminina aponta para outras vias de expressão, como sugerem os cartazes de O povo unido jamais será, de Carla Filipe, despojados de palavras, ao mesmo tempo que as figuras de “A caminhada do medo, de Graça Morais, comprova a atitude empenhada e comprometida da mulher-artista na denúncia dos dramas humanitários.

Núcleo “O Político”: “A Caminhada do Medo X”, de Graça Morais
Exposição “Tudo o que eu quero”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2021

É porém, uma exposição política. Incluída no Programa Cultural da Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia, é uma iniciativa do Ministério da Cultura que contou com a produção executiva e o projeto curatorial da Fundação Gulbenkian, assumindo o objetivo de sublinhar a importância do reforço do modelo social europeu, cuja concretização passa também pelo combate às desigualdades e pela valorização da Mulher Artista (Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia, 2021).

Com leituras complementares  à exposição, para lá do catálogo, este numa vertente mais marcadamente antológica das mulheres-artistas, salienta-se o sítio web da exposição interpreta o sentido dos vários núcleos, embora com uma referência reduzida às obras expostas, e a versão digital da exposição no Google Arts & Culture, cuja navegação, embora possa resultar confusa, inclui novas abordagens temáticas e permite outras formas de ver.

Definitivamente “tudo o que eu quero” é uma exposição assim.

Referências:
Andreas-Salomé, L. (1985). Ma vie: Esquisse de quelques souvenirs. Paris: Presses Universitaires de France.
Lusa. (2021, 15 jun.). Tudo o que eu quero: exposição com 40 mulheres artistas e portuguesas disponível no Google Arts. Público. Acedido em https://www.publico.pt/2021/06/15/culturaipsilon/noticia/-quero-exposicao-40-mulheres-artistas-portuguesas-disponivel-google-arts-1966499
Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia. (2021). Duas centenas de obras de 40 mulheres artistas portuguesas, de 1900 a 2020: Exposição Tudo o que eu quero. 2021Portugal (website). Disponível em https://www.2021portugal.eu/pt/noticias/duas-centenas-de-obras-de-40-mulheres-artistas-portuguesas-de-1900-a-2020/
Remígio, A. (2021, 13 jun.). Exposição “Tudo o que eu quero” [Facebook]. Acedido em https://www.facebook.com/xsantoandre/photos/a.1734767819883296/4856748371018543/

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Tudo o que eu quero – é uma exposição," in a.muse.arte , 2021/07/16, https://amusearte.hypotheses.org/7417.
  1. Aurélia de Sousa, Mily Possoz, Rosa Ramalho, Maria Lamas, Sarah Affonso, Ofélia Marques, Maria Helena Vieira da Silva, Maria Keil, Salette Tavares, Menez, Ana Hatherly, Lourdes Castro, Helena Almeida, Paula Rego, Maria Antónia Siza, Ana Vieira, Maria José Oliveira, Clara Menéres, Graça Morais, Maria José Aguiar, Luísa Cunha, Rosa Carvalho, Ana Léon, Ângela Ferreira, Joana Rosa, Ana Vidigal, Armanda Duarte, Fernanda Fragateiro, Patrícia Garrido, Gabriela Albergaria, Susanne Themlitz, Grada Kilomba, Maria Capelo, Patrícia Almeida, Joana Vasconcelos, Carla Filipe, Filipa César, Inês Botelho, Isabel Carvalho, Sónia Almeida. []
  2. Lou [Louise] Andreas-Salomé (1861-1937) era contemporânea da pintora portuguesa Aurélia de Sousa (1866-1922), que abre a exposição. Porém, ao contrário desta, a biografia de Lou Andreas-Salomé, nascida num ambiente privilegiado e conservador da Rússia imperial, mas que passou grande parte da sua vida noutros lugares da Europa, sobretudo, na Alemanha, é recheada de atitudes de sublevação e contestação, impondo a sua forma de ser mulher para lá de todos os convencionalismos. Muito próxima de autores como Friedrich Nietzsche, Paul Rée, Rainer Maria Rilke, ou Sigmund Freud, é referida como poeta, filósofa, romancista e, também, como psicanalista. Nas suas memórias, escritas aos 72 anos, descreve os seus conturbados relacionamentos, marcados pela vontade suprema de liberdade, num equilíbrio nem sempre fácil entre autonomia e liberdade. Porém, em toda a sua de obra, expõe as suas reflexões sobre o lugar das mulheres e contradições das suas relações familiares, sociais, intelectuais, amorosas e sexuais, sempre sob o desígnio da autodeterminação de um espírito livre (e, definitivamente, feminista). []
  3. A partir de um “ponto de partida”, literalmente introdutório do tom discursivo, a exposição desenvolve-se em torno de dezasseis núcleos temáticos: o lugar da artista; feminino plural; o olhar e o espelho; a palavra; o espaço da escrita; construção; le vivant; a casa; político; memórias coletivas; a world of illusions; as mulheres do meu país; quotidiano vernacular; o teatro do corpo; ouve-me. []
  4. “Mulher-Terra-Viva” é uma escultura-instalação, apresentada na exposição “Alternativa Zero”, organizada por Ernesto de Sousa, em 1977, na Galeria Nacional de Arte Moderna, em Lisboa. Feita de acrílico, terra e relva, cria uma simbiose entre a natureza e o corpo da mulher, numa referência à origem telúrica e aos mitos da criação.

    “Mulher-Terra-Viva”
    Clara Menéres, 1977
    Vista da instalação na exposição Alternativa Zero, Galeria de Belém.
    Fonte: Mutante Magazine

    []


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.