Cheirar as frutas e as flores numa natureza-morta

Há muitos anos (1993?), numa exposição temporária no antigo Musée national des Arts et Traditions Populaires,  era recriada uma rua do século XIX, onde se ouviam os sons da vida doméstica e urbana, o barulho das ferraduras e do rodar das carruagens sobre a calçada e se sentia em cada uma das lojas por onde passávamos o “cheiro” do respetivo ofício: a flores, na florista; a feltro quente, na chapelaria, a perfumes, na perfumaria…

Catálogo da exposição “Artisans de l’élégance: Musée national des arts et traditions populaires”
Musée national des arts et traditions populaires, 17 nov. 1993 – 15 maio 1994

Nessa altura, ainda não havia tecnologia digital nos museus. Numa sala do Centre Georges Pompidou, havia um computador, onde era possível ver o crescimento de árvores gerado por fractais. De resto e apesar da novidade, nem suscitava grande interesse entre os visitantes1 Ao fim de três décadas, tudo isto parece tão longínquo! Os computadores fazem parte do quotidiano e tornaram-se uma extensão do nosso pensamento e das nossas mãos nas tarefas mais corriqueiras. Hoje, tecnologia digital permite a criação de experiências imersivas, impensáveis nessa altura.

Dispensador de cheiro na exposição “Smell the art”
Haia, museu The Mauritshuis

No entanto, a notícia de que o museu de arte The Mauritshuis, em Haia, está a preparar a exposição “Smell the art: Fleeting – scents in Colour”, cuja inauguração depende da reabertura do museu prevista para agosto, na qual os visitantes poderão sentir o cheiro associados aos conteúdos representados nas obras de arte, está a ser entusiasticamente publicitada como algo absolutamente inédito. Através de distribuidores de cheiro – “covid safe”, como sublinha o museu – o visitante pode experienciar os vários cheiros representados na arte, sejam eles agradáveis ou repulsivos tais como, o dos canais de Amsterdão numa obra de Jan van der Heyden, ou o da roupa lavada numa obra de Pieter de Hooch, ou o das frutas e flores numa natureza-morta de Abraham Mignon.

Trinta anos depois daquela ignorada e esquecida exposição do Musée national des Arts et Traditions Populaires, também ele já desaparecido.

Caixa de fragâncias para acompanhar a visita virtual à exposição “Smell the art”

O que é novo e naquela época seria impensável é que o museu disponibiliza esta exposição em ambiente virtual. O visitante à distância pode adquirir, por 20€, uma caixa com bombas de cheiro que permitem sentir o cheiro das várias obras à medida que são visualizadas na visita virtual.

Tanta coisa mudou em três décadas!

  1. Em Portugal, em 1993, os palácios da Ajuda e de Queluz ensaiavam as primeiras bases de dados, a CDS-ISIS, para o inventário com a possibilidade de associar uma imagem à ficha do objeto. A exposição temporária “Encontro de culturas”, organizada pela Conferência Episcopal Portuguesa, associou-se à experiência e conseguiu o patrocínio da Unisys para obter um computador de ponta importado dos Estados Unidos utilizando a mesma base de dados. Um feliz acaso permitiu o acesso a uma outra base de dados, cedida pela DOT, que já utilizava um sistema SGBD, mais amigável e fácil de utilizar do que a CDS-ISIS que corria sobre DOS. Terão sido as primeiras utilizações da tecnologia informática em museus e exposições portugueses, ainda antes do programa Matriz. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.