Deambulações no Dia Internacional dos Museus: Museu de Arte Contemporânea e Museu Bordalo Pinheiro

O dia dos museus é pretexto para deambulações pelos museus, aproveitando o tom de festa e de celebração, a programação diferente, as exposições que são inauguradas. Calhando o dia 18 de maio num dia útil, torna-se necessário conciliar horários de trabalho – e, ontem, também, com uma queda que, tendo rasgado as calças, obrigou a uma troca de roupa e, também, a uma maior lentidão – e gerir a frustração face a tudo o que fica por ver e que irá ocupar a agenda dos próximos dias.

A escolha caiu no Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC) e no Museu Bordalo Pinheiro (MBP). As razões poderiam ter sido muitas, quer pelas diferenças entre ambos, como as tutelas, modelos de gestão, coleções, museografia, quer pelas afinidades possíveis de encontrar. Porém, a verdade é que a escolha teve a ver sobretudo com o gosto pessoal. E, assumindo o quanto somos influenciados pelas redes sociais, a forma como ambos os museus se mantiveram ativos e dinamizaram a interação com as suas audiências, determinou a escolha no universo de possibilidades dentro desse gosto pessoal. Ficou adiada a ida ao Museu de Arte Antiga (se não fosse a queda!), à sala Lalique do Museu Gulbenkian, às exposições do Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal, inauguradas à noite (fica a promessa, Joanna Latkta) …

Exposição “Meu Amigo: Obras e documentos da coleção Ernesto de Sousa (1921-1988)”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Contemporânea
Foto: MIR, 2021
Exposição “Pé d’orelha: Conversas entre Bordalo e Querubim”
Lisboa, Museu Bordalo Pinheiro
Foto: MIR, 2021

Em ambos os museus visitados, é comovente assistir ao regresso do público, ver os espaços animados de gente e constatar a vontade que todos sentíamos de voltar a ver “aquelas” obras com a emoção de um reencontro.

Em ambos, também, é sensível a segurança da continuidade e da persistência. Quem lá trabalha, continuou a trabalhar para que fosse possível voltar aos museus e para que, neste regresso, fosse possível encontrar algo novo.

Fachada renovada do museu
Lisboa, Museu Nacional de Arte Contemporânea
Foto: MIR, 2021

No MNAC, enquanto na Sala Polivalente é exibido o documentário “Julião Sarmento”, de Joaquim Sapinho, evocando a memória do artista falecido no passado 4 de maio, foram ontem inauguradas três exposições e, celebrando os 110 anos do MNAC, foi apresentada a recuperação da fachada com uma intervenção artística de Pires Vieira, composta por 9 obras, que se irão manter nas janelas do edifício durante os próximos três anos.

Exposição “Olhares modernos: O retrato na pintura, escultura e desenho no século XX (1900-1950)”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Contemporânea
Foto: MIR, 2021

A exposição “Olhares modernos: O retrato na pintura, escultura e desenho no século XX (1900-1950): Coleção do MNAC” (18 maio – 30 set. 2021), com curadoria de Maria de Aires Silveira, contraria a perceção do declínio da retratística na arte moderna, ao mesmo tempo que confirma o corte com a tradição e a busca de novas vias de representação.

Adão e Eva
Ernesto Canto da Maya, 1929–39
Exposição “Olhares modernos: O retrato na pintura, escultura e desenho no século XX (1900-1950)”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Contemporânea
Foto: MIR, 2021

O fio condutor está expresso nos títulos dos cinco núcleos que estruturam a narrativa: Identidades e retrato; A expressão do retrato; Uma poética do retrato; Envolvimento social da identidade; e Diálogos Figura/ Paisagem. Afastada dos constrangimentos da ordenação cronológica ou estilística, é proposto um novo olhar sobre obras que costumamos encontrar no museu ou sobre aquelas que raramente são mostradas, permitindo descobrir analogias e conexões entre elas, num percurso entre continuidades e ruturas, correspondências e dissemelhanças.

Exposição “Olhares modernos: O retrato na pintura, escultura e desenho no século XX (1900-1950)”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Contemporânea
Foto: MIR, 2021

Há, nesta exposição, uma poética que deriva da forma como as obras se agrupam e do discurso que elaboram. Se, na maioria, estas são obras conhecidas, é a forma como são postas em confronto que propicia a descoberta.

Revolução. Ou o loop infinito
Ernesto de Sousa
Exposição “Meu Amigo: Obras e documentos da coleção Ernesto de Sousa (1921-1988)”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Contemporânea
Foto: MIR, 2021

A exposição “Meu Amigo: Obras e documentos da coleção Ernesto de Sousa (1921-1988)” (18 maio – 26 set. 2021), organizada por Isabel Alves e com a coordenação de Emília Tavares, comemora o centenário do nascimento do artista, uma das figuras mais criativas e complexas na sua época e no ambiente artístico português.

Núcleo “Fluxus e as vanguardas internacionais”
Exposição “Meu Amigo: Obras e documentos da coleção Ernesto de Sousa (1921-1988)”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Contemporânea
Foto: MIR, 2021

A exposição reflete a expressão artística multidisciplinar, o pensamento estético e ideológico, as experiências vanguardistas, as relações com o movimento Fluxus, com Robert Filliou e Wolf Vostell, a exposição “Alternativa Zero” (Galeria Nacional de Arte Moderna, Lisboa, 1977), acontecimento crucial onde ensaiou a criação de uma vanguarda portuguesa em diálogo com as internacionais. É, desta forma, o ponto de partida para apresentar uma visão do panorama artístico alternativo ao academicismo protegido pelo regime na década de 1960 e início da seguinte, bem como da proliferação de novos grupos, práticas artísticas, expressões visuais, conceptuais e performativas que se sucederam à Revolução de 1974.

Exposição “Meu Amigo: Obras e documentos da coleção Ernesto de Sousa (1921-1988)”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Contemporânea
Foto: MIR, 2021

Como nota dissonante, regista-se a orientação do percurso nesta exposição que está organizada cronologicamente e terá sido pensada  em função da entrada na rua Capelo. O facto de a entrada estar a ser feita pela rua Serpa Pinto, implica que a visita seja feita em ordem inversa, do mais recente para o mais antigo, o que altera a lógica do discurso. Embora os textos introdutórios em cada núcleo sejam elucidativos, não conseguem compensar esta falha.

Exposição “Herança”, de Ana Vidigal e Nuno Nunes-Ferreira
Lisboa, Museu Nacional de Arte Contemporânea
Foto: MIR, 2021

A exposição “Herança” (18 maio – 26 set. 2021), com curadoria de Emília Ferreira, reúne obras de Ana Vidigal e Nuno Nunes-Ferreira1 que têm vindo a trabalhar conjuntamente temas da história portuguesa recente a partir dos suas memórias e arquivos pessoais. Os dois artistas explicaram os seus processos criativos e métodos de recolha e organização dos arquivos nos vídeos produzidos para o MNAC na série “Depoimentos de artistas” (vd. Ana Vidigal e Nuno Nunes Ferreira), o que permite validar a importância desta iniciativa do museu (Vd. Da recuperação à reimaginação). Também a montagem da exposição foi registada em vídeo, permitindo-nos espreitar os bastidores da atividade do museu. Esta exposição trata a Guerra Colonial. A história recente de momentos traumáticos, como este, uma luta armada quase fratricida entre Portugal e os povos colonizados em África, não é, ainda, um tema fácil e, talvez por isso, tende a ser negligenciado. Esta exposição, construída a partir dos espólios recolhidos pelos pais de ambos os artistas, é a visão da geração que os herdou, onde o tom subjetivo é contrariado pelos detalhes e pelo caráter obsessivo das recolhas. É, definitivamente, uma exposição aberta que se finaliza através de cada um dos espetadores, das memórias que neles evoca e das leituras particulares que lhes sugere.

No MBP, não houve inaugurações, mas o dia foi assinalado com a oferta de cartazes e crachás a cada visitante e com a apresentação, em live streaming na página de Facebook, da obra O humor fora do quadrado, onde a investigadora Sónia Brochado analisa o papel pioneiro de Rafael Bordalo Pinheiro nas artes e comunicação visual. Não tendo havido inaugurações, mantêm-se as exposições temporárias “Pé d’orelha: Conversas entre Bordalo e Querubim” (21 nov. 2029 – 23 maio 2021), “Manuel Gustavo Bordalo Pinheiro: Histórias desenhadas” (24 set. 2020 – 30 jun. 2021) e, em reposição. “O regresso das andorinhas: Instalação de Madalena Martins” (2 maio – 30 ser. 2021) ((O museu mantém, além destas e da exposição permanente “Rafael Bordalo Pinheiro”, “Bordalo decorador” e “Bordalo à mesa”, as exposições virtuais “Lisboa de Bordalo story map” e “Manuel Gustavo Bordalo Pinheiro (1867-1920)”.

Exposição “Pé d’orelha: Conversas entre Bordalo e Querubim”
Lisboa, Museu Bordalo Pinheiro
Foto: MIR, 2021

A exposição “Pé d’orelha”, comissariada por Rita Gomes Ferrão com Pedro Bebiano Braga coloca em diálogo as obras de dois dos mais importantes ceramistas portugueses, de gerações e linguagens artísticas diferentes.

Exposição “Pé d’orelha: Conversas entre Bordalo e Querubim”
Lisboa, Museu Bordalo Pinheiro
Foto: MIR, 2021

A justificação do título é dada na (excelente) folha de sala: “Do olhar do mais novo sobre a obra do mais velho surge a admiração e a identifi­cação, dando início a um diálogo privado que se vai mantendo ao longo da carreira artística de Querubim Lapa, conversas de Pé de Orelha, muitas vezes tão orientadoras como um conselho ancião”. Também aqui, a narrativa evolui num jogo de conexões, entre semelhanças e diferenças, estruturada tematicamente pelos nomes que dão o título a cada um dos núcleos: Heranças; Citações; Afinidades; Confidências; e Eróticas.

Exposição “Pé d’orelha: Conversas entre Bordalo e Querubim”
Lisboa, Museu Bordalo Pinheiro
Foto: MIR, 2021

Através de uma constante comparação, quase sempre literal, entre a obra dos dois ceramistas, as conexões tornam-se óbvias e adquirem novos sentidos.

Exposição “Pé d’orelha: Conversas entre Bordalo e Querubim”
Lisboa, Museu Bordalo Pinheiro
Foto: MIR, 2021

A exposição, simultaneamente cognitiva e lúdica, propicia uma leitura imediata e inequívoca, além de ser uma oportunidade para conhecer aspetos inéditos da obra de ambos os autores.

Exposição “Manuel Gustavo Bordalo Pinheiro”
Lisboa, Museu Bordalo Pinheiro
Foto: MIR, 2021

A exposição “Manuel Gustavo Bordalo Pinheiro”, comissariada por Mariana Caldas de Almeida, assinalou o centenário da morte do filho de Rafael Bordalo Pinheiro, também ele desenhador humorista, ilustrador e ceramista.

Exposição “Manuel Gustavo Bordalo Pinheiro”
Lisboa, Museu Bordalo Pinheiro
Foto: MIR, 2021

Destacando o seu caráter pioneiro na ilustração infantil (as histórias desenhadas), a exposição, ainda que pequena e sucinta, com abundantes reproduções e ampliações, tem o enorme mérito de articular, às imagens, o texto das legendas interpretativas.

No pátio do museu, onde uma latada verdejante cria uma pausa de serenidade campestre, no meio do bulício urbano, as andorinhas de Bordalo pairam sobre nós, em linhas traçadas por entre as nuvens e o céu azul e dourado do fim de tarde.

O regresso das andorinhas: Instalação de Madalena Martins
Lisboa, Museu Bordalo Pinheiro
Foto: MIR, 2021

Destas deambulações, retemos a certeza de que os museus são espaços a que queremos regressar sempre. Ficamos com a convicção de que estes dois museus se mantêm dinâmicos e, enquanto recuperam a marca identitária dos seus propósitos, também são capazes de se reimaginar, encontrar novas vias, propor novas leituras, desafiar novos públicos. E, com isso, estão a cumprir o repto que o ICOM lançou neste dia para assegurar o futuro dos museus. As equipas que os constroem estão de parabéns e todos nós beneficiamos com isso.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Deambulações no Dia Internacional dos Museus: Museu de Arte Contemporânea e Museu Bordalo Pinheiro," in a.muse.arte , 2021/05/19, https://amusearte.hypotheses.org/7346.
  1. Nas vésperas da inauguração, Nunes-Ferreira publicou uma montagem da publicidade do MNAC à programação do Dia Internacional dos Museus, insurgindo-se com o slogan, em caixa alta e a ocupar a quase totalidade da página, “NO DIA INTERNACIONAL DOS MUSEUS NÃO VENHA AO MNAC. FIQUE SÓ À PORTA.” Considerando-a uma publicidade invertida, recortou a palavra “NÃO” e colocou-a antes da frase “FIQUE SÓ À PORTA”, o artista informou, em nota publicada nas redes sociais que, com Ana Vidigal, chegaram a ponderar uma medida mais radical em sinal de protesto contra o implícito menosprezo pela sua exposição que inaugurava nesse dia.

    Nenhuma descrição de foto disponível.

    In: https://www.facebook.com/photo?fbid=10227425049516284&set=pcb.10227425050636312

    []


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.