Da recuperação à reimaginação: a lição do Museu de Arte Contemporânea em tempo de confinamento

O Museu Nacional de Arte Contemporânea manteve uma atividade exemplar em tempos de confinamento, com um conjunto de propostas inovadoras que ultrapassavam a mera transposição das atividades convencionais do museu para o suporte digital (vd. A reinvenção dos museus em época de confinamento: O exemplo que vem do MNAC) em duas vertentes essenciais: estratégias participativas que integravam a ação do público alargado a uma escala, literalmente, global; criação de conteúdos que passam a constituir fontes primárias para a historiografia da arte contemporânea.

Fotograma extraído dos vídeo “O Fungagá das Artes 16” no Youtube

O envolvimento do público passou, sobretudo, pelo “Fungagá das artes”, iniciativa conjunta do MNAC e da Fundação Millenium BCP, um curso de artes, pintura e desenho, dirigido maioritariamente pelo pintor Nelson Ferreira e transmitido regularmente aos fins de semana no canal Youtube. A par da intenção didática e lúdica, as sessões tinham uma componente muito interativa, dinamizando um contínuo diálogo entre o formador, o museu e os seus participantes, cujos comentários escritos apareciam em destaque sobre a imagem.

Exposição no MNAC dos desenhos com recriações da pintura O Grupo de Leão
Imagem: Facebook MNAC, 21 de abril 2021

Os participantes eram convidados a partilhar os seus desenhos nas redes sociais, utilizando as hashtags #mnacportugal e #ofungagádasartes, mas também a enviá-los pelo correio. Foi o caso da sessão 16, dedicada à pintura O Grupo de Leão, de Columbano Bordalo Pinheiro (1857-1929), a meio da qual o MNAC propôs “convidar os nossos amigos de todos os sítios do mundo para esta festa do Grupo do Leão”. Da observação e recriação da obra, passou à imersão no tema representado. Além disso, em contradição com a intangibilidade do encontro virtual, provocou a sua materialização através do envio dos desenhos. Os indivíduos que constituíam a audiência tornaram-se produtores de narrativas visuais e as suas obras ganharam o estatuto de objeto museal e, como tal, foram inseridos num espaço do percurso expositivo após a reabertura do museu.

Série “O processo criativo: Depoimentos de artistas” no Youtube
Fotogramas extraídos dos vídeos de Mário Rita, em cima, de The Lisbon wire Man (David Oliveira), ao meio, e de Joanna Latka, em baixo.

A criação de conteúdos inéditos é particularmente relevante na série de vídeos “O processo criativo: Depoimentos de artistas”, dando visibilidade a mais de uma centena de artistas contemporâneos, permitindo-lhes falar na primeira pessoa sobre os seus processos criativos.

Em vídeos de pequena duração, raramente excedendo os 5 minutos, os depoimentos são tão variados quanto as expressões plásticas. Se a maioria dos artistas não gosta de verbalizar sobre a sua obra, aqui são levados à construção de um discurso textual. Concisos ou eloquentes, objetivos ou subjetivos e introspetivos, racionais ou emotivos, descritivos ou interpretativos, estes depoimentos afastam-se dos discursos de eruditos e críticos. Aqui, a forma como cada um concebe o seu depoimento também se constitui como signo; os próprios silêncios, como os espaços em branco, têm um significado que contribui para elucidar a obra e para conhecer o seu criador. Com esta série, o MNAC um corpus documental de indiscutível importância para o estudo da arte contemporânea, ao mesmo tempo que disponibiliza o conhecimento dos artistas aos públicos coevos e futuros.

Ao mesmo tempo que recupera a sua missão através da conexão estabelecida com públicos e da criação e disponibilização do conhecimento, o museu reimagina a formalização das funções museológicas aplicando novos métodos de atuação e utilizando os instrumentos e técnicas disponíveis de forma criativa e sustentável. Dessa forma, cumpre os desígnios enunciados na epígrafe proposta pelo ICOM para o Dia Internacional dos Museus em 2021 e, com isso, sugere vias de atuação para que aqueles possam ser cumpridos.

Imagem de topo:  Hilda Frias, 2020.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Da recuperação à reimaginação: a lição do Museu de Arte Contemporânea em tempo de confinamento," in a.muse.arte , 2021/05/18, https://amusearte.hypotheses.org/7332.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.