O futuro dos museus, entre a recuperação e a inovação

Dia Internacional dos Museus 2021: “O futuro dos museus: recuperar e reimaginar”

Um tempo de inusitada crise pode ser interiorizado como uma oportunidade de transformação e, com isso, de melhoria. Ao longo do último ano, vivido entre confinamentos, os museus foram obrigados a encerrar e a procurar novos modelos de comunicação e interação com os públicos, enquanto lidavam (e continuam a lidar) com uma reabertura limitada por imposições sanitárias, com os efeitos decorrentes da quebra de receitas, com uma gestão de meios cada vez mais precários, com os problemas da planificação a médio e a longo prazo, com a imprevisibilidade e a insegurança. Por tudo isso, este é um momento crucial de mudança, mas também de recuperação dos valores identitários do museu.

Também, por isso, o ICOM propõe o tema “O futuro dos museus: recuperar e reimaginar” para o Dia Internacional dos Museus 2021, convidando os museus, os seus profissionais e as comunidades a criar (ou imaginar) e a partilhar novas práticas cocriativas, bem como novos modelos de negócio adaptados a instituições culturais e soluções inovadoras que respondam aos atuais desafios sociais, económicos e ambientais.

A forma como, ao longo do último ano, os museus responderam à crise e “(re)imaginaram” outras formas de atuação e novas narrativas incentivadoras de práticas colaborativas, ou cocriativas, estabelecendo redes de partilha de conhecimentos e de experiências entre públicos com diferentes literacias e competências. Por seu turno, a interdição do espaço físico impulsionou o desenvolvimento de estratégias no espaço virtual, rompendo uma quase implícita desconfiança em relação à digitalização – aqui, entendida em sentido lato – e ao receio subjacente à dicotomia entre real e representação. “[…] the relation of digital museum objects to the physical objects is complex and characterised by specific interdependencies between the object and the digital reproduction, the mediated and the unmediated experience, the real and the virtual” (Schweibenz, 2018, p. 10). A reação dos museus ao confinamento dinamizou esta relação entre o real e o virtual, confirmando que as tecnologias digitais oferecem inúmeras possibilidades de interação e de fidelização dos públicos.

Esboça-se, aqui, uma matriz para a qual convergem estes dois eixos: o incremento da cocriação, ou intervenção dos públicos nas atividades museológicas, facilitado pelo uso da tecnologia digital.

Os conceitos não são novos. Nas últimas décadas, a museologia tende a centrar-se no visitante ou na audiência, reconhecendo-lhe uma maior capacidade interventiva em campos convencionalmente atribuídos aos conservadores, aos curadores, aos mediadores culturais. Em 1996, Εilean Hooper-Greenhill assinalava que “At a general level power is shifting from the curator as guardian of standards and values, to the values and standards of the consumer” (p. 180), preconizando a implementação de medidas performativas para o aumento da satisfação do visitante-consumidor. Os museus começaram a diversificar a gama de experiências cognitivas, culturais e estéticas, mas também sensoriais, emotivas e recreativas (Kotler, Kotler, & Kotler, 1998). No mesmo sentido, Christina Goulding (2000) sugeria que o visitante deve ser um agente ativo para otimizar a experiência do museu: “museums can be social settings and […] interpretation should be designed to maximise engagement while at the same time allowing for the imagination to creatively and intelligently piece together the pieces of a particular history” (Goulding, 2000, p. 274).

Projeto co-criativo “My Wachau“: realização de um audioguía alternativo para a exposição “Wachau: The discovery of a World Heritage Site” por alunos de uma escola primária local
Imagem: © Kunstmeile Krems, 2020

A partir da museologia centrada na audiência e da constatação de que o visitante constrói os seus próprios significados a partir de experiências culturais e de que a sua intervenção pode informar e revigorar as práticas museológicas, Nina Simon, na obra seminal The participatory museum (2010), aplica o conceito de cocriação ao definir o museu participativo como o lugar onde os visitantes podem criar, partilhar e conectar-se em torno do objeto ou da exposição.

The institution serves as a ‘platform’ that connects different users who act as content creators, distributors, consumers, critics, and collaborators. This means the institution cannot guarantee the consistency of visitor experiences. Instead, the institution provides opportunities for diverse visitor co-produced experiences. (Simon, 2010, p. 2)

Esquema: instituição tradicional vs. instituição participativa
In Simon, 2010, p. 2

Mais recentemente, Maree Thyne e Anne-Marie Hede relacionaram os conceitos de coprodução e cocriação com o conceito de autenticidade, desviando-se da perspetiva mais convencional centrada no objeto, para a aplicar à experiência do visitante, salientando que “perceptions of authenticity can be created via participating in activities” (Thyne, & Hede, 2016, p. 1481).

Projeto de curadoria partilhada: exposição “Resistência Já! Fortalecimento e União das Culturas Indígenas – Kaingang, Guarani Nhandewa e Terena”
São Paulo, Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE/USP)
Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

O museu, passa de produtor exclusivo do conhecimento, rigoroso e certificado, acerca das coleções, a coautor do discurso museológico, aceitando e favorecendo a intervenção de agentes externos. Nalguns casos, de resto, estes poderão ser a principal autoridade em determinados campos do conhecimento1, mas, tal como alertam Peter Samis e Mimi Michaelson, “the term ‘visitor-centered’ is sometimes highly charged” (2017, p. 2) e circunscrevem-no em articulação com o conhecimento especializado dos profissionais do museu: “understanding where visitors are coming from helps us understand how to engage them in a dialogue that is meaningful to all. It allows us to connect with our audience even as we honor the expertise of museum professionals, including curators, educators, designers, et al.” (id., ibid.). Há, por conseguinte, um ponto de equilíbrio na gestão das estratégias cocriativas, para evitar o esvaziamento do papel que cabe ao museu na produção e transmissão do conhecimento.2 Porém, o reconhecimento deste risco não impede a legitimação dos processos cocriativos e o reconhecimento do valor que adicionam à experiência do visitante e à perceção da autenticidade no museu.

Se estes conceitos e práticas não são novos e estão enquadrados por literatura científica substancial, produzida sobretudo ao longo das últimas duas décadas, a pandemia validou-os no ambiente virtual, alargando a comunicação a uma audiência que ultrapassa largamente os públicos no espaço físico do museu. Também o reconhecimento do potencial oferecido pelos recursos digitais não é inédito.

Google Arts & Culture: projeto Gigapixel
Retrato de Armand Roulin
Vincent van Gogh, 1888
Roterdão, Museu Boijmans Van Beuningen

Sobretudo ao longo da última década e a partir da obra Museums in a digital age (Parry, 2013 [2010]), a aplicação das tecnologias da informação e da comunicação tem sido teorizada no domínio da museologia. No entanto, a sua aplicação prática tem sido incipiente, limitada à organização da informação de inventário, a projetos digitais de caráter experimental ou a uma comunicação de caráter funcional (divulgação de atividades) nas redes sociais. A passagem para o ambiente virtual, ou seja, a representação digital do objeto físico, é caraterizada pela articulação nem sempre pacífica entre o original e a reprodução (Schweibenz, 2018), apesar de se reconhecer que a tecnologia digital permite novos métodos e níveis cada vez mais profundos de participação (Grau, Coones, & Rühse, 2017, p. 9).

Los Angeles, Museum of Contemporary Art
Foto: Ioana Cristiana, 2018

O confinamento imposto pela pandemia desafiou os museus a encontrar formas alternativas de conexão com os públicos. Para fazer face ao encerramento dos espaços físicos, os museus desenvolveram estratégias de comunicação virtual e incrementaram a participação ativa das suas audiências. Nalguns casos, o museu limitou-se a efetuar uma mera transferência de suporte das atividades convencionais no espaço expositivo (visitas guiadas a segmentos da exposição ou das reservas, explicação de objetos expostos). Porém, houve museus que responderam ao desafio com estratégias inéditas, aproveitando as faculdades da tecnologia para encontrar novos modelos de comunicação e interação e fomentar práticas cocriativas.

Um estudo promovido pela NEMO – Network of European Museum Organizations (Rede Europeia de Organizações de Museus) (vd. Raposo, 2020, 13 abr.; Roque, 2020, 16 abr.) identificava um elenco de atividades em linha promovidas pelos museus durante o confinamento: programas de aprendizagem, exposições, visitas virtuais, disponibilização das coleções, podcasts, vídeos (Youtube), emissão de conteúdos ao vivo, criação de hashtags nas redes sociais, jogos, passatempos e concursos. E, como refere Luís Raposo, “em muitos casos estas ofertas nem sequer requerem pesados investimentos Financeiros” (2000).

De alguma forma, o último ano foi um momento de charneira. As contingências decorrentes da pandemia apararam-nos da tangibilidade do museu, mas despoletaram novas formas de contacto e de ligação com públicos até então improváveis ou mesmo inviáveis, por questões de distância física, social ou cultural.

Conforme assinala Cândida Cadavez,

[…] eis que um novo paradigma se impõe à força, permitindo curadorias diferentes, usando ferramentas anteriormente menosprezadas e assinalando as comunidades como os principais alvos de programas de gestão que promovam a coesão e a partilha, além de divulgar culturas, histórias e memórias de grupos. (Cadavez, 2020, p. 102)

Este é, por conseguinte, um tempo de transformação, incitando o museu à recuperação e à reimaginação – tal como o ICOM sugere no Dia Internacional dos Museus –, aplicando os ensinamentos colhidos nas experiências e nas reflexões levadas a cabo no último ano.


Imagem in: Viz 360. (s.d.) “5 Uses of Virtual Reality that shake up millions of businesses”.

Recuperação, porque é ao museu que agora regressamos para reencontrar a matriz daquilo que somos coletiva e individualmente, para encontrar a cultura que nos forma, as nossas memórias, os traços do presente que nos molda e os indícios que nos preparam para o futuro. A perceção de novas vias de comunicação e de integração dos públicos não invalidade a continuidade dos princípios identitários do museu, mesmo que estes sejam atualizados em função da realidade contemporânea.

Reimaginação, porque esta atualização é inevitável, incorporando as tecnologias da informação e da comunicação na construção de novas narrativas, complementares e alternativas ao discurso expositivo no espaço físico do museu. Ao utilizar os recursos da tecnologia digital e ao centrar-se na audiência, o museu opta por um modelo relacional mais participativo e tendencialmente cocriativo, incorporando as vozes dos públicos plurais, diversos nas suas cognições e competências. Não se trata, apenas, de fidelizar os públicos virtuais trazendo-os para o espaço físico, mas de manter a dinâmica de conquistar outras franjas de públicos. Reimaginação, porque é forçoso tornar o museu um espaço definitivamente inclusivo e participativo, (re)imaginando novas perspetivas na exposição e novos modelos de comunicação, dos modelos mais racionais aos mais emocionais e imersivos.

Recuperar os valores identitários do museu e (re)imaginar as linhas de atuação que respondam às exigências do presente – é disso que se trata e é essa a reflexão que se impõe.

Referências:

Cadavez, C. (2020). Nem  só  da  COVID-19  é  a  culpa:  Museus  e  comunidades: Considerações sobre novas (re)definições e fruições. In F. Magalhães, L. F. Costa, F. H. Hernández & A. Curcino, Museologia e Património (vol. 3, pp. 72-76) Leiria, Escola Superior de Educação e Ciências Sociais – Politécnico de Leiria. Disponível em https://comum.rcaap.pt/bitstream/10400.26/34476/1/2020.005.001.pdf
Goulding, C. (2000). The museum environment and the visitor experience. European Journal of Marketing, 34(3/4), 261–278. https://doi.org/10.1108/03090560010311849
Grau, O., Coones, W., & Rühse, V. (Eds. lit.). (2017). Museum and archive on the move: Changing cultural institutions in the digital era. Berlin; Boston, MA: De Gruyter.
Hooper-Greenhill, E. (1996). Museums, exhibitions, and communities: Cultural politics. Semiotica, 108(3-4), 177-187.
Kotler, N. G., Kotler, P., & Kotler, W. I. (2008). Museum strategy and marketing: Designing missions, building audiences, generating revenue and resources. San Francisco (CA): Jossey-Bass Publishers.
Parry, R. (2013 [2010]). Museums in a digital age. Hoboken: Taylor and Francis.
Raposo, L. (2020, 13 abr.). Os museus e o património cultural antes, durante e depois da pandemia de Covid-19. Património.pt. Disponível em https://qrgo.page.link/4TSSd
Roque, M. I. (2020). Descolonizar o museu: exposição e mediação dos espólios africanos em museus europeus. Revista Lusófona de Estudos Culturais, 7(2), 53-71. https://doi.org/10.21814/rlec.3110
Roque, M. I. (2020, 16 abr.). Covid 19: ponto de viragem para o museu do futuro? A-muse-arte. Disponível em https://amusearte.hypotheses.org/6462
Samis, P., & Michaelson, M. (2017). Creating the visitor-centered museum. New York (NY); London: Routledge.
Schweibenz, W. (2018) The work of art in the age of digital reproduction. Museum International, 70(1-2), 8-21. https://doi.org/10.1111/muse.12189
Simon, N. (2010). The participatory museum. Santa Cruz, CA: Museum 2.0.
Thynea, M., & Hedeb, A.-M. (2016). Approaches to managing co-production for the co-creation of value in a museum setting: When authenticity matters. Journal of Marketing Management, 32(15–16), 1478–1493. https://doi.org/10.1080/0267257X.2016.1198824

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "O futuro dos museus, entre a recuperação e a inovação," in a.muse.arte , 2021/05/18, https://amusearte.hypotheses.org/7321.
  1. Estão neste caso os grupos indígenas chamados a intervir no tratamento, na interpretação e na comunicação dos respetivos acervos em museus de antropologia. Esta “curadoria partilhada” tem vindo a ser aplicada na tentativa de erradicar os discursos colonialistas (vd. Roque, 2020). []
  2. Este risco é real se atendermos ao que acontece na universidade com a introdução dos modelos pedagógicos de aprendizagem colaborativa que transformam o docente em orientador da aplicação dos conhecimentos adquiridos autonomamente pelos estudantes. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.