Os museus não são neutros face à crise na Colômbia

A guerra civil que alastra na Colômbia desde a guerrilha camponesa influenciada pela revolução cubana da década de 1960, tornando-se um dos mais antigos conflitos da América Latina, e em que se envolvem atualmente, as máfias da droga, grupos paramilitares e guerrilheiros de esquerda, tem-se mantido como um conflito moderado. A ordem social era mantida pelas forças de segurança e pelos índices económicos relativamente estáveis capazes de camuflar as tensões sociais latentes. Porém, o projeto de reforma tributária apresentado pelo Governo, pondo a descoberto as fragilidades do modelo económico, desencadeou, desde 28 de abril, uma onda de protestos violentos que elevaram a intensidade da guerrilha a níveis inusitados desde há muito. Pela primeira vez em décadas, os camponeses, operários, estudantes e comunidades indígenas organizaram-se contra a reforma tributária, num movimento que rapidamente se tornou numa revolta social e política que se mantém ativa mesmo depois da suspensão do projeto e apesar da tentativa de repressão com cargas policiais de extrema violência, sobretudo, em Medellín, Bogotá e Cali.

Protesto em Bogota, Colômbia, 4 de maio de 2021
Foto: REUTERS/Nathalia Angarita

A situação mais crítica ocorreu na cidade de Cali, no passado dia 3 de maio, quando a polícia abriu fogo sobre os manifestantes. Segundo a Defensoría del Pueblo1, morreram nos conflitos quase meia centena de manifestantes, enquanto milhares ficaram feridos e várias centenas continuam desaparecidos. Enquanto isso, o ministro da Defesa da Colômbia, Diego Molano, acusou grupos armados “criminosos” pela violência nos protestos. Cali, a terceira maior cidade colombiana, tornou-se a base do Paro Nacional, o movimento de protesto que há duas semanas paralisa o país.

Numa ação sem precedentes, os museus públicos, tal como os arquivos e as bibliotecas, associaram-se ao movimento, assumindo o direito à manifestação e a recusa de neutralidade, e encerraram as portas contra a violência policial e contra as sucessivas violações dos Direitos Humanos durante o Paro Nacional. O Paro Internacional de Museos, no dia 13 de maio, foi uma iniciativa de várias organizações de museus, programas de formação académica e profissionais e trabalhadores em instituições museológicas colombianas.

Em comunicado, a Alianza Colombiana de Museos (ACdM)2 justifica o “paro” dos museus como um “señal de rechazo a la violencia policial” e com o propósito de “llamar la atención de la comunidad internacional ante la situación de extrema vulnerabilidad del Estado de Derecho que estamos atravesando como población civil en nuestro país”. Ao Paro Internacional de Museos, associaram-se outras instituições sul-americanas e algumas, mais escassas, europeias.

No repúdio à violência, o museu não pode arrogar-se o silêncio, reduzindo-se a uma neutralidade que se tornaria cúmplice da repressão. Os museus colombianos provam a função política e social que, sendo inerente ao museu, é tantas vezes esquecida ou obliterada por outros interesses e vontades.

Aqui, expressamos a total solidariedade com o povo colombiano e associamo-nos ao “paro” dos museus na defesa dos direitos humanos, da liberdade e da democracia.

#museosenparo
#MuseumsAreNotNeutral
#SOSColombia

Nota: a imagem em destaque no topo da página foi escolhida por apresentar o texto “Museo en paro” que ilustra a notícia, mas é relativa à greve no Museo Nacional de Bellas Artes, Santiago do Chile, em 2016.

  1. A Defensoría del Pueblo de Colômbia é um órgão constitucional e autónomo criado, em 1991, com o objetivo de velar pela promoção, exercício e divulgação dos direitos humanos. []
  2. A ACdM é uma iniciativa autónoma criada em setembro de 2020, no contexto da crise pandémica, a partir do repto lançado pela comunidade académica (Maestría en Museología y Gestión del Patrimonio de la Universidad Nacional de Colombia) com o objetivo de refletir sobre a ação museológica e de posicionar o setor dos museus na sociedade colombiana, reivindicando uma maior intervenção  nas políticas públicas relacionadas com a cultura e o património. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.