De Julião Sarmento, é o traço…

É o traço, o poder conciso do traço inacabado, elementar como se fosse simples, o que de imediato me vem à memória na reconstrução da obra de Julião Sarmento. É o traço que rompe a tela e determina o resto.

Foi o traço que primeiro me marcou, foi pelo traço que sucessivamente o descobri e identifiquei.

Julião Sarmento junto à peça “Kiss Me”
Málaga, Museu de Arte Contemporânea, exposição restrospetiva do artista em 2010
Foto: EPA/JORGE ZAPATA, 2010

«Julião Sarmento, que, também numa fase inicial, seguiu a tendência do geometrismo cromático, acaba por se fixar numa linguagem figurativa, utilizando, para lá da pintura, com elevado domínio de desenho, outros suportes como o filme, a fotografa e a instalação. Contudo, «também não segue o filão da figuração representativa tradicional […]. Para Sarmento, a procura da figura enquanto construção formal, enquanto exercitação de um processo de construção e desconstrução formal não é um fim em si mesma” (Pinharanda, 1995, p. 613). Na primeira metade da década de 1970, Julião Sarmento usa a representação da figura em diálogo com simbologias sexuais e múltiplas referências ao quotidiano e à cultura de massas da estética pop, enquanto, na segunda metade, envereda por uma linguagem pós-conceptual53. Sarmento tende a estruturar as suas composições em secções quadrangulares, bem definidas e com tratamentos diferenciados, onde introduz textos pessoais ou citações de outros autores, imagens fotográficas e recortes de jornais e revistas, por vezes pornográficas, confirmando a conotação sexual muito presente nas suas telas. Numa progressiva depuração, a sua pintura tende a perder cor, construindo telas em branco, onde se recortam desenhos de figuras, fragmentos de corpos e objetos.»

Excerto do texto Roque, M. I. (2019). Arte e liberdade: Artes plásticas em Portugal após o 25 de Abril. In A. Cunha (Coord.), Portugal: 1974-2019: 45 anos de democracia (pp. 239-286). Coimbra: Edições Almedina.

Sem título
Julião Sarmento, 1975
(3) Fotografias P/b montadas em aparite
Col. Isabel e Julião Sarmento; dep. Porto, Fundação Serralves

Díptico: Estratégias de sobrevivência
Julião Sarmento, 1984
Acrílico sobre papel
Porto, Fundação de Serralves
Mehr Licht
Julião Sarmento, 1985
Pintura em papel e papel impresso
Londres, Tate Galleries
Descem por ela as mãos da noite
Julião Sarmento, 1987
Técnica mista e fotografia sobre tela e madeira
Col. particular
A human form in a deathly mould
Julião Sarmento, 1999
Escultura em resina e fibra de vidro, tecido e corda
Col. Isabel e Julião Sarmento

Referência:
Pinharanda, J. L. (1995). O declínio das vanguardas: Dos anos 50 ao fim do milénio. In P. Pereira (Coord.), História da Arte Portuguesa (vol. 3, pp. 593–649). Lisboa: Círculo de Leitores.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.