Guerreiros e mártires nos primórdios da nacionalidade

Exposição “Guerreiros e mártires: A cristandade e o islão na formação de Portugal”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga (20 nov. 2020 – 25 abr. 2021)

Em 2020, foi comemorado o “Jublieu dos Mártires de Marrocos e de Santo António”1, passados 800 anos sobre o martírio de um grupo de franciscanos italianos: os padres Berardo e Otão, o diácono Pedro e os leigos Acúrsio e Adjuto. Os cinco franciscanos passaram por Portugal, em 1219, a caminho de Marrocos, onde foram executados a 16 de janeiro de 1220 pelo miramolin2, o califa almóada Abu Yusuf al-Mustansir: “ElRey sahio de si de ira, & tomando com furor sua espada elle mesmo os matou com suas mãos, abrindo-lhes pello meyo as cabeças, & despois os degolou” (Rivadeneyra, 1674, p. 182). O infante D. Pedro, irmão do rei D. Afonso II, que os acompanhara a Marrocos, providenciou para resgatar os seus restos mortais e trazê-los para Coimbra, “obrando o Senhor alguns milagres em o caminho por sua intercessam” (id., p. 184)3.

Relicários dos Santos de Marrocos; à esquerda, casula feita a partir dos tecidos que envolveram as suas ossadas
Exposição “Guerreiros e mártires”
Foto: MIR, 2021

Esta exposição, porém, não é apenas sobre os Mártires de Marrocos, mas sobre as relações entre cristãos e muçulmanos, tomando o seu martírio como referência. A evidenciá-lo, a exposição abre com a pintura quinhentista “Mártires de Marrocos”, de Francisco Henriques para a igreja de São Francisco4, num núcleo introdutório que justifica o título da exposição.

Exposição “Guerreiros e mártires”: entrada
Foto: MIR, 2021

A narrativa prossegue, estruturada em seis outros núcleos: Portugal na Espanha árabe; viver em tempos de cruzada; iconografia dos Mártires de Marrocos; guerrear; rezar; identificação de um país. Numa abordagem que reflete a investigação historiográfica que têm vindo a ser desenvolvida por António Borges Coelho e José Mattoso, afastando-se da propaganda convencional em torno das lutas continuadas e cruéis, heroicas ou traiçoeiras, sob a bandeira de dois credos antagónicos. Sem obliterar a guerra e o tema das cruzadas, são aqui mostrados os indícios da paz e da convivência entre culturas que, mutuamente, se influenciam. Este é o pano de fundo para a narrativa da formação de Portugal como nação, contada a partir de um conjunto de peças de pintura, iluminura, escultura, lapidária, ourivesaria, marfins, cerâmica, têxteis, mobiliário, artes de fogo.

Exposição “Guerreiros e mártires”: viver em tempos de cruzada
Foto: MIR, 2021

A museografia intervém, nesta exposição, como parte ativa do discurso, pese embora a sobriedade dominante, introduzindo um fundo neutro de tonalidades acinzentadas na maior parte do percurso. Regista-se um ponderado equilíbrio entre apontamentos visuais criativos e estratégias museográficas mais convencionais, mas eficazes na conjugação entre a preservação dos materiais e a mediação dos objetos expostos. Há, também, soluções que, não sendo inéditas, têm aqui uma aplicação adequada, como acontece no dispositivo museográfico e na iluminação dos tetos com trabalhos de alfarge.

Tetos com trabalhos de alfarge
Exposição “Guerreiros e mártires”
Foto: MIR, 2021

Em cada núcleo, a contextualização museográfica é subtil.

Há um laranjal estilizado, delineado a cinzento sobre um fundo terroso, a enquadrar cerâmicas e outras peças de uso doméstico e criando uma conexão com os bocais de poço expostos num dos cantos da sala.

Exposição “Guerreiros e mártires”: viver em tempos de cruzada
Foto: MIR, 2021

No núcleo sobre a iconografia dos Mártires de Marrocos, uma arca-relicário em pedra calcárea reconstitui a composição esquemática do sarcófago inserida num arcossólio.

Exposição “Guerreiros e mártires”: iconografia dos Mártires de Marrocos
Foto: MIR, 2021

Ao lado, ainda no enquadramento da iconografia dos Mártires, é delineada uma arcada trilobada, estabelecendo uma referência à arquitetura coeva.

Exposição “Guerreiros e mártires”: iconografia dos Mártires de Marrocos
Foto: MIR, 2021

No núcleo “Guerrear”, o vermelho omnipresente (e talvez, demasiado vivo e vibrante) remete para o sangue no campo da batalha.

Exposição “Guerreiros e mártires”: guerrear
Foto: MIR, 2021

No núcleo “Rezar”, o espaço de oração recria uma planta centralizada em cujo centro se projeta uma cruz num halo iluminado.

Exposição “Guerreiros e mártires”: rezar
Foto: MIR, 2021

Também aqui, ao lado da reconstituição da volumetria da mesquita de Mértola, uma pia de abluções encontra-se sobre um plinto cilíndrico, encaixado num nicho semicircular que remete formalmente para o mihrab, no qual se inscreve um texto do Alcorão, embora a legenda esclareça que esta peça, de meados do século XV, não terá servido numa mesquita.

Exposição “Guerreiros e mártires”: rezar
Foto: MIR, 2021

A museografia sustenta e amplifica o discurso museológico. Não dispensa, porém, a intervenção da narrativa textual que, aqui se processa, a vários níveis: textos parietais, introdutórios em cada núcleo; transcrições dos textos epigrafados e respetivas traduções; legendas descritivas e interpretativas, com explicações acerca do uso ou do significado dos objetos e da sua relação com o tema da exposição. Todos contribuem para a lógica do discurso, acrescentando-lhe segmentações marginais sem perder o fio condutor.

Texto parietal, introdutório ao núcleo de iconografia dos Mártires de Marrocos
Exposição “Guerreiros e mártires”
Foto: MIR, 2021
Legendas de um conjunto de caçoilas, panelas e taça
Exposição “Guerreiros e mártires”
Foto: MIR, 2021
Lápide funerária do bispo Julianus, ladeada, à esquerda, pela legenda e, à direita pela tradução da inscrição
Exposição “Guerreiros e mártires”
Foto: MIR, 2021

Há detalhes menos felizes. O pequeno painel em marfim, com a representação dos Mártires, tem uma sombra que impede o detalhe5.

Martírio dos franciscanos em Marrocos
Exposição “Guerreiros e mártires”
Foto: MIR, 2021

A pequena Virgem de Cárquere, com apenas 2,9cm de altura, merecia um dispositivo de ampliação. A legenda do cálice e patena, ditos de São Geraldes, alude à proximidade decorativa à estética islâmica, sem aludir à presumível utilização na liturgia moçárabe. Porém, tudo isto são meras questões de pormenor que, ao ser referidas, sublinham a qualidade do geral.

Exposição “Guerreiros e mártires”
Foto: MIR, 2021

Esta exposição, comissariada por Joaquim Caetano e Santiago Macias, conta uma história. Fá-lo de uma forma explícita e aparentemente simples, apesar dos apontamentos implícitos que lhe conferem uma tonalidade poética. Fá-lo sem monotonia, em sucessivos apelos à descoberta e à interpretação que lhe dinamizam o ritmo da observação e da leitura. Conta uma história e fá-lo muito bem.

Referência:
Rivadeneyra, P. (1674). Flos sanctorum, historia das vidas, e obras insignes dos santos. Lisboa: por Antonio Craesbeeck de Mello.

  1. No âmbito das comemorações do ano jubilar, houve duas outras exposições, ambas em Coimbra: “Do martírio à santidade: Iconografia e devoção dos Mártires de Marrocos”, no Museu Nacional Machado de Castro; “De Fernão se fez António”, na antiga livraria do Mosteiro de Santa Cruz. []
  2. Título usado pelos historiadores medievais europeus para designar o califa de Bagdad e que, por extensão, passou a designar os soberanos muçulmanos. []
  3. A chegada solene das relíquias, impressionou Fernando de Bulhões, frade regrante de Santo Agostinho, que se encontrava na altura no Mosteiro de Santa Cruz e conhecera os mártires na sua passagem pela cidade, o que o levou a juntar-se à comunidade franciscana que se reunia num eremitério dos Olivais sob a invocação de Santo António do Deserto (Santo Antão), motivo pelo qual mudou o nome para António []
  4. O retábulo da igreja do Convento de São Francisco de Évora faz parte da coleção do Museu Nacional de Arte Antiga, onde se encontra exposto numa reconstituição da estrutura original. Do conjunto retabular de pinturas a óleo sobre carvalho é atribuído à oficina de Francisco Henriques (falecido em 1518), fazem também parte os seguintes temas: Cristo no Horto, Cristo a caminho do Calvário, Descida da Cruz, Deposição de Cristo no Túmulo, São Bernardo de Siena e Santo António, São Boaventura e São Luís, Apanha do Maná no Deserto, Última Ceia, Missa de São Gregório e Encontro de Abraão e Melquisedeque. []
  5. Esta mesma peça foi magistralmente iluminada pelo Eng. Vítor Vajão na exposição “Encontro de Culturas”, no Mosteiro de São Vicente de Fora, em Lisboa, em 1994 []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.