Exposição René Lalique: Quando as peças falam por si…

Exposição “René Lalique e a idade do vidro: Arte e indústria”
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian (30 out. 2020 – 12 abr. 2021)

Além de ter uma sala exclusiva a finalizar o percurso expositivo do Museu Calouste Gulbenkian, era inevitável que este lhe dedicasse uma exposição onde, além das peças da própria coleção, se pudessem reunir objetos de outros museus, nomeadamente do Musée Lalique, em Wingen-sur-Moder, na Alsácia, e também de coleções particulares. Através de Sarah Bernhardt, Calouste Gulbenkian conheceu o mestre vidreiro e joalheiro René Lalique (1860-1945) na década de 1890 e, entre 1899 e 1927, adquiriu a quase totalidade da sua coleção diretamente ao artista.

Exposição “René Lalique e a idade do vidro”: entrada
Foto: MIR, 2021

O trabalho de René Lalique é ilustrado, nesta exposição, através de uma seleção de 96 objetos de sua produção, organizados por ordem essencialmente cronológica, sem prejuízo de se estabelecerem algumas conexões entre peças ou temas similares, trabalhados em estilos e técnicas diferentes.

Cronologia de René Lalique
Exposição “René Lalique e a idade do vidro”
Foto: MIR, 2021
Comparação entre libélulas: em cima, peitoral “Libélula”, c. 1897-1898; em baixo, mascote de automóvel “Grande libélula”, 1928
Exposição “René Lalique e a idade do vidro”
Foto: MIR, 2021

A exposição percorre 40 anos de produção artística do trabalho artesanal ao trabalho industrial, da Arte Nova à Arte Déco. A primeira fase, corresponde a uma fase de trabalho artesanal numa estética Arte Nova. Em 1895, no Salon de Paris e, sobretudo, na Exposição Universal de 1900, Lalique, já então um reputado joalheiro, apresentou um assinalável conjunto de peças de ourivesaria e joias onde introduzia, de forma pioneira, elementos de vidro que o projetaram como artista vanguardista. Aí pontuava o peitoral Libélula, uma das suas obras mais conhecidas, que chegou a ser usada por Sarah Bernhardt e que viria a ingressar na coleção Gulbenkian.

Exposição “René Lalique e a idade do vidro”
Foto: MIR, 2021

Nesta fase, para além do trabalho de joalheria, destacam-se as peças únicas obtidas pelas técnicas de cera perdida, recuperada da técnica ancestral da escultura em bronze, e do vidro moldado e soprado. Encontram-se, nesta exposição, alguns exemplares cujas volumetria e textura é realçada pelo acabamento característico da cera perdida.

Vidros moldados e soprados a cera perdida: vasos, ao centro, “Periquitos”, c. 1914, e, à direita, “Pombos”, 1919
Exposição “René Lalique e a idade do vidro”
Foto: MIR, 2021

Em 1912, Lalique abandonou o ofício de joalheiro, passando a dedicar-se exclusivamente ao fabrico de objetos em vidro. Após a 1.ª Guerra Mundial, influenciado pela obra L’art social (1913), de Roger Marx, Lalique aliou, à condição de criador, o papel de industrial com uma intenção social e corporativa. No final do século XIX, já tinha aberto uma pequena oficina vidreira, seguida em 1908 de uma outra, no contexto da sua relação com o perfumista François Coty, para quem criou os frascos de L’Effleurt e de Ambre Antique.

Frasco de perfume “Ambre Antique”, 1921; livro “Les Chansons de Bilitis”, de Pierre Louÿs, publicado em 1894
Exposição “René Lalique e a idade do vidro”
Foto: MIR, 2021

Porém, foi apenas em 1922 que abriu a fábrica de Wingen-sur-Moder, onde pôde dedicar-se em exclusivo à produção vidreira e à experimentação do vidro, desenvolvendo a técnica do vidro prensado, procurando abranger um leque de aplicações mais alargado, de objetos de uso pessoal e quotidiano à decoração e à arquitetura. A fase industrial corresponde a uma produção seriada, já em estilo Arte Déco, na senda da Exposição Internacional de Artes Decorativas e Industriais Modernas de 1925.

Em primeiro plano, vaso “Arqueiros”, 1921; atrás, vasos “Languedoc”, 1929
Exposição “René Lalique e a idade do vidro”
Foto: MIR, 2021
Jarras “Silvas”, 1921
Exposição “René Lalique e a idade do vidro”
Foto: MIR, 2021

Na década de 1930, René Lalique começou a trabalhar com os seus filhos mais velhos, Marc Lalique e Suzanne Lalique-Haviland que deram continuidade ao seu legado. Foi a Suzanne que Calouste Gulbenkian escreveu por ocasião da morte do artista: “O seu pai era um amigo muito querido, e ao desgosto de o termos perdido junta-se o infinito pesar que sempre experimentamos perante o desaparecimento de um grande homem. A minha admiração pela sua obra única nunca cessou de aumentar ao longo dos cinquenta anos que durou a nossa amizade.”1

A exposição na Gulbenkian abre com um painel decorativo com a representação de um “Soprador de vidro”,  junto a um texto de Lalique2, sobre o vidro: “Le verre est la matière merveilleuse […]”.

Painel decorativo “Soprador de vidro”
1925
Exposição “René Lalique e a idade do vidro”
Foto: MIR, 2021

O vidro é uma matéria maravilhosa, tal como o são todas os objetos nesta exposição. Entrar no universo de Lalique é entrar num universo de criatividade, fantasia e beleza. As peças falam por si, cada uma delas requerendo a nossa observação atenta e proporcionando uma emoção particular. E, por isso, esta é também uma exposição maravilhosa. A museografia, nem tanto.

Em primeiro plano, castiçais “Cariátides”, 1923; atrás, vaso “Argolas com escaravelhos”, 1919
Exposição “René Lalique e a idade do vidro”
Foto: MIR, 2021

A opção do fundo dominante em rosa, sendo discutível, é uma opção de gosto, certamente melhor do que a opção pelo branco estéril na Sala Lalique do museu. Não é fácil expor vidros em vitrinas, porque os brilhos invadem e perturbam todo espaço, enquanto a tonalidade rosa se expande sobre os objetos expostos.

Exposição “René Lalique e a idade do vidro”
Foto: MIR, 2021

Mesmo assumindo que a memória de um magnífico papel de parede num padrão de verdes luminosos e quentes que contextualizavam a fauna das joias de Lalique na antiga sala do museu, possa embotar a objetividade da observação, reconhece-se a dificuldade em escolher uma cor e uma tonalidade eficaz na valorização visual destas peças. No entanto, a opção do texto das tabelas escrito a branco sobre um fundo rosa-claro dificulta a leitura. Como também não é fácil a visualização das peças mais pequenas colocadas nos painéis verticais no eixo central das vitrinas, quando a maioria (ou a totalidade) das joias mereceria uma observação detalhada.

Exposição “René Lalique e a idade do vidro”
Foto: MIR, 2021

A maioria dos objetos  está exposta de forma descontextualizada, sem nada que informe acerca da forma como eram usados um pendente, um peitoral, uma placa de gargantilha, enquanto os abat-jours “Bouquet de flores” estão suspensos  num painel vertical, sem qualquer relação com a função e a ensaiar uma dispensável simetria com o candeeiro “Pavões”.

Abat-jours “Bouquet de flores”, 1913; candeeiro “Pavões”, 1910
Exposição “René Lalique e a idade do vidro”
Foto: MIR, 2021

Mesmo que os objetos falem por si, a museografia deve ser contextualizador e complementar-se por um discurso interpretativo e esclarecedor.

As peças falam por si, mas nem sempre dizem tudo.

Fila à entrada para a exposição
Foto: MIR, 2021

A exposição encerrou. O prazo inicial, entre 30 de outubro e 1 de fevereiro, foi interrompido pelo confinamento que obrigou ao encerramento dos museus, tendo sido prolongada, após a reabertura de 5 de abril, até ao dia 12 deste mês, entre filas infindáveis. Para quem a visitou, fica a memória de uma maravilhosa sequência de objetos; para quem não teve essa oportunidade, fica a possibilidade de ver a página da exposição no website do museu, onde os textos e os vídeos colmatam todas aquelas faltas. Apenas sem a aura dos objetos que, aí, dizem muito menos.

Exposição “René Lalique e a idade do vidro”
Foto: MIR, 2021
Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Exposição René Lalique: Quando as peças falam por si…," in a.muse.arte , 2021/04/12, https://amusearte.hypotheses.org/7221.
  1. Carta datada de 8 de julho de 1945. Arquivos Gulbenkian, MCG00972 []
  2. Texto publicado no guia Exposition internationale des arts décoratifs et industries modernes. Paris : Ed. Modernes, 1925. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.