“Acqua alle funi!” e a bênção dos Ramos junto ao obelisco do Vaticano

É junto ao obelisco da Praça de São Pedro, no Vaticano, que têm início as cerimónias do Domingo de Ramos, festa que comemora a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém (Mc 11:1, Mt 21:1-11, Lc 19:28-44 e Jo 12:12-19).

Reconstituição hipotética do Circo de Nero no Vaticano
Lauro Giacomo, 1613-1641
Diocese de Trento

A origem do obelisco não é certa. Plínio, o Velho (Caio Plínio Segundo, 23-79) refere na História Natural (Naturalis Historia, NH 36, 15) três obeliscos egípcios, o terceiro dos quais se encontrava no Circo do Vaticano, mandado construir pelos imperadores Calígula e Nero. Este obelisco, o único dos três a quebrar-se durante o transporte, foi feito (ou mandado fazer) por Nuncoreo, ou Menophtheus (Bunsen, 1859, p. 240), filho de Sesostris, que o consagrou ao deus Sol, em ação de graças depois de recuperar a vista que havia perdido (NH 36, 15). Depois dos dois outros trazidos por Augusto no ano 10 a.C., Calígula providenciou a vinda deste obelisco para Roma, em 27 d.C.) num barco de porte extraordinário. Ramon Aja, discutindo a opinião comummente aceite de que o obelisco do Vaticano seria o um monólito proveniente do Arsinoeum, um templo erguido por Ptolomeu em testemunho do afeto que nutria por sua irmã e esposa Arsínoe, e que que o rei mandara transportar de um antigo local monumental (NH 36. 14), rejeita esta hipótese, sustentando tratar-se de dois monumentos diferentes: “uno, el labrado por Nectanebo II, que acabó su periplo en Alejandría adornando el Arsinoeum; otro, el “vaticano” que menciona Plinio, que pudo ser tallado por Sesostris I casi un milenio y medio antes que el otro” (2010, p. 162).

A construção do Circo do Vaticano, no ager Vaticanus, foi iniciada por Calígula e completada por Nero, sendo por isso igualmente conhecido pela designação de Circo de Calígula e Nero. Segundo a tradição, o apóstolo São Pedro terá aqui sido crucificado de cabeça para baixo, cerca de 67-70, inter duas metas, isto é, entre os terminais da mediana do circo e, portanto, junto ao obelisco que, na altura, não se encontrava na sua localização atual (cfr. Hodne, 2007, p. 302).

Crucificação de São Pedro
Deodato Orlandi, início do século XVI
Pisa, Basilica di San Pietro Apostolo (San Pietro a Grado)

O circo, entretanto convertido em jardim, foi abandonado em finais do século II e transformado em espaço cemiterial. Por fim, no século IV, o imperador Constantino ordenou a construção da primeira basílica sobre as estruturas ainda existentes do antigo circo e do antigo martyrium, edifício erguido para marcar a memória do mártir (Roque, 2004, p. 31), colocando a abside sobre o local do túmulo.

Obelisco Vatican junto à igreja de Santa Maria della Febbre
Pieter Jansz Saenredam, 1629
Washington, National Gallery of Art

O obelisco anepígrafo de granito rosa permaneceu no local original, frente à antiga igreja de Santa Maria della Febre, uma das quatro igrejas situadas junto ao átrio da basílica constantina.

Rimasto a lungo al fianco della basilica petrina, la cosidetta aguglia ottene la sua fama come monumento sepolcrale non solo per la collocazione nelle vicinanze della tomba del santo apostolo, ma anche perché si pensava che il globo bronzeo posto alla sua sommità contenesse le ceneri di Giulio Cesare. (Hodne, 2007, pp. 304-305)

No século XVI, o papa Sisto V (1521-1590) decidiu a construção de uma nova basílica, mais ampla, sobre a antiga, determinou a reorganização de todo o espaço. Pela importância atribuída ao obelisco, o papa Sisto V determinou a sua transferência para o centro da nova praça monumental de São Pedro. Miguel Ângelo e Sangallo terão considerado a empresa impraticável, pelo que foi nomeada uma comissão de arquitetos e matemáticos para resolver o problema, tendo sido decidido baixar o obelisco para o mover em posição oblíqua, erguendo-o em seguida (Vatican Notes, p. 6).

Transporte do obelisco na Praça de São Pedro
Giovanni Guerra e Cesare Nebbia, 1590
Vaticano, Bibloteca Vaticana

A operação de transferência foi organizada pelo arquiteto Domenico Fontana (1543- 1607), assistido pelo irmão pelo irmão Giovanni e envolvendo 900 operários, 140 cavalos e 44 cabrestantes1 Para mover o monólito, cujo peso estimava em cerca de 500 toneladas, Fontana dispôs um andaime com vigas de carvalho e um aparato de cordas grossas como o braço de um homem, amarradas em torno do obelisco para o mover e alçar no lugar previsto para a sua colocação (Vatican Notes, p. 6). Dada a complexidade da operação, Domenico Fontana pretendia o maior silêncio para que todos pudessem ouvir a sua voz de comando. Por esse motivo, o papa mandou publicar um edital onde decretava que o primeiro espetador, qualquer que fosse a sua condição, a pronunciar uma palavra ou a perturbar de algum modo a operação, seria imediatamente punido com a morte.

Instalação do obelisco na Praça de São Pedro, no Vaticano
Natale Bonifacio da Sebenico, c. 1586
The Getty Research Institute, 2012. PR.34

O dia escolhido para a transferência do obelisco calhou a 10 de setembro de 1586 e todos os que acorriam à praça para assistir ao acontecimento conheciam o édito papal. Ficou estabelecido, entre o arquiteto e os operários, que todos os movimentos seriam regulados pelo som de uma trompa, enquanto apenas a voz de Fontana poderia interromper aquele profundo silêncio. O próprio papa Sisto V, acompanhado pela corte, assistia ao evento num estrado erguido para o efeito. Com o esforço conjugado de todos a puxar as cordas, sob as ordens de Fontana, o obelisco começou a ser içado. Porém, de repente, um grito retumbante atravessou o silêncio expetante que se instalara na praça: “Acqua alle funi!” (água nas cordas).

Foi Giovanni Bresca, natural de Sanremo, capitão de um navio genovês, quem ousara gritar, correndo em seguida para junto dos guardas que cercavam o lugar da operação, submetendo-se aos desígnios da sentença papal. Porém, Fontana, alertado por Bresca, olhou para as cordas e confirmou que estas, em fricção e sob a tensão sob o peso da imensa mole de pedra, estavam prestes a pegar fogo, pondo o obelisco em risco de queda, esmagando os homens e os animais que o movimentavam. Pela sua experiência na navegação, Bresca sabia que, ao humedecer as cordas, estas ficariam as fibras mais resistentes e deixariam de ceder. Assim, Fontana ordenou que as cordas fossem imediatamente molhadas, permitindo que a operação fosse levada a termo perante os aplausos aliviados de todos os que se encontravam na praça.

Obelisco na Praça de São Pedro
In: Fontana, Domenico (1590). Della trasportatione dell’obelisco Vaticano et delle fabriche di Nostro Signore Papa Sisto V. Rome: Domenico Basa.

Antes de se dirigir ao Papa que o felicitava, Fontana correu a buscar Bresca. Apresentando-se com ele junto do Papa, o arquiteto pediu a graça do perdão ao marinheiro que, por ser arriscado a gritar contrariando o édito papal, havia evitado o fracasso de toda a operação e a tragédia das mortes que a queda do obelisco causaria. Ao que o Papa respondeu não se tratar apenas de lhe conceder essa graça, mas de o recompensar, convidando Bresca a pedir-lhe o que quisesse.

Bresca, lembrando-se dos palmeirais cultivados em Bordighera, sua terra natal, e cuja fama atraia forasteiros que aí acorriam a comprar ramos de palmas, pediu, para si e seus descendentes, o privilégio de fornecer ao palácio apostólicos as palmas para as cerimónias do Domingo de Ramos. E Sisto V concedeu-lhe esse privilégio, confirmado por diploma através do qual o declarava capitão honorário do primeiro regimento, com o direito de hastear a bandeira pontifícia a bordo do seu navio.

Esta tradição perdura até hoje, sendo honrada anualmente por famílias de San Remo e Bordighera, da diocese de Ventimiglia-Sanremo, que enviam ao Vaticano os parmureli, palmas artisticamente entretecidas, cuja elaboração é lenta e minuciosa. Antes da lua de Santa Maria Madalena, a 22 de julho, o parmurà trepa pelo tronco da palmeira e, com golpes de machado, trabalham o tufo, dobrando os ramos em direção ao topo e amarrando-os de forma a envolver o coração da planta. Perto do Domingo de Ramos, desamarram-se e colhem os semelli, ramos jovens que, ao longo dos últimos meses, cresceram no escuro conferindo-lhes a caraterística tonalidade amarela, reservando as pontas melhores para fazer o parmureli.

“Parmurà” a preparar a copa das palmeiras para a confeção dos “parmureli”

Ao longo dos séculos, a arte de tecer os parmureli foi passada de geração em geração, usando apenas a destreza manual dado que, segundo a tradição, não se pode usar instrumentos cortantes ou metálicos. Antes do Domingo de Ramos, as tecedeiras criam formas elaboradas, em que alguns motivos religiosos, como cruzes, pombas, peixes, são uma constante.

 

Confeção dos “parmureli”

Os parmureli medem cerca de um metro e meio, mas o maior e mais bem trabalhado é oferecido ao Papa, que o recebe tradicionalmente junto ao obelisco da Praça de São Pedro e procede à respetiva bênção, dando início às cerimónias do Domingo de Ramos.

Nos anos da pandemia Covid-19, em  2020 e 2021, a tradição da bênção dos ramos junto ao obelisco foi quebrada, tendo sido realizada no interior da basílica de São Pedro, quase vazia, mas onde os parmureli ocupavam o lugares dos fiéis ausentes.

Cerimónias do Domingo de Ramos na Basílica de São Pedro
Vaticano, 2020
Foto: Foto Alberto Pizzoli/EPA

Referências:
Vatican Notes (1962), 11(1). Acedido em http://mlstamps.com/stamps/vaticannotes/archives/VaticanNotes065.pdf
Artaud, A. F. (1837). Storia del Papa Pio VII. Milano: Presso Giovanni Resnati Librajo.
Bunsen, C. C. J. (1859). Egypt’s place in universal history: An historical investigation in five books (v. 3). London: Longman, Brown, Green, Longmans, & Roberts.
Hodne, L. (2007).  Inter duas metas: le immagini del martirio di S. Pietro e la topografia simbolica di Roma. Acta ad archaeologiam et artium historiam pertinentia, 19(5), 301-323.
Plínio, o Velho, Bostock, J., & Riley, H. T. (Tradutores). (1855).  The natural history. London: Taylor and Francis. Acedido em http://www.perseus.tufts.edu/hopper/text?doc=Perseus:text:1999.02.0137
Ramón Aja, J. (2010). Problemas y soluciones en Plinio, NH, 36.64-74: La trayectoria histórica del obelisco del Vaticano. In A. J. Domínguez Monedero & G. Mora (Eds. lit.), Doctrina a Magistro Discipvlis Tradita: Estudios en Homenaje al Prof. Dr. D. Luis García Iglesias (pp. 137-166).

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "“Acqua alle funi!” e a bênção dos Ramos junto ao obelisco do Vaticano," in a.muse.arte , 2021/03/28, https://amusearte.hypotheses.org/7175.
  1. O relato desta operação segue a descrição feita em nota de rodapé no segundo volume da obra Storia del Papa Pio VII, de Alexis François Artaud (1837, pp. 531-.533). Além disso, recupera também a história que, em Roma, no Domingo de Ramos de 1996, me foi contada por Aura Miguel, no início de uma aventura de que ela foi a principal “culpada”. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.