“Recuperação” da Fonte dos Anjinhos no Rossio e a palavra “Lisboa” em forma de árvore azul

Havia no Rossio, a Fonte dos Anjinhos, um bebedouro público de origem francesa, produzida pela fundição Antoine Durenne, em Sommevoire, na 2.ª metade do século XIX, segundo o modelo das fontes Wallace1, a qual se tornou imagem integrante da paisagem urbana, memória dos lisboetas e de todos os que por ali passavam como uma marca da praça.

Fonte dos Anjinhos, na Praça D. Pedro V (Rossio), em Lisboa
Joshua Benoliel, 1908
Lisboa, Arquivo Municipal de Lisboa

Há no Rossio, no lugar da Fonte dos Anjinhos, o logo da campanha “Escolhe evoluir” surgida no ano de Lisboa Capital Verde Europeia2, um volume escultórico e vertical da palavra Lisboa, revestido a pastilha de vidro azul, simulando a água que escorre até ao chão, enquadrando um pequeno paralelepípedo cinzento que recupera a função do bebedouro inicial.

Logótipo da campanha “Escolhe evoluir”, na Praça D. Pedro V (Rossio), em Lisboa
Foto: Câmara Municipal de Lisboa, 2020

No passado dia 21 de setembro de 2020,  a Câmara Municipal de Lisboa, publicou no Twitter a notícia: “A água é um dos eixos de ação da @greenlisboa2020. No Rossio está agora o símbolo da capital verde que representa a água, colocado junto a um novo bebedouro público.” Sem referir a substituição, ou o que lá se encontrava antes. E, também, sem referir o estado de degradação em que se encontrava a fonte.

A substituição da Fonte dos Anjinhos pelo logo da campanha “Escolhe evoluir” tem vindo a inflamar as redes sociais como um insulto à memória e ao património, somando argumentos contra esta tendência para seguir os modismos e substituir o que parece estar antiquado por intervenções modernas.

No entanto, a Câmara Municipal de Lisboa já veio a público esclarecer que esta é uma alteração provisória, que a Fonte dos Anjinhos foi retirada para se submeter a um “trabalho de requalificação” (conservação?, consolidação?, restauro?, recuperação?) e que, estando este já numa fase final, em breve voltará ao sítio original.

Imagens da recuperação da Fonte dos Anjinhos, publicadas pela Câmara Municipal de Lisboa
16 de março de 2021

Acalmam-se os temores, porque Isso é o que todos desejam e esperam, tentando ignorar exemplos de outros patrimónios que, saídos do espaço público, demoram em regressar. Calam-se as vozes exaltadas, presas à esperança de que esta não seja mais uma intenção a povoar o inferno do esquecimento.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "“Recuperação” da Fonte dos Anjinhos no Rossio e a palavra “Lisboa” em forma de árvore azul," in a.muse.arte , 2021/03/21, https://amusearte.hypotheses.org/7166.
  1. As fontes Wallace, cujo nome deriva do seu idealizador, o filantropo inglês Sir Richard Wallace que doou 100 exemplares da fonte à cidade de Paris em 1872, com o intuito de dispensar água potável aos desvalidos e a todos os que, na rua, tivessem sede. Posteriormente, estas fontes espalharam por outras cidades em todo o mundo, incluindo Lisboa. Wallace delineou algumas orientações para a sua construção: ser suficientemente altas para que pudessem ser vistas e identificadas à distância, sem destruir a harmonia da paisagem urbana envolvente; ter uma forma que fosse adequada ao uso e. simultaneamente, agradável à vista; ser de baixo custo para permitir a difusão em alta escala; usar materiais resistentes aos elementos, fáceis de moldar e simples de manter. O escultor Charles Lebourg concebeu um pedestal sobre o qual quatro cariátides de inspiração grega, representado as figuras alegóricas da Bondade, da Caridade, da Sobriedade e da Simplicidade que sustentam uma cúpula. []
  2. O logotipo integra-se no âmbito da campanha “Escolhe evoluir”, cujo branding foi concebido pela Wunderman Thompson Portugal. A leitura do logo não é imediata, mas o conceito é simples: As letras da palavra Lisboa sucedem-se de baixo para cima, recriando-lhe a forma de uma árvore e fazendo uma analogia ao seu crescimento da raiz à copa, na qual pousa um corvo, símbolo da cidade. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.