Era uma vez… um jardim de infância

Há cerca de um mês, a Câmara Municipal de Lisboa (“Antiga creche”, 2021, 26 jan.) anunciava que a “antiga creche do jardim da Estrela” iria dar “lugar a biblioteca do ambiente” e que “as obras de requalificação” começariam no início de fevereiro. Notícia a todos os níveis louvável, porque iria ser recuperado – não é isso que se depreende de umas obras de requalificação? – o antigo “edifício icónico projetado em 1882 pelo Arq. José Luiz Monteiro” e porque esta estrutura de madeira, sustentável, integrada num dos mais emblemáticos jardins da capital, era uma escolha tão acertada para uma biblioteca dedicada ao ambiente, que se tornava simbólica, valendo por aquilo que representa em termos ecológicos e de sustentabilidade, reforçada pelo restauro e preservação que deixava supor.

Planta e alçado do chalet para a escola Froebel, mandado construir pela Câmara Municipal de Lisboa no jardim da Estela
In Froebel. Revista de instrução primária, (1), p. 5

O edifício, inaugurado no centenário do nascimento de Friedrich Froebel1, refletia o modelo de educação infantil do pedagogo.

«A criança, diz Froebel, é uma planta humana que tem necessidade, primeiro que tudo, de ar e de sol para crescer, desenvolver-se e expandir-se. Não a tenhais pois enclausurada em salas, cuja capacidade é, muitas vezes, insuficiente, ou em pátios cercados por todas as partes de grandes muros e habitações que impedem a renovação da massa atmosférica. As edificações nas quais se quer reunir um certo número de crianças, devem ser rasgadas por numerosas janelas, afim de que se possa renovar o ar muitas vezes por dia; – que sejam completamente desembaraçadas para que a luz chegue sem obstáculo, e que a atmosfera ambiente receba influxo o benéfico do calor do sol; cercadas de pátios cobertos, sob os quais as crianças possam brincar com todo o tempo, e pequenos jardins, onde elas vão trabalhar ou divertir-se (…) Foram justamente estes preceitos estabelecidos pelo herói que hoje festejamos o que me impeliu a aconselhar à câmara (…) que preferisse o Passeio da Estrela para se edificar a primeira Escola Infantil!» (Ferreira, 1882, p. 3)

O jardim de infância da Estrela incorporava todos estes princípios: a localização num jardim; os espaços internos interconectados, permitindo a fluidez entre as quatro salas, para cada um dos quatro níveis etários; espaços complementares e de apoio, como o refeitório e a sala de jogos; a ligação ao exterior conseguida através dos múltiplos vãos que garantiam igualmente a entrada da luz solar; o sistemas de painéis móveis de grelhas para o arejamento e a renovação do ar; os pátios cobertos para o recreio, o exercício físico e o prolongamento do trabalho educativo; instalações sanitárias separadas do edifício principal.

O jardim-de-infância é um microcosmos do mundo, onde garten não se refere simplesmente ao jardim, mas a toda a envolvente da criança: jardim e edifício – os símbolos representativos do mundo natural. Este conceito tem também uma conotação bíblica associada ao estado de inocência edílica próprio da infância e com a afinidade inata da criança com o mundo natural. (Bigode, 2013, p. 18)

Assim sendo, o edifício é mais do que a sua materialidade, incorporando as sucessivas sedimentações que lhe conferem um sentido e uma identidade próprios. A instalação de uma biblioteca do ambiente reafirmava a intencionalidade pedagógica e ecológica subjacente ao projeto original, atualizando-a no contexto da contemporaneidade.

Tudo isto parecia tão lógico e tão acertado. Porém, passado cerca de um mês, a realidade demonstra que a publicitada intenção era apenas isso, sem ultrapassar o propósito da propaganda. Dizia a notícia camarária que “a intervenção de conservação e restauro prevê a desmontagem de toda a estrutura de madeira, com o reaproveitamento das peças saudáveis, e a reformulação integral das fundações”.

Antes e depois da “recuperação”
Fonte: https://www.facebook.com/aurora.carapinha

A realidade é um monte de entulho. A realidade é que a Câmara Municipal de Lisboa, num afã de modernidade, não reconhece o valor do documento histórico e não sabe respeitar o passado. A realidade é que todos nós, sem história, perdemos o sentido e ficamos imensamente mais pobres.

Mesmo que o projeto aponte para uma (re)construção idêntica ao que foi, mesmo que nos venham dizer que não havia peças saudáveis e que a recuperação era inviável, mesmo que se justifiquem com o estado de abandono anterior como se isso anulasse todos os desconchavos posteriores, a destruição é um atentado. Mesmo que tenha sido feito um levantamento integral e que seja prometido uma reconstituição rigorosa, fica um sentimento de perda.

Projeto para a biblioteca do ambiente antiga creche do jardim da Estrela
Fonte: “Antiga creche”, 2021, 26 fev.

Referências:
Antiga creche do jardim da Estrela dá lugar a biblioteca do ambiente. (2021, 26 jan.) Lisboa (website institucional da Câmara Municipal). Acedido em https://www.lisboa.pt/atualidade/noticias/detalhe/antiga-creche-do-jardim-da-estrela-da-lugar-a-biblioteca-do-ambiente
Bigode, L. V. (2013). Espaços para a infância. Dissertação de Mestrado em Arquitetura, Instituto Superior Técnico, Lisboa. Acedido em https://fenix.tecnico.ulisboa.pt/downloadFile/395146021924/Luisa%20Bigode_TESE_MA.pdf
Ferreira, T. (1882, 21 abr.). Escolas infantis ou Jardins de Froebel (Apontamentos para a sua história em Portugal). Froebel. Revista de instrução primária, (1), 2-3. Acedido em http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/Froebel/N01/N01_item1/P5.html

  1. Friedrich Froebel (1782-1852) foi um pedagogo alemão, discípulo e crítico de Pestalozzi, e tornou-se um dos mais influentes reformadores da educação infantil. Foi Froebel quem cunhou o termo “Kindergarten” (jardim de infância) para se referir aos espaços educativos para a primeira fase do desenvolvimento, onde as crianças seriam as plantas num jardim, no qual o educador seria o jardineiro que a ajudaria a crescer. O “jardim” metafórico refletia um conceito inovador de educação lúdica, na qual a criança se expressava através da perceção sensorial, dos brinquedos e da linguagem em contacto com a natureza. []

5 comentários em “Era uma vez… um jardim de infância”

  1. Muito obrigado pelo seu comentário discernido ao acontecimento, que acrescenta razão ao sentimento de enorme tristeza. O conceito, a planta, a descrição, sugerem que estamos perante o paradigma perfeito da escola em tempos de pandemia. Podemos aprender ou optar pela arrogância modernista da destruição. Olhamos para esta razzia como uma caso isolado qualquer coisa que não correu bem? ou vemo-la como a metáfora dum certo modo de “fazer” cidade?

  2. É pena que obriguem os promotores a reabilitar e restaurar imóveis classificados e depois cometem estes atentados contra o património arquitectónico que temos!

  3. Arrivistas sem memória nem apego à essência do bem cultural, amigos do pastiche bem intencionado mas falho no fundamental. Em cada uma das tábuas derruidas ecoam vozes que eles nunca alcançarão ouvir.

  4. Estas denúncias atenuam a dor e dão força, mesmo que o sentimento de impotência do cidadão o visite, perante os escombros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.