A festa dos namorados: das Lupercalia ao dia de São Valentim

A origem da celebração do Dia dos Namorados poderá remontar às festas Lupercalia, antigo festival romano, realizado anualmente ante diem XV Kalendas Martias, isto é, a 15 de fevereiro. A designação lupercalia deriva da loba (do latim: lupa) que alimentou os gémeos Rómulo e Remo, fundadores de Roma, mas também Lupercus, o deus romano da fertilidade, posteriormente, referido como um epíteto de Fauno (Faunus lupercus, Fauno Luperco) e associado a Pã. Lupercal (do latim: lupercal, [pertencente a Lupercus) designava o santuário, uma cova ou gruta sagrada, que lhe era dedicado no sopé da colina do Palatino, em Roma, a mesma onde a lenda assinala o sítio onde Rómulo e Remo foram encontrados e junto à figueira sob a qual foram amamentados pela loba (Tennant, 1988; Wiseman, 1995).

Lupercalia
Andrea Camassei, ca. 1635
Madrid, Mueso del Prado

No entanto, as festas orgíacas Lupercalia poderão ser anteriores à fundação de Roma, convencionalmente marcada no ano 753 a.C.. Anualmente, eram recrutados entre as principais famílias da cidade, os lupercos, ou soldados de Lupercus (Sodales Luperci), um grupo de adolescentes na passagem para a vida adulta, os quais constituíam uma congregação especial dos sacerdotes do deus e que, num rito de iniciação, se comportavam, eles próprios, como lobos. Nas Lupercalia, os lupercos reuniam-se na gruta Lupercal, imolavam uma cabra, com cujo sangue eram ungidos na testa. Em seguida, nus, corriam em torno do Palatino, fustigando as mulheres com as februa, tiras de couro da cabra imolada com o intuito de as tornar mais férteis, num ritual que projetava o ato sexual. Dado que as mulheres açoitadas, com as costas riscadas de sangue, se tornavam férteis, o rito de iniciação e de passagem dos rapazes à vida adulta tornava-se, assim, um rito de fertilidade.   Era, além disso, um ato de purificação, em que se espantavam os maus espíritos, e a passagem da morte à vida, que assinalava o fim do ano.

Mesmo depois de o culto a Lupercus perder importância, as Lupercalia mantiveram-se como um elemento importante na vida cívica de Roma. Quando no final do século V, o Papa, provavelmente Félix III, tentou abolir a festa, já os rituais estavam alterados, restringindo-se as flagelações a jogos performativos entre as classes mais baixas que os acompanhavam com cânticos obscenos (Wiseman, 1995, p. 17). Apesar da oposição daqueles que consideravam que a proibição papal privava a cidade de uma proteção ancestral, as festas devem ter acabado pouco tempo depois, acompanhando a cristianização dos costumes pagãos no mundo ocidental.

São Valentim
Autor desconhecido
Alemanha, século XV
Washington, DC: National Gallery of Art

O calendário cristão sobrepôs às Lupercalia, a festa de São Valentim de Terni, executado em 278 por continuar a realizar casamentos mesmo depois da proibição decretada por Cláudio II com o objetivo de encorajar os rapazes a ingressar no exército. Em 496, o Papa Gelásio declarou a festa de São Valentim no dia 14 de fevereiro. A primeira associação conhecida de São Valentim aos enamorados remonta a um poema escrito por Geoffrey Chaucer, em 13751, no qual descreve um grupo de pássaros que se junta no início da Primavera para escolher os seus companheiros para esse ano: “For this was sent on Seynt Valentyne’s day / Whan every foul cometh ther to choose his mate”, refletindo a crença medieval de que os pássaros escolhiam os seus pares em fevereiro. Na realidade, o poema conclui com algum desencanto devido à dificuldade em escolher um parceiro, adiando a decisão para o ano seguinte.

Cartão de São Valentim
Raphael Tuck & Sons, 1889
New York, The Strong National Museum of Play

O costume de trocar cartões manuscritos nesta data tornou-se popular na Inglaterra ao longo do século XV, tomando como referência a carta que Charles, Duque de Orleans, enviou à mulher, Bonne de Armagnac, quando estava prisioneiro na Torre de Londres: . Je suis desja d’amour tanné, ma tres doulce Valentinée […]”.

Carta de Charles de Orleans à mulher, Bonne de Armagnac, em 1415.
Londres, British Library

Shakespeare menciona a data na obra Sonho de uma noite de verão, referindo-se à altura em que os pássaros começam a acasalar, sentindo o início da energia primaveril e o primeiro entusiasmo do ano: “Saint Valentine is past: Begin these wood-birds but to couple now?” (4.1.142).

Esther Howland valentines (in business 1848-1881)

A celebração do Dia de São Valentim pelos amantes ganhou grande popularidade no século XIX acompanhando o desenvolvimento da impressão popular e barata de cartões comemorativos. Nos Estados Unidos, Esther Allen Howland ficou conhecida como “Mother of the Valentine” por ter popularizado os primeiros cartões produzidos em massa na América a partir da década de 1840 (Kerr, 1982), dos mais simples aos mais elaborados, com ilustrações artísticas e enfeites de seda, fitas de cetim e rendas. São particularmente caraterísticos os cartões com papel esmaltado em cores vivas colocados nos cantos sob o papel rendilhado, ou com várias camadas de papel rendado, dando profundidade à imagem visualizada através das aberturas, bem como a introdução de poemas alusivos litografados e colados na página interna.

O dia de São Valentim tornou-se o pretexto para a troca de cartões entre enamorados e amantes – com votos de um amor infinito e eterno, ou parafraseando Vinícius de Morais, de um amor que, não sendo imortal, seja infinito enquanto dure.

Referências bibliográficas:
Kerr, J. P. (1982, Feb.). The amorous art of Esther Howland. American Heritage, 33(2), 25-29.
Tennant, P. M. W. (1988). The Lupercalia and the Romulus and Remus legend. Acta Classica, 31, 81-93.
Wiseman, T. P. (1995). The god of the Lupercal. The Journal of Roman Studies. 85, 1-22.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "A festa dos namorados: das Lupercalia ao dia de São Valentim," in a.muse.arte , 2021/02/14, https://amusearte.hypotheses.org/7081.
  1. A mais antiga cópia do poema “The parliament of fowls”, encontra-se numa compilação de manuscritos de meados do século XV proveniente da Abadia de St Mary de Pratis, em Leicester, e atualmente na British Library com o título The Canterbury Tales (imperfect), and other (cota: Harley MS 7333) Vd. nota e reprodução digital em https://www.bl.uk/collection-items/the-parliament-of-fowls#. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.