A reinvenção dos museus em época de confinamento: O exemplo que vem do MNAC

Se o ano 2020 foi um tempo de sobressalto e de espanto perante uma ameaça inesperada e inédita, obrigando os museus a fechar portas e, depois, a abri-las em grande contingência, 2021 prolonga a crise que, em Portugal é agora ainda mais grave, com um número inédito de infetados e mortos por Covid-19, implicando um conjunto de medidas cada vez mais restritivas.

Durante o confinamento de 2020, os museus mantiveram-se ativos, assumindo a comunicação digital como uma forma válida de comunicação com os seus públicos, incluindo aqueles que nunca haviam entrado nos espaços físicos das suas exposições. Foi uma resposta imediata às circunstâncias, sem tempo para amadurecer projetos e estratégias, mas que se revelou eficaz dado o seu impacto nas redes sociais e na criação de novas audiências virtuais. Na altura, era possível antecipar uma transformação digital definitiva, mesmo se as ações se limitassem essencialmente à transposição do sistema analógico para o virtual.

No entanto, com a reabertura dos museus, foi percetível que a possibilidade de regresso ao analógico abortou essa transformação e anulou o seu impacto. Havia sido, apenas, uma solução de recurso, uma estratégia menor que procurava colmatar o efeito do encerramento prolongado, e não uma alternativa válida de comunicação, em paridade e em complemento à que se estabelece no interior do museu. Tudo tendia ao regresso às rotinas anteriores, apesar das novas contingências sanitárias, do adiamento de projetos, da redução das equipas privadas de colaboradores a prazo, da suspensão do turismo e, por conseguinte, da diminuição drástica do número de visitantes.

Após alguns meses passados em tentativas de recuperação, surge a inevitabilidade de um novo – talvez mais grave, talvez mais prolongado – confinamento. Os museus voltam a intensificar a comunicação virtual com os seus públicos, talvez não tanto sob a ameaça de perder a ligação, como sobretudo de manter a essência da sua função, a atividade de mediação entre a obra e o observador, aquilo que dá sentido a quem lá trabalha.

No espaço de uma semana, incluindo o encerramento dos museus, é já percetível que a resposta dos museus ao confinamento não é idêntica à que deu o ano passado quando tudo era ainda uma incógnita. Ao longo deste tempo, para lá de todas as tragédias, tornou-se inevitável pensar e programar em função das circunstâncias de uma pandemia que se arrasta para lá do que era imaginável (ou que o sendo, ninguém queria acreditar…).

As atividades virtuais agora propostas por alguns museus já não têm o mesmo aspeto circunstancial das que aconteceram em 2020, nem se limitam à mera transposição de suportes. Ganha, neste âmbito, particular destaque o Museu Nacional de Arte Contemporânea, sem prejuízo de, já no ano passado, ter tido uma atividade igualmente exemplar, com o “Diário das Pequenas Coisas” (vd. Museus na web: Outra forma de ver nestes dias tão estranhos e Repensar o museu em tempo de pandemia).

Logo no dia 18 de janeiro de 2021, tive início um diário do novo confinamento, sob o título “Dilemas quotidianos”, conforme era apresentado na respetiva página Facebook ,com o objetivo de manter o “MNAC aberto” e de permitir a descoberta dos “meandros da investigação” e o “coração da atividade” do museu, ao abrir virtualmente as portas da exposição temporária “Dilema de ser e parecer: O retrato na pintura, fotografia e escultura (1850-1916)”, inaugurada no passado 18 de novembro e com encerramento previsto a 18 de abril próximo, com curadoria de Maria de Aires Silveira e Emília Tavares. Este é o ponto de partida para a publicação regular dos posts com imagens e textos interpretativos de peças da exposição, assinados por Maria de Aires Silveira, os quais, por vezes, se prologam nos comentários, num tom simples e coloquial, sem prejuízo do rigor da informação.

Ainda no âmbito desta exposição, o MNAC organiza, em parceria com a academia1, um ciclo de onze conversas em torno do retrato, enquadradas numa investigação pluridisciplinar que envolve os estudos de museus, as artes visuais, a literatura e a historiografia, e que se irão prolongar até abril em ambiente virtual, de forma síncrona através da plataforma zoom, mas com difusão posterior no canal Youtube2

Foram, entretanto, iniciadas outras séries temáticas, com outros registos de linguagem e comunicação. “O que esta obra me conta”, traz pequenos apontamentos, refletindo o olhar individual do observador, registos de leituras mais subjetivas, como acontece na pintura “Leitura de uma carta”, de Alfredo Keil, “contada” por Hilda Frias, e nos posts posteriores assinados por Emília Ferreira.

Em “Histórias do bairro”, o museu desvenda o espaço urbano e antropológico do Chiado, numa abordagem que se aproxima da micro-história e recupera episódios, hábitos e costumes que fizeram parte do seu quotidiano e lhe traçaram a identidade.

Talvez a iniciativa mais original seja o curso de desenho “O fungagá das artes”, promovido com o apoio da Fundação Millennium BCP .  Nelson Ferreira orienta uma atividade de fim de semana destinada a miúdos, mas também a graúdos. Os protestos de quem estava a querer inscrever-se sem conseguir, por já ter sido atingido o limite máximo de 100 participantes, comprova o sucesso da atividade. Por esse motivo, a atividade, inicialmente prevista na plataforma Zoom, passou também para o canal de Youtube do respetivo orientador. Agora, para aceder, basta aceder ao canal, munido de papel e lápis, marcadores, ou tintas e seguir as instruções. Destinado sobretudo a adultos, António Faria orienta o curso “O desenho e o vinyl”, onde parte da apresentação de algumas das mais conhecidas capas de disco feitas, para convidar à participação num exercício de criação de uma capa explicando as várias fases processuais. Neste caso, além de uma aula de desenho, esta é também uma introdução ao design. Quando o museu reabrir e durante dois meses, a apresentação de um dos desenhos elaborados nestas aulas permite que o “artista” e a sua família entrem gratuitamente no museu. Entretanto, podem ser divulgados com as hashtags #mnacportugal e #ofungagádasartes.

Desenho de Mafalda Carvalho
#mnacportugal e #ofungagádasartes

A estas atividades, juntam-se jogos, filmes, conversas…

A oferta virtual é mais madura, consistente e, sobretudo, mais abrangente, buscando diferentes segmentos de público, ainda que se mantenha circunscrita à comunicação através das redes sociais. Ao contrário de outros, os museus portugueses têm resistido a aderir às tecnologias da informação e do conhecimento, com sítios eletrónicos incipientes e estáticos, uma presença informal nas redes sociais e muito poucos (ou nenhuns!) projetos avançados envolvendo Realidade Virtual e Aumentada. Este confinamento não trouxe ainda a transformação digital, mas consolida a abertura a uma comunicação mais informal, inclusiva e interativa. Mesmo que esteja ainda no início do caminho, o MNAC mostra a direção.

  1. Centros de investigação envolvidos nesta parceria: CETAPS (Centre for English, Translation, and Anglo-Portuguese Studies / Centro de Estudos Ingleses de Tradução e Anglo-portugueses), IHA/NOVA/FCSH (Instituto de História da Arte, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa), CIEBA (Centro de Estudos e de Investigação em Belas-Artes) e CEHUM (Centro de Estudos Humanísticos da Universidade do Minho). []
  2. Sugere-se que, a curto prazo, a criação de um canal próprio do museu, evitando o recurso ao canal de Aulas de Arte – Pintura e Desenho, em nome de Nelson Ferreira, um dos conferencistas e responsável por outras atividades em curso no museu. []

2 comentários em “A reinvenção dos museus em época de confinamento: O exemplo que vem do MNAC”

  1. Muitos parabéns á equipa por ter conseguido dar a volta a mais uma crise. Assim fossem muitos museus e monumentos no País.
    Um beijo á Hilda Frias pela amizade e companheira de trabalho.

Responder a Jorge Sande Lemos Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.