Lembrança do Holocausto, 75 anos depois da libertação do campo de Auschwitz

27 de janeiro, Dia Internacional da Lembrança do Holocausto.

O dia escolhido assinala a libertação dos campos de Auschwitz a 27 de janeiro de 1945.  Fazia nesse dia, precisamente 4 anos e 9 meses que Heinrich Himmler, o Reichsführer da SS, ordenada que os antigos alojamentos de artilharia aí existentes fossem transformados num campo de concentração. O campo de Auschwitz II – Birkenau, construído em finais de 1941 com o objetivo de descongestionar Auschwitz I, foi concebido como campo de extermínio, ou conforme a designação dada pelo próprio Himmler, a Solução Final dos judeus.

Campo de Auschwitz
Foto: Stanislaw Mucha, 1945-46

O extermínio em larga escala começou na primavera de 1942. No Julgamento de Nuremberg, Rudolf Höss, o primeiro comandante do campo confirmou que aí tivessem sido executados mais de três milhões de pessoas: 2,5 milhões gaseificadas, as restantes de fome, de doença, de fraqueza, de experiências médicas. Não há forma de descrever o horror, como não é possível imaginar o desespero e a agonia de quem lá esperou a morte como única e derradeira hipótese. Há, porém, uma verdade suprema que nos atinge de golpe: podia ter sido um de nós, podia ter sido a nossa família, os nossos amigos.

O Memorial e Museu de Auschwitz-Birkenau foi criado em 2 de julho de 1947. Além da musealização do campo, inscrito na lista do património mundial da UNESCO desde 1979, as exposições indiciam aspetos de um quotidiano normal abrupta e cruelmente cortado. São objetos domésticos, artigos íntimos e banais, na sugestão de um quotidiano comum, que ali se amontoam. Testemunhos de vidas deixados para trás por quem deixou de ter vida. São imensos, porque foi uma multidão que ali foi condenada à morte.

Sapatos conficados às vítimas
Memorial e Museu de Auschwitz-Birkenau
Foto: Oleg Yunakov, 2013

Se não há forma de descrever o horror, fica a imagem dos sapatos a dar identidade àqueles que os calçaram na última viagem e o poema “I saw a mountain” de Moshe Schulstein (1911-1981), inserido no livro From Holocaust to new life (Schulstein & Berenbaum, 1985, p. 121):

“We are the shoes, we are the last witnesses.
We are shoes from grandchildren and grandfathers.
From Prague, Paris, and Amsterdam.
And because we are only made of stuff and leather
And not of blood and flesh, each one of us avoided the hellfire.”

(Tradução livre: Nós somos os sapatos, somos as últimas testemunhas. Nós somos sapatos de netos e avós. De Praga, Paris e Amsterdão. E porque somos feitos apenas de pano e couro e não de sangue e carne, escapámos ao fogo do inferno.)

Para que nos lembremos, todos nós os que somos feitos de sangue e carne.

Schulstein, M., & Berenbaum, M. (Ed.). (1985). From Holocaust to new life. New York: The American Gathering of Jewish Holocaust Survivors. p. 121.


Um comentário em “Lembrança do Holocausto, 75 anos depois da libertação do campo de Auschwitz”

  1. Como, de maneira muito pertinente e actual,
    lembrou Jorge SANTAYANA, “aquele que esquece
    as lições do passado [ou do processo histórico],
    está condenado a vê-lo repetir-se”!…
    Fernando FIRMINO
    [Setúbal]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.