Cutileiro, o Mestre

João Cutileiro (1937-2021)

A primeira imagem de João Cutileiro é (para mim) a estátua de D. Sebastião, inaugurado em 1973 em Lagos, por ocasião da comemoração do IV Centenário do Alvará da elevação de Lagos a cidade, concedido pelo rei que se tornou O Desejado.

D. Sebastião
João Cutileiro
1973
Escultura em mármores
Lagos, Praça Gil Eanes

Ainda que tenha sido uma encomenda oficial do município, esta obra marcou a rutura face ao academicismo da estatuária urbana do Estado Novo. Lembro o espanto, a surpresa indignada, a discussão a que se assistia nas excursões obrigatórias que nesses domingos de 1973 se tornavam obrigatórias para ir ver o “boneco de Lagos”. Lembro, também, o meu espanto maravilhado, a empatia de adolescente perante aquela figura, o gosto que se fixou pela obra de Cutileiro e por uma arte que adivinhava diferente.

Lago das Tágides
João Cutileiro
1998
Esculturas em mármore
Lisboa, Parque das Nações

Depois da passagem pelos ateliês de diversos e pela Escola de Belas Artes de Lisboa, Cutileiro diplomou-se na Slade School of Art, em Londres. No regresso a Portugal, pautou-se pelo experimentalismo e pela diferença, com intervenções no espaço público, com um vigoroso erotismo e com uma prodigiosa criatividade na reinterpretação das iconografias oficiais .

Em 2018, doou parte do espólio, num conjunto de mais de 700 obras. E a casa-atelier, em Évora, ao Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo, para albergar oficinas, residências artísticas e atividades de investigação. Ficou-nos, dele, a imensa obra, os desenhos de traço livre, mas tão preciso, os trabalhos em pedra que parecem inacabados e são imensamente expressivos. Assim a saibamos merecer.

O beijo
João Cutileiro
1981
Escultura em mármore
Évora, Jardim Diana

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.