Eduardo Lourenço (1923-2020)

No dia em que se comemora a Restauração da Independência, chega a notícia da morte de Eduardo Lourenço. Queriamo-lo imortal, porque nos era essencial a voz lúcida que nos dava o sentido das coisas.

Não é possível escrever acerca do homem do pensamento e das palavras, porque tudo o que escrevessemos lhe ficaria aquém, desmerecendo a obra do mestre.

E, por isso, é através das suas palavras que, neste dia, assimilamos, à portugalidade, a lusofonia “não tanto o seu óbvio sentido linguístico, mas como espaço cultural, é um espaço se não explodido, pelo menos multipolar, intrinsecamente descentrado”(Lourenço, 2004 [1999], p. 188), salientando que “nós fomos os primeiros agentes, inconscientes embora, da descentração europeia, é a melhor maneira de cortar pela raiz o sonho de comunhão, de expansão de nós mesmos como cultura que se quer vincular à ideia-programa, agora ideológica, da lusofonia” (id., pp. 188-189). Por conseguinte, “aquilo que permitiria atribuir a verdadeira realidade e sentido à tão evocada lusofonia, não pode, nem sequer metaforicamente, ser pensado e imaginado como espaço de portugalidade” (id., 186).

E, desta forma, o dia da Restauração da Independência adquire um novo e límpido sentido.

Referência:
Lourenço, E. (2004 [1999]). A nau de Ícaro seguido de imagem e miragem da lusofonia. Lisboa: Gradiva.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search