Gonçalo Ribeiro Telles, um homem de lutas e sonhos

Gonçalo Ribeiro Telles, nascido em Lisboa em 1922, foi um homem de lutas cívicas, empenhadas e comprometidas pela democracia, pela liberdade e, de forma inédita e percursora, pelo ambiente, muito antes deste ser um tema das agendas políticas.

Parque da Fundação Calouste Gulbenkian

No Instituto Superior de Agronomia, frequentou o Curso Geral de Engenheiro Agrónomo e concluiu os Cursos de Engenharia Agronómica e de Arquitetura Paisagista, integrando a primeira geração de Arquitectos Paisagistas em Portugal.

Na década de 1940 e enquanto presidente da Juventude Agrária Católica, promoveu uma relevante ação de dinamização do mundo rural, defendendo a sua sustentabilidade em moldes assumidamente divergentes da política conservadora vigente.  Data dessa altura, o início da uma intervenção cívica contra a ditadura e, após ter criado o Movimento dos Monárquicos Independentes, em 1957, integrou as listas da oposição na Primavera Marcelista. Durante as cheias de Lisboa, em 1967, foi uma das vozes que publicamente se opôs à tentativa de silenciamento por parte do regime, explicando a catástrofe devido à má política de urbanização de Lisboa e expondo as condições de miséria dos bairros periféricos e, em particular, dos bairros de lata onde viviam milhares de lisboetas.

Enquanto presidente do Partido Popular Monárquico, de que foi fundador, desempenhou os cargos de Subsecretário de Estado do Ambiente nos I, II e III Governos Provisórios, e Secretário de Estado da mesma pasta, no I Governo Constitucional, chefiado por Mário Soares. Foi um dos subscritores da Aliança Democrática, em 1979 e integrou o VIII Governo Constitucional, como Ministro de Estado e da Qualidade de Vida. Em 1985, eleito deputado independente pelo Partido Socialista da Assembleia da República, desempenhou um papel crucial na Lei de Bases do Ambiente.

Em Lisboa, se, enquanto vereador na Câmara Municipal em 1984, não pôde ver aprovadas as propostas de criação do parque periférico e do corredor verde de ligação entre o Parque Eduardo VII e o Parque Florestal de Monsanto, consegui, em 1999,  que fosse dada abertura ao Corredor Verde entre o Parque Eduardo VII e Monsanto e aos planos de pormenor de zonas de Lisboa, como Chelas, Ameixoeira e Vale de Alcântara e, em 2007, à integração no do Plano Verde no Plano Diretor de Lisboa.

Projetava para o futuro, sem perder a memória da cidade:

A minha cidade estava muito dependente do campo e o campo entrava dentro da cidade. Não calcula o que era o movimento de carros de mulas e de bois carregados de hortaliça que vinham pela Estrada de Benfica até à Praça da Figueira. Eu vivia ali na esquina e ia ver o que faziam. Uma coisa que me impressionava muito era a chegada dos pássaros aos ulmeiros da Avenida. Ao fim da tarde chegavam bandos e bandos de pardais que passavam o dia a comer nas searas dos arredores de Lisboa e vinham pernoitar nas copas das árvores. Aquele chilrear ensurdecedor anunciava a cair do dia. À noite aparecia sorrateiro um pássaro branquinho que passava à janela do quinto andar. Era a coruja a atravessar a Rua das Pretas em direção aos ulmeiros para ir papar. Os ulmeiros ainda lá estão, os pardais é que não. Desapareceram com o fim das searas. (Ribeiro Telles, cit in Soromenho, 2020, 11 nov.)

A cidade deve-lhe a conceção de alguns espaços urbanísticos de excelência, como o ordenamento paisagístico da Capela de São Jerónimo, o Parque Amália Rodrigues, o Cabeço das Rolas no Parque das Nações e, sobretudo, o parque da Fundação Calouste Gulbenkian1, elaborado em 1962, com António Viana Barreto (Prémio Valmor de 1975). Por este, devo-lhe eu, também, um canto do paraíso e o enquadramento perfeito de alguns dos melhores momentos da minha vida.

Parque da Fundação Calouste Gulbenkian

Morreu a 11 de novembro no ano de Lisboa Capital Verde.
Que os seus sonhos nos continuem a inspirar, que o eco da sua voz se faça ouvir, que Lisboa, este país e mundo se tornem verdes!

Referência:
Soromenho, A. (2020, 11 nov.) “Se podemos ser um exemplo, sem andar a chatear ninguém, ótimo”: Gonçalo Ribeiro Telles 1922-2020. Expresso. Disponível em https://expresso.pt/arquivos-expresso/2020-11-11-Se-podemos-ser-um-exemplo-sem-andar-a-chatear-ninguem-otimo-Goncalo-Ribeiro-Telles-1922-2020

  1. A Câmara Municipal de Lisboa anunciou, entretanto, uma justa homenagem: o Parque Urbano da Praça de Espanha vai chamar-se Parque Gonçalo Ribeiro Telles. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.