São Martinho, pão, castanhas e vinho

São Martinho de Tours nasceu na antiga cidade de Savaria, na província romana da Panónia, atual Hungria, em 316. Os dados da sua biografia são conhecidos a partir da Vita sancti Martini (Vida de São Martinho) escrita em 396-397 por Sulpício-Severo, um dos seus discípulos, a qual se tornou um arquétipo da hagiografia ocidental (Poulet, 1993, p. 21) onde os factos históricos se misturam com elementos lendários e mitificados1.

Caridade de São Martinho
Antoon van Dyck
Olpe, St.-Martinus-Kirche (igreja paroquial de São Martinho)

Filho de um oficial do exército romano, cresceu na região de Pavia, em Itália. Educado para seguir igualmente a vida militar, aos 15 anos, foi convocado ingressar na guarda imperial romana, com a qual viajou por todo o Império Romano do Ocidente. Convertido ao cristianismo, recebeu o batismo em 334 e, em 356, abandonou o exército.

São Martinho e o mendigo
El Greco, 1597-1599
Washington DC, National Gallery of Art

Juntou-se a Hilario de Poitiers e, no seguimento do exílio deste, viajou pela Europa e viveu algum tempo como eremita. Ao saber do regresso de Hilario, regressou a Poitiers. Nomeado diácono pelo bispo Hilario, fundou um mosteiro em Ligugé. Em 371 foi nomeado bispo de Tours. Próximo da cidade, fundou a comunidade Maius Monasterium, conhecida como Marmoutier, onde chegou a juntar cerca de 80 discípulos.

Orientou a sua vida pastoral pela evangelização e pela luta contra o paganismo e as teorias gnósticas e maniqueístas de Prisciliano. No entanto, é conhecido sobretudo pela sua generosidade e, quando Prisciliano foi detido e sentenciado de morte, intercedeu por ele junto do imperador, embora sem êxito.

Faleceu em Candes, em 397.

Caridade de São Martinho
Domenico Ghirlandaio, século XV (2.ª metade)
Florença, Oratorio San Martino

A lenda mais conhecida conta que, durante uma tempestade de neve, encontrou um mendigo enregelado e, com a espada, cortou o seu manto ao meio para o partilhar com o homem e o resguardar da chuva. No mesmo instante, abriu-se uma clareira nas nuvens e o sol quente e radioso aqueceu-os a ambos. E, nessa mesma noite, Martinho sonhou com Cristo que lhe apareceu vestido com a metade da capa que tinha entregado ao mendigo e, apontando para um grupo de anjos, disse: “Foi Martinho quem me agasalhou”.

A festa litúrgica do santo é celebrada a 11 de novembro, em pleno outono. É, portanto, época de apanha da castanha, de magustos, de prova do vinho novo e de jeropiga. Por isso, como diz o adágio popular: “No dia de São Martinho, pão, castanhas e vinho!” Leite de Vasconcelos (1938) via no magusto o vestígio de um antigo sacrifício em honra dos mortos, entre o dia de Todos-os-Santos e o dia de São Martinho, preparando as mesas com o “pão” – “Ao longo de mil anos as castanhas foram simplesmente pão” (Correia, 20019, p. 7) – para que os espíritos familiares aparecessem e se pudessem alimentar. “Em tempo de S. Martinho os magustos eram ágape festivo da gente da aldeia” Id., ib.).

A analogia entre a lenda da capa de São Martinho e a castanha é quase literal: a castanha nasce envolto numa capa, o ouriço, que, no outono, se abre e divide, deixando cair o fruto, garantindo o alimento durante o inverno.

Em dia de São Martinho, faz-se o magusto e prova-se o vinho! - Frutas do Cávado

Referências bibliográficas:
Correia, A. (2019). Ouriços de castanha: a invenção de um manjar. Penedono: Câmara Municipal.
Poulet, J-C. (Ed.). (1993). Patrimoine littéraire européen: anthologie en langue française. Bruxelles : De Boeck.
Vasconcelos, J. L. (1938). Opúsculos VII: Etnologia (parte 2). Lisboa: Imprensa Nacional.

  1. Sulpício anexou à obra biográfica de São Martinho, cartas evocativas da morte do santo e o livro Gallus, Dialogues sur les «vertus» de saint Martin, escrito em 404. Vd.: Sulpice Sévère. (2006). Gallus: Dialogues sur les «vertus» de saint Martin: Introduction, texte critique, traduction et notes de J. Fontaine. Paris: Éd. du Cerf. A informação relativa ao seu nascimento é igualmente registada na Histoire des Francs (ou Decem libros historiarum), de Grégoire de Tours: “Romanorum tricesimus quartus imperium obtinuit Constantinus, annis triginta regnans feliciter. Huius imperii anno undecimo, … beatissimus præsul Martinus apud Sabariam Pannoniæ civitatem” [Trad. livre: Constantino tornou-se o trigésimo quarto imperador dos romanos e governou alegremente por trinta anos. No décimo primeiro ano do seu reinado, o Beato Bispo São Martinho nasceu na Panónia] (livro 1, cap. 36). No entanto, Sulpício aponta, como data de nascimento, o ano 336, comummente rejeitada e que se poderá justificar pela intenção do autor de reduzir a duração da sua vida militar e diminuir a sua relevância face à vida religiosa. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search